Unicef apela a ação coordenada para prevenir assédio moral e intimidação na internet

Fevereiro 28, 2019 às 12:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia da ONU News de 5 de fevereiro de 2019.

Dia da Internet Segura assinala-se a 5 de fevereiro; agência da ONU quer definir direitos digitais das crianças; 94% dos jovens entre 15 e 24 anos nos países desenvolvidos estão online.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, adverte sobre os perigos da violência online, cyberbullying e assédio digital para 70,6% dos jovens de 15 a 24 anos que utilizam a internet.

Em comunicado, a agência pede uma ação conjunta para combater e prevenir violência online contra crianças e jovens.

Apelo

O apelo é feito no Dia da Internet Segura e surge na sequência de uma recente pesquisa do Unicef que contou com a colaboração de 1 milhão de respostas, ao longo de cinco semanas, de jovens oriundos de mais de 160 países.

Neste estudo, eles fornecem respostas sobre o que os seus pais, professores e decisores políticos poderiam fazer para tornar a internet mais segura.

A “bondade” destacou-se como um dos meios mais poderosos para evitar o bullying e o cyberbullying.

A diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, afirmou que depois de consultar crianças e jovens de todo o mundo concluiu-se que a Internet se tornou “um deserto de bondade” e, por isso, neste dia, o Unicef “convida todos, jovens e velhos, a serem gentis online, apelando a uma maior ação para tornar a Internet um lugar mais seguro para todos.”

Riscos

A Internet faz parte das vidas dos jovens, independentemente do nível de rendimento. De acordo com a União Internacional de Telecomunicações, UIT, 94% dos jovens entre 15 e 24 anos nos países desenvolvidos estão online. Nos países em desenvolvimento este número ronda os 65%.

O Unicef considera que esta proliferação online comporta um “risco aumentado.” De acordo com dados da Agência da ONU para a Educação, Ciência e Cultura, Unesco, a proporção de crianças e adolescentes afetados por cyberbullying nos países desenvolvidos varia entre os 5% e os 21%, “sendo que as meninas parecem mais propensas ao cyberbullying do que os meninos.”

O Unicef lembra que o cyberbullying pode causar danos profundos, uma vez que pode atingir rapidamente um público amplo e pode permanecer online indefinidamente, virtualmente “seguindo” as suas vítimas para a vida.

O Fundo da ONU explica também que as vítimas de cyberbullying são mais propensas a usar álcool e drogas e tendem mais a desistir da escola do que outros estudantes.

Eles também são mais propensos a ter notas baixas e a ter baixa autoestima e problemas de saúde. Em situações extremas, o cyberbullying pode levar ao suicídio.

Direitos Digitais

No Dia da Internet Segura, o Unicef lembra que a bondade, tanto online como offline, “é uma responsabilidade que começa com cada um.”

Em homenagem ao 30º aniversário da adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança, o Unicef pede ainda urgência e cooperação renovadas para colocar os direitos das crianças na vanguarda dos esforços digitais.

Fore lembra que “trinta anos após a adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança e a criação da World Wide Web, chegou a hora de governos, famílias, universidades e setor privado colocarem as crianças e os jovens no centro das políticas digitais.”

 

 

Metade dos miúdos ignora a regra de não falar com estranhos

Fevereiro 27, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 23 de fevereiro de 2019.

Estudo EU Kids Online analisa hábitos de crianças e jovens, dos 9 aos 17 anos, na Internet e nas redes sociais. 44% dizem que acabam por se encontrar com as pessoas que conhecem na Internet. Mas o risco pode ser uma oportunidade, defende uma das autoras do estudo que integra um projecto europeu.

Bárbara Wong

A recomendação é conhecida e passada de geração em geração: não falar com estranhos. Contudo, mais de metade das crianças e jovens entre os nove e os 17 anos ignora-a e fala na Internet com pessoas que não conhece. Mais: 44% chegam mesmo a encontrar-se com essas pessoas que encontram online. São dados da nova edição do estudo EU Kids Online, que será apresentado na próxima quinta-feira, em Lisboa.

Outras conclusões? 37% das crianças e jovens portugueses entre os nove e os 17 anos contaram que viram, no último ano, imagens de cariz sexual em dispositivos com acesso à Internet (sobretudo) ou noutro local. Esta experiência é mais frequente entre rapazes (44%) do que entre raparigas (29%). Olhando para os diferentes grupos etários, encontram-se diferenças importantes: 59% dos jovens dos 15 aos 17 anos, por exemplo, disseram aceder a estes conteúdos. Entre os nove e os 11 anos foram 11%.

O estudo fala ainda de sexting, isto é, enviar “mensagens ou imagens” de cariz sexual, conversar “sobre ter relações ou sobre imagens de pessoas nuas a terem relações”. Em 2018, um em cada quatro entrevistados recebeu mensagens sexuais explícitas. É uma subida muito significativa face a estudos anteriores.

O EU Kids Online parte de um inquérito feito a 1974 crianças e jovens portuguesas — metade rapazes e metade raparigas, sendo que a faixa dos 13 aos 17 representa 62% dos inquiridos. O estudo integra um projecto europeu que abrange três dezenas de países que fazem análises semelhantes. Por cá, é levado a cabo pelas investigadoras Cristina Ponte e Susana Batista, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa.

Esta é a terceira vez que o inquérito é feito. Aconteceu em 2010 e em 2014, o que permite fazer comparações. Ao PÚBLICO, Cristina Ponte sublinha a rápida evolução que se verificou, graças ao desenvolvimento dos dispositivos. “Esta geração que respondeu ao inquérito apanhou, primeiro, com o boom da Internet nas escolas — com o programa Magalhães e o e-escolas, por exemplo. Depois, com o desinvestimento tecnológico. E por fim com a chegada dos smartphones. Hoje, toda a família tem. Possivelmente os avós têm tablets e falam com eles por Skype. Toda a sociedade está a mudar e verificam-se mudanças de comportamento”, sublinha a investigadora.

Segurança dos filhos

No que diz respeito ao uso da Internet e das redes sociais, uma das maiores preocupações dos pais é que, através destas, os filhos conheçam pessoas novas e tenham encontros com elas. Temem pela segurança dos filhos, uma questão que não parece preocupar os mais novos, já que mais de metade das crianças e dos jovens contacta pela Internet pessoas que não conhece pessoalmente. O número cresceu velozmente dos 4% em 2010 para os 55% em 2018, entre os rapazes; e de 5% para 50% no caso das raparigas.

Menos de metade (44%) chega a conhecer essas pessoas pessoalmente — mas, comparando com 2014, são muitos mais os que se aventuram. Por exemplo, entre os mais novos, da faixa dos 9/10 anos, há cinco anos apenas 1% arriscavam. No ano passado, três em cada dez fizeram-no.
Estes encontros não são necessariamente uma experiência negativa. Até porque, segundo as investigadoras, há vários estudos feitos com adolescentes que referem que na maioria dos casos os encontros são com jovens da mesma idade.

Oito em cada dez (79%) dizem ficar “contentes” com esses encontros, ao passo que apenas 2% relataram já ter ficado de “algum modo perturbados”. Contudo, há diferenças por idades: a perturbação é expressa por 22% das crianças de nove e dez anos que responderam à questão. Em geral, as raparigas (83%) ficam mais satisfeitas com esses encontros do que os rapazes (74%). Aliás, 24% dos rapazes não fica “nem contente” “nem aborrecido”.

Cristina Ponte defende que a Internet e os meios móveis são parte integrante da vida das crianças e jovens e que, ao contrário do que a maioria dos adultos pensa, os riscos são oportunidades. “Em todas as línguas há um provérbio semelhante ao nosso que diz ‘quem não arrisca, não petisca’. Existe uma cultura avessa ao risco e este pode levar-nos a oportunidades, pois proporciona experiências e faz-nos confrontar quando algo não corre bem, fazendo-nos ganhar resiliência. O desafio para os pais e educadores é de trabalhar as competências sociais e os direitos humanos porque nada disto [a Internet] existe num mundo à parte”, justifica.

Menos portáteis

A grande mudança verificada, desde o primeiro inquérito, foi nos dispositivos usados para aceder à Internet. Se antes a maioria dos jovens portugueses respondiam que tinham portáteis pessoais — aliás, lideravam entre os 25 países europeus inquiridos em 2010, em que apenas 26% acediam através de telemóvel —, em 2018 têm smartphones (87% usam-nos todos os dias para aceder à Internet) e o acesso por computador caiu para 41%.

Só esta mudança — do computador para o telefone — permite fazer mais actividades e durante mais tempo (três horas diárias, em média), como ouvir música (80%), ver vídeos (78%), estar nas redes sociais (73%), fazer trabalhos para a escola (27%) ou ler e procurar notícias online (27%). Estes números quase que duplicaram comparativamente a 2014: nessa altura, 52% ouviam música, 50% viam vídeos e andava nas redes sociais, 21% usavam estes dispositivos para trabalhos para a escola e apenas 10% liam notícias.

Elas começam mais cedo a usar a Internet do que eles. Elas utilizam as redes sociais e comunicam com os amigos e familiares; já eles usam-nas para entrar em grupos com interesses e hobbies comuns e para ler notícias. Cristina Ponte sublinha a importância da leitura de notícias, mas alerta para a possibilidade de os jovens fazerem leituras que “acentuem extremismos ou radicalização ideológica”. Por isso apela para as “responsabilidades que a indústria tem em criar condições de segurança”, assim como para a necessidade de “fortalecer a educação para os direitos humanos”, tanto nas escolas, como nas famílias (e na sociedade em geral).

Bullying e pedidos de ajuda

Quando se pergunta aos inquiridos se tiveram situações que os incomodaram na Internet no último ano, 23% reportam que sim — os mais novos e os mais velhos são os que mais se queixam, assim como mais as raparigas do que os rapazes. De resto, as queixas subiram significativamente em relação aos anos anteriores — por exemplo, entre os mais novos (nove/dez anos), cresceu de 3% em 2014 para 25% em 2018.

Quando algo acontece, prevê-se que peçam ajuda e assim é: 42% recorrem aos amigos e 33% aos pais, apenas 5% falam com os professores. Elas pedem mais ajuda do que eles. Também são elas que, embora não tenham tantas competências tecnológicas, tomam atitudes como bloquear a pessoa, impedindo-a de voltar a contactar. São também elas que apagam mais as mensagens que as incomodam ou mudam as suas definições de privacidade. “Os pais mostram-se mais preocupados com a segurança das raparigas [na Internet], mas até que ponto isso é preciso?”, questiona Cristina Ponte, perante estes dados.

O que também cresceu foi o número de crianças e jovens que diz que sofre de bullying (online e offline) — um em cada quatro queixa-se, quando nos inquéritos anteriores, a média era inferior a 10%. Ou seja, o valor mais do que duplicou. As raparigas (26%) reportam mais esta situação, mas ser alvo de bullying aumentou mais nos rapazes.

Para três em cada dez inquiridos, o bullying ocorre com “bastante ou muita frequência”. Aliás, o online prevalece, ou seja, o ciberbullying.

Além das vítimas, também há agressores entre os inquiridos, os bullies, cerca de 17%, mais eles do que elas. Cristina Ponte defende que, na escola, é preciso trabalhar as emoções em situações de role play, ou seja, em que os miúdos se ponham no lugar do outro. “Eles sabem o que mais magoa por experiência própria. Há uma humilhação pública quando há imagens ou mentiras a circular na Internet”, explica.

E onde ficam os pais? Dão conselhos sobre como usar a Internet em segurança (45%), mas apenas um terço fala com os filhos sobre o que fazem na Internet. Há miúdos que se queixam de ter pouca atenção em casa (32%) e quatro em cada dez declaram que já ignoraram “algumas ou muitas vezes as regras dos pais”. Os que mais respeitam os progenitores são os mais pequenos.

 

 

 

Vigilância e assédio à distância de uma aplicação

Fevereiro 26, 2019 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 28 de janeiro de 2019.

Há aplicações que permitem a namoradas e maridos ciumentos aceder a conteúdos e registos dos telemóveis dos parceiros. É só um exemplo do vasto fenómeno do cyberstalking.

Pedro Fonseca

Foi a 18 de Janeiro de 2003 que Peggy Klinke foi assassinada por um ex-namorado e, poucos meses depois, a sua irmã Debbie lançou o Stalking Awareness Month (mês de sensibilização para o stalking, ou perseguição). Pela 15ª vez nos EUA, Janeiro foi o mês dedicado a chamar a atenção pública para este tema.

No passado, o stalking era mais físico e envolvia vigilância presencial, assédio no espaço laboral ou o envio repetitivo de objectos, visando provocar medo na vítima. Em Portugal, a Associação de Apoio à Vítima tem uma página dedicada a explicar o fenómeno.

Em anos mais recentes, evoluiu para formas mais tecnológicas, dando origem ao chamado cyberstalking (o que inclui a análise de conteúdos e registos em telemóveis ou computadores), e também à criação de stalkerware, nome dado ao software que facilita intrusões nos dispositivos electrónicos. Há ainda a disseminação de factos e falsidades sobre uma determinada pessoa nas redes sociais ou em fóruns públicos, um fenómeno conhecido por cyberbullying.

A UNESCO disponibilizou este mês o relatório Behind the numbers: Ending school violence and bullying (“Por trás dos números: acabando com a violência e o bullying nas escolas”), onde aponta que este é um “problema crescente”. Dados de sete países europeus, entre os quais Portugal, mostram que a proporção de crianças entre os 11 e os 16 anos que usam a Internet e foram vítimas de cyberbullying aumentou de 7% em 2010 para 12% em 2014.

Os principais visados são estudantes mais velhos, bem como aqueles considerados “diferentes” (na aparência física, raça, nacionalidade, cor da pele, género sexual), e ainda pobres e migrantes.

Os estudos internacionais, segundo aquela organização das Nações Unidas, indicam que as raparigas são mais vítimas de mensagens electrónicas de texto, enquanto no envio de imagens não existem grandes diferenças de género.

Legislação recente

Portugal tem legislação que penaliza com prisão de dois a cinco anos a chamada “pornografia de vingança”, incluindo a divulgação de imagens e sons online. O diploma foi aprovado por unanimidade na Assembleia da República em Junho e entrou em vigor a 1 de Setembro. Mas os avanços neste domínio são recentes.

“Nos últimos trinta anos o stalking vem sendo conhecido pelo mundo, havendo um desconsenso [sic] quanto ao potencial criminoso das condutas compreendidas por esse fenómeno. Portugal passou a se preocupar com essa conduta há menos de uma década”, escreveu Sephora Marchesini em O stalking nos acórdãos da Relação de Portugal: a compreensão do fenómeno antes da tipificação.

No texto de 2015, publicado na revista Configurações, uma publicação dedicada à Sociologia, nota-se como “o primeiro artigo científico português é do ano de 2007 e nele se apresentou o estado da arte [do stalking] na esfera internacional”. No campo jurídico, apenas em 2010 o Tribunal da Relação de Évora “referenciou pela primeira vez em Portugal o termo stalking, como condutas que consistem na prática do crime de perturbação da paz e sossego”, seguindo-se dois anos depois o Tribunal da Relação do Porto a confirmar que esse crime tinha “características de stalking” e a introduzir “a perturbação da vida privada por telefonema como um tipo penal, com o fim de abranger as condutas conhecidas por stalking“.

No caso do cyberstalking, investigadores da Escola de Psicologia da Universidade do Minho consideravam em 2015 que este fenómeno “poderá ser um modo complementar de perseguir e intimidar no mundo real”.

Em Cyberstalking entre adolescentes: uma nova forma de assédio e perseguição? afirmavam que “o cyberstalking não é substancialmente diferente do stalking convencional”. Porém, notavam que “a omnipresença, a versatilidade e a inovação das estratégias que o cyberstalking ostenta fazem com que este fenómeno encerre um maior potencial de intrusão, exequibilidade e extensão, comparativamente ao stalking convencional”. Mas será mesmo assim?

Num estudo posterior, Vitimação por cyberstalking: prevalência, impacto e factores de risco em jovens adultos universitários, salienta-se uma característica distintiva do cyberstalking, que passa por “incitar outras pessoas a realizar stalking à sua vítima” – o chamado “stalking por procuração” (ou “stalking by proxy”).

Na dissertação de Ana Bessa Santos, apresentada em Setembro passado na Faculdade de Direito da Universidade do Porto e que envolveu um inquérito a 562 estudantes das universidades do Porto, Vila Real, Coimbra e Lisboa, apenas 66 inquiridos referiram “já ter sido vítima de cyberstalking em algum momento na sua vida”. Destes, “14,6% são do sexo feminino (57) e 5,3% correspondem ao sexo masculino (9)”.

Um outro estudo, da Faculdade de Direito da Universidade Católica do Porto, nota como a maioria das vítimas “é representada por mulheres e os stalkers maioritariamente [são] pessoas do sexo oposto”. Em “O crime de stalking“, a autora, Lígia Teixeira, recorda ainda a tipologia clássica dos agressores, normalmente agrupados em “rejeitado, em busca de intimidade, inapropriado, ressentido/rancoroso e predador”.

Espiar telemóveis

Estas pessoas, também pela evolução tecnológica das últimas décadas, têm agora uma parafernália de aplicações e serviços online, conhecidos por stalkerware. Embora sendo ilegais em países como Portugal, podem ser comprados ou assinados por quem se quiser dar a esse trabalho.

Múltiplos artigos na imprensa internacional têm dado conta de como há aplicações à venda para telemóveis Android que permitem aceder a dados dos telemóveis em que sejam instalados, como a localização, registo de chamadas, as próprias conversas em tempo real, mensagens (no telemóvel ou em redes sociais) e histórico de navegação. Podem até dar acesso à câmara fotográfica ou ao microfone.

Também conhecido por spouseware (devido à palavra inglesa spouse, que significa esposo) este tipo de aplicação sofreu um revés público quando, a partir de 2017, a revista Motherboard publicou um conjunto de reportagens com dados agregados sobre clientes das empresas fornecedoras de stalkerware, permitindo detectar como “pessoas normais – advogados, professores, operários da construção, pais, amantes ciumentos” o usavam.

O assédio persistente tem ainda uma outra vertente de conjugação entre o mundo electrónico e físico, conhecida por swatting.

No início deste mês, um responsável de cibersegurança do Facebook viu a sua casa invadida por uma equipa SWAT (sigla de Special Weapons And Tactics, usada por unidades especiais inseridas nas forças de autoridade), após a polícia ter recebido um telefonema a avisar que ele teria morto a esposa, amarrado os filhos e colocado bombas perto de casa.

Preso durante algumas horas, o executivo da rede social foi vítima de uma partida usando um número de telefone cujo proprietário será difícil de identificar.

O swatting pretende assustar – embora já tenha provocado uma morte, pelo menos – e está disseminado nas comunidades dos videojogos e das criptomoedas. Muitas vezes o objectivo é uma vingança contra a vítima.

Foi o caso do analista de cibersegurança Brian Krebs, que em 2013 foi também vítima de swatting e, em simultâneo, de um ataque para impedir o acesso ao seu site KrebsOnSecurity. No telefonema para a polícia, o autor afirmou ser o próprio Krebs e disse que vários russos se tinham introduzido em sua casa e morto a sua mulher.

Segundo o FBI, os registos iniciais deste tipo de crime remontam a 2008. “As vítimas ficam assustadas e são apanhadas de surpresa”, afirmou Kevin Kolbye, agente do FBI em Dallas, considerando que os responsáveis são “bastante credíveis” nos telefonemas. Mas “é uma situação perigosa de qualquer das formas que se olhe para ela”.

 

 

Behind the numbers: ending school violence and bullying – novo relatório da Unesco

Fevereiro 26, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Descarregar o relatório no link:

https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000366483

 

Ação “Agressão entre pares : Bullying e Cyberbullying” 21 de fevereiro em Lisboa

Fevereiro 15, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Tópicos:

O que é o bullying?
Características das vítimas, dos agressores e das testemunhas?
Quais os principais sinais de alerta?
Como agir… se o meu filho é vítima? E se o meu filho é agressor?
Qual o papel da escola?
Que competências promover para prevenir?

Mais informações no link:

http://www.red-apple.pt/workshops-redapple/item/209-encontros-_pais

Como minimizar o impacto do Cyberbullying

Janeiro 31, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Texto do site Internet Segura de 14 de janeiro de 2019.

O ambiente online oferece diferentes oportunidades e riscos aos seus utilizadores. O Cyberbullying é um dos riscos potencializados pela Internet.

Resultado da conjugação das palavras Cyber e Bullying, este comportamento tem como objetivo infligir sofrimento e/ou ofender a integridade da vítima, através da utilização das tecnologias online. O Cyberbullying pode manifestar-se de diferentes formas: pela publicação não autorizada de fotografias nas redes sociais, por insultos através de mensagens, roubo de identidade, intimidação, entre outras.

Por isso, o Centro Internet Segura organizou um conjunto de dicas de como minimizar situações de Cyberbullying para pais e filhos.

Para os pais/familiares/educadores:

– Fale sobre o tema do Cyberbullying com o seu filho, para que ele esteja a par dos seus diferentes riscos e formas;

– Conheça o mundo digital do seu filho, nomeadamente as plataformas e canais online que mais utiliza;

– Converse com o seu filho regularmente. Faça saber que pode confiar em si e falar consigo caso esteja a ser vítima deste comportamento;

– Se tiver conhecimento de um caso de Cyberbullying, intervenha denunciando-o e contactando a Linha Internet Segura para definir a melhor estratégia de resolução para o caso.

Para os jovens:

– Caso alguém te esteja a provocar ou a tentar humilhar, não respondas. Se reagires o agressor vai perceber que está a conseguir o efeito que pretendia sobre ti. Se estiveres nesta situação, mantem-te calmo e bloqueia o agressor das tuas redes sociais e outros canais de comunicação online que possa utilizar até chegar até ti;

– Guarda registos do que aconteceu. Como a característica do Cyberbullying é ser realizada online poderás guardar todas as provas no teu telemóvel, através de capturas de ecrã ou gravações de conversas. Poderás, mais tarde utilizá-las para denunciar os agressores;

– Não compactues com os agressores. Quanto mais seguidores essa pessoa possuir, mais poder lhe estão a dar para magoar mais vítimas. Se estiveres a passar por alguma situação destas, recorda-te que podes entrar em contacto com a Linha Internet Segura;

– Se fores vítima de Cyberbullying pede ajuda. Procura um adulto em quem confies para denunciar ou intervir na situação.

Navegue em segurança!

 

Daniel Sampaio. “Os pais não devem ver pornografia com os filhos. Tenho casos de homens que o fazem

Janeiro 2, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Entrevista de Daniel Sampaio ao i 15 de dezembro de 2018.

Aos 72 anos, o psiquiatra quer viver até aos 80 e continuar a acompanhar famílias nos anos que tem pela frente.

É no escritório de sua casa, rodeado de livros, que Daniel Sampaio nos recebe para uma conversa que passa pela omnipresença da tecnologia mas também por questões clássicas na prática de um psiquiatra, como álcool, drogas e sexo. Gatos e psiquiatria são algumas das palavras que saltam à vista nas lombadas coloridas. Com uma experiência de mais de 40 anos a acompanhar famílias, adolescentes e casais, Daniel Sampaio defende o envolvimento dos pais na vida dos filhos, mas assinala que os mais novos também têm direito à sua privacidade. E acredita que a falta de tempo de que os pais se queixam é “um falso problema”, porque o envolvimento não passa só pela presença física.

Quando fala da sua família deixa sempre transparecer uma ideia de equilíbrio, de que cresceu com regras mas que os seus pais lhe deram sempre espaço para participar. É esse equilíbrio que faz falta às famílias?

Os meus pais eram pais com muito pouco tempo. Agora ouço pais dizer que não têm tempo, mas isso é um falso problema porque o tempo entre pais e filhos é sobretudo um tempo de momentos. Nós temos é de aproveitar bem os momentos do dia com os filhos, não é preciso estarmos muitas horas, porque o convívio intimo das pessoas que vivem em conjunto proporciona vários pequenos momentos. Os meus pais trabalhavam muito, o meu pai era médico de saúde publica e foi Diretor-Geral de Saúde. Vivemos em Sintra até aos meus 15 anos – portanto infância e parte da adolescência foi passada em Sintra. O meu pai saía muito cedo, voltava tarde, e a minha mãe era explicadora particular de inglês e dava lições todo o dia. O grande contributo para a minha educação foi o aproveitar muito bem o tempo do pequeno-almoço, do final da tarde, da hora de jantar e da hora de deitar, de que eu falo no meu livro “Do Telemóvel para o Mundo”, e proponho esses tempos como tempos essenciais. Depois, o mais importante é que estimulavam muito a participação. Promoviam conversas sobretudo à hora de jantar e nos fins de semana sobre temas variados, da atualidade. O meu irmão tem mais sete anos do que eu, havia uma diferença grande de idades, mas eles conseguiam mesmo assim um equilíbrio de modo a pôr os dois filhos a participar, e isso foi muito estimulante.

Lembra-se de algum episódio em particular?

Lembro-me por exemplo de aos 12 anos, quando Humberto Delgado se candidatou à Presidência da República. Eu não sabia nada sobre Humberto Delgado, o meu irmão tinha 19 e já sabia muito, mas eu fui chamado a participar e a dar opinião sobre Salazar e sobre Humberto Delgado, e era sempre assim. Essa participação foi muito formativa e estimulante.

Referiu-se à falta de tempo como “um falso problema”. Mas a verdade é que isso é algo de que os pais se queixam cada vez mais, não é?

Sim. Os pais usam muito esse argumento, quanto a mim mal. Evidentemente que os pais que têm filhos, crianças ou adolescentes, estão numa fase muito ativa da vida profissional e do ponto de vista físico não têm muito tempo, mas há uma falsa ideia nos pais de que têm de promover conversas com os filhos e estar muitas horas a falar com eles.

Não é isso que os filhos querem?

Nas crianças e adolescentes de hoje, esse não é um bom método porque eles gostam de coisas rápidas e não gostam de estar muito tempo sentados a conversar. Portanto nós temos de aproveitar os momentos em que o pai está a fazer a barba, em que a mãe está eventualmente a preparar o pequeno-almoço ou o jantar, e os filhos podem colaborar. E é aí que pode falar-se sobre o que aconteceu na escola, sobre uma coisa que apareceu na internet, sobre um encontro que eles tiveram. Tem de haver envolvimento emocional dos pais.

Esse envolvimento tem que ver com aquela ideia de que os pais devem ser amigos dos filhos? É defensor disso?

Não sou nada defensor disso, mas sim da renovação da autoridade. O que me preocupa hoje em dia, e tenho muitas consultas sobre isso, são pais que não têm autoridade sobre os filhos, porque eventualmente foram muito camaradas, estiveram muito próximos e portanto ficaram sem autoridade. E na adolescência é preciso ter autoridade, que tem de ser construída, porque uma criança e um adolescente não aceita imediatamente a autoridade do pai e da mãe. O pai verdadeiramente sábio é o pai que conhece bem os filhos e que está próximo dos filhos e daí emana uma autoridade natural. Se eu for muito próximo de uma pessoa, posso influenciá-la. Essa construção da autoridade começa na infância. As pessoas pensam que quem mais influencia são os amigos, os professores, a internet, os namorados; tudo isso é muito importante, mas a grande influência é dos pais. Quando os pais estiveram muito envolvidos e não conseguiram essa autoridade, é natural que haja uma contestação por parte dos filhos adolescentes. Apesar de essa contestação fazer parte do crescimento, se os pais têm uma autoridade natural conseguem ultrapassar esse obstáculo.

Mas essa gestão é um bocadinho complicada, não é? Porque os pais têm de se envolver, mas ao mesmo tempo não podem envolver-se demasiado…

Têm de se envolver afetivamente e isso passa pela proximidade física, pelo carinho, pela ternura, mas passa também pelo respeito da intimidade da criança e sobretudo do adolescente. É preciso haver alguma distância. O quarto do adolescente, por exemplo – é importante que os pais respeitem esse espaço, mas não quer dizer que o filho não tenha de arrumar o quarto de vez em quando. O envolvimento passa não por muito tempo físico, mas por muita atenção, orientação, companheirismo, respeito de parte a parte. Em Portugal devia haver muito mais estruturas que apoiassem os pais, como grupos de pais nos centros de saúde, onde pudessem trocar experiências. Muitos pais pensam que é preciso mandar o filho ao psicólogo e ao psiquiatra, mas nem sempre. Estimulo muito que os pais contactem com pais que tenham filhos da mesma idade porque a troca de experiências é muito importante, o falar sobre a condição de ser pai.

Porquê psiquiatria?

No final do secundário fui muito influenciado por uma professora de filosofia, Maria Luísa Guerra, que ainda está viva e lúcida, julgo que com 92 anos. Era uma pessoa que trabalhava com o grupo dos alunos, mandou-nos fechar o livro, que era muito mau, e dava textos para discutirmos. E portanto criou ali uma dinâmica de grupo muito boa, comecei a interessar-me por psicologia, que em Portugal estava muito pouco desenvolvida. Era filho de um médico, comecei a pensar que podia ir para psiquiatria e entrei na Faculdade de Medicina sempre a pensar que ia ser psiquiatra. Achei que o psiquiatra podia ter um campo mais vasto de atuação, porque pode fazer terapêuticas medicamentosas e pode fazer psicoterapia.

Como começou a dar aulas?

Fui convidado para assistente e depois fiz a carreira toda, que passa por vários graus. Foi muito bom, mas muito difícil. Tenho muitas saudades dos alunos e tenho saudades sobretudo do tempo em que a faculdade era professores e alunos, porque infelizmente a faculdade agora é professores, alunos e burocratas, há muitas pessoas nas faculdades que se perdem a exigir declarações e relatórios. Esses foram os últimos anos da minha carreira, quanto a mim houve muito tempo perdido a fazer relatórios e justificações.

Destaca em algumas conversas o facto de ter tido um gato até aos 18 anos. Os animais fazem falta às famílias?

Tenho tido sempre gatos, toda a vida. Agora tenho uma com 14 anos. Sou completamente um cat lover. Há ali uma oferta [aponta para uma estante] que um neto me trouxe de Roma, que diz “io amo i gatti”. Gosto muito da personalidade dos gatos e da companhia que fazem, acho que o gato é como os filhos: se nós tratamos bem o gato, o gato trata-nos muito bem; se tratarmos bem o filho, com muito envolvimento, com ternura, mas também com regras – os gatos também precisam de regras – o filho gosta muito de nós. Os animais são muito bons para as crianças. É muito importante que as pessoas possam desenvolver uma relação com o animal, possam cuidar do animal – às vezes pedem por exemplo um cão aos pais e depois não se interessam por cuidar dele e é o pai que vai levar o cão à rua, e isso é pena. Dá trabalho, mas vale muito a pena.

Além do seu irmão [o ex-presidente da República Jorge Sampaio], que é mais velho sete anos, teve também outra presença mais velha com quem conviveu bastante – o cientista Filipe Duarte Santos. Ambos foram pessoas bem sucedidas desde cedo, observá-los influenciou-o de alguma forma?

É meu primo direito, do lado da minha mãe. O que eu recordo da nossa infância e adolescência é que era a nossa avó que estimulava muito o nosso convívio, dos três netos. E esse convívio foi muito importante para mim. O meu primo sempre foi cientista, desde novo. De vez em quando estava connosco, era muito novo, pegava numa folha de papel e desatava a fazer fórmulas matemáticas à nossa frente e nós não percebíamos como era possível fazer aquilo. Sempre foi uma pessoa muito avançada do ponto de vista da ciência e fico muito satisfeito que agora tenha este reconhecimento internacional em termos das alterações climáticas. Foi pioneiro e está muito bem, com 76 anos. A par do meu irmão, foi muito formativo ter duas pessoas que sempre foram boas na sua área. São duas referências para mim.

Os pais queixam-se dos filhos, os filhos queixam-se dos pais. O que está a falhar?

As pessoas queixam-se, mas não quer dizer que esteja alguma coisa a falhar. Se nós pensarmos em grande números, na maioria dos casos as famílias correm bem. As queixas são inevitáveis. A relação entre pais e filhos passa por uma separação que é inevitável. Para crescer tenho de me separar das pessoas que estão comigo, se não não consigo enfrentar o outro. Tenho de me separar e é difícil não o fazer sem conflito. Na maior parte dos casos, os conflitos são pequenos. A contestação é fundamental, ocorre sobretudo entre os 15 e os 18. A adolescência é uma época boa, apesar de as pessoas costumarem dizer que é terrível, que é a idade do armário, na maioria dos casos não é assim – é uma época de descoberta, de fazer amigos, de descobrir o amor e a sexualidade, de ter novas experiências, de viajar. Acho que se dramatiza muito as questões. Mesmo nas situações em que os pais se separam, o que é sempre muito traumático – os divórcios nunca são felizes, é sempre muito traumático para as crianças e para os adolescentes, e isso é uma coisa que às vezes se esquece – é preciso estar muito atento às consequências que isso traz sobre os filhos. Depois do divórcio, sou a favor da guarda alternada para que a criança ou jovem fique em contacto com o pai e a mãe.

Mas isso não é, de outra perspetiva, mau para a criança? Porque acaba por andar mais cansada, por exemplo.

Não. Sabe que eu tenho 40 anos de experiência, já passei por tudo, como ficarem só com a mãe e com o pai de 15 em 15 dias e jantar à quarta-feira – que durante anos foi a extraordinária decisão unânime dos tribunais, mesmo que o pai vivesse a 300 quilómetros de distância da mãe. A evolução para a guarda conjunta e residência alternada tem que ver com o facto de os pais durante muito tempo estarem privados do convívio com os filhos, porque se se está com uma criança um fim de semana de 15 em 15 dias e num jantar por semana, não se consegue desenvolver intimidade. É preciso partilhar a vida para haver envolvimento e ganhar-se autoridade e esses pais não tinham autoridade porque não tinham intimidade. A residência alternada é mais parecida com a família, porque as crianças e adolescentes têm contacto com o pai e com a mãe e adaptam-se muito bem.

As gerações mais velhas têm muito aquela ideia de que antigamente havia mais respeito, de que os jovens eram mais bem educados. Concorda?

Havia mais respeito porque havia mais distância, não é? A disciplina está ligada ao respeito, mas muito do respeito que havia em relação aos pais e professores era baseado no medo e agora esse autoritarismo já não funciona. Temos de construir o respeito, mas recíproco. É preciso que os professores respeitem os alunos para que os alunos os respeitem. É circular. O que observo mais é que há invasões do espaço de um adolescente que hoje são inadmissíveis. Não faz sentido que um pai mexa no telemóvel de um filho, não faz sentido que um pai pesquise os bolsos de um filho ou a gaveta, é uma falta de respeito. Claro que quando um filho usa um palavrão para o pai isso é falta de respeito, também. O respeito também te de ser construído.

Já exercia antes do boom da tecnologia – telemóveis, internet… Desde que a tecnologia se generalizou, as dinâmicas familiares pioraram?

Não. Estamos numa fase de transição. Apesar de o Facebook já ter 14 anos, falamos sempre de novas tecnologias – o Facebook, de resto, já é muito pouco usado pelos adolescentes, que usam mais o Instagram. Há uma evolução como houve no século XV, com a revolução na imprensa. Nos períodos de grande mudança das comunicações há adaptações e o que é interessante é que os jovens são os precursores desta nova forma de comunicar, eles vão à frente. É um território onde os pais e sobretudo os avós se mexem com mais dificuldade, mas defendo que é preciso que pais e avós estejam muito atentos e se atualizem. Eu tive de me atualizar, primeiro como médico e como escritor, mas adaptei-me também a comunicar em família. Nós temos um grupo no Whatsapp que se chama “family project” e é muito interessante porque estamos sempre a comunicar uns com os outros. Eu, a minha mulher – que é a campeã dessa forma de comunicar, está sempre em contacto com os três filhos e sete netos, menos os dois mais pequenos, que têm 7 e 8 anos. Temos cinco adolescentes e estamos sempre em contacto com eles, é permanente. É algo muito importante para a família – lá está a questão do tempo, não estamos sempre juntos e isto é extremamente positivo.

Quando se deve dar o telemóvel?

A partir dos dez anos, mas antes deve-se explicar e ir acompanhando com o tal envolvimento afetivo.

Até a criança ter telemóvel, o ver televisão – o tempo passado no ecrã – pode ser usado como ferramenta para educar para o uso futuro do telemóvel?

Exatamente, é a mesma coisa. Não se deve deixar uma criança passar muito tempo a ver televisão, como não se deve deixar depois um adolescente muitas horas no computador e no telemóvel. É uma questão que é adequada à idade, mas desde muito cedo deve-se interiorizar a regra. A educação é muito interessante: se conseguirmos fazer uma criança interiorizar uma regra, ela depois vai tomar conta dessa regra e torna-se natural. Se desde o princípio as crianças perceberem que o telemóvel, o computador, o tablet é para utilizar com tempo relativamente curto, isso vai ser interiorizado. Agora, o proibir não resulta. E a investigação é muito interessante porque já se sabe que em relação às dependências da internet sobretudo nos rapazes não funciona o castigo. Os rapazes são mais turbulentos do que as raparigas, são mais dependentes, mas justamente pelas características diferentes nos rapazes e nas raparigas, nos rapazes funciona muito melhor a persuasão e a autorregulação, ajudá-los a perceber que têm desde muito cedo de autorregular a utilização. As raparigas são mais fáceis de convencer através da retirada. Alguns pais tiram o telemóvel, escondem o telemóvel, nalguns caso até chegam a desligar a luz elétrica da casa quando tudo está sem bateria e assim impedem os filhos de carregar os aparelhos. Não faz nenhum sentido, são casos extremos, mas existem.

No fundo, nessas situações há uma transferência de autoridade.

Exatamente. Nalguns casos o que se passa é que a autoridade está invertida. São os adolescentes que mandam nos pais e isso é muito mau sinal do funcionamento da família.

Como podem os pais lidar com essa perda de autoridade?

Falando com outros pais e até procurando ajuda especializada, terapia familiar. O último livro que escrevi [”Do Telemóvel Para o Mundo”] é muito comprado pelas famílias e apareceu-me uma família com o livro todo sublinhado e com um papelinho com as regras. E o adolescente de 16 anos, que passava a vida no jogo Fortnite e no telemóvel, disse uma coisa muito interessante: “para que é que estamos a falar do telemóvel, quando nós não falamos uns com os outros?”. Ou seja, muitas vezes, o telemóvel e a internet servem um propósito, que é esconder a dificuldade que as pessoas têm de falar umas com as outras. Tem de se perceber que não se pode passar a vida a guerrear por causa do telemóvel quando o que está em causa é a dificuldade de aproximação entre pais e filhos e a gestão daquilo que é autonomia e daquilo que é controlo. Tem de haver sempre muita troca de informação entre pais e filhos. Os pais não podem controlar demasiado.

Quais são os perigos?

Esses filhos, que são superprotegidos, não se desembaraçam na escola, tenho verificado muito isto. Na escola, hoje em dia, um adolescente tem de se afirmar. Se um rapaz ou rapariga não sabe gerir a sua afinação pessoal, se mostra medo, se de alguma forma é muito diferente dos outros e não se consegue integrar, esse jovem tem problemas de relacionamento e isola-se. E aí é vitima dos outros. Esta mensagem é muito importante para os pais: “eu tenho de tornar o meu filho competente e para tornar o meu filho competente tenho de educar contra o medo, tenho desde muito cedo dizer quenão pode mostrar medo, mesmo que o sinta”. Nas situações de bullying – e de cyberbullying, através da internet – temos de pensar nos agressores e ver o que podemos fazer em relação aos jovens que fazem isso, mas temos de pensar nas vítimas também, que muitas vezes são muito tímidas e muito inseguras e não se conseguem afirmar. E aí é muito importante que a educação seja uma educação para enfrentar os outros. Muitos me dizem isto, que é difícil estar na escola, que há muitos comentários – que somos gordos, caixa de óculos. Por exemplo, as raparigas falam muito no problema do cabelo. Além dos testes, os pais devem preocupar-se com o modo como o rapaz ou a rapariga está a viver a sua relação com os outros. Temos de educar para esta afirmação pessoal.

Falou em cyberbullying. Tem acompanhado muitos casos?

Sim, bastantes. É uma das minhas preocupações neste momento. O bullying tradicional é uma coisa visível no pátio, vemos uns a baterem noutros, o cyberbullying é silencioso, de intimidação e provocação através da internet, e o que se passa muitas vezes é que o jovem que está a ser vítima desse cyberbullying está a sofrer em silêncio, não fala sobre isso a ninguém porque tem vergonha – aos amigos, aos professores, aos pais. Às vezes isso mantém-se por muito tempo e as mensagens vão-se tornando-se mais agressivas. É um tema que tem de se discutir na escola e é preciso que os pais estejam atentos, quando as crianças começam a dizer que têm dores de barriga, que não querem ir a escola, começam a chegar a casa chorosos, tristes, são sinais indiretos de que algo se passa. E aí é preciso confrontar diretamente e perguntar: “Passa-se alguma coisa com o teu telemóvel, estás a receber alguma mensagem?”. Há casos de jovens que foram submetidos a esta pressão durante muito tempo em que ninguém fez nada.

Disse que os pais não podem mexer no telemóvel do filho, mas nesse tipo de casos têm licença o fazer?

Só com autorização do filho. Sei que é muito discutível, mas a minha experiência pessoal como avô – porque na altura dos meus filhos não havia internet – e como psiquiatra, trabalhando com dezenas de jovens por semana, é um território muito íntimo e a linha vermelha é os pais não poderem entrar. Para saber o que se passa no telemóvel do meu filho em caso de risco, tenho de estar próximo dele, e isso tem que ver com a construção da autoridade e com a construção da intimidade. Se eu estou próximo, sento-me ao lado dele e digo – “olha acho que estás aflito, estás sempre a olhar para o telemóvel, passa-se alguma coisa? Vou sentar-me ao teu lado para que me possas mostrar”. O mais importante não é a mensagem em si, é ele poder dizer ao pai ou à mãe que está a receber mensagens de humilhação e provocação.

Deve haver regras quanto a horas para uso?

Sim, mas combinadas. Deve haver períodos em que não há telemóvel, aqueles que são fundamentais para a convivência em família – o acordar e partir para a escola, o pequeno-almoço tomado em casa – que muitas vezes não é -, a hora de chegar a casa e fazer os trabalhos e jantar e a hora de deitar. Não concordo por exemplo que os jovens estejam a estudar e ao mesmo tempo a receber mensagens, e aí é preciso bom senso, porque eles às vezes estudam a partir do telemóvel. E aí o pai tem de gerir, dar um tempo ao filho para estudar no telemóvel com os amigos, mas depois estudar sozinho. À hora de deitar, estar com o telemóvel torna-se um pouco complicado, porque muitos namoram a essa hora. E sabemos que o uso a essa hora perturba o sono por causa da luz, ao contrário do que eles dizem, que dizem que é muito bom porque provoca sono.

Disse que a idade certa para ter o telemóvel são os dez anos, mas nem todos os jovens têm maturidade nessa idade para ter um telemóvel.

Sim, claro, isso é uma orientação. Tem que ver com a passagem da monodocência para a pluridocência, eles passam a ter mais estímulos, vão ter um horário com menos horas, vão chegar mais cedo a casa, estão na pré-adolescência e a descobrir coisas novas. Os pais é que precisam de gerir, e não precisam de dar de início um telemóvel de último modelo. Mas devem dar um smartphone.

Se não a criança acaba por ser alvo de chacota entre os colegas, não é?

Exatamente. Tive um adolescente com 13 anos a quem os pais não davam um smartphone e ele dizia “eu tenho o telemóvel da minha bisavó, porque a minha avó já tem um smartphone, a minha bisavó é que tem um telemóvel destes”. Deve dar-se um smartphone com regras de utilização.

E se os pais se recusam a dar telemóvel e o adolescente vai para casa a dizer que todos os amigos têm, como gerir isso?

Eles fazem sempre isso. Os amigos têm sempre os melhores ténis, a t-shirt mais à moda, têm o melhor tablet, saem à noite todos os dias… isso é discurso adolescente, não é? Mas os pais aí têm de marcar a sua posição e dizer, por exemplo, que dentro de seis meses ou um ano o filho poderá ter.

Exerce há quarenta anos. Tem vindo a aperceber-se de que as crianças têm cada vez menos vontade de ganhar responsabilidade, de crescer?

Sim, completamente, mas isso deriva da educação. Uma educação que é sobretudo típica da Europa do Sul, Grécia, Itália e que é superprotetora. E a educação superprotetora dá pessoas imaturas e pessoas menos responsáveis. E eu sou muito contra isso, sou absolutamente a favor de que os adolescentes muito novos andem sozinhos na rua, utilizem o metro – se bem que agora todos querem andar de Uber – e se saibam desembaraçar. Isso de brincarem na rua, andarem na rua desde cedo e saberem safar-se de situações difíceis é extremamente importante para a maturação emocional. Isto é uma coisa que os pais devem com cuidado ir fomentando. Poder ir a pé uma parte do trajeto, poder andar de metro muito cedo, com 11 ou 12 anos podem perfeitamente desembaraçar-se desde que tenham um amigo ou andem em grupo, são coisas que os pais devem fomentar em vez desta coisa terrível e completamente paradoxal que é a criança estar a uma relativa distância de um clube onde vai fazer desporto e podia perfeitamente ir a pé e o pai vai levá-la de carro. E portanto os adolescentes veem a cidade através dos vidros dos carros dos pais. Nas grandes cidades, os pais têm muito medo – dos assaltos, dos predadores sexuais.

E então, protegem demasiado.

Exato. E prejudicam a sua vida – porque muitas vezes têm de interromper o trabalho e ir a correr para levar ao futebol e depois voltar para o trabalho e isso dá um cansaço enorme que se repercute depois ao fim do dia quando chegam a casa. A educação deve ser para a autonomia. Desde muito cedo, a criança com um ano pode começar a perceber que pode arrumar os seus brinquedos num cantinho, logo que comece a andar com dois anos já pode fazer mais coisas, com sete ou oito anos pode pôr e levantar a mesa e pode ir dormir a casa de um amigo. Todas essas coisas são muito importantes.

Tem muitos casos de jovens deprimidos?

Sim, muitos.

Mas têm vindo a aumentar?

O que tem vindo a aumentar são as perturbações de ansiedade – jovens com muita ansiedade social, que têm dificuldade em contactar com os outros, situações de fobias, de ataques de pânico. Tenho jovens muito ansiosos, com muita angústia, muita dificuldade nos testes, por exemplo. Há jovens com medos em relação à sexualidade, que têm muito medo – sobretudo os rapazes têm medo de se afirmar sexualmente, de não serem capazes de estar à altura da rapariga.

E o que podem fazer quanto a essas angústias?

Exercício físico. Sabe-se hoje em dia que o exercício físico regular é fundamental para o nosso cérebro, que com o exercício liberta substâncias calmantes. E a estes jovens, de 15, 16, 17 anos, ponho-os a correr na cidade.

E os resultados são bons?

Os resultados são espetaculares. As raparigas é mais difícil porque dizem que os homens se metem com elas quando correm, mas os rapazes não têm esse problema. Muitas vezes consigo não dar medicamentos, converso com eles, converso com os pais e ponho-os a correr, duas ou três vezes por semana, é melhor até do que o ginásio. Ficam mais satisfeitos com a sua imagem, mais calmos e de alguma forma dá-lhes bem estar psíquico para as dificuldades que têm de enfrentar.

Há quem diga que as redes sociais aproximam, há quem diga o contrário. A amizade mudou muito?

Não, os jovens saudáveis contactam muito em presença e contactam muito através das redes sociais. Estiveram a conversar com os colegas de manhã e chegam a casa e falam com os mesmos. A internet permite até que falem com amigos de outros países – isso é sobretudo importante na faculdade, quando fazem Erasmus, que é uma coisa que faz muito bem. Quanto àqueles jovens que têm dificuldade de comunicação, refugiam-se muito na comunicação virtual e temos de promover a ida dos amigos lá a casa, fomentar o desporto…

Tem uma relação longa, que começou no quarto ano da faculdade.

Tenho um casamento de 48 anos. Estamos a dois anos das bodas de ouro.

Da mesma forma que as redes sociais alteraram a amizade, mudaram também o amor? O amor ganhou com as possibilidade que a internet oferece ou perdeu?

Nunca me tinham feito essa pergunta. Está diferente, sim. Acho que o risco de infidelidade é maior, começa-se muitas vezes com uma mensagem e de repente está-se numa situação diferente. Acho que a fragilidade do elo conjugal é cada vez maior – isso é válido também para os casais do mesmo sexo, que acompanho na terapia familiar. O elo é muito frágil, porque as pessoas idealizam o amor. As pessoas gostaram muito uma da outra de início, estiveram apaixonadas, há a química do início da relação, há a grande descoberta do outro, mas isso tem curta duração, ninguém está apaixonado durante muito tempo. E depois é preciso que se construa uma relação e o mais importante para tal é reconhecer o outro e estarmos permanentemente atentos ao outro. Ou seja, eu só consigo ter uma relação profunda com a pessoa que amei, só posso continuar a amar essa pessoa, se estiver permanentemente atento ao que ela está a sentir e àquilo que ela deseja. E a outra pessoa a mesma coisa em relação a mim. Outro dia disse isto a um jovem adulto que vive com a namorada, tem 30 anos, e ele disse “mas isso dá imenso trabalho”. E eu respondi “imenso trabalho”. E o que se passa neste momento é que as pessoas são muito narcísicas, estão muito viradas para si próprias, para o seu êxito pessoal, para o seu bem estar físico – há muito investimento no próprio corpo, os ginásios estão cheios de pessoas para tirar a barriga. Este investimento na própria pessoa dá pouco espaço emocional para o investimento no outro.

A par das redes sociais, os pais continuam a ter preocupações clássicas como o tabaco, o álcool, a droga, o sexo. O que os assusta mais nestas questões?

O que assusta mais, em geral, é a perda de controlo dos pais em relação aos filhos, que pode levar a uma perda de controlo dos filhos. Os pais a certa altura percebem que não podem continuar a controlar, e isso é bom, mas têm de continuar a acompanhar, e como vimos às vezes há dificuldade nessa questão. Ou seja, eu tenho de ir controlando, mas ao mesmo tempo tenho de promover autonomia e esse equilíbrio é muito difícil, sobretudo nas famílias em que as pessoas não falam umas com as outras. É muito frequente que eles comecem a beber aos 15 ou 16 anos, mas ao contrário do que se ouve na televisão, muito poucos ficam alcoólicos. E é preciso passar essa mensagem. “Tens de ter cuidado com o que bebes, mas não é uma catástrofe se beberes aos 16 anos. Tens de beber com moderação e ao mesmo tempo tens de beber agua, para evitar desidratação. Quando vais sair à noite e sais de casa à meia noite, deves comer antes de sair, porque com o estômago cheio o álcool faz menos efeito.” São várias mensagens que se devem ter para evitar essas coisas mais graves, como o coma alcoólico, não se deve é dramatizar.

E as drogas?

O mesmo em relação à experimentação de drogas. Sou absolutamente contra a canábis, como psiquiatra, vi muitos jovens que desencadearam psicoses por causa do uso sistemático da canábis. É uma droga perigosa que tem consequências graves sobre o cérebro dos nossos adolescentes, que é um cérebro em formação e devem dizer não às drogas. Mas, se por acaso experimentarem, não quer dizer que venham a ser toxicodependentes, como os pais me dizem. “Ah, é um drogado”, não é, essa mensagem é terrível. Se experimentou, é uma coisa, se está a consumir todas as semanas é outra coisa, se está a consumir todos os dias já é muito mais grave. E temos de perceber qual é o significado do consumo, porque a canábis serve um propósito – muitas vezes é usada por causa da ansiedade, porque é calmante de início.

E quanto ao sexo, como devem os pais por exemplo lidar com a clássica situação de apanhar um filho a ver pornografia?

Mais de 90% dos rapazes veem pornografia. Muito mais do que as raparigas. É uma coisa que deve ser valorizada sobretudo pelas consequências negativas que pode ter. O que se passa muitas vezes com alguns rapazes que veem muita pornografia é que pensam que a vida sexual das pessoas é aquilo que veem no telemóvel e portanto fazem uma ideia da vida sexual que não corresponde à realidade das pessoas com quem estão e das raparigas com quem se vão cruzar. E os pais não devem ver pornografia com o filhos.

Tem casos desses?

Sim, casos de homens que veem com os filhos. Acham tudo muito natural.

Mas isso é levar a questão a um extremo pouco saudável, não é?

Claro. E tenho também pais que fumam haxixe com os filhos. É o pai camarada. “Já que sou camarada dos meus filhos, posso fumar ganzas com eles, e porque não também ver pornografia com eles?”. Tenho casos assim e não é um ou dois. E eu digo logo que isso não se pode fazer. Mas quanto à pornografia, os pais devem falar sobre isso. Devem dizer que não corresponde à vida normal das pessoas e por outro lado é um negócio que explora o corpo da mulher e do homem e não é uma coisa saudável. Mas faz parte de um percurso, claro que depois quando arranjam namorada deixam de ver. Deve ser falado na escola e em casa sem constrangimentos. Eu passei a falar da questão da pornografia nas consultas, porque eles ficam aliviadíssimos, porque veem às escondidas dos pais. Noutro dia perguntei a um rapaz de 17 anos se de vez em quando via pornografia e a resposta foi “vejo todos os dias”, e a partir daí começámos a falar. Curiosamente este rapaz tem muita dificuldade na interação com as raparigas, e a pornografia prejudica a interação.

A educação sexual devia ter um papel nisso, não é?

Sim. É lamentável. Fez-se um esforço enorme entre 2005 e 2009 para se pôr educação sexual nas escolas, estive nisso, criou-se um grupo de trabalho e uma lei de educação sexual. Entre 2009 e 2018, houve um desinvestimento. É uma pena, porque educação sexual permite falar de tudo. Não é só falar do preservativo e da pila. Também é, mas o mais importante é que se fala de educação – respeito homem-mulher, respeito das minorias sexuais, afetos e emoções ligados à sexualidade. Quando há educação sexual as pessoas iniciam a vida sexual mais tarde, porque percebem que é um momento muito importante na vida.

Acha que as crianças e os jovens passam muito tempo na escola? Muitas vezes o que acontece é que perdem fins-de-semana a fio, por exemplo, para estudar. É sensato?

Isso acontece sobretudo com aqueles que querem ter boas notas no secundário para entrar na faculdade. Acho que a escola tem um horário excessivo, passam muito tempo na escola, sobretudo os mais novos. Mas o que me impressiona mais é que a escola é muito pouco caritativa, é muito semelhante à escola do meu tempo. Tenho netos no Pedro Nunes, onde eu andei, e as histórias que me contam de professores a falar durante 90 minutos são muito semelhantes às minhas, mas no meu tempo eram 50 minutos. A escola não evoluiu em termos de metodologia de ensino, o ensino continua muito dependente do professor, com muito pouco trabalho de grupo e muito pouco interativo. Ao contrário dos estudantes e da sua vida, que é muito interativa. E depois querem que estejam 90 minutos numa cadeira a ouvir os professores. A escola de hoje é um confronto entre professores e alunos, muitas aulas não são dadas por indisciplina.

Disse que acompanha também casais homossexuais. Uma criança que cresce dois pais ou duas mães é prejudicada?

Não. Não vejo nenhum problema nisso e a criança não se torna homossexual por isso, desde que esse casal tenha a preocupação de se dar com pessoas de outro sexo para que a criança possa diversificar as suas relações. Crianças educadas por casais do mesmo sexo não têm mais problemas do que as outras nem se tornam homossexuais, isso são receios das pessoas. O percurso para a aceitação da homossexualidade não é um percurso fácil, às vezes ouve-se que determinada pessoa “optou” por ser homossexual, isso não existe. As pessoas não optam, não é uma opção. A partir do momento em que uma pessoa aceita a sua homossexualidade e vive com uma pessoa do mesmo sexo, não vejo nenhum problema em que a pessoa adote uma criança. Aliás, eu fui das pessoas que falou logo a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo e tenho acompanhado vários casais.

Esses casais têm problemas semelhantes aos dos casais homossexuais?

Os problemas são exatamente os mesmos. São problemas de comunicação, de fidelidade, das redes sociais, da sexualidade. Tem que ver com partilhar a vida. é difícil partilhar a vida com uma pessoa, mas é mais difícil estar sozinho. As pessoas sozinhas têm muito mais doença mental e são mais infelizes, apesar de os casais se queixarem. As pessoas sozinhas sentem uma grande solidão e um grande desejo de encontrar a pessoa certa. Vejo isso em pessoas hetero e homossexuais.

Como é que vê a saúde em Portugal hoje em dia? Estamos a atravessar uma greve prolongada dos enfermeiros que põe em causa cirurgias programadas e, em alguns casos, a vida das pessoas.

Acho completamente inaceitável. As pessoas que a promovem deviam ponderar,  apesar de terem razões para reivindicar, porque estão vidas em jogor. Quem trabalhou 40 anos num hospital como eu sabe como é difícil ter cirurgiões e anestesistas disponíveis no SNS para fazer as operações programadas. Mas acho que o SNS funciona de uma maneira geral bastante bem, exceto na psiquiatria e saúde mental, onde há muitas lacunas.

Integrou a comissão de acompanhamento de apoio psicológico às vítimas dos incêndios. Como estavam aquelas pessoas que de repente perderam tudo?

Destaco que as vítimas tiveram um apoio muitíssimo bom. Na zona de Pedrógão havia uma equipa de saúde mental comunitária que partiu do serviço de psiquiatria dos hospitais universitários de Coimbra. Num ano, essa equipa realizou três mil consultas. A situação foi altamente traumática, as pessoas perderam familiares, mas podemos dizer que não houve casos de doença mental grave nas pessoas que ficaram. Não houve suicídios e houve muito poucos internamentos .

Há coisas que independentemente da tecnologia nunca vão mudar?

Sim. a relação entre pais e filhos e as questões de amor nunca vão mudar, são eternas. Têm novas facetas, mas os problemas são os mesmos. Na adolescência falamos de coisas que não existiam há 10 ou 20 anos, mas no fundo estamos a falar da mesma coisa: como educar. A mensagem principal é que não há felicidade maior do que amar e ser amado. Digo isto a pessoas que estão no auge da carreira, que querem fazer muitas coisas e trabalham das nove da manhã às dez da noite e depois não conseguem ter relações afetivas. Digo-lhes que a carreira é importante, mas também é importante estar com a pessoa amada. Na minha experiência, o mais importante é ter uma família e sentir-me amado, apesar da carreira que tive.

Chegou ao topo da carreira médica e da docência, tem uma família preenchida. O que lhe falta fazer?

Numa outra entrevista disse que queria chegar aos oitenta anos e uma doente minha perguntou-me: “só aos 80?”. Mas partindo do princípio que me faltam oito anos, quero dedicar os últimos anos da minha vida à relação entre pais e filhos.

Os 80 anos é por algum motivo em especial?

É simbólico, é um número redondo.

 

 

 

Intimidação infantil não olha à idade. Guia anti-bullying para pais que se preocupam

Novembro 8, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

thumbs.web.sapo.io

Texto e imagem do site Sapo Lifestyle

Psiquiatra da infância e adolescência ensina a lidar com esta forma de violência praticada e sofrida por crianças e adolescentes. “Os cenários mais frequentes são, sem dúvida, as escolas”, alerta Patrícia Almeida, em entrevista à Prevenir.

Metade dos alunos com idades entre os 13 e os 15 anos sofre bullying na escola, como denuncia um estudo da Unicef divulgado no início de setembro de 2018. Uma realidade que, com o passar dos anos, se tem vindo a agravar. Em 2004, 22,1% dos alunos de escolas nacionais entre os 11 e 16 anos foram vítimas de intimidação, enquanto 9,4% eram agressores e 27,2% tanto vítimas como agressores, revelou uma investigação portuguesa.

Um estudo levado a cabo, com amostras nacionais representativas, pelas investigadoras Susana Carvalhosa e Margarida Gaspar de Matos. Criado na década de 1990 pelo investigador norueguês Dan Olweus, quando pesquisava sobre tendências suicidas entre jovens adolescentes, o termo bullying, intimidação em português, refere-se a um tipo específico de violência que ocorre entre pares, geralmente na escola.

Embora o termo esteja cada vez mais em voga, o desconhecimento sobre os contornos do fenómeno continua presente. E, mais grave, convive com “a noção, de pais e educadores, de que este tipo de comportamento é uma parte normal do crescimento”, sublinham as autoras. Para compreendermos quais as suas causas, consequências e formas adequadas de atuar, entrevistámos Patrícia Almeida, psiquiatra da infância e adolescência.

O que é o bullying?

Bullying é o termo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica a uma criança, realizados de forma intencional e repetida no tempo, por uma ou mais crianças, numa situação em que é manifesto o desequilíbrio de poder. Por exemplo, quando a criança agredida é mais fraca, tem menor estatura, é mais nova, menos popular ou mais insegura.

Que tipos de bullying existem?

O chamado bullying direto toma forma através de agressões verbais e físicas e é o método preferido pelo sexo masculino. No bullying indireto, a vítima é forçada ao isolamento social. Isto pode ser feito através da disseminação de boatos, da exibição de episódios de agressão filmados em telemóvel na internet ou da intimidação de outras crianças amigas da vítima.

Este é o método preferido pelo sexo feminino. São exemplos de bullying a agressão física contra a criança e/ou os seus pertences, os insultos verbais, impedir outras crianças de brincarem com a vítima, espalhar boatos sobre ela e o ciberbullying.

Em que consiste o ciberbullying?

Pode tratar-se da publicação de fotografias manipuladas da vítima na internet ou de vídeos de agressões ou, ainda, de os agressores assumirem a identidade da vítima em redes sociais com o objetivo de combinar encontros íntimos, entre outros.

Em que locais pode ocorrer este tipo de agressão?

Os cenários mais frequentes são, sem dúvida, as escolas, mas o bullying  pode ocorrer em qualquer contexto onde estejam presentes crianças, como a catequese, os clubes desportivos ou ainda outros espaços.

De que forma atuam os agressores?

São exemplos de bullying a agressão física contra a criança ou os seus pertences, os insultos verbais, impedir outras crianças de brincar com a vítima e espalhar boatos. No âmbito do cyberbullying, é possível publicarem na internet fotos manipuladas da vítima ou vídeos de agressões, bem como assumirem a identidade da vítima em redes sociais com o objetivo de combinar encontros íntimos, entre outros.

Quais as causas do bullying?

São variadas. São frequentes situações em que o agressor transporta para a escola a agressividade que vivência em casa, quer como espetador quer como vítima. Neste caso, estas experiências transmitem ao agressor a noção de que a violência e as ameaças são meios aceitáveis para obter o que querem. Por outro lado, também não são raros os casos em que a motivação para o ato assenta no sentimento do agressor de que a vítima possui algo que ele não tem, tal como sucesso escolar ou bens materiais.

Qual o perfil psicológico dos agressores?

Os agressores são frequentemente filhos de pais mais agressivos, que reagem com violência à frustração, usando frequentemente castigos físicos. Têm dificuldade em colocar-se no papel dos outros, são impulsivos, têm dificuldade em acatar regras e têm, por norma, mau rendimento escolar.

O que torna as vítimas alvos preferenciais?

As vítimas são crianças com dificuldade em defender-se, com baixa autoestima, inseguras, com receio de se queixarem a pais e educadores, eventualmente por tentativas falhadas anteriores, mais ansiosas e com humor depressivo.

Como deve reagir uma vítima ou testemunha de agressão?

Face ao bullying, a única solução é a denúncia. O tema deve ser abordado em casa e debatido nas escolas com programas específicos de prevenção da violência escolar, para que as crianças saibam o que fazer se forem agredidas. Outra solução passa pelo apadrinhamento dos caloiros por alunos mais velhos com a missão de os proteger e integrar. O medo de agravar a situação é, muitas vezes, o que leva a criança a calar-se, sendo esta a principal causa de perpetuação da situação.

Que sinais podem denunciar aos pais que o seu filho é vítima de bullying?

Os sinais são vários, mas inespecíficos. Os pais devem estar atentos a atitudes e comportamentos de ansiedade, tristeza, perturbações do comportamento alimentar, choro persistente, diminuição de interesse em atividades até aí preferidas, cansaço persistente, irritabilidade, raiva, hostilidade, dores de cabeça ou barriga, recusa escolar, diminuição do  rendimento escolar, perturbações do sono, enurese (perda involuntária de urina), isolamento dos colegas e/ou medo de se separar dos pais.

E no caso de o filho ser agressor?

Os sinais de suspeita de que uma criança é agressora são ainda mais inespecíficos, sendo a denúncia do agredido geralmente o único meio de detecção da situação.

O que podem os pais fazer para ajudar um filho que é agredido?

Face à denúncia, a criança agredida deve ser tranquilizada por pais e educadores quanto à ausência de culpa na situação e de que fez a coisa certa ao denunciar. Nesta altura, compete à escola tomar providências para que a agressão não volte a acontecer, chamando o agressor, castigando-o, informando os pais ou, em casos mais graves, mudando-o de escola.

Importante também é sinalizar o agressor para uma consulta de psiquiatria infantil com o objetivo de perceber e tratar as causas da perturbação. Em casos raros em que a escola não consegue travar o agressor, dever-se-à sinalizar o caso à polícia e à comissão de crianças em risco.

Quais são as possíveis consequências do bullying para as vítimas?

As consequências para as vítimas podem ser variadas, nomeadamente depressão, isolamento social, ansiedade, baixa autoestima, identificação com o agressor, passando de vítima a ofensor e, em casos mais raros, suicídio.

E para os agressores?

As consequências para os agressores são geralmente a evolução para a idade adulta com dificuldades em funcionar em sociedade, com regras e normas, com consequentes dificuldades de relacionamento, instabilidade laboral e até envolvimento em crimes.

Que mensagem de esperança pode deixar aos pais que têm filhos afetados por este fenómeno?

A minha experiência profissional é de sucesso em todos os casos denunciados. E nunca se esqueçam que quem cala uma agressão a uma criança é co-responsável por ela!

Texto: Rita Miguel com Patrícia Almeida (psiquiatra da infância e adolescência)

 

Bullying: o que fazer para acabar com ele

Novembro 2, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Shutterstock

Texto do DN Life de 20 de outubro de 2018.

Hoje é o Dia Mundial de Combate ao Bullying. É uma palavra estrangeira que descreve comportamentos agressivos, repetitivos e intencionais, que podem ser de natureza verbal, física, psicológica, sexual e, mais recentemente, digital. Bullying: um fenómeno em que estamos muito à frente.

Texto de Ana Pago | Fotografias da Shutterstock

Maio de 2011: as imagens de uma adolescente de 13 anos a ser violentamente espancada por outras duas junto ao Centro Comercial Colombo, em Benfica, chocaram quem as viu pela brutalidade do bullying. Maio de 2015, casting do programa Ídolos da SIC: recorrendo a um efeito especial, a produção fez crescer as orelhas de um jovem concorrente durante a audição, levando-o a trancar-se em casa por vergonha e medo de ser humilhado na rua.

Em março desse mesmo ano, um soldado de 23 anos enforcou-se no quarto onde dormia na base aérea de Beja: bem suportou a tortura psicológica, os comentários homofóbicos constantes dos colegas, mas não dava mais. Outubro de 2013: um aluno de 15 anos da Escola Secundária Stuart Carvalhais, Sintra, entrou na escola com facas e álcool. Estava farto que lhe chamassem betinho e copinho de leite, farto do desprezo dos outros. Esfaqueou três colegas e uma funcionária.

«Comportamentos destes sempre existiram nas nossas escolas e noutros contextos em que crianças e jovens interagem, e a verdade é que afetam um número significativo de indivíduos em idade escolar», confirma o psicólogo Luís Fernandes, a trabalhar nas áreas da prevenção, combate e intervenção no bullying e cyberbullying (assim chamado porque as agressões ocorrem no ciberespaço).

Os números são tremendos: «Um em cada quatro jovens envolve-se em situações de bullying como vítima, agressor ou ambos os papéis – por exemplo, um aluno de 7.º ano que é vítima de um do 9.º e agride, ele próprio, um colega do 5.º», revela o psicólogo, coautor dos livros Plano Bullying e Diz Não ao Bullying (em parceria com a investigadora Sónia Seixas) e Cyberbullying – Um Guia para Pais e Educadores (com Sónia e Tito de Morais, fundador do site MiúdosSegurosNa.Net).

Outros dados de 2015, divulgados em novembro de 2017 num estudo da UNICEF (o Fundo das Nações Unidas para a Infância), indicam que entre 31 e 40 por cento dos jovens portugueses, dos 11 aos 15 anos, foram intimidados na escola pelo menos uma vez a cada dois meses. «Por vezes, torna-se difícil avaliar se há mais bullying hoje do que em décadas anteriores, ou se o que realmente existe é uma maior atenção dada ao fenómeno», desabafa o especialista na matéria.

Certo é que somos o 15.º país com mais relatos de bullying na Europa e América do Norte, a crer nos relatórios. Proporcionalmente, estamos inclusive à frente dos EUA, palco de três quartos dos tiroteios em escolas registados no mundo nos últimos 25 anos.

Ataques na internet

O drama ganha contornos ainda mais preocupantes quando se percebe que agressões que antes se circunscreviam a espaços físicos, com agressores perfeitamente identificados pelas vítimas e vítimas com um rosto a pesar na consciência dos bullies, extravasaram para o espaço digital. «Também aqui o sofrimento pode fazer estragos para o resto da vida», sublinha Tito de Morais, para quem a internet tanto pode ser usada de forma inspiradora como destruidora.

Uma coisa são as reações frontais. Outra diferente – menos honesta – é aproveitar a ausência de fronteiras do mundo virtual para lançar a bomba ao outro e correr a esconder-se. Sem querer ficamos sujeitos a exposição pública, humilhação, chantagem, exclusão e vergonha, que podem conduzir a estados depressivos e até automutilação ou suicídio, resume Tito de Morais. A devastação emocional que daí resulta é concreta, tão capaz de destruir alguém como na vida real.

E não, não é apenas problema de miúdos, alerta Luís Fernandes, considerando haver ainda muitos mitos em torno do bullying que importa desfazer: «Não acontece só em algumas escolas. Nem é uma mera brincadeira ou uma fase que passará em breve.» Nem sequer afeta exclusivamente os mais novos: muitos adultos sofrem diariamente de bullying às mãos de chefes prepotentes e colegas de trabalho maldosos.

Trata-se de um problema real, da responsabilidade de todos. Sabemos que crescer pressupõe conflitos nas diversas fases do desenvolvimento, mas nunca este tipo de violência.

Entretanto, veja na fotogaleria alguns cuidados que podem ajudar no combate ao bullying e cyberbullying. Vale tudo menos ficar em silêncio.

 

“Seja online ou pessoalmente, o bullying está entre maiores preocupações infantis”

Outubro 17, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia da ONU News de 8 de outubro de 2018.

ONU calcula que pelo menos 130 milhões de menores entre 13 e 15 anos já viveram episódio de intimidação; relatório do secretário-geral destaca que bullying cibernético “pode causar danos profundos”.

As Nações Unidas debateram esta segunda-feira um informe destacando que “seja online ou pessoalmente, o bullying está entre as principais preocupações das crianças.”

O relatório “Protegendo as crianças do bullying”, ilustra que taxas diferem em cada país, mas a intimidação está presente e espalhada pelo mundo. Em número significativo, as crianças são afetadas como vítimas, responsáveis ou espectadoras.

A ONU News conversou com a representante do secretário-geral sobre Violência contra as Crianças. Marta Santos Pais disse que o impacto da intimidação nas crianças pode ser mais profundo do que se imagina.

“Algumas vezes nós achamos que este tema existiu sempre e não é um risco, porque as crianças vão ficar mais fortes se conseguirem ultrapassar estes desafios. Mas esquecemos do impacto que têm no coração da criança, na sua saúde, na sua educação e na sua capacidade de se relacionar e de confiar noutras pessoas.”

Intimidação

O documento debatido em Nova Iorque destaca que mais de um em cada três estudantes de idades entre os 13 e 15 anos sofrem de bullying. Esse número corresponde a 130 milhões de menores dessa faixa etária.

Cerca de três em cada 10 adolescentes em 39 países da Europa e da América do Norte admitiram ter vivido um episódio de intimidação por outros na escola.

O documento menciona ainda as consequências do bullying cibernético, que envolve “publicar ou enviar mensagens eletrônicas que incluem fotos ou vídeos para assediar, ameaçar ou atingir outra pessoa”.

Para esse fim, são usados todos os tipos de plataformas sociais, que incluem salas de bate-papo, blogs e mensagens instantâneas realizando a prática que “pode causar danos profundos”.

Comportamento

Entre as consequências estão a “marca permanente deixada no espaço cibernético, que pode atingir rapidamente um público vasto.” Segundo o estudo, o bullying e o cyberbullying alimentam um ao outro, formando um constante comportamento prejudicial.

O Brasil foi um dos países onde ocorreram consultas em grupos focais envolvendo crianças com pais detidos. A pesquisa fez parte de um estudo global sobre menores privados de liberdade que foi realizado com a representante especial do secretário-geral.

A iniciativa envolveu governos na América Latina e a sociedade civil atuando com crianças entre 6 a 17 anos, filhos de presos na Argentina, no Chile, na República Dominicana, no México, na Nicarágua, no Panamá e no Uruguai.

Medidas 

O documento defende que é preciso ter “mais dados precisos, confiáveis e desagregados para quebrar o silêncio e promover mudanças positivas para evitar e combater o bullying”.

Outras iniciativas com base em fatos concretos também são essenciais para difundir medidas eficazes de prevenção e resposta ao problema.

O estudo estimula ações positivas que reforçar habilidades de vida de crianças e para informá-las, prevenir e dar resposta ao comportamento violento e ao bullying.

Outra proposta do relatório é que soluções a conflitos sejam replicadas e expandidas a comunidades, escolas e dentro dos países.

Descarregar o relatório Protecting children from bullying no link:

https://violenceagainstchildren.un.org/news/srsg-launches-second-report-secretary-general-bullying-including-cyberbullying

 

 

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.