Os nossos adolescentes precisam de psicólogos? Sim, mas há “muito poucos” perto deles – Daniel Sampaio

Maio 1, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia da TSF de 21 de fevereiro de 2019.

Joana Carvalho Reis com Sara Beatriz Monteiro

Depois de 40 anos a trabalhar com adolescentes e famílias, Daniel Sampaio insiste que a saúde mental deve ser uma prioridade nacional e que os adolescentes devem ser acompanhados nas escolas e nos centros de saúde.

O psiquiatra Daniel Sampaio defende que é urgente olhar para a saúde mental como uma prioridade. Depois de 40 anos a trabalhar com adolescentes e famílias, o especialista conclui que existem muitos profissionais competentes no setor, mas que os serviços na área da psicologia e da psiquiatria são insuficientes.

“Precisamos que os centros de saúde tenham médicos de família, psicólogos e enfermeiros que se dediquem mais à saúde mental, Nós temos muito poucos psicólogos nos centros de saúde e muito poucos enfermeiros. O médico de família não pode fazer tudo. E precisamos nas escolas também de psicólogos que trabalhem lado a lado com os professores para detetar precocemente os problemas de saúde mental dos jovens, as carências dos jovens. A pedopsiquiatria precisa de ser reforçada e a psiquiatria e a psicologia da adolescência também. Tem que ser uma prioridade a nível nacional e infelizmente não tem sido.”

Daniel Sampaio é o convidado da conferência “Parentalidade e Psicopatologia na Era da Internet”, um espaço onde vai ter oportunidade de mostrar a importância de os pais e os professores lidarem com os desafios e com as vantagens das novas formas de comunicação.

Na visão do especialista, os pais e os professores devem estar atentos ao comportamento dos jovens, utilizando a internet para estabelecerem uma comunicação mais eficiente.

“Estamos a dar atenção, mas muitas vezes de uma forma negativa, porque pais e professores estão a criticar o uso da internet pelos jovens em vez de aproveitarem esta oportunidade. Nas escolas há uma má política em relação à utilização do telemóvel, muitas vezes não há regras definidas. Umas escolas proíbem completamente, até no pátio, outras proíbem na sala de aula, outras permitem na sala de aula. Tudo isso gera ruído, gera confusão na comunicação.”

Nesse sentido, Daniel Sampaio defende que “é preciso ajudar, desde a infância, as crianças a estarem na internet com muita precaução e, sobretudo, com regras.”

 

Os nossos adolescentes precisam de psicólogos? Sim, mas há “muito poucos” perto deles

Março 25, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia da TSF de 21 de fevereiro de 2019.

Joana Carvalho Reis com Sara Beatriz Monteiro

Depois de 40 anos a trabalhar com adolescentes e famílias, Daniel Sampaio insiste que a saúde mental deve ser uma prioridade nacional e que os adolescentes devem ser acompanhados nas escolas e nos centros de saúde.

O psiquiatra Daniel Sampaio defende que é urgente olhar para a saúde mental como uma prioridade. Depois de 40 anos a trabalhar com adolescentes e famílias, o especialista conclui que existem muitos profissionais competentes no setor, mas que os serviços na área da psicologia e da psiquiatria são insuficientes.

“Precisamos que os centros de saúde tenham médicos de família, psicólogos e enfermeiros que se dediquem mais à saúde mental, Nós temos muito poucos psicólogos nos centros de saúde e muito poucos enfermeiros. O médico de família não pode fazer tudo. E precisamos nas escolas também de psicólogos que trabalhem lado a lado com os professores para detetar precocemente os problemas de saúde mental dos jovens, as carências dos jovens. A pedopsiquiatria precisa de ser reforçada e a psiquiatria e a psicologia da adolescência também. Tem que ser uma prioridade a nível nacional e infelizmente não tem sido.”

Daniel Sampaio é o convidado da conferência “Parentalidade e Psicopatologia na Era da Internet”, um espaço onde vai ter oportunidade de mostrar a importância de os pais e os professores lidarem com os desafios e com as vantagens das novas formas de comunicação.

Na visão do especialista, os pais e os professores devem estar atentos ao comportamento dos jovens, utilizando a internet para estabelecerem uma comunicação mais eficiente.

“Estamos a dar atenção, mas muitas vezes de uma forma negativa, porque pais e professores estão a criticar o uso da internet pelos jovens em vez de aproveitarem esta oportunidade. Nas escolas há uma má política em relação à utilização do telemóvel, muitas vezes não há regras definidas. Umas escolas proíbem completamente, até no pátio, outras proíbem na sala de aula, outras permitem na sala de aula. Tudo isso gera ruído, gera confusão na comunicação.”

Nesse sentido, Daniel Sampaio defende que “é preciso ajudar, desde a infância, as crianças a estarem na internet com muita precaução e, sobretudo, com regras.”

 

 

Daniel Sampaio. “Os pais não devem ver pornografia com os filhos. Tenho casos de homens que o fazem

Janeiro 2, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Entrevista de Daniel Sampaio ao i 15 de dezembro de 2018.

Aos 72 anos, o psiquiatra quer viver até aos 80 e continuar a acompanhar famílias nos anos que tem pela frente.

É no escritório de sua casa, rodeado de livros, que Daniel Sampaio nos recebe para uma conversa que passa pela omnipresença da tecnologia mas também por questões clássicas na prática de um psiquiatra, como álcool, drogas e sexo. Gatos e psiquiatria são algumas das palavras que saltam à vista nas lombadas coloridas. Com uma experiência de mais de 40 anos a acompanhar famílias, adolescentes e casais, Daniel Sampaio defende o envolvimento dos pais na vida dos filhos, mas assinala que os mais novos também têm direito à sua privacidade. E acredita que a falta de tempo de que os pais se queixam é “um falso problema”, porque o envolvimento não passa só pela presença física.

Quando fala da sua família deixa sempre transparecer uma ideia de equilíbrio, de que cresceu com regras mas que os seus pais lhe deram sempre espaço para participar. É esse equilíbrio que faz falta às famílias?

Os meus pais eram pais com muito pouco tempo. Agora ouço pais dizer que não têm tempo, mas isso é um falso problema porque o tempo entre pais e filhos é sobretudo um tempo de momentos. Nós temos é de aproveitar bem os momentos do dia com os filhos, não é preciso estarmos muitas horas, porque o convívio intimo das pessoas que vivem em conjunto proporciona vários pequenos momentos. Os meus pais trabalhavam muito, o meu pai era médico de saúde publica e foi Diretor-Geral de Saúde. Vivemos em Sintra até aos meus 15 anos – portanto infância e parte da adolescência foi passada em Sintra. O meu pai saía muito cedo, voltava tarde, e a minha mãe era explicadora particular de inglês e dava lições todo o dia. O grande contributo para a minha educação foi o aproveitar muito bem o tempo do pequeno-almoço, do final da tarde, da hora de jantar e da hora de deitar, de que eu falo no meu livro “Do Telemóvel para o Mundo”, e proponho esses tempos como tempos essenciais. Depois, o mais importante é que estimulavam muito a participação. Promoviam conversas sobretudo à hora de jantar e nos fins de semana sobre temas variados, da atualidade. O meu irmão tem mais sete anos do que eu, havia uma diferença grande de idades, mas eles conseguiam mesmo assim um equilíbrio de modo a pôr os dois filhos a participar, e isso foi muito estimulante.

Lembra-se de algum episódio em particular?

Lembro-me por exemplo de aos 12 anos, quando Humberto Delgado se candidatou à Presidência da República. Eu não sabia nada sobre Humberto Delgado, o meu irmão tinha 19 e já sabia muito, mas eu fui chamado a participar e a dar opinião sobre Salazar e sobre Humberto Delgado, e era sempre assim. Essa participação foi muito formativa e estimulante.

Referiu-se à falta de tempo como “um falso problema”. Mas a verdade é que isso é algo de que os pais se queixam cada vez mais, não é?

Sim. Os pais usam muito esse argumento, quanto a mim mal. Evidentemente que os pais que têm filhos, crianças ou adolescentes, estão numa fase muito ativa da vida profissional e do ponto de vista físico não têm muito tempo, mas há uma falsa ideia nos pais de que têm de promover conversas com os filhos e estar muitas horas a falar com eles.

Não é isso que os filhos querem?

Nas crianças e adolescentes de hoje, esse não é um bom método porque eles gostam de coisas rápidas e não gostam de estar muito tempo sentados a conversar. Portanto nós temos de aproveitar os momentos em que o pai está a fazer a barba, em que a mãe está eventualmente a preparar o pequeno-almoço ou o jantar, e os filhos podem colaborar. E é aí que pode falar-se sobre o que aconteceu na escola, sobre uma coisa que apareceu na internet, sobre um encontro que eles tiveram. Tem de haver envolvimento emocional dos pais.

Esse envolvimento tem que ver com aquela ideia de que os pais devem ser amigos dos filhos? É defensor disso?

Não sou nada defensor disso, mas sim da renovação da autoridade. O que me preocupa hoje em dia, e tenho muitas consultas sobre isso, são pais que não têm autoridade sobre os filhos, porque eventualmente foram muito camaradas, estiveram muito próximos e portanto ficaram sem autoridade. E na adolescência é preciso ter autoridade, que tem de ser construída, porque uma criança e um adolescente não aceita imediatamente a autoridade do pai e da mãe. O pai verdadeiramente sábio é o pai que conhece bem os filhos e que está próximo dos filhos e daí emana uma autoridade natural. Se eu for muito próximo de uma pessoa, posso influenciá-la. Essa construção da autoridade começa na infância. As pessoas pensam que quem mais influencia são os amigos, os professores, a internet, os namorados; tudo isso é muito importante, mas a grande influência é dos pais. Quando os pais estiveram muito envolvidos e não conseguiram essa autoridade, é natural que haja uma contestação por parte dos filhos adolescentes. Apesar de essa contestação fazer parte do crescimento, se os pais têm uma autoridade natural conseguem ultrapassar esse obstáculo.

Mas essa gestão é um bocadinho complicada, não é? Porque os pais têm de se envolver, mas ao mesmo tempo não podem envolver-se demasiado…

Têm de se envolver afetivamente e isso passa pela proximidade física, pelo carinho, pela ternura, mas passa também pelo respeito da intimidade da criança e sobretudo do adolescente. É preciso haver alguma distância. O quarto do adolescente, por exemplo – é importante que os pais respeitem esse espaço, mas não quer dizer que o filho não tenha de arrumar o quarto de vez em quando. O envolvimento passa não por muito tempo físico, mas por muita atenção, orientação, companheirismo, respeito de parte a parte. Em Portugal devia haver muito mais estruturas que apoiassem os pais, como grupos de pais nos centros de saúde, onde pudessem trocar experiências. Muitos pais pensam que é preciso mandar o filho ao psicólogo e ao psiquiatra, mas nem sempre. Estimulo muito que os pais contactem com pais que tenham filhos da mesma idade porque a troca de experiências é muito importante, o falar sobre a condição de ser pai.

Porquê psiquiatria?

No final do secundário fui muito influenciado por uma professora de filosofia, Maria Luísa Guerra, que ainda está viva e lúcida, julgo que com 92 anos. Era uma pessoa que trabalhava com o grupo dos alunos, mandou-nos fechar o livro, que era muito mau, e dava textos para discutirmos. E portanto criou ali uma dinâmica de grupo muito boa, comecei a interessar-me por psicologia, que em Portugal estava muito pouco desenvolvida. Era filho de um médico, comecei a pensar que podia ir para psiquiatria e entrei na Faculdade de Medicina sempre a pensar que ia ser psiquiatra. Achei que o psiquiatra podia ter um campo mais vasto de atuação, porque pode fazer terapêuticas medicamentosas e pode fazer psicoterapia.

Como começou a dar aulas?

Fui convidado para assistente e depois fiz a carreira toda, que passa por vários graus. Foi muito bom, mas muito difícil. Tenho muitas saudades dos alunos e tenho saudades sobretudo do tempo em que a faculdade era professores e alunos, porque infelizmente a faculdade agora é professores, alunos e burocratas, há muitas pessoas nas faculdades que se perdem a exigir declarações e relatórios. Esses foram os últimos anos da minha carreira, quanto a mim houve muito tempo perdido a fazer relatórios e justificações.

Destaca em algumas conversas o facto de ter tido um gato até aos 18 anos. Os animais fazem falta às famílias?

Tenho tido sempre gatos, toda a vida. Agora tenho uma com 14 anos. Sou completamente um cat lover. Há ali uma oferta [aponta para uma estante] que um neto me trouxe de Roma, que diz “io amo i gatti”. Gosto muito da personalidade dos gatos e da companhia que fazem, acho que o gato é como os filhos: se nós tratamos bem o gato, o gato trata-nos muito bem; se tratarmos bem o filho, com muito envolvimento, com ternura, mas também com regras – os gatos também precisam de regras – o filho gosta muito de nós. Os animais são muito bons para as crianças. É muito importante que as pessoas possam desenvolver uma relação com o animal, possam cuidar do animal – às vezes pedem por exemplo um cão aos pais e depois não se interessam por cuidar dele e é o pai que vai levar o cão à rua, e isso é pena. Dá trabalho, mas vale muito a pena.

Além do seu irmão [o ex-presidente da República Jorge Sampaio], que é mais velho sete anos, teve também outra presença mais velha com quem conviveu bastante – o cientista Filipe Duarte Santos. Ambos foram pessoas bem sucedidas desde cedo, observá-los influenciou-o de alguma forma?

É meu primo direito, do lado da minha mãe. O que eu recordo da nossa infância e adolescência é que era a nossa avó que estimulava muito o nosso convívio, dos três netos. E esse convívio foi muito importante para mim. O meu primo sempre foi cientista, desde novo. De vez em quando estava connosco, era muito novo, pegava numa folha de papel e desatava a fazer fórmulas matemáticas à nossa frente e nós não percebíamos como era possível fazer aquilo. Sempre foi uma pessoa muito avançada do ponto de vista da ciência e fico muito satisfeito que agora tenha este reconhecimento internacional em termos das alterações climáticas. Foi pioneiro e está muito bem, com 76 anos. A par do meu irmão, foi muito formativo ter duas pessoas que sempre foram boas na sua área. São duas referências para mim.

Os pais queixam-se dos filhos, os filhos queixam-se dos pais. O que está a falhar?

As pessoas queixam-se, mas não quer dizer que esteja alguma coisa a falhar. Se nós pensarmos em grande números, na maioria dos casos as famílias correm bem. As queixas são inevitáveis. A relação entre pais e filhos passa por uma separação que é inevitável. Para crescer tenho de me separar das pessoas que estão comigo, se não não consigo enfrentar o outro. Tenho de me separar e é difícil não o fazer sem conflito. Na maior parte dos casos, os conflitos são pequenos. A contestação é fundamental, ocorre sobretudo entre os 15 e os 18. A adolescência é uma época boa, apesar de as pessoas costumarem dizer que é terrível, que é a idade do armário, na maioria dos casos não é assim – é uma época de descoberta, de fazer amigos, de descobrir o amor e a sexualidade, de ter novas experiências, de viajar. Acho que se dramatiza muito as questões. Mesmo nas situações em que os pais se separam, o que é sempre muito traumático – os divórcios nunca são felizes, é sempre muito traumático para as crianças e para os adolescentes, e isso é uma coisa que às vezes se esquece – é preciso estar muito atento às consequências que isso traz sobre os filhos. Depois do divórcio, sou a favor da guarda alternada para que a criança ou jovem fique em contacto com o pai e a mãe.

Mas isso não é, de outra perspetiva, mau para a criança? Porque acaba por andar mais cansada, por exemplo.

Não. Sabe que eu tenho 40 anos de experiência, já passei por tudo, como ficarem só com a mãe e com o pai de 15 em 15 dias e jantar à quarta-feira – que durante anos foi a extraordinária decisão unânime dos tribunais, mesmo que o pai vivesse a 300 quilómetros de distância da mãe. A evolução para a guarda conjunta e residência alternada tem que ver com o facto de os pais durante muito tempo estarem privados do convívio com os filhos, porque se se está com uma criança um fim de semana de 15 em 15 dias e num jantar por semana, não se consegue desenvolver intimidade. É preciso partilhar a vida para haver envolvimento e ganhar-se autoridade e esses pais não tinham autoridade porque não tinham intimidade. A residência alternada é mais parecida com a família, porque as crianças e adolescentes têm contacto com o pai e com a mãe e adaptam-se muito bem.

As gerações mais velhas têm muito aquela ideia de que antigamente havia mais respeito, de que os jovens eram mais bem educados. Concorda?

Havia mais respeito porque havia mais distância, não é? A disciplina está ligada ao respeito, mas muito do respeito que havia em relação aos pais e professores era baseado no medo e agora esse autoritarismo já não funciona. Temos de construir o respeito, mas recíproco. É preciso que os professores respeitem os alunos para que os alunos os respeitem. É circular. O que observo mais é que há invasões do espaço de um adolescente que hoje são inadmissíveis. Não faz sentido que um pai mexa no telemóvel de um filho, não faz sentido que um pai pesquise os bolsos de um filho ou a gaveta, é uma falta de respeito. Claro que quando um filho usa um palavrão para o pai isso é falta de respeito, também. O respeito também te de ser construído.

Já exercia antes do boom da tecnologia – telemóveis, internet… Desde que a tecnologia se generalizou, as dinâmicas familiares pioraram?

Não. Estamos numa fase de transição. Apesar de o Facebook já ter 14 anos, falamos sempre de novas tecnologias – o Facebook, de resto, já é muito pouco usado pelos adolescentes, que usam mais o Instagram. Há uma evolução como houve no século XV, com a revolução na imprensa. Nos períodos de grande mudança das comunicações há adaptações e o que é interessante é que os jovens são os precursores desta nova forma de comunicar, eles vão à frente. É um território onde os pais e sobretudo os avós se mexem com mais dificuldade, mas defendo que é preciso que pais e avós estejam muito atentos e se atualizem. Eu tive de me atualizar, primeiro como médico e como escritor, mas adaptei-me também a comunicar em família. Nós temos um grupo no Whatsapp que se chama “family project” e é muito interessante porque estamos sempre a comunicar uns com os outros. Eu, a minha mulher – que é a campeã dessa forma de comunicar, está sempre em contacto com os três filhos e sete netos, menos os dois mais pequenos, que têm 7 e 8 anos. Temos cinco adolescentes e estamos sempre em contacto com eles, é permanente. É algo muito importante para a família – lá está a questão do tempo, não estamos sempre juntos e isto é extremamente positivo.

Quando se deve dar o telemóvel?

A partir dos dez anos, mas antes deve-se explicar e ir acompanhando com o tal envolvimento afetivo.

Até a criança ter telemóvel, o ver televisão – o tempo passado no ecrã – pode ser usado como ferramenta para educar para o uso futuro do telemóvel?

Exatamente, é a mesma coisa. Não se deve deixar uma criança passar muito tempo a ver televisão, como não se deve deixar depois um adolescente muitas horas no computador e no telemóvel. É uma questão que é adequada à idade, mas desde muito cedo deve-se interiorizar a regra. A educação é muito interessante: se conseguirmos fazer uma criança interiorizar uma regra, ela depois vai tomar conta dessa regra e torna-se natural. Se desde o princípio as crianças perceberem que o telemóvel, o computador, o tablet é para utilizar com tempo relativamente curto, isso vai ser interiorizado. Agora, o proibir não resulta. E a investigação é muito interessante porque já se sabe que em relação às dependências da internet sobretudo nos rapazes não funciona o castigo. Os rapazes são mais turbulentos do que as raparigas, são mais dependentes, mas justamente pelas características diferentes nos rapazes e nas raparigas, nos rapazes funciona muito melhor a persuasão e a autorregulação, ajudá-los a perceber que têm desde muito cedo de autorregular a utilização. As raparigas são mais fáceis de convencer através da retirada. Alguns pais tiram o telemóvel, escondem o telemóvel, nalguns caso até chegam a desligar a luz elétrica da casa quando tudo está sem bateria e assim impedem os filhos de carregar os aparelhos. Não faz nenhum sentido, são casos extremos, mas existem.

No fundo, nessas situações há uma transferência de autoridade.

Exatamente. Nalguns casos o que se passa é que a autoridade está invertida. São os adolescentes que mandam nos pais e isso é muito mau sinal do funcionamento da família.

Como podem os pais lidar com essa perda de autoridade?

Falando com outros pais e até procurando ajuda especializada, terapia familiar. O último livro que escrevi [”Do Telemóvel Para o Mundo”] é muito comprado pelas famílias e apareceu-me uma família com o livro todo sublinhado e com um papelinho com as regras. E o adolescente de 16 anos, que passava a vida no jogo Fortnite e no telemóvel, disse uma coisa muito interessante: “para que é que estamos a falar do telemóvel, quando nós não falamos uns com os outros?”. Ou seja, muitas vezes, o telemóvel e a internet servem um propósito, que é esconder a dificuldade que as pessoas têm de falar umas com as outras. Tem de se perceber que não se pode passar a vida a guerrear por causa do telemóvel quando o que está em causa é a dificuldade de aproximação entre pais e filhos e a gestão daquilo que é autonomia e daquilo que é controlo. Tem de haver sempre muita troca de informação entre pais e filhos. Os pais não podem controlar demasiado.

Quais são os perigos?

Esses filhos, que são superprotegidos, não se desembaraçam na escola, tenho verificado muito isto. Na escola, hoje em dia, um adolescente tem de se afirmar. Se um rapaz ou rapariga não sabe gerir a sua afinação pessoal, se mostra medo, se de alguma forma é muito diferente dos outros e não se consegue integrar, esse jovem tem problemas de relacionamento e isola-se. E aí é vitima dos outros. Esta mensagem é muito importante para os pais: “eu tenho de tornar o meu filho competente e para tornar o meu filho competente tenho de educar contra o medo, tenho desde muito cedo dizer quenão pode mostrar medo, mesmo que o sinta”. Nas situações de bullying – e de cyberbullying, através da internet – temos de pensar nos agressores e ver o que podemos fazer em relação aos jovens que fazem isso, mas temos de pensar nas vítimas também, que muitas vezes são muito tímidas e muito inseguras e não se conseguem afirmar. E aí é muito importante que a educação seja uma educação para enfrentar os outros. Muitos me dizem isto, que é difícil estar na escola, que há muitos comentários – que somos gordos, caixa de óculos. Por exemplo, as raparigas falam muito no problema do cabelo. Além dos testes, os pais devem preocupar-se com o modo como o rapaz ou a rapariga está a viver a sua relação com os outros. Temos de educar para esta afirmação pessoal.

Falou em cyberbullying. Tem acompanhado muitos casos?

Sim, bastantes. É uma das minhas preocupações neste momento. O bullying tradicional é uma coisa visível no pátio, vemos uns a baterem noutros, o cyberbullying é silencioso, de intimidação e provocação através da internet, e o que se passa muitas vezes é que o jovem que está a ser vítima desse cyberbullying está a sofrer em silêncio, não fala sobre isso a ninguém porque tem vergonha – aos amigos, aos professores, aos pais. Às vezes isso mantém-se por muito tempo e as mensagens vão-se tornando-se mais agressivas. É um tema que tem de se discutir na escola e é preciso que os pais estejam atentos, quando as crianças começam a dizer que têm dores de barriga, que não querem ir a escola, começam a chegar a casa chorosos, tristes, são sinais indiretos de que algo se passa. E aí é preciso confrontar diretamente e perguntar: “Passa-se alguma coisa com o teu telemóvel, estás a receber alguma mensagem?”. Há casos de jovens que foram submetidos a esta pressão durante muito tempo em que ninguém fez nada.

Disse que os pais não podem mexer no telemóvel do filho, mas nesse tipo de casos têm licença o fazer?

Só com autorização do filho. Sei que é muito discutível, mas a minha experiência pessoal como avô – porque na altura dos meus filhos não havia internet – e como psiquiatra, trabalhando com dezenas de jovens por semana, é um território muito íntimo e a linha vermelha é os pais não poderem entrar. Para saber o que se passa no telemóvel do meu filho em caso de risco, tenho de estar próximo dele, e isso tem que ver com a construção da autoridade e com a construção da intimidade. Se eu estou próximo, sento-me ao lado dele e digo – “olha acho que estás aflito, estás sempre a olhar para o telemóvel, passa-se alguma coisa? Vou sentar-me ao teu lado para que me possas mostrar”. O mais importante não é a mensagem em si, é ele poder dizer ao pai ou à mãe que está a receber mensagens de humilhação e provocação.

Deve haver regras quanto a horas para uso?

Sim, mas combinadas. Deve haver períodos em que não há telemóvel, aqueles que são fundamentais para a convivência em família – o acordar e partir para a escola, o pequeno-almoço tomado em casa – que muitas vezes não é -, a hora de chegar a casa e fazer os trabalhos e jantar e a hora de deitar. Não concordo por exemplo que os jovens estejam a estudar e ao mesmo tempo a receber mensagens, e aí é preciso bom senso, porque eles às vezes estudam a partir do telemóvel. E aí o pai tem de gerir, dar um tempo ao filho para estudar no telemóvel com os amigos, mas depois estudar sozinho. À hora de deitar, estar com o telemóvel torna-se um pouco complicado, porque muitos namoram a essa hora. E sabemos que o uso a essa hora perturba o sono por causa da luz, ao contrário do que eles dizem, que dizem que é muito bom porque provoca sono.

Disse que a idade certa para ter o telemóvel são os dez anos, mas nem todos os jovens têm maturidade nessa idade para ter um telemóvel.

Sim, claro, isso é uma orientação. Tem que ver com a passagem da monodocência para a pluridocência, eles passam a ter mais estímulos, vão ter um horário com menos horas, vão chegar mais cedo a casa, estão na pré-adolescência e a descobrir coisas novas. Os pais é que precisam de gerir, e não precisam de dar de início um telemóvel de último modelo. Mas devem dar um smartphone.

Se não a criança acaba por ser alvo de chacota entre os colegas, não é?

Exatamente. Tive um adolescente com 13 anos a quem os pais não davam um smartphone e ele dizia “eu tenho o telemóvel da minha bisavó, porque a minha avó já tem um smartphone, a minha bisavó é que tem um telemóvel destes”. Deve dar-se um smartphone com regras de utilização.

E se os pais se recusam a dar telemóvel e o adolescente vai para casa a dizer que todos os amigos têm, como gerir isso?

Eles fazem sempre isso. Os amigos têm sempre os melhores ténis, a t-shirt mais à moda, têm o melhor tablet, saem à noite todos os dias… isso é discurso adolescente, não é? Mas os pais aí têm de marcar a sua posição e dizer, por exemplo, que dentro de seis meses ou um ano o filho poderá ter.

Exerce há quarenta anos. Tem vindo a aperceber-se de que as crianças têm cada vez menos vontade de ganhar responsabilidade, de crescer?

Sim, completamente, mas isso deriva da educação. Uma educação que é sobretudo típica da Europa do Sul, Grécia, Itália e que é superprotetora. E a educação superprotetora dá pessoas imaturas e pessoas menos responsáveis. E eu sou muito contra isso, sou absolutamente a favor de que os adolescentes muito novos andem sozinhos na rua, utilizem o metro – se bem que agora todos querem andar de Uber – e se saibam desembaraçar. Isso de brincarem na rua, andarem na rua desde cedo e saberem safar-se de situações difíceis é extremamente importante para a maturação emocional. Isto é uma coisa que os pais devem com cuidado ir fomentando. Poder ir a pé uma parte do trajeto, poder andar de metro muito cedo, com 11 ou 12 anos podem perfeitamente desembaraçar-se desde que tenham um amigo ou andem em grupo, são coisas que os pais devem fomentar em vez desta coisa terrível e completamente paradoxal que é a criança estar a uma relativa distância de um clube onde vai fazer desporto e podia perfeitamente ir a pé e o pai vai levá-la de carro. E portanto os adolescentes veem a cidade através dos vidros dos carros dos pais. Nas grandes cidades, os pais têm muito medo – dos assaltos, dos predadores sexuais.

E então, protegem demasiado.

Exato. E prejudicam a sua vida – porque muitas vezes têm de interromper o trabalho e ir a correr para levar ao futebol e depois voltar para o trabalho e isso dá um cansaço enorme que se repercute depois ao fim do dia quando chegam a casa. A educação deve ser para a autonomia. Desde muito cedo, a criança com um ano pode começar a perceber que pode arrumar os seus brinquedos num cantinho, logo que comece a andar com dois anos já pode fazer mais coisas, com sete ou oito anos pode pôr e levantar a mesa e pode ir dormir a casa de um amigo. Todas essas coisas são muito importantes.

Tem muitos casos de jovens deprimidos?

Sim, muitos.

Mas têm vindo a aumentar?

O que tem vindo a aumentar são as perturbações de ansiedade – jovens com muita ansiedade social, que têm dificuldade em contactar com os outros, situações de fobias, de ataques de pânico. Tenho jovens muito ansiosos, com muita angústia, muita dificuldade nos testes, por exemplo. Há jovens com medos em relação à sexualidade, que têm muito medo – sobretudo os rapazes têm medo de se afirmar sexualmente, de não serem capazes de estar à altura da rapariga.

E o que podem fazer quanto a essas angústias?

Exercício físico. Sabe-se hoje em dia que o exercício físico regular é fundamental para o nosso cérebro, que com o exercício liberta substâncias calmantes. E a estes jovens, de 15, 16, 17 anos, ponho-os a correr na cidade.

E os resultados são bons?

Os resultados são espetaculares. As raparigas é mais difícil porque dizem que os homens se metem com elas quando correm, mas os rapazes não têm esse problema. Muitas vezes consigo não dar medicamentos, converso com eles, converso com os pais e ponho-os a correr, duas ou três vezes por semana, é melhor até do que o ginásio. Ficam mais satisfeitos com a sua imagem, mais calmos e de alguma forma dá-lhes bem estar psíquico para as dificuldades que têm de enfrentar.

Há quem diga que as redes sociais aproximam, há quem diga o contrário. A amizade mudou muito?

Não, os jovens saudáveis contactam muito em presença e contactam muito através das redes sociais. Estiveram a conversar com os colegas de manhã e chegam a casa e falam com os mesmos. A internet permite até que falem com amigos de outros países – isso é sobretudo importante na faculdade, quando fazem Erasmus, que é uma coisa que faz muito bem. Quanto àqueles jovens que têm dificuldade de comunicação, refugiam-se muito na comunicação virtual e temos de promover a ida dos amigos lá a casa, fomentar o desporto…

Tem uma relação longa, que começou no quarto ano da faculdade.

Tenho um casamento de 48 anos. Estamos a dois anos das bodas de ouro.

Da mesma forma que as redes sociais alteraram a amizade, mudaram também o amor? O amor ganhou com as possibilidade que a internet oferece ou perdeu?

Nunca me tinham feito essa pergunta. Está diferente, sim. Acho que o risco de infidelidade é maior, começa-se muitas vezes com uma mensagem e de repente está-se numa situação diferente. Acho que a fragilidade do elo conjugal é cada vez maior – isso é válido também para os casais do mesmo sexo, que acompanho na terapia familiar. O elo é muito frágil, porque as pessoas idealizam o amor. As pessoas gostaram muito uma da outra de início, estiveram apaixonadas, há a química do início da relação, há a grande descoberta do outro, mas isso tem curta duração, ninguém está apaixonado durante muito tempo. E depois é preciso que se construa uma relação e o mais importante para tal é reconhecer o outro e estarmos permanentemente atentos ao outro. Ou seja, eu só consigo ter uma relação profunda com a pessoa que amei, só posso continuar a amar essa pessoa, se estiver permanentemente atento ao que ela está a sentir e àquilo que ela deseja. E a outra pessoa a mesma coisa em relação a mim. Outro dia disse isto a um jovem adulto que vive com a namorada, tem 30 anos, e ele disse “mas isso dá imenso trabalho”. E eu respondi “imenso trabalho”. E o que se passa neste momento é que as pessoas são muito narcísicas, estão muito viradas para si próprias, para o seu êxito pessoal, para o seu bem estar físico – há muito investimento no próprio corpo, os ginásios estão cheios de pessoas para tirar a barriga. Este investimento na própria pessoa dá pouco espaço emocional para o investimento no outro.

A par das redes sociais, os pais continuam a ter preocupações clássicas como o tabaco, o álcool, a droga, o sexo. O que os assusta mais nestas questões?

O que assusta mais, em geral, é a perda de controlo dos pais em relação aos filhos, que pode levar a uma perda de controlo dos filhos. Os pais a certa altura percebem que não podem continuar a controlar, e isso é bom, mas têm de continuar a acompanhar, e como vimos às vezes há dificuldade nessa questão. Ou seja, eu tenho de ir controlando, mas ao mesmo tempo tenho de promover autonomia e esse equilíbrio é muito difícil, sobretudo nas famílias em que as pessoas não falam umas com as outras. É muito frequente que eles comecem a beber aos 15 ou 16 anos, mas ao contrário do que se ouve na televisão, muito poucos ficam alcoólicos. E é preciso passar essa mensagem. “Tens de ter cuidado com o que bebes, mas não é uma catástrofe se beberes aos 16 anos. Tens de beber com moderação e ao mesmo tempo tens de beber agua, para evitar desidratação. Quando vais sair à noite e sais de casa à meia noite, deves comer antes de sair, porque com o estômago cheio o álcool faz menos efeito.” São várias mensagens que se devem ter para evitar essas coisas mais graves, como o coma alcoólico, não se deve é dramatizar.

E as drogas?

O mesmo em relação à experimentação de drogas. Sou absolutamente contra a canábis, como psiquiatra, vi muitos jovens que desencadearam psicoses por causa do uso sistemático da canábis. É uma droga perigosa que tem consequências graves sobre o cérebro dos nossos adolescentes, que é um cérebro em formação e devem dizer não às drogas. Mas, se por acaso experimentarem, não quer dizer que venham a ser toxicodependentes, como os pais me dizem. “Ah, é um drogado”, não é, essa mensagem é terrível. Se experimentou, é uma coisa, se está a consumir todas as semanas é outra coisa, se está a consumir todos os dias já é muito mais grave. E temos de perceber qual é o significado do consumo, porque a canábis serve um propósito – muitas vezes é usada por causa da ansiedade, porque é calmante de início.

E quanto ao sexo, como devem os pais por exemplo lidar com a clássica situação de apanhar um filho a ver pornografia?

Mais de 90% dos rapazes veem pornografia. Muito mais do que as raparigas. É uma coisa que deve ser valorizada sobretudo pelas consequências negativas que pode ter. O que se passa muitas vezes com alguns rapazes que veem muita pornografia é que pensam que a vida sexual das pessoas é aquilo que veem no telemóvel e portanto fazem uma ideia da vida sexual que não corresponde à realidade das pessoas com quem estão e das raparigas com quem se vão cruzar. E os pais não devem ver pornografia com o filhos.

Tem casos desses?

Sim, casos de homens que veem com os filhos. Acham tudo muito natural.

Mas isso é levar a questão a um extremo pouco saudável, não é?

Claro. E tenho também pais que fumam haxixe com os filhos. É o pai camarada. “Já que sou camarada dos meus filhos, posso fumar ganzas com eles, e porque não também ver pornografia com eles?”. Tenho casos assim e não é um ou dois. E eu digo logo que isso não se pode fazer. Mas quanto à pornografia, os pais devem falar sobre isso. Devem dizer que não corresponde à vida normal das pessoas e por outro lado é um negócio que explora o corpo da mulher e do homem e não é uma coisa saudável. Mas faz parte de um percurso, claro que depois quando arranjam namorada deixam de ver. Deve ser falado na escola e em casa sem constrangimentos. Eu passei a falar da questão da pornografia nas consultas, porque eles ficam aliviadíssimos, porque veem às escondidas dos pais. Noutro dia perguntei a um rapaz de 17 anos se de vez em quando via pornografia e a resposta foi “vejo todos os dias”, e a partir daí começámos a falar. Curiosamente este rapaz tem muita dificuldade na interação com as raparigas, e a pornografia prejudica a interação.

A educação sexual devia ter um papel nisso, não é?

Sim. É lamentável. Fez-se um esforço enorme entre 2005 e 2009 para se pôr educação sexual nas escolas, estive nisso, criou-se um grupo de trabalho e uma lei de educação sexual. Entre 2009 e 2018, houve um desinvestimento. É uma pena, porque educação sexual permite falar de tudo. Não é só falar do preservativo e da pila. Também é, mas o mais importante é que se fala de educação – respeito homem-mulher, respeito das minorias sexuais, afetos e emoções ligados à sexualidade. Quando há educação sexual as pessoas iniciam a vida sexual mais tarde, porque percebem que é um momento muito importante na vida.

Acha que as crianças e os jovens passam muito tempo na escola? Muitas vezes o que acontece é que perdem fins-de-semana a fio, por exemplo, para estudar. É sensato?

Isso acontece sobretudo com aqueles que querem ter boas notas no secundário para entrar na faculdade. Acho que a escola tem um horário excessivo, passam muito tempo na escola, sobretudo os mais novos. Mas o que me impressiona mais é que a escola é muito pouco caritativa, é muito semelhante à escola do meu tempo. Tenho netos no Pedro Nunes, onde eu andei, e as histórias que me contam de professores a falar durante 90 minutos são muito semelhantes às minhas, mas no meu tempo eram 50 minutos. A escola não evoluiu em termos de metodologia de ensino, o ensino continua muito dependente do professor, com muito pouco trabalho de grupo e muito pouco interativo. Ao contrário dos estudantes e da sua vida, que é muito interativa. E depois querem que estejam 90 minutos numa cadeira a ouvir os professores. A escola de hoje é um confronto entre professores e alunos, muitas aulas não são dadas por indisciplina.

Disse que acompanha também casais homossexuais. Uma criança que cresce dois pais ou duas mães é prejudicada?

Não. Não vejo nenhum problema nisso e a criança não se torna homossexual por isso, desde que esse casal tenha a preocupação de se dar com pessoas de outro sexo para que a criança possa diversificar as suas relações. Crianças educadas por casais do mesmo sexo não têm mais problemas do que as outras nem se tornam homossexuais, isso são receios das pessoas. O percurso para a aceitação da homossexualidade não é um percurso fácil, às vezes ouve-se que determinada pessoa “optou” por ser homossexual, isso não existe. As pessoas não optam, não é uma opção. A partir do momento em que uma pessoa aceita a sua homossexualidade e vive com uma pessoa do mesmo sexo, não vejo nenhum problema em que a pessoa adote uma criança. Aliás, eu fui das pessoas que falou logo a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo e tenho acompanhado vários casais.

Esses casais têm problemas semelhantes aos dos casais homossexuais?

Os problemas são exatamente os mesmos. São problemas de comunicação, de fidelidade, das redes sociais, da sexualidade. Tem que ver com partilhar a vida. é difícil partilhar a vida com uma pessoa, mas é mais difícil estar sozinho. As pessoas sozinhas têm muito mais doença mental e são mais infelizes, apesar de os casais se queixarem. As pessoas sozinhas sentem uma grande solidão e um grande desejo de encontrar a pessoa certa. Vejo isso em pessoas hetero e homossexuais.

Como é que vê a saúde em Portugal hoje em dia? Estamos a atravessar uma greve prolongada dos enfermeiros que põe em causa cirurgias programadas e, em alguns casos, a vida das pessoas.

Acho completamente inaceitável. As pessoas que a promovem deviam ponderar,  apesar de terem razões para reivindicar, porque estão vidas em jogor. Quem trabalhou 40 anos num hospital como eu sabe como é difícil ter cirurgiões e anestesistas disponíveis no SNS para fazer as operações programadas. Mas acho que o SNS funciona de uma maneira geral bastante bem, exceto na psiquiatria e saúde mental, onde há muitas lacunas.

Integrou a comissão de acompanhamento de apoio psicológico às vítimas dos incêndios. Como estavam aquelas pessoas que de repente perderam tudo?

Destaco que as vítimas tiveram um apoio muitíssimo bom. Na zona de Pedrógão havia uma equipa de saúde mental comunitária que partiu do serviço de psiquiatria dos hospitais universitários de Coimbra. Num ano, essa equipa realizou três mil consultas. A situação foi altamente traumática, as pessoas perderam familiares, mas podemos dizer que não houve casos de doença mental grave nas pessoas que ficaram. Não houve suicídios e houve muito poucos internamentos .

Há coisas que independentemente da tecnologia nunca vão mudar?

Sim. a relação entre pais e filhos e as questões de amor nunca vão mudar, são eternas. Têm novas facetas, mas os problemas são os mesmos. Na adolescência falamos de coisas que não existiam há 10 ou 20 anos, mas no fundo estamos a falar da mesma coisa: como educar. A mensagem principal é que não há felicidade maior do que amar e ser amado. Digo isto a pessoas que estão no auge da carreira, que querem fazer muitas coisas e trabalham das nove da manhã às dez da noite e depois não conseguem ter relações afetivas. Digo-lhes que a carreira é importante, mas também é importante estar com a pessoa amada. Na minha experiência, o mais importante é ter uma família e sentir-me amado, apesar da carreira que tive.

Chegou ao topo da carreira médica e da docência, tem uma família preenchida. O que lhe falta fazer?

Numa outra entrevista disse que queria chegar aos oitenta anos e uma doente minha perguntou-me: “só aos 80?”. Mas partindo do princípio que me faltam oito anos, quero dedicar os últimos anos da minha vida à relação entre pais e filhos.

Os 80 anos é por algum motivo em especial?

É simbólico, é um número redondo.

 

 

 

Daniel Sampaio: “Vivemos uma espécie de Big Brother familiar, todos a vigiarem-se uns aos outros”

Junho 4, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Entrevista do Observador a Daniel Sampaio no dia 22 de maio de 2018.

Ana Kotowicz

Pornografia, sexo, álcool, saídas à noite. As maiores preocupações dos pais estão no livro de Daniel Sampaio, no qual pede aos adultos que repensem a forma de comunicar com os filhos adolescentes.

“Deixe-me contar-lhe uma história curiosa…” Daniel Sampaio, que já a seguir nos vai falar sobre O homem que matou Liberty Valance, abriu-nos a porta de sua casa para conversarmos sobre o seu mais recente livro, “Do telemóvel para o mundo: pais e adolescentes no tempo da internet”. O título, como se vê, é auto-explicativo.

Ao longo da conversa, vai partilhando vários episódios do seu dia a dia, embora dizendo que não valem a pena ser referidos nesta entrevista. Este é um deles: “Ontem à noite vi um filme antigo, gosto muito de ver filmes antigos, e entrava o Lee Marvin, um ator de filmes duros. E eu lembrei-me de uma cena de outro filme em que o Lee Marvin atira um café a ferver para cima da namorada e ela aparece com uma cicatriz. Aquilo impressionou-me muito quando vi. Andei à procura na internet e descobri o nome da atriz e o filme onde isso se tinha passado. Isto é uma coisa maravilhosa, é uma recordação minha, antiga. O filme é de Fritz Lang, um filme muito antigo, e eu jamais encontraria esta cena numa enciclopédia de cinema.”

Com este exemplo, o professor de psiquiatria jubilado, de 71 anos, quer exemplificar aquilo que tenta dizer aos pais dos adolescentes no seu 27.º livro: as vantagens da internet superam largamente os riscos. Riscos, como diz, existem em todo o lado, “até quando usamos uma faca”. Frontalmente contra que as famílias se espiem na internet, defende que o importante é saber utilizar esta tecnologia e não deixar que ela se torne motivo de conflito. “Sabe… tenho consultas que nada têm a ver com psiquiatria. As pessoas não estão doentes, estão só a gerir mal a comunicação na família”, diz, sentado no sofá do seu escritório em casa, ao mesmo tempo que faz questão de lembrar que é psiquiatra e não psicólogo. Pelos últimos tem muito respeito, é até a profissão do seu filho, mas ele, Daniel Sampaio é psiquiatra com muito orgulho.

Do seu lado esquerdo vê-se um quadro do surrealista português Raúl Perez que mais tarde irá sugerir ao fotógrafo que aproveite para o enquadramento do seu retrato. “Já sei que o escritório tem pouca luz e que o espaço é pequeno. Também já sei que pestanejo muito. Mas não quer aproveitar este quadro? É surrealista, é lindo, é a melhor peça que tenho cá em casa.” Quanto ao início da conversa, e ao duro Lee Marvin, também nós fomos à internet. O filme de Fritz Lang, de 1953, chama-se Corrupção (Big Heat) e a namorada é Gloria Grahame. A partir daqui, a conversa começa e acaba nos telemóveis e na Galáxia Internet.

Posso deixar aqui o telemóvel? O meu colega fotógrafo vai avisar quando estiver próximo de nós.
Claro que sim. O meu está aqui [diz, pondo a mão no bolso]. Os telemóveis hoje fazem parte de nós, vão connosco para todo o lado.

Nem de propósito, é mesmo sobre telemóveis que vamos falar.
Vamos lá, então.

Nós, como diz, andamos sempre com o telemóvel atrás. Mas como é que devemos agir quando os miúdos nos começam a pedir o telefone?
Quando as crianças começam a exigir — e a palavra é mesmo exigir — é importante que nos sentemos ao lado deles a dizer desde muito cedo: “O que é que estás a ver?”, “Como é que estás a jogar este jogo?”, “Olha que não deves estar muito tempo com esse jogo, vamos interromper, vamos jogar um jogo de tabuleiro, vamos para a rua”. É importante introduzir a ideia de que o telemóvel é para usar durante um curto período de tempo. Mas se deixarmos uma criança sozinha com um tablet como vemos hoje, enquanto os adultos vão fazer outra coisa, passamos a mensagem errada. Hoje estive com uma pessoa que me disse que uma criança com um ano já tem uma grande apetência para pedir o telemóvel. E os pais dão-lho porque para eles o telemóvel é completamente banal. Nós adultos estamos sempre com o telemóvel.

Estamos a falar de crianças de 5, 6, 7 anos?
Ou menos, mesmo com 4! Se observar nos restaurantes, é muito frequente ver crianças de 4 anos com um ipad na mão enquanto os pais ou estão no telemóvel ou estão a comer, não é?

Ainda há dias assisti a isso. Era uma criança que teria uns dois anos, no máximo, e a mãe ainda antes de vir a refeição, preparou o tablet com uns desenhos animados e durante todo o tempo em que esteve a dar de comer à criança, ela esteve a ver o que se passava no tablet.
Seguramente que isso se passa em casa também. Temos de evitar que a criança se habitue a estar a fazer outras coisas enquanto está no tablet. Temos de evitar que ele seja utilizado como uma ama eletrónica. O que estamos a pedir é que seja o dispositivo a tomar conta da criança.

Às vezes, os pais estão desesperados…
Sim, claro, se for por um curto período não tem qualquer problema. Aliás, não há qualquer problema na utilização do telemóvel se tivermos a ideia de que tem de ser um curto período de tempo e de que aquelas horas de que eu falo no livro, que são horas fundamentais para os jovens e a família, sejam preservadas: a hora do pequeno-almoço, a hora de chegar a casa, a hora de jantar e a hora de deitar. Depois pode haver muita abertura… Mas é importante perceber que é preciso ensinar a fazer uma boa utilização quando se dá um telemóvel a uma criança de 10 anos.

“Uma criança com um telemóvel antiquado vai ser alvo de piadas”

É essa a idade certa para a criança ter o seu primeiro telemóvel?
É a altura que eu acho que é adequada. Mas deve dar-se um smartphone, não se deve dar um telemóvel de teclas, porque isso vai fazer com que sejam gozados na escola. Temos de perceber que se damos um telemóvel antiquado a uma criança de dez anos, que até poderia ser adequado para a idade, ela é automaticamente alvo de piadas na escola.

Mas a pedagogia do telemóvel não pode começar só aos 10 anos, pois não?
Não. A pedagogia do ecrã começa com a televisão. Os adolescentes não vêem televisão praticamente nenhuma e se precisarem vêem no telefone. Mas as crianças vêem. Podemos começar a pedagogia do ecrã desde muito cedo para que elas saibam ver televisão moderadamente e para, mais tarde, quando entrarem em contacto com o computador e o telemóvel, também os saberem utilizar de uma forma correta.

A televisão pode então ser uma preparação para mais tarde saberem usar um telemóvel?
É essa a ideia.

E o que devem os pais fazer nessa altura?
Restringir o tempo. No livro, tenho a certa altura uma proposta que não é minha, é do Serge Tisseron [psicanalista], sobre a utilização dos ecrãs. Eles começam com desenhos animados na televisão. Devem ver durante um curto período e não estar muito tempo a ver televisão para criar, desde logo, a ideia de que qualquer visionamento tem de ter uma regra de utilização. O que é fundamental é criar nas crianças e nos jovens a ideia de uma boa utilização. A internet é uma coisa maravilhosa se for bem utilizada.

A internet tem esse lado óptimo, um estudante pode ver uma palestra que se está a passar do outro lado do mundo e já ninguém procura enciclopédias de papel.
Isso é muito importante. Tenho ali uma Enciclopédia Larousse, muito boa, mas que já ninguém utiliza. A internet tem esta coisa maravilhosa, abre para o mundo, permite aumentar o conhecimento, marcar uma viagem, marcar um restaurante, um encontro amoroso… Sou contra que se diga que a internet é uma coisa má. Tem riscos, mas qualquer coisa tem riscos. Uma faca pode ter riscos. É preciso é interiorizarmos esta ideia, desde muito cedo, de que a internet onde eles todos vão viver é uma coisa extremamente positiva, desde que bem utilizada.

É uma porta para o mundo, como diz no livro?
Essa é a perspetiva que tem de ser dada. Porque, se não é trabalhada na infância, transforma-se num instrumento de poder de filhos contra pais. Depois os pais têm necessidade de repor o poder na família e vivemos uma espécie de Big Brother familiar, o Orwelliano, no sentido do livro “1984”, não no sentido da TVI. Tudo a vigiar-se uns aos outros.

Vê isso acontecer nas famílias, essa vigilância excessiva?
O que se passa em algumas famílias é muito preocupante: é a entrada nos telemóveis dos filhos, a vigilância constante do computador de casa, o tal Big Brother Orwelliano. E esse é o principal motivo para não haver confiança entre pais e filhos, porque as pessoas passam a vida a vigiar-se umas às outras. Há casais que também se espiam no telemóvel. Mas quando os pais entram no telemóvel dos filhos, depois ficam prisioneiros por que não podem confessar que o fizeram. Descobriram coisas que não gostaram.

E depois o que é que os pais fazem com a informação que recolheram dos telemóveis dos filhos? 
Não conseguem fazer nada. Esta semana tive uma consulta onde estava um rapaz de 14 anos que frequentava sites pornográficos — muito frequente nestas idades — e o pai marcou uma consulta para lhe poder dizer que estava a espiar o telemóvel. A consulta foi muito difícil, porque o filho tomou consciência de que o pai andava a entrar-lhe no telemóvel e ficou extremamente zangado. Tive de trabalhar o conflito, porque o pai ficou preso à sua informação.

Então como é que se pode fazer de outra forma?
Através da confiança. Através de o pai e a mãe estarem habituados a partilhar o mais possível aquilo que os filhos fazem nos ecrãs. Claro que há sempre uma zona que os filhos não vão partilhar, mas se houver algum problema significativo, o filho que está habituado a partilhar os problemas com os pais desde o princípio vai fazê-lo.

“Quando os filhos sabem mais do que os pais, o poder na família é abalado”

Diz-nos no livro que, pela primeira vez, e falando dos telemóveis, os filhos sabem mais do que os pais. Isto cria conflitos na família?
Esse é um ponto fundamental. Escrevi este livro porque sei que há muitos conflitos na família a propósito da internet e do telemóvel. Foi o ponto de partida. Ao longo da história, as gerações mais velhas sempre tiveram maior experiência de vida e souberam mais do que os filhos em praticamente todas as circunstâncias. Pela primeira vez com estas novas tecnologias — que não são tão novas assim, mas continuamos a chamá-las novas — os filhos têm um conhecimento maior de que os pais, sabem mais. Isso faz com que a situação de poder na família, que deve estar sempre do lado dos pais, seja abalada. Donde, uma advertência dos pais aos filhos é rejeitado com a expressão “não sabes nada disto”. E é mesmo esta a expressão que se usa. Não sabes nada disso. Isto gera um desequilíbrio de poder que tem sido fonte de conflitos.

E os pais estão preparados para esta inversão de papéis?
Os pais estão a preparar-se, sobretudo os mais novos. Os pais das crianças estão mais preparados e há uma grande diferença entre eles e os pais dos adolescentes, que têm 45 anos aproximadamente. O que está a acontecer é que a partir dos conflitos de utilização do telemóvel, começam a surgir outros problemas na família que têm a ver com a intimidade, com a privacidade, com a gestão da hora do sono, com a relação com os amigos… Problemas que foram levantados por uma situação que devia ser banal na família e que é a autoregulação da internet.

Está a fazer uma diferenciação entre pais de adolescentes e de crianças. O nível de problemas tem também a ver com o conhecimento que os próprios pais têm das tecnologias?
Claro. Os pais mais novos têm mais experiência, mais conhecimento, estão mais à-vontade e isso facilita. Os pais das crianças atuais estão mais alerta para o problema e quando esses filhos chegarem à adolescência poderão gerir melhor a situação. Muitas vezes o que aconteceu foi que os pais não fizeram nada durante a infância, deram o telemóvel aos filhos aos 10 anos, e continuaram sem fazer nada. Depois surgem os problemas.

Se não os ensinamos a pôr a roupa suja no cesto quando têm 5 anos, não vão passar a fazê-lo só porque um dia fizeram 15 anos. É isso?
Sim, como a história da cadeira que quase todos têm no quarto, onde deixam a camisa usada para vestir noutro dia. Um dia vou escrever sobre isso. Esta regra tem de ser explicada na infância, que a roupa não fica atirada, tem de ser arrumada. Ou seja, uma adolescência saudável ganha-se na infância. É muito importante passar essa mensagem. As pessoas dizem: “Não deu problema nenhum na infância, mas agora está a dar.” É verdade, mas na infância os pais tinham uma grande possibilidade, um grande poder sobre a criança. Depois perdem poder, perdem autoridade. Se as regras não estão interiorizadas, é muito mais difícil na adolescência conseguir isso.

Ou seja, os pais não podem esperar que um dia os jovens passem a respeitar regras que nunca lhes ensinaram na infância. É isso que quer dizer?
Sim, sim. Há outra coisa a propósito disso. É a ideia de que a adolescência é uma fase em que vai haver muitos problemas, mas vai passar. Essa é uma ideia errada. A adolescência, de facto, tem problemas, mas se não tivermos uma intervenção nos problemas, não vai passar. Pelo contrário, vai-se agravar. Como sabemos que a adolescência se prolonga, muitas pessoas chegam à idade adulta com problemas que podiam ter sido resolvidos antes. Deve-se intervir. Os pais devem ter uma atitude muito presente, bastante assertiva, com envolvimento. E isso é muito mais fácil se tiver havido essa relação na infância.

No livro usa a imagem de que os pais devem ir sentados no banco de trás do carro durante a adolescência dos filhos.
É uma metáfora que funciona bem. Primeiro, os pais devem conduzir o carro, depois devem passar para o lado do volante quando ele fizer 18 anos e começar a conduzir, e depois devem ir no banco de trás. Significa que temos sempre de acompanhar a vida dos filhos, mas que o controlo que vamos exercer é menor à medida que eles vão avançando na idade. Os pais nunca podem achar que os filhos podem estar sozinhos — aquilo a que eu chamo a educação indulgente, que é deixar fazer tudo, não haver vigilância nenhuma —, mas também tem de haver envolvimento afetivo.

A tal parentalidade construtiva de que fala?
Quando introduzo o tema da parentalidade construtiva, que é baseado em muitos estudos, não quis maçar o leitor com muita informação, mas há dados consistentes que dizem que se os pais tiverem uma atitude com autoridade, sem autoritarismo, e ao mesmo tempo estiverem envolvidos afetivamente, se partilharem a vida dos filhos, se forem acompanhando, se se interessarem, esta parentalidade é mais eficaz e funciona como modelo. É muito provável que esses filhos quando forem pais tenham esse modelo apreendido. Se os pais forem muito autoritários, ou pelo contrário muito permissivos, é muito pouco provável que funcione.

Aliás, diz isso no livro, que o tipo de parentalidade que exercemos influencia de forma determinante a adolescência.
Não é só os anos da adolescência. Há estudos que dizem que influencia também as gerações seguintes, porque esse modelo, apreendido pelo adolescente, vai ser posto em prática quando ele, mais tarde, for pai ou mãe.

“É utópico pensar que um rapaz de 16 anos não vai beber”

Até porque quando somos pais acabamos por ir buscar memórias de que não nos lembrávamos há anos, não é?
Começando logo pelo parto. As mulheres lembram-se sempre das suas mães na altura do parto, é muito frequente. E quando não têm uma boa relação com a mãe é mais difícil. Os avós também são cada vez mais importantes, vivem mais tempo, têm mais saúde e há muitos divórcios. É um papel muito significativo, como o dos padrastos e das madrastas, a quem se deve tirar a carga negativa, porque em muitos casos são extremamente importantes e positivos para os adolescentes. O importante é ter adultos disponíveis por perto dos adolescentes. As pessoas pensam que os jovens não gostam de falar com adultos e isso não é verdade. Os jovens gostam de falar entre si, mas gostam de ter momentos com os adultos.

Por falar na conversa com os adultos, no livro diz que não faz sentido estar a maçar os adolescentes com conversas muito longas…
As chamadas conversas à séria… Foi um amigo do meu neto que me inspirou, tem 18 anos. Ele dizia: “Eu ficava logo nervoso quando os meus pais diziam que íamos ter uma conversa séria.” Sobretudo no campo da sexualidade. Daí a pequena conversa: um pequeno acontecimento de vida que é comentado, uma série que se está a ver e que serve para uma pequena conversa. Quando a filha fala dos amigos e diz, por exemplo, a Carolina está grávida… Bom, isto é uma mensagem que quer dizer que ela própria está a iniciar a vida sexual e que está com esse problema. Temos de captar essas mensagens e usar esses momentos em vez daquela coisa antiga, que alguns pais ainda tentam, que é ter uma conversa muito a sério sobre a pílula ou as drogas. Nada disso funciona. Funciona a pequena coisa. “Vais sair à noite, já sei que vais beber. Mas o que deves fazer em relação ao beber? Beber pouca quantidade, beberes água e comeres antes de sair.” São três coisas fundamentais.

E isso chega?
Não chega, porque há excessos. Não digo que isto, do álcool, não é um problema. Mas é mal abordado. Para já, a grande maioria dos jovens não se vai tornar alcoólico como às vezes oiço dizer. Eles bebem em excesso e isso não é bom, mas é preciso desdramatizar o consumo e dar-lhes regras de utilização. É utópico pensar que um rapaz de 16 anos vai sair à noite e não vai beber. Se o pai lhe diz para não beber, perde autoridade. É preferível não dizer. O que deve fazer é ensinar-lhe as regras fundamentais: comer, não ter o estômago vazio, beber água, beber com moderação e não misturar as bebidas. Quando o adolescente está a sair e vai cheio daquele entusiasmo é preciso lembrar estas regras.

Essa pequena conversa funciona melhor do que sentá-los para a conversa séria?
Funciona melhor do que a dos perigos do álcool, dos jovens que acabam na esquadra ou em coma alcoólico. Eles já sabem isso tudo. O que é preciso é saber beber.

Esse estilo de conversa passa também por falar com os filhos através de mensagens ou WhatsApp?
O mais possível. É uma ferramenta que é extremamente importante e que é a comunicação instantânea. Sem ter a preocupação de estar sempre a controlar, mas ter alguma noção de onde eles estão e o que estão a fazer. Em relação aos meus netos, que me introduziram no WhatsApp, foi muito bom. Mas disseram-me: “Instagram não, avô. Não é para ti.” Mas o WhatsApp é muito bom porque podemos comunicar.

E se calhar os adolescentes respondem mais depressa a uma mensagem do que a 4, 5 ou 6 telefonemas, não é?
Completamente. Eles não gostam muito de falar ao telefone, a não ser quando namoram. Eles próprios comunicam muito rapidamente. Eles não gostam de conversas prolongadas. E os pais, a falar com eles, dizem: “Como foi a escola? Já lanchaste? Trouxeste o caderno? Ligaste à avó?” E eles respondem com monossílabos: “Sim, pai, sim, mãe.”

É o nagging de que fala no livro?
nagging é o ralhar persistente. É muito importante deixá-los descontrair um bocadinho quando chegam a casa e isso pode passar pela ida ao computador, ao telemóvel e à internet. Não faz mal nenhum. Não se deve começar logo a dizer tens de estudar, tens teste amanhã, vai tomar banho… Este tipo de persistência, o nagging, nos jovens de hoje que são mais cientes dos seus direitos, vai provocar uma contra-reação.

Essa é uma das grandes angústias dos pais de adolescentes, a perda do controle?
Sim, é o grande problema. Antes, quando os filhos ficavam na casa de um amigo, era muito fácil saber o que se passava. Telefonava-se à mãe do amigo. Hoje, o mundo é diferente, é a tal Galáxia Internet do Manuel Castells [sociólogo espanhol]. Os pais não sabem o que se passa: se eles estão a ver pornografia, se estão num site perigoso, se estão a dar elementos de identificação a um estranho… Há novos riscos, mas eles só se podem obviar com confiança.

“A confiança nas famílias é mais importante do que o diálogo”

A confiança é fundamental no mundo de hoje?
É, é a palavra-chave. A confiança nas famílias é mais importante do que o diálogo. Se vir os meus livros anteriores, eu falava muito no diálogo. O que tenho vindo a perceber é que a palavra-chave, neste momento, é a confiança. Tem de haver confiança entre as gerações. Por isso é que sou completamente contra que se espie o telemóvel, ou que se entre no quarto de um adolescente sem bater à porta. É preciso que os pais se habituem a conceder alguma privacidade, mas também é importante os filhos perceberem que estão numa casa de família e têm de ter respeito pelas convicções dos pais. Eles têm de ter o seu território privado, que é o seu quarto, mas o quarto não está fechado em relação ao que se passa à volta.

Mas os adolescentes são desconfiados por natureza…
São desconfiados porque têm muito receio de ser controlados. E quando temos só a perspetiva do controlo, sem envolvimento, o controlo torna-se excessivo e eles ficam muito preocupados com isso. Por isso é que digo sempre que é preciso tender para a autonomia. E como se vence a desconfiança? Com confiança. Parece uma coisa de La Palice, mas é verdade. Se temos uma relação de abertura — há coisas que nos vão sempre escapar como pais — mas, de uma forma geral, as coisas correm bem.

Estes pais que agora vão espreitar os telemóveis dos filhos são os mesmos que há uns anos não gostavam que as mães lhes fossem ler os diários…
Não tinha pensado nisso, mas sim, é o correspondente. Lembra-se que os diários tinham uma chave? Uns livrinhos muito bonitos, mais para as raparigas do que para os rapazes, mas tinham essa pequena chave que depois se escondia. É a mesma coisa. Havia mães que às vezes até tentavam arrombar a fechadura. É a mesma coisa, mas muito ampliada porque a internet é uma coisa muito constante.

Faz sentido sermos amigos dos nossos filhos nas redes sociais?
Acho que se pode ser amigo, mas sem ter a preocupação de controlo excessivo. Por outro lado, toda a excessiva camaradagem entre pais e filhos não é uma coisa boa, é preciso saber-se separar o que é ser pai do que é ser pai camarada. No livro conto a história de um pai que fumava charros ao pé do filho. Isso é o pai camarada e o pai camarada perde autoridade. Não é suposto sermos amigos dos nossos filhos, somos pais. Evidente que há pais amigos, mas não somos os amigos deles. A partir dos anos 1980, as gerações tornaram-se mais próximas e os pais de hoje — o Eduardo Sá diz isso e eu concordo — são muito próximos dos filhos. Isso é muito bom do ponto de vista dos afetos. Mas há o reverso, o excesso de camaradagem com a respetiva perda de autoridade. E é preciso recuperar a autoridade, mas não passa pelo regresso do não… não é isso. O caminho é a confiança e caminhar lado a lado com os filhos desde a infância.

Mas é preciso dizer não de vez em quando?
É preciso dizer não muitas vezes, mas tem muito mais força dizer não se se tiver uma relação de confiança com os filhos.

Em relação aos pais que são amigos dos seus filhos nas redes sociais, temos de pensar bem nos comentários que fazemos?
Claro que sim. Não se deve fazer comentários, devemos evitá-los, tal como as imagens que podem ser contestadas mais tarde. É preciso muita prudência com as imagens que se põem dos nossos filhos. As que parecem muito adequadas e fáceis na infância podem, mais tarde, ser detestadas. Conto-lhe um exemplo: um pai disse-me que estava radiante porque conseguiu que o filho de 7 anos fosse fotografado ao lado dos jogadores do Benfica, e perguntou-me se devia pôr no Facebook. Eu disse para não pôr. Ele vai achar maravilhoso agora, mas se calhar aos 14 ou 15 anos pode não gostar dessa imagem. Tire antes a fotografia e partilhe através do telemóvel com as pessoas amigas. Se põe no Facebook fica uma marca para sempre.

E nós não temos isso, mas os nossos filhos vão ter uma pegada digital desde o dia em que nascem.
Sabe que agora quando vão a uma festa de anos e sabem as pessoas que lá estão, a primeira coisa que vão fazer é ver o perfil dessa pessoas na redes sociais? Quando vão a uma seleção para uma entrevista de emprego, a primeira coisa que o empregador vai saber é o que consta na internet sobre essa pessoa. Descobrem-se coisas que depois não são boas paras as pessoas.

É difícil ser pai de um adolescente e ter de lidar com tantas preocupações e cuidados e alertas…
A adolescência é uma época difícil por definição. Nunca disse que é fácil, o que eu proponho e torná-la mais fácil e divertida. Não temos de ter aquela ideia de que é uma época trágica e de crise. Mas é difícil. É muito mais fácil ter as crianças com 5, 6, 7 anos. Um pai de um adolescente está permanentemente preocupado. Tem é de compensar a preocupação com as coisas positivas que tem a adolescência.

“Os adolescentes sempre viram pornografia, agora o acesso é mais fácil”

Falta-nos falar da questão da pornografia.
Adoro o tema. Adoro porque temos de falar sobre ele. O que me preocupa na pornografia — os adolescentes sempre viram pornografia— é que agora o acesso é muito simples e mais fácil. A grande questão é que nós não temos educação sexual em Portugal. Não temos sítios onde as pessoas possam falar sobre o que é a sexualidade saudável. E os adolescentes podem estar a ser influenciados por visões de imagens sexuais que não correspondem à sexualidade das pessoas.

Que tipo de visões?
O corpo da mulher é explorado, o corpo do homem é exagerado… As imagens que parecem proezas do ponto de vista sexual não correspondem à vida das pessoas e isso pode dar a ideia, sobretudo nos rapazes que vêem mais pornografia do que as raparigas, que assim é que deve ser. Isso é mau. O que é que vamos fazer? Não vamos entrar no telemóvel e ver se eles estão a ver pornografia, vamos normalmente falar sobre o tema: “É natural que estejas a ver sites pornográficos. O que é que estás a pensar sobre isso?” Isto costuma acontecer por volta dos 12, 13, 14 anos.

Um adolescente que consome pornografia com muita frequência pode acabar viciado?
Claro, é viciante. Completamente viciante porque está ligado à masturbação. E é antes do início da vida sexual ativa que o fazem, quando a iniciam vêem muito menos pornografia. Corresponde à fase da descoberta do corpo e da sexualidade. É muito possível que ao evitar falar sobre a pornografia, ela se torne viciante e o adolescente acaba com um problema de dependência.

Mas o que se pode fazer para evitar uma situação de dependência? Como disse, é certo que vão vê-la. Antigamente era mais difícil, era preciso ter coragem para ir ao quiosque, encarar o vendedor e comprar a revista pornográfica.
Devemos falar sobre a pornografia, abrir a porta de nossa casa aos amigos deles, não os deixar estar muito tempo sozinhos. Quando temos um grupo de rapazes e raparigas é muito pouco provável que vão ver pornografia em conjunto. Antigamente dizíamos que eram preocupantes os casos de adolescentes que saíam muito e que iam muito para as discotecas. Hoje, devemos preocupar-nos com um jovem que está muitas horas no quarto sem nenhum controle. Não se pode entrar lá de repente, mas deve-se chamar a atenção. E, aos poucos, eles vão falando. Temos de fazer isso: falar da sexualidade normal, não ter medo de abordar o tema, até porque é uma fase passageira.

A pornografia pode influenciar as relações futuras dos adolescentes?
Ainda não há estudos sobre isso, mas há esse receio entre os investigadores. Pode estar relacionado com a violência sexual no namoro, por exemplo. Alguns estudos dizem que eles podem estar a reproduzir comportamentos que vêem em sites pornográficos. Aí, entra novamente a educação sexual: o que se pode ver e o que se pode fazer a partir daí. Mas há esse risco, daí ter abordado este tema.

Falou sobre a necessidade de uma boa educação sexual. O que é que devia estar a acontecer nas escolas?
Como sabe, pertenci a um grupo de trabalho que lançou a Educação Sexual nas escolas através de uma lei de 2009. O que se verifica, penso que sobretudo por falta de vontade política e porque o tema não está na agenda do Ministério da Educação, é que depende muito da vontade dos professores. É uma pena. Como vimos, é muito difícil eles falarem com os pais sobre este assunto, o acesso à internet é muito fácil, e se a escola não faz nada… Temos um problema. Espero que a disciplina prometida de Cidadania não seja apenas com conteúdos muito teóricos e muito gerais, mas que seja com coisas muito práticas e que a Educação Sexual seja recuperada. Falar de educação sexual é uma oportunidade para falar de educação. À volta dela tem tudo: o respeito entre pessoas, a privacidade, o amor. A escola não é só o Português e a Matemática. Os pais são o mais importante, mas a escola pode dar um contributo, tem de dar instrução e educar.

A internet também mudou as amizades e o amor dos jovens?
Sobre a amizade, seguramente. Sobre o amor, não se sabe, é uma questão muito complexa. Não sabemos muito sobre o amor. Sobre a amizade, sim. Havia a ideia de que havia jovens com poucos amigos reais e muitos virtuais. Hoje sabe-se que não. Têm muitos amigos reais e depois continuam a contactar com os amigos reais através da internet. A amizade aumentou muito com a internet e aumentou para além fronteiras, porque há muitos jovens que através do Erasmus têm amigos estrangeiros. E isto é uma coisa completamente nova. Em relação ao amor, acho que seguramente vai ter influência, mas ainda não sabemos qual é a repercussão. Nos casais, sim, há casos de ciúmes potenciados pela internet. Nos adolescentes, ainda vamos ter de esperar alguns anos para ver.

 

 

Daniel Sampaio: “Têm de ser definidas regras e implementados castigos. o que se passa é que nas famílias não há regras”

Maio 31, 2018 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Paulo Rascão – MadreMedia

 

A internet pode aproximar mais do que dividir pais e filhos. Entrar-lhes no telemóvel é invadir a sua privacidade, mas há formas de os fazer falar. Sem ser chato e sem medo de se impor. Por estranho que pareça, nem tudo são problemas psiquiátricos, (…).

Os pais queixam-se de que os filhos passam a vida ao telemóvel. Os filhos revidam e respondem que os pais estão sempre no Facebook. O psiquiatra Daniel Sampaio vem agora dizer uma coisa aparentemente simples: se não podes vencê-los, junta-te a eles. No seu livro “Do Telemóvel para o Mundo”, o médico especializado em adolescência defende que o telemóvel e as novas tecnologias, já não tão novas como isso, podem e devem ser utilizadas como ponte entre pais e filhos e não como fonte de conflitos.

(…)

Afinal, o que mudou nos últimos 20 anos na maneira de ser e de estar de jovens e pais? O que é feito do famoso generation gap? Foi isso que fomos descobrir.

Ouvi-o dizer que considera o telemóvel, em termos de privacidade, uma extensão do cérebro e, por isso, os pais não devem invadi-lo.

Exactamente, penso que é território privado. Defendo que os pais não devem invadir esse território e devem antes estabelecer uma relação de confiança com os filhos para que estes possam falar sobre aquilo que fazem no telemóvel. Como psiquiatra especializado em adolescentes, aquilo a que tenho assistido é que as consultas de psiquiatria são marcadas justamente por questões de comunicação. Ou seja, a utilização do telemóvel tornou-se um ponto de conflito. Nalgumas famílias mais disfuncionais tornou-se uma questão de ruptura: tira-se o telemóvel, há gritos, procura-se o telemóvel onde os pais o escondem, depois passa-se para o computador, utiliza-se a bateria até ao fim e os pais chegam a desligar a electricidade para não se poder recarregar os aparelhos. É um palco de conflito entre gerações. A proposta do livro é que seja exactamente o contrário, uma aproximação entre gerações. Porque a internet, particularmente no telemóvel, permite uma comunicação instantânea entre pais e filhos, entre avós e netos. Se podemos ter isso como uma coisa positiva, é nessa direcção que temos de caminhar.

 

“Provavelmente pela primeira vez na história das famílias há um território em que os mais novos sabem mais do que os mais velhos”

 

E por que motivo se tornou fonte de conflito?

Porque provavelmente pela primeira vez na história das famílias há um território em que os mais novos sabem mais do que os mais velhos. As crianças e jovens são muito mais ágeis e sabedoras das tecnologias a que nós chamamos novas, mas que já não são assim tão novas, e o que acontece é que a autoridade familiar se sente questionada. Os pais têm experiência de vida e em muitas circunstâncias sentem-se por isso capacitados para exercer a sua autoridade: tu fazes assim porque eu sei que isso é mau ou bom. Quando entramos no território da internet, há muito desconhecimento das pessoas mais velhas e isso vem alterar a relação de poder na família. Os mais novos dizem aos mais velhos: “És um totó”, “És um cota”, “Não percebes nada disso”, “Eu é que sei”. Isto veio alterar a hierarquia familiar, digamos assim. O que o livro vem dizer é: tenhamos atenção aos riscos, mas aproveitemos as coisas boas, que são muito mais do que os riscos. Porque a internet veio para ficar. Há quem compare a internet com a revolução da imprensa, iniciada por Gutenberg no século XV. Temos de aproveitar este período para nos aproximar mais dos filhos, dos netos – quem tem netos, como é o meu caso – para fazer com que a internet seja uma ponte entre gerações.

 

“Temos de aproveitar este período para nos aproximar mais dos filhos, dos netos. Para fazer com que a internet seja uma ponte entre gerações”

 

Os pais tiram o telemóvel às crianças para as castigar. E porque é que o dão?

Porque sofrem uma grande pressão por parte dos filhos para que eles tenham um telemóvel. Quase todos os miúdos de dez ou de oito anos têm telemóvel, um smartphone.

Muito menos do que isso: dois, quatro, cinco anos.

Mas isso é completamente errado. Isso é aquilo a que se chama a ama electrónica, a babysitter electrónica: dá-se um tablet ou um telemóvel à criança, ela fica fascinada e fica quieta. O que digo é que é preciso definir regras de utilização desde muito cedo. Aos cinco anos pode jogar um jogo no telemóvel do pai ou do irmão mais velho, mas tem de perceber que há regras, a mais importante de todas é o tempo de utilização. Isso tem de ser interiorizado pela criança, que se não faz isso na altura certa dificilmente poderá aceitar as regras mais tarde. Na família, como na escola.

 

“Têm de ser definidas regras e implementados castigos. O que se passa é que nas famílias não há regras”

 

Também tem falado sobre o assunto em escolas?

Estive ontem numa escola, a Escola Secundária de Carcavelos, onde o telemóvel é utilizado na sala de aula. Tudo porque verificaram que era um inferno proibir o telemóvel quando os alunos estavam sistematicamente a desobedecer, a enviar mensagens, etc. Então optaram por trabalhar as regras de utilização durante um ano e no ano seguinte implementaram o uso segundo os critérios definidos com o acordo da associação de estudantes. Hoje é utilizado como instrumento de trabalho durante uma parte da aula, depois é desligado. Os prevaricadores, aqueles que utilizam o telemóvel de uma forma diferente, são imediatamente punidos com a aceitação dos alunos. Na família deve ser da mesma maneira: têm de ser definidas regras e implementados castigos. O que se passa é que nas famílias não há regras. E tudo se torna anárquico. Quando se torna anárquico, o poder que as crianças e jovens têm por dominarem as tecnologias leva a que a hierarquia se inverta e tenhamos filhos a mandar nos pais, como acontece nalgumas famílias.

 

“O poder que as crianças e jovens têm por dominarem as tecnologias leva a que a hierarquia se inverta e tenhamos filhos a mandar nos pais”

 

Se não fosse o telemóvel ou a internet essas famílias estariam unidas ou, de facto, estaria cada um para seu lado?

Antes essas famílias estavam em frente da televisão. Em 1996, já lá vão 22 anos, escrevi “Voltei à Escola”, e o que os pais me diziam era: “Passam a vida a ver televisão”. E eu respondia: “Há um botão para desligar a televisão”. Nessa altura, as famílias também não falavam. E em 1994 escrevi sobre a síndrome das bandejas, em que cada um pegava no seu tabuleiro e sentava-se em frente da televisão a ver o seu programa, em vez de jantar em família. Portanto, este é um problema que vem de trás. Agora foi empolado porque o telemóvel abre-se para o mundo, não sabemos o que pode acontecer, não controlamos o que estão a ver, com quem estão a falar.

Sempre existiu o generation gap. Esse fosso entre pais e filhos é muito diferente do que era há 20 anos?

Hoje os pais estão mais próximo. Desde o final do século XX, com a Convenção sobre os Direitos da Criança, os pais passaram a debruçar-se muito mais sobre os filhos. De uma forma geral, são mais afectuosos. A maioria dos pais aproximou-se dos filhos, mas perdeu autoridade por causa da camaradagem. Depois veio a fase, no início do século XXI, do “é preciso dizer não”. Ora, só é possível dizer não em determinadas circunstâncias: se os pais forem muito distantes, os filhos não aceitam um não. Se forem muito permissivos – e há pais que o são – evidentemente não conseguem manter o não. Precisamos, e a internet pode ser um contributo para isso, de nos envolver com os mais novos, de estar próximo deles, para daí emergir uma autoridade natural. Se eu estiver distante e quiser impor a autoridade de repente ou, ao contrário, se for muito permissivo e quiser impor-me, não consigo. A autoridade é um tema muito importante.

 

“Devia haver uma série de apoios intermédios, os médicos de família ou o enfermeiro do centro de saúde deviam ter formação e ajudar os pais nestas questões, que não são de psiquiatria na maioria dos casos, são de comunicação”

 

Os pais são muito sujeitos a interferências externas – legislação, escolas, psicólogos, psiquiatras, comissões de protecção – e isso traz medo e indefinição que se reflecte na educação dos filhos…

Os pais estão muito sozinhos. Em Portugal, infelizmente, não há a cultura de os pais conversarem uns com os outros, de haver grupos de pais onde se podem trocar experiências. Os pais estão sozinhos e quando precisam de ajuda vão ao psicólogo ou ao psiquiatra. Devia haver uma série de apoios intermédios; os médicos de família ou o enfermeiro do centro de saúde, por exemplo, deviam ter formação e ajudar os pais nestas questões, que não são de psiquiatria. Evidentemente que há jovens com questões psiquiátricas, mas a maioria das vezes que recorrem ao psicólogo ou ao psiquiatra fazem-no por problemas de comunicação que a internet e o telemóvel vieram tornar mais nítidos, mas que já existiam. Quando há 20 anos os jovens passavam o dia em frente da televisão, o problema era exactamente o mesmo, o exterior é que era diferente. Os pais podem estar inseguros, mas são sempre a principal influência dos filhos, está mais do que provado. E se não sabem como agir, têm de reflectir. Os miúdos não vêm com livro de instruções, mas podem, por exemplo, falar com outros pais, isso é muito interessante. Porque alguns pais são bons a orientar os filhos nos estudos e péssimos guiá-los nas saídas à noite, há pais competentes numas áreas e menos competentes noutras. E é bom trocar experiências, saber como outros fazem.

 

“O nagging persistente: não vale a pena dizer mais do que duas vezes. As coisas têm de ser ditas com voz calma e se houver uma resposta agressiva é preciso chamar a atenção sem confronto, sem tensão, o que não significa falta de firmeza”

 

No livro fala muito no nagging, o chatear constante dos pais – que, quem tem filhos adolescentes sabe, é difícil evitar. Pode explicar a sua teoria?

O nagging, o ralhar persistente. Os adolescentes são contestatários, não aceitam as coisas muito facilmente porque têm dentro deles a ideia de que têm de ser diferentes dos pais. Mas o nagging não é eficaz. O que eu digo é: diga no máximo duas vezes. Não vale a pena dizer mais do que isso, porque se diz mais do que duas vezes vai ter uma retroacção: “A mãe é chata”. E isso também é interessante acerca do telemóvel, a necessidade que os adolescentes têm de descansar agarrando-se às ditas novas tecnologias; mal chegam da escola e a primeira coisa que fazem é precipitarem-se sobre os telemóveis, faz parte da maneira de ser actual. E temos de saber esperar um bocadinho por essa descompressão antes de desatarmos a falar. As coisas têm de ser ditas sem ser de forma persistente e com voz calma e se houver uma resposta agressiva é preciso chamar a atenção sem confronto, sem tensão. Criar pontes de diálogo não significa falta de firmeza, não ser persistentes não significa não ser firme.

 

“Eu digo sempre que a família não é uma democracia. E é muito importante passar essa ideia, a certa altura é preciso decidir”

 

Falou nos direitos da criança e do jovem. Hoje podem justificar tudo, têm sempre uma palavra. Isto, com os filhos, tem de ser uma democracia?

Isso faz parte da cultura actual, os jovens têm muito poder nas famílias, têm muito poder na sala de aula. Mas eu digo sempre que a família não é uma democracia. E é muito importante passar essa ideia, a certa altura é preciso decidir. Há famílias que ficam num impasse: os filhos a justificarem-se, os pais a justificarem-se, todos numa discussão sem fim. Que normalmente termina numa zanga ou com um choro ou qualquer coisa do género. Nestas situações, é preciso dizer que não há condições para continuar a discutir, é preciso decidir. O que não significa que três dias depois não se volte ao assunto para conversar sobre a decisão. Mas os pais são normalmente muito oscilantes e deixam muitas vezes que sejam os mais novos a tomar as decisões, como se tivessem capacidade para o fazer.

 

“Uma adolescência normal é pedir tudo e ficar com aquilo que os pais dão. Cabe aos pais perceberem que os filhos estão sempre a pedir, mas que não têm de dar. E isso começa na infância.”

 

A verdade é que eles estão à espera que os pais decidam, mesmo quando parece que não…

Aconteceu com um jovem de 16 anos uma coisa que achei muito interessante… Quando há um patologia psiquiátrica é normal nas consultas os pais perguntarem-me: “Mas isso é da anorexia ou é da adolescência?” ou “Mas isso é da depressão ou é da adolescência?”, é uma pergunta que fazem muitas vezes, para saber se é daquele problema específico ou da adolescência em geral. E eu interrogo-me muito sobre o que é uma adolescência normal. E perguntei a este rapaz o que é uma adolescência normal. E ele respondeu: “É muito simples: uma adolescência normal é pedir tudo e ficar com aquilo que os pais dão”. Ou seja, quer sair à noite todos os dias, quer comprar o telemóvel topo de gama, quer carta e carro, quer dormir até tarde… Mas depois contenta-se com o que os pais lhe dão. Cabe aos pais perceberem que os filhos estão sempre a pedir, mas que não têm de dar. E isso começa na infância. Há muitos pais que dizem: “Não deu problemas nenhuns até aos 13 anos, mas entrou na adolescência e foi um drama”. Quando vemos isso, verificamos que os pais foram muito permissivos e começaram a ceder às solicitações dos miúdos muito novos. Quando fala com adolescente mais velhos, como fiz com este rapaz, percebe que é muito importante que os pais estejam numa espécie de fundo de palco, de bastidores. Os pais têm de estar ali, embora eles precisem de liberdade.

Voltando ao telemóvel como extensão do cérebro, ou seja, à privacidade. Como se controla, então, a pornografia, as conversas, as amizades? Haverá sempre segredos, mas agora estão também mais expostos.

Pode-se controlar no sentido da confiança, de questionar o que estão a fazer. Até porque vai perceber que, a certa altura, ficam embaraçados se não estiverem a fazer a coisa certa. Isto acontece mais com os rapazes, a propósito de pornografia. Os rapazes vêem muita pornografia – no meu tempo era nas revistas. Não podemos impedir isso, faz parte do desenvolvimento, de uma época. O que podemos fazer é escolher entre ignorar ou perguntar o que andam a ver e explicar. E a segunda hipótese é a atitude correcta, caso contrário deixamos na mão dos outros a explicação e o entendimento daquilo que estão a ver, que pode não ser o melhor e o mais certo. Se controlarmos em casa, eles vão para casa dos amigos. Se controlarmos os amigos, eles vão escolher outros amigos. A perspectiva é a de monitorizar, de acompanhar e não de fazer guerra, de censurar. Assim, eles falam com os pais.

Qual é, para si, o principal problema de os pais terem acesso à informação dos filhos?

O principal problema é que muitas vezes os pais não sabem o que fazer com a informação que descobrem, ficam prisioneiros. Vou dar-lhe alguns exemplos: recentemente – e isto foi exactamente assim – um pai chegou à consulta com o filho de 14 anos, a mãe caladinha, e a primeira coisa que diz é: “Vim aqui porque sou engenheiro informático e tenho um device com o qual entrei no telemóvel do meu filho e vi coisas muito estranhas”. O filho começou a ficar em pânico. “Então e aqui à frente do médico é que dizes isso?” “Sim, vi que entraste em sites pornográficos e ainda por cima homossexuais”. Foi uma coisa terrível. O pai ficou completamente embaraçado com o que viu e a solução que encontrou foi marcar uma consulta no psiquiatra. Quando, no limite, até devia ter sido em casa que devia ter dito: “Olha, entrei no teu telemóvel, vi isto e estou muito preocupado”. Mas ficou de tal maneira preso que não teve outra acção. Outro caso também interessante e que estou a seguir, um rapaz que tem uma depressão, os pais começaram controlar os encontros dele e pediram para falar comigo. E eu cometi o erro de falar com os pais sem ser na presença do miúdo. O que aconteceu foi: ele anda com encontros com raparigas fáceis e isto está a fazer-lhe muito mal, o que vamos fazer? Obtiveram esta informação no telemóvel, ficaram muito chocados e agora? Tive de reunir todos, falar dos encontros dele, etc. Mas isso era uma conversa que podiam ter tido em casa, uma conversa banal entre um rapaz de 16 anos e os pais: com quem é que tu andas, quem são os teus amigos, com quem sais? Voltamos ao ponto de partida, o telemóvel pode ser um elemento para criar proximidade em vez de criar distância.

E se os pais não conseguem falar com os filhos, como fazer?

Têm de promover a conversa. Pode ser um avô, pode ser um tio, um mediador entre pais e filhos. Até um técnico, o tal de que falava, o enfermeiro. Não é preciso que seja logo um psiquiatra, porque isso dá logo a conotação da patologia mental que, em muitos casos, não existe.

Fez parte do grupo inicial que estudou a implementação da educação sexual nas escolas…

Sabe há quantos anos?

Em 2009, não foi?

Sim.

Mas não correu muito bem, correu? Hoje mal se fala no assunto.

Entre 2005 e 2009 correu muito bem. Trabalhámos com as escolas, formámos muitos grupos de professores e a educação sexual ficou integrada na educação para a saúde. Na altura fomos contra uma disciplina única, quando podíamos aproveitar a oportunidade para falar de outros temas muito importantes, como a alimentação e a actividade física, porque havia (e há) muitos alunos com excesso de peso, e portanto uma das alíneas passava pela exercício físico, a segunda era as drogas, a terceira era a educação sexual e a quarta era a violência no namoro. Ao mesmo tempo que se fez este trabalho, formaram-se centenas de professores que trabalhavam a educação para a saúde e que podiam ser os mediadores dessas áreas temáticas nas escolas. Representou um esforço grande e que correu muito bem, a lei foi aprovada na Assembleia da República. O que aconteceu depois é que houve um desinvestimento, deixou de haver um carácter obrigatório e passou a ser opcional. Algumas escolas continuam a trabalhar o tema, mas a nível geral este movimento perdeu força. Seria preciso vir dizer: ficam consagradas por ano tantas horas para a educação sexual, tantas horas para o álcool e drogas, tantas horas para a violência no namoro. Uma formação obrigatória. Agora existe a educação para a cidadania, mas o programa for dizer que devem ser bons cidadãos…

Hoje rapazes e raparigas parecem não se entender. Falo já do final da adolescência e idade adulta: elas dizem que eles só pensam no ginásio e no corpo, eles dizem que elas querem super-homens é só pensam na carreira. Há uma explicação?

Guerra de sexos. Isso tem de ser conquistado na adolescência. É uma questão de educação, tudo isso tem de ser trabalhado na adolescência, no início da adolescência. É quando conhecem o seu próprio corpo e começam a interagir com o sexo oposto – ou com o mesmo sexo se forem homossexuais. É uma fase importantíssima. Para, por exemplo, introduzir o tema do respeito, da ética relacional. Até que ponto é que eu posso pôr mensagens no telemóvel contra uma menina gorda da escola? Um grupo de WhatsApp a dizer mal de uma menina gorda? Evidente que ela ficou em silêncio, até que um deles disse que queria sair do grupo. Isso gerou uma discussão. É sobre estas coisas que os pais e a escola se devem pronunciar. Como é que tu vais respeitar as pessoas que convivem contigo. Ok, é gorda. E então? O rapaz é homossexual? É tudo muito natural, mas os homossexuais sofrem horrores na escola, muitas vezes através de cyberbullying. Se não for assim logo na infância, chegam à idade adulta disfuncionais, não reflectiram sobre isso.

Essa é outra questão. Vivemos na era do politicamente correcto, uma certa carneirada. Queremos que os miúdos aceitem conceitos à força, a diferença só porque sim, sem reflectir, sem debater, sem deixar sentir…

O respeito é importante… Eu faço terapia de casal e, de facto, é sempre o mesmo problema: a disputa do casal em que no frigorífico devia haver uma prateleira para ela e uma prateleira para ele. Simbólico, isto. A apropriação do espaço. O espaço masculino, para os iogurtes dele, as coisas que ele gosta. Quando havia uma mudança, havia uma guerra. Isto é a igualdade levada ao extremo. As pessoas são diferentes. Os homens gostam de sair com os seus amigos e as mulheres gostam de sair com as suas amigas. Há casais que têm extrema dificuldade em aceitar isto. É levada a coisa ao extremo, têm de fazer tudo em conjunto. Não é assim.

 

Artigo de Isabel Tavares para SAPO24, em 21 de maio de 2018.

Daniel Sampaio. “Sou contra a invasão ao telemóvel de um filho”

Maio 3, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Entrevista da http://rr.sapo.pt/ a Daniel Sampaio no dia 11 de abril de 2018.

Não espiar o telemóvel dos filhos, criar regras para que saibam distinguir os momentos em que podem ou não usá-lo, colocar o telemóvel longe na hora de deitar. Em entrevista à Renascença, Daniel Sampaio deixa conselhos aos pais para que lidem melhor com a relação dos filhos com a tecnologia e a internet. O psiquiatra acaba de lançar o livro “Do Telemóvel para o Mundo”, em que aborda muitos destes temas. E confessa ter “errado”, ao longo da sua carreira, ao tratar a adolescência como um “caso clínico”.

ouvir a entrevista no link:

http://rr.sapo.pt/noticia/110480/daniel-sampaio-sou-contra-a-invasao-ao-telemovel-de-um-filho

 

O telemóvel é hoje uma extensão do nosso corpo, particularmente do nosso cérebro. É absolutamente privado. Perde-se a relação de confiança quando os pais começam a espreitar o telemóvel dos filhos – Daniel Sampaio

Abril 21, 2018 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Diana Tinoco

Entrevista da Visão a Daniel Sampaio no dia 5 de abril de 2018.

Texto CLARA SOARES, Fotografia Diana Tinoco

O telemóvel é hoje uma extensão do nosso corpo, particularmente do nosso cérebro. É absolutamente privado. Perde-se a relação de confiança quando os pais começam a espreitar o telemóvel dos filhos

Daniel Sampaio recebe-nos com um sorriso aberto, em sua casa, na capital. Na sala ao lado, dois dos seus sete netos estão na companhia da avó. Maria José Ferreira foi sua colega de curso, na Faculdade de Medicina de Lisboa, e com ela viria a casar-se no ano em que concluiu a licenciatura. Aos 72 anos, e a menos de dois de celebrar as bodas de ouro, o professor jubilado mantém contacto regular com a comunidade educativa da escola secundária que tem o seu nome, na Sobreda da Caparica, em Almada, e permanece fiel ao nível de atividade que lhe conhecem colegas, alunos, pacientes e leitores. Do Telemóvel para o Mundo (Caminho, 216 págs., €15,50) é o seu novo livro, que será apresentado no próximo dia 11 de abril, ao final da tarde, na Fundação Medeiros Ferreira. O autor lança o desafio a adolescentes e pais da sociedade em rede: a internet pode separar gerações mas também aproximá-las mais do que nunca. Lembra-se do seu primeiro smartphone com teclas, no início da década, quando surgiram no mercado – “os adolescentes não gostam, que são ostelemóveis dos bisavós!” e acredita que vivemos um momento decisivo e especial, para o qual devemos estar preparados. Quanto mais cedo o fizermos, melhor.

Desde que se jubilou, como passou a ocupar o seu tempo livre?

A seguir à minha jubilação, em setembro de 2016, e da última lição em outubro desse ano, houve um vazio. Foram 40 anos de vida profissional muito ativa, e nos primeiros meses senti falta da faculdade e do hospital. O trabalho de consultório aumentou e tem sido gratificante. Pertenci a dois grupos de trabalho no Ministério da Saúde, tenho lido bastante e levei um ano a escrever este livro, que envolveu pesquisa, entrevistas a jovens e referência a casos clínicos.

Continua a manter o consultório e a trabalhar fora de casa?

Sou contra os consultórios em casa! A casa é um sítio privado e deve-se separar muito bem a vida profissional da privada. Continuo a dar consultas na sede da Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar (SPTF), duas vezes por semana.

A terapia familiar funciona em Portugal?

É gratificante ter mais de mil sócios e três delegações. A SPTF está muito ativa, porque soubemos organizarnos e dar espaço para que as novas famílias aparecessem: casais separados, divórcios litigiosos, guardas parentais, famílias monoparentais, outras com crianças adotadas… O mérito da SPTF, criada em 1979, foi ter-se modernizado, estando a formar pessoas das comissões de proteção de crianças e jovens.

Como era o adolescente Daniel, em relação aos pais, aos avós…?

Eu lia muito e era um pouco sombrio e muito sério. Tive alguma militância associativa na comissão próassociação dos liceus, que era uma estrutura ilegal. Acompanhei a crise académica e depois entrei na faculdade, nos anos 1960. Eu fui mais comprometido do que os adolescentes de hoje, que me parecem mais alegres.

Pergunta ao homem que lançou o Núcleo dos Estudos do Suicídio (NES): os miúdos estão bem?

A maioria está. Quando se criou o NES (em 1987), não existiam ainda os comportamentos autolesivos ou de automutilação. Nas nossas escolas falta a capacidade para dar resposta a essas situações, porque a saúde escolar está muito pobre. Embora não sendo a maioria, há jovens com problemas significativos de saúde mental e poucos pedopsiquiatras e psicólogos nos serviços públicos.

Quais as conclusões do grupo de trabalho sobre a integração dos psicólogos no Serviço Nacional de Saúde (SNS), coordenado por si?

Os grupos de trabalho fazem as suas recomendações, vamos ver se são cumpridas ou não. Foi proposto um programa nacional para o tratamento da ansiedade e da depressão, e recomendada maior contratação de psicólogos para os centros de saúde, evitando encher os serviços de psiquiatria com casos de doença mental grave, particularmente a esquizofrenia e a doença bipolar. E foi ainda recomendada a criação de estágios de psicologia no SNS, com uma parte do ordenado a ser suportada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Porque admite ter “errado o alvo” quando escreveu o livro Inventem-se Novos Pais?

Nos anos 80, à luz da psiquiatria e da psicologia, não podia haver uma adolescência normal sem crise, depressão e conflito. No século XXI, verificou-se que isso era uma ideia errada. Os adolescentes normais não têm grande mal-estar. Há adolescentes problemáticos que exigem uma abordagem especializada, mas a maioria ultrapassa esta fase, com alguma turbulência, porém sem dificuldades de maior. No novo livro corrigi algumas coisas que disse antes, como a de que ser adolescente implicava sempre sofrimento.

O mal-estar de que fala será mais dos pais dos adolescentes do que dos próprios?

É uma época muito difícil para os pais. Nunca como agora os pais estiveram tão próximos dos filhos do ponto de vista do afeto, mas têm falta de autoridade: é o caso do pai-camarada, que gosta muito do filho e está sempre com ele.

Como exercer a autoridade com os nativos digitais?

Quando a internet se generalizou nos telemóveis, introduziu uma dimensão conflitual nas famílias. Isso nota-se nas consultas, nas escolas e na relação entre pais e filhos. Para que a internet seja um ponto de encontro, e não de conflito, devemos habituar as crianças desde cedo a lidar com as tecnologias. Na adolescência já é tarde, porque, como sabem mais do que os pais e avós, os filhos têm formas mais diversas e sofisticadas de escapar ao controlo deles.

No livro apresenta casos que mostram como tudo pode correr mal…

São casos reais, mas modificados, para manter a confidencialidade. Admira-me haver pedidos de consulta centrados no conflito em torno do uso da internet. Nessas famílias perdeu-se a oportunidade de encontrar um caminho de proximidade. Se a internet for um ponto de conflito, vai cavar-se um fosso intergeracional enorme, porque os mais novos não vão prescindir de usar o telemóvel.

Ou da “Galáxia internet”, como refere por diversas vezes.

É um termo do sociólogo espanhol Manuel Castells. Com este livro, quero mostrar que a internet é uma oportunidade para novas comunicações na família, que são agora em rede: dos irmãos, dos amigos, dos filhos, dos pais – apontam o dedo aos filhos, mas eles mesmos passam muitas horas no Facebook. De tão centradas no conflito à volta do uso do telemóvel, muitas famílias não se aperceberam do que já mudou na área da comunicação.

Há uma idade certa para se dar o telemóvel ou o tablet aos filhos?

Cedo, cinco ou seis anos, para interiorizarem a regra. Um adolescente deve saber que há horas em que não é suposto utilizar ecrãs. Ter a noção de que não deve estar com o telemóvel às refeições nem levá-lo para a cama, na hora de ir dormir.

Se os pais consultarem os emails de trabalho ou o Facebook à refeição, ou quando vão deitar-se, perdem a legitimidade para se fazerem respeitar nesse campo.

Exatamente. Há períodos decisivos na vida da família para comunicar em presença, sem ecrãs: acordar e ir para a escola ou para o trabalho; chegar a casa e organizar os trabalhos de casa, banhos, jantar; e hora de deitar. Esta disciplina passa por pais e filhos.

Fala em parentalidade construtiva. Pode explicar melhor o conceito?

Não se pode ter autoridade sem envolvimento afetivo com um filho adolescente. Este envolvimento é construído na infância, e sem ele surge o conflito, potenciado pela internet, quando deveria ser o contrário. Pais ou mães distantes não conseguem fazer como noutros tempos, impor- -se através da educação pelo medo, até porque a criança tem hoje a possibilidade de fazer ouvir a sua voz e não acata o autoritarismo. Os pais só não devem transigir quando estão em jogo questões de saúde ou de segurança.

Fazem sentido os livros com estratégias para os pais, na área das tecnologias ou outras?

Tudo o que seja ajudar os pais a refletir, idealmente com outros pais, é positivo, pois eles têm muitas dúvidas, mas não há serviços nem locais onde possam ser auxiliados. Os livros não devem ser muito diretivos e no meu eu criei as secções “perguntas e respostas” e “para pensar”. Há coisas que já se sabem: organizar a hora do deitar, o uso da internet, abrir a casa aos amigos dos adolescentes.

Como a questão do namorado ou da namorada, se podem ou não dormir lá em casa…

De uma forma geral, as mães estão mais próximas dos filhos. A mãe continua a ser, na sociedade portuguesa, uma figura muito importante a nível emocional. Se falarmos com os nossos jovens sem entrar na intimidade deles, percebemos que há relações ocasionais. Quando for um namoro responsável e com envolvimento, “à séria” como eles dizem, os pais devem apoiá-los.

Aí entram as questões da sexualidade e da inexistência da educação sexual nas escolas.

Sempre lutei por isso, conseguiu-se alguma coisa, mas continuo a defender a sua importância, porque cada vez mais encontro jovens com muitas dúvidas e muita ignorância sobre o tema. A internet pode ter um perigo importante, que é a pornografia no telemóvel, vista sobretudo pelos rapazes. Se aos 12 e 13 anos passarem o tempo a ver pornografia, com a exploração do corpo da mulher e as proezas atléticas sexuais, que pouco ou nada têm que ver com o que se passa na vida real, podem começar a ter dificuldades na relação sexual com os parceiros, porque idealizam uma determinada situação. A educação sexual deveria ter isto em conta, bem como o que se passa nas escolas, a difusão de imagens íntimas a seguir a uma zanga entre namorados (porn revenge). A educação para os média no campo da sexualidade também é fundamental. A internet é uma fonte de informação que é preciso contextualizar em pequenos grupos de rapazes e de raparigas, para falarem do que estão a sentir nas suas interações. Há muito a fazer.

Espreitar o telemóvel dos filhos é próprio de “sem-abrigo digitais”?

Sou completamente contra os filtros parentais. E também que os adultos vejam o telemóvel dos pais. O telemóvel é hoje uma extensão do nosso corpo, particularmente do nosso cérebro. É uma coisa absolutamente privada. Perde-se a relação de confiança quando os pais começam a espreitar o telemóvel dos filhos. Ficam prisioneiros disso e com uma angústia acerca do que devem e não devem fazer. Ter um telemóvel por volta dos dez anos implica que a criança saiba, aos oito, como vai usá-lo devidamente quando o receber, à entrada do 5.º ano de escolaridade. Ou seja, precisa de saber que, quando entra na internet, não pode divulgar o nome completo e outros dados pessoais.

Como se desenvolve essa capacidade para aconselhar os filhos numa área em que nem sempre os adultos se orientam?

Basta, por exemplo, que os pais verbalizem os medos que têm sobre o uso que os filhos podem dar ao equipamento. Ou de como possam proceder face a condutas menos próprias (ciberbullying e afins).

Manifestou-se a favor do uso medicinal da canábis, embora condene o uso recreativo. Que argumentos o levam a ter essa posição?

Há já muitas evidências acerca dos derivados da canábis, que são úteis, do ponto de vista médico, em situações ligadas à quimioterapia, à dor e a certos casos de epilepsia na criança. Deve ter um uso farmacêutico controlado e não haver um autocultivo. Em relação ao uso recreativo, sou contra. São drogas muito perigosas porque impedem o progresso da adolescência normal, que envolve tarefas como modificar a relação com os pais, com os companheiros, a vida amorosa e sexual e a concentração nos estudos. É muito curioso: os jovens são muito hábeis. Em vez de usarem a palavra “erva” ou “haxixe”, dizem aos pais “eu fumo pólen”. Trata-se da mesma coisa, razão pela qual dedico uma parte do livro às drogas.

Contudo, e isso é do conhecimento de muitos adolescentes, muitos pais consumiram derivados de canábis na juventude.

O grande problema hoje é o fácil acesso e a ideia romântica de que não faz mal. Não subscrevo a teoria de que estas drogas conduzem ao consumo de outras, essa situação não se coloca nos adolescentes. Porém, sabemos hoje que o cérebro está em formação até por volta dos 23 anos e que o uso de drogas pode eventualmente comprometer as sinapses. Falta mais investigação sobre isso. Enquanto psiquiatra, tenho conhecimento de casos de esquizofrenia precipitados pelo uso recreativo em quem tem predisposição para a doença.

Sugere aos pais que relativizem certos comportamentos agressivos dos filhos, fruto da imaturidade do cérebro. É mesmo assim?

Digo isso com algumas reservas! Se der um murro num colega, temos de responsabilizá-lo! Falei disso porque se sabe que o cérebro ainda não está suficientemente formado para exercer plenamente a capacidade de abstração e de autocrítica.

Como se exerce a autoridade sem dramas nas famílias recompostas?

No regime clássico – ou seja, os filhos ficam com a mãe e veem o pai de 15 em 15 dias –, a consequência é o afastamento do pai. Tenho evoluído bastante acerca da guarda partilhada, que deve tentar-se sempre que possível, por ser a forma mais parecida com a da família nuclear. Se houver um mínimo de entendimento entre adultos, as crianças e os jovens adaptam-se. Defendo que, em cada casa, devem estar definidos papéis e regras. Se a mãe vive com o padrasto, ambos devem definir como atuar, e isso não quer dizer que em casa do pai tenha de ser igual.

Na prática, vale o princípio “em cada casa as regras são as de quem lá vive”?

A autoridade do padrasto e a da madrasta são muito difíceis de gerir, porque rapidamente os adolescentes dizem “não és o meu pai” ou “não és a minha mãe”; eles utilizam esse argumento como arma. Zangam-se com a mãe e dizem “vou viver para casa do pai”. Ou estão em casa do pai e telefonam à mãe a dizer “vem-me buscar”. Sou contra isso: permitir que a criança ou o adolescente utilize as regras da outra casa na casa onde está não resulta.

Voltamos à questão de quem tem condições para ser apresentado em casa, mas desta vez dirigida aos adultos…

A apresentação de um novo companheiro, ou de uma nova companheira, aos filhos deve ser muito prudente, e o relacionamento ser minimamente sério e ter pernas para andar, tanto quanto se consegue saber. E sem que os jovens sejam surpreendidos por alguém a dormir lá em casa.

Que gostaria de dizer aos seus leitores enquanto cidadão digital?

Estou apaixonado pelo momento atual. A internet é um ponto de encontro maravilhoso, de partilha e de comunicação. Com as devidas regras, podemos aproximar as gerações em vez de separá-las.

csoares@visao.pt

Lançamento do livro “Do telemóvel para o mundo” de Daniel Sampaio – 11 abril, 18.30, Fundação Medeiros e Almeida

Abril 11, 2018 às 11:20 am | Publicado em Divulgação, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

mais informações:

http://www.caminho.leya.com/pt/eventos/?id=831

 

Começou a jogar o Baleia Azul? “Saia o mais depressa possível e peça ajuda”, diz Daniel Sampaio

Maio 4, 2017 às 11:08 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 3 de maio de 2017.

O jogo é perigoso quando falamos de pessoas vulneráveis, diz Daniel Sampaio. Miguel Manso

Psiquiatra Daniel Sampaio falou com jovens que lhe disseram que há amigos e colegas vulneráveis contactados por curadores do desafio online.

Ana Henriques e Clara Viana

Há um traço comum entre os jovens que estão a ser desafiados para entrar no jogo online da Baleia Azul: estão fragilizados ou em sofrimento psicológico. Quem o diz é o psiquiatra Daniel Sampaio, que tem estudado o comportamento dos adolescentes. Na imprensa internacional começa, entretanto, a ser posta em causa a genealogia deste jogo.

Daniel Sampaio contou ao PÚBLICO que falou recentemente com quatro jovens que têm amigos ou colegas aliciados para o Baleia Azul e todos lhe relataram o mesmo: que um responsável pelo desafio, um curador com um perfil falso, os convidou para o jogo depois de os adolescentes terem deixado online pistas de que se encontravam fragilizados ou em sofrimento psicológico. “Há muitos jovens que escrevem mensagens na Internet a dizer que não estão bem e segundo me dizem são esses que são contactados”, explica o psiquiatra, chamando a atenção para a gravidade deste tipo de actuação.

O incitamento ao suicídio é considerado crime. Quem tentar convencer outra pessoa a fazê-lo ou lhe prestar ajuda para esse fim sujeita-se a uma pena de prisão até três anos caso a tentativa seja mesmo feita ou venha a consumar-se. Se a vítima tiver menos de 16 anos ou padecer de incapacidade de compreensão a moldura penal sobe até aos cinco anos de cadeia. O Código Penal determina ainda que quem publicitar um produto, objecto ou método de suicídio é punido com pena de prisão até dois anos ou então com uma multa.

“Se as coisas se passam conforme me relataram, identificar a fonte de recrutamento [das vítimas] revela-se um aspecto fundamental”, sublinha Daniel Sampaio, para quem o risco acaba por ser reduzido se os jovens em causa estão bem consigo próprios: “Um jovem normal não adere – ou, se adere, isso não tem consequências”, equaciona. “O jogo em si não provoca suicídio, nem automutilação. É perigoso quando falamos de pessoas vulneráveis. Aí, pode funcionar como factor precipitante do suicídio.”

Para quem já começou a jogar, o psiquiatra deixa um conselho: “Sair o mais depressa possível e pedir ajuda.” Um auxílio que poderá ser prestado, por exemplo, pela equipa que integra o Núcleo de Utilização Problemática da Internet do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, que tem consultas às quartas-feiras e tanto auxilia jovens como os seus pais.

Daniel Sampaio defende também que os pais devem proibir os filhos de aceder a este jogo. Se não o conseguirem de imediato, devem acompanhar mais de perto os filhos, porque esta atitude poderá impedir, por exemplo, que o filho saia de casa para se dirigir a um local alto onde vai arriscar a vida, já que uma das 50 tarefas impostas aos jogadores do Baleia Azul passa precisamente por correr esse tipo de perigo.

 Notícia falsa?

Em declarações a um site de notícias russo, Lenta.ru, o alegado autor deste desafio, More Kitov, já disse que a sua intenção nunca foi a de levar menores ao suicídio, mas sim aumentar o número de frequentadores dos perfis dos administradores do jogo, tornando-os mais atractivos para quem quer colocar anúncios publicitários.

Pelo seu lado, Thiago Tavares, presidente da Safernet, uma organização não-governamental brasileira de combate ao crime na internet, não tem dúvidas de que o jogo Baleia Azul teve origem numa “notícia falsa” publicada em Maio de 2016 pelo diário russo Novaya Gazeta. Este artigo dava conta de uma série de suicídios de adolescentes na Rússia que, alegadamente, tinham participado em fóruns da rede social russa Vkontakte, onde aparecia a referência Baleia Azul.

Até agora ainda não existem provas da relação entre ambos. “Era um ‘fake news’, mas existe um efeito que, sendo verdadeira ou não, a notícia gera um contágio, principalmente entre os jovens”, afirmou Thiago Tavares ao diário Globo.

 Em Fevereiro, na sequência do suicídio de mais duas adolescentes na Sibéria, o administrador do site foi detido. O caso continua em investigação. Foi por volta dessa altura que as notícias sobre o Baleia Azul chegaram ao Reino Unido, por via do jornal The Sun. E daí espalhou-se pelo mundo.

Fora da Rússia, um dos primeiros países onde o alegado jogo chegou foi a Bulgária. Mas também ali o Centro Para a Internet Segura alertou que não existem provas da ligação do Baleia Azul a uma onda de suicídios. “Essa incrível história atrai sites de tablóides, que lucram com visitas, acrescentando mais e mais detalhes e histórias horríveis, que não são apoiados por factos”, disse um dos responsáveis do centro ao jornal Balcan Insight.

 Também têm existido denúncias na imprensa internacional sobre a veracidade de fotos e vídeos que têm aparecido online apresentando mutilações das alegadas vítimas do jogo.

Em Portugal o mais recente caso de um jogador hospitalizado sucedeu esta terça-feira, depois de terem sido identificadas situações idênticas em Sines, no Algarve e em Portalegre, que estão a ser investigadas pela Procuradoria-Geral da República.

Serviços telefónicos de ajuda e apoio ao suicídio em Portugal e na Europa

SOS – Serviço Nacional de Socorro 112

SOS Voz Amiga (entre as 16 e as 24h00) 21 354 45 45 91 280 26 69 96 352 46 60

SOS Telefone Amigo 239 72 10 10

Telefone da Amizade 22 832 35 35

Escutar – Voz de Apoio – Gaia  22 550 60 70

SOS Estudante (20h00 à 1h00) 808 200 204

Vozes Amigas de Esperança (20h00 às 23h00) 22 208 07 07

 

 

“Os pais e a sociedade devem responsabilizar estes jovens pelos seus atos em Torremolinos” Entrevista de Daniel Sampaio

Abril 11, 2017 às 1:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Entrevista de Daniel Sampaio ao http://leitor.expresso.pt no dia 10 de abril de 2017.

O psiquiatra Daniel Sampaio considera que atualmente os jovens têm muito poucos limites, devido a um défice de autoridade por parte dos pais Foto Tiago Miranda

 

Especialista em Psiquiatria da Adolescência, Daniel Sampaio critica a desculpabilização que diz estar a ser feita dos estudantes portugueses que causaram estragos avultados num hotel no Sul de Espanha durante uma viagem de finalistas do ensino secundário. “É completamente errado do ponto de vista educativo”, salienta o psiquiatra. O “pai” da Terapia Familiar em Portugal defende que estes jovens devem ser castigados, mas duvida que a maioria dos pais ainda tenha autoridade para o fazer.

Entrevista Joana Pereira Bastos

Os estragos causados pelos jovens portugueses num Hotel em Torremolinos refletem uma crise de valores em casa e na escola ou são apenas o resultado previsível de uma viagem que junta no mesmo espaço 1000 adolescentes, com muito álcool à mistura?

As regras não foram bem definidas à partida e o resultado era completamente previsível. Quando se junta um grande número de jovens, o regime nunca deveria ser de bar aberto, porque isso evidentemente leva a um consumo exagerado de álcool. Isto são fenómenos de grupo que vêm acontecendo há muitos anos, em vários sítios.

Todos os anos há relatos de problemas neste tipo de viagens. Faz sentido continuar a promover estes programas?

Não podemos impedir que os jovens se organizem para ir, até porque muitos deles já são maiores de idade. Mas pelo menos as viagens que envolvem jovens abaixo dos 18 anos devem ter algumas limitações em termos de organização. Deve-se limitar o consumo de álcool e ter regras muito bem definidas sobre o que podem ou não fazer. Essas regras não podem ser só programadas pelo agente de viagens e pelo hotel. Têm de ser discutidas com os próprios adolescentes, no dia da chegada. Os proprietários dos hotéis devem reunir-se com eles e definir as horas em que podem consumir álcool, o que é que se pode passar nos quartos, tanto quanto é possível prever, etc. Estabelecer este tipo de regras não vai fazer ultrapassar em definitivo os problemas, mas pode minorar, tanto quanto possível, as consequências desta situação.

O que é que os pais destes jovens lhes devem dizer?

É evidente que estes comportamentos devem ser fortemente censurados. Não há qualquer justificação, mesmo sob o efeito do álcool, para que os jovens tenham danificado o material e causado estragos no hotel. Se os pais tiverem autoridade para os castigar, é bom que o façam. O problema é que, muito provavelmente, os pais de quase todos eles não têm autoridade porque não a conquistaram durante a adolescência, o que faz com que agora tenham muito pouca margem de manobra para poderem impor um castigo. Nós assistimos claramente a um défice de autoridade dos pais. Há uma cultura de lazer e de diversão ao máximo por parte dosadolescentes e os pais têm muita dificuldade de impor limites.

Daquilo que tem visto, acha que tem havido uma certa desculpabilização destes jovens por parte dos pais?

Completamente e isso faz-me imensa confusão. Tem havido uma desresponsabilização dos jovens, atribuindo-se culpas ao hotel ou ao agente de viagens, o que é completamente errado do ponto de vista educativo. Primeiro os pais e depois a sociedade devem responsabilizar os adolescentes pelos seus atos em Torremolinos.

Se fosse pai de um destes adolescentes e o seu filho chegasse a casa a dizer que não tinha feito nada, que tinham sido outros a fazer, o que lhe diria?

Eu nunca aceito esse tipo de argumentação. Num grupo todos somos responsáveis. É evidente que há sempre forças positivas e forças negativas. Nós temos que apelar para as forças positivas, mas devemos censurar o comportamento do grupo. Eu penso que não se deve sequer procurar ver quem foi o mais ativo e quem é que bebeu mais. É preciso é ver o que é que se passou com as forças positivas, que não conseguiram controlar o processo.

Que tipo de castigos acha que se deveriam aplicar?

O castigo só se pode aplicar se os pais o conseguirem levar a cabo. É muito importante passar essa mensagem porque há muitos castigos que os pais enunciam mas que depois não conseguem fazer cumprir, o que ainda é pior. Para mim, fazia todo o sentido que no próximo fim de semana estes jovens tivessem de ficar em casa e não pudessem sair à noite. O problema é que em muitas famílias com que eu lido todos os dias esses castigos são enunciados e depois o adolescente abre a porta e vai-se embora e volta às horas que quiser, porque a família perdeu autoridade sobre o adolescente. Os jovens hoje em dia têm muito poucos limites; desde que tenham boas notas os pais deixam fazer tudo.

Mas faz parte da adolescência uma certa transgressão e um quebrar de regras. Onde se deve traçar a fronteira?

Claro que faz parte, mas com limites. As fronteiras têm a ver com a liberdade dos outros. É perfeitamente admissível que possam fazer algum barulho, que possam beber um pouco a mais ou ter uma aventura sexual. Tudo isso está perfeitamente dentro do que é habitual nos grupos juvenis. Mas obviamente não pode ser permitido que destruam material e que façam roubos, como por vezes fazem.

Dantes as viagens de finalistas ocorriam no final da faculdade, depois passaram a realizar-se também no final do ensino secundário e agora até já se organizam no 4º ano. Faz sentido?

Para jovens tão novos acho que não. Para mim pode fazer algum sentido na adolescência, a partir dos 15 anos, no 9º ano, quando se muda de escola. Mas já se organizam também no 4º e no 6º ano de escolaridade, o que não faz sentido. É um excessivo protagonismo da liberdade juvenil, que acho que não é bom.

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.