O desenvolvimento da linguagem: “A criança percebe tudo, mas não diz quase nada”

Abril 17, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Artigo de opinião de Sandra F. Afonso publicado no Público de 2 de abril de 2019.

Não existem medicamentos para estas situações. A solução passa por estratégias para os pais e intervenção profissional.

O orgulho e recordação de qualquer pai ao ouvir pela primeira vez o seu filho dizer “mamã” ou “papá”, ocorre tradicionalmente no primeiro ano de vida da criança. Segue-se um período de grande desenvolvimento da linguagem, em termos de vocabulário e combinação de palavras, surgindo pequenas frases por volta dos 2 anos de idade, dizendo entre 50 e 100 palavras. Mas e quando isto não acontece? Será que a fala realmente irá surgir mais tarde?

Atraso na fala é uma das causas mais comuns de preocupação dos pais de crianças pequenas, motivando consulta no pediatra ou outro profissional de saúde. Esta situação ocorre em 5 a 10% das crianças em idade pré-escolar, podendo resultar de uma dificuldade específica apenas ao nível da linguagem, ou ser indicador precoce de um problema mais global, como atraso no desenvolvimento ou autismo.

É importante distinguir entre linguagem e fala, usados frequentemente como sinónimos. A linguagem é o uso do código para estabelecer comunicação. Na forma verbal, pelo uso de palavras escritas ou orais, a fala. Na comunicação não verbal, através de meios alternativos, como gestos e expressões faciais, tão espontâneos e significativos nas crianças. Para o normal desenvolvimento da linguagem é necessário que a criança cumpra determinados pré-requisitos, como um nível cognitivo normal, audição mantida, aparelho fonatório (estruturas envolvidas na fala) íntegro, correta programação dos movimentos para a produção da fala, e ainda manifestar vontade de comunicar.

Igualmente importante é a adequada estimulação, que emerge como um problema do século XXI, devido ao atual excesso de tempo de exposição aos ecrãs. Na perturbação da fala existem problemas relacionados com aspetos mecânicos da produção das palavras, prejudicando a articulação das palavras, o ritmo e inteligibilidade do discurso, sendo um exemplo típico a gaguez.

O desenvolvimento da linguagem ocorre espontaneamente e por etapas, existindo diferenças na velocidade de aquisição, e entre as várias culturas e línguas. Começa ainda antes de a criança emitir as suas primeiras palavras, com o balbucio, conhecido como palrar. Utiliza-se o termo atraso de linguagem quando a aquisição se faz de forma normal, com a sequência típica, mas com um ritmo lento, surgindo mais tarde do que a idade habitual. Por regra a compreensão precede a expressão, sendo frequente ouvir os pais afirmarem que a criança “percebe tudo, mas não diz quase nada”! Na chamada perturbação específica da linguagem, o desenvolvimento é atípico, não segue a sequência normal.

Há sinais de alarme que devem preocupar os pais, educadores e cuidadores das crianças, levando-os a procurar ajuda. Não palrar aos 6 meses, não dizer nenhuma palavra aos 12 meses, não apontar aos 15 meses, não compreender ordens simples aos 18 meses, falar sem objetivo de comunicar ou não juntar palavras aos 2 anos, não construir frases aos 3 anos, linguagem incompreensível aos 3 anos, ter uma fala com muitas trocas de letras acima dos 4 anos.

Na prática, perante uma criança com menos de 3 anos, com um atraso na linguagem, mas desenvolvimento psicomotor adequado, compreensão verbal normal, boas capacidades comunicativas e uma história familiar de aquisição tardia, é lícito uma atitude de vigilância, sem necessidade de intervenção imediata. Mas sempre que os pais manifestem preocupação com a comunicação ou socialização da criança, existam fatores de risco tais como prematuridade ou familiares diretos com perturbação da linguagem ou dificuldades de aprendizagem, recomenda-se o encaminhamento para uma avaliação detalhada.

Perante a hipótese de perturbação da linguagem, deve ser realizada uma avaliação da audição, do desenvolvimento psicomotor e cognitivo, incluindo a sociabilização e comunicação. Raramente é necessário efectuar exames de diagnóstico.

Não existem medicamentos para estas situações. A solução passa por estratégias para os pais e intervenção profissional. Pode ajudar o seu filho a desenvolver a fala, conversando frequentemente com ele, contando histórias, cantando músicas com gestos para acompanhar o som, descrevendo as ações do dia-a-dia, relatando o que estão a ver ou fazer juntos. Até os 2 anos de idade evitar o uso de ecrãs. A intervenção profissional é adaptada a cada criança. Consiste em treino em terapia da fala e enquadramento escolar específico, quando indicado. Para não prejudicar o desenvolvimento da criança e prevenir problemas emocionais e isolamento social consequentes a este tipo de perturbações, pode ser necessário recorrer a técnicas de comunicação aumentativa e língua gestual.

 

Pediatra no Centro da Criança e do Adolescente do Hospital CUF Descobertas

A explicação é cultural?

Março 3, 2019 às 10:30 am | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Texto de Luísa Lobão Moniz

A explicação é cultural?

Acontecimentos nas nossas vidas fazem-nos mergulhar num mundo incompleto, só com um habitante, Eu.

O viver para dentro faz do ar que respiramos uma tristeza que nos tolhe e nos isola.

Há um passarinho que pia, uma criança feliz que corre atrás dele, tão brincalhão que surpreende a nossa criança!

A criança pinta-nos em telas de lágrimas feitas uma realidade bela e inocente.

Onde está o passarinho dos milhões de crianças, feitas heroínas, que teimosamente vão sobrevivendo perante a indiferença dos que as deviam proteger?

Onde está o passarinho da criança que é assassinada, tão pequena que ainda não sabe falar, mas tão grande que não pode sobreviver, a sua morte é o castigo para uma mãe que quer a sua custódia, para um pai poderoso que acaba com vidas que lhe são próximas, tão próximas que acaba por se suicidar.

Quem sabe explicar à jovem mãe todas estas mortes?

Não há explicação para ela, para ele nem para a criança!

A explicação é cultural?

A cultura vigente confere ao homem poderes que a mulher, ou seja, todos os que são tidos como mais fracos, não têm.

Já lá vai o tempo em que a mulher tinha que ser submissa porque era o homem quem sustentava a “casa”, hoje a submissão continua com novas nuances, mas a mulher continua a ser um dos  elos mais fracos na estrutura familiar, laboral, social.

Não há quem não se emocione com  imagens de meninos e de meninas que fogem da guerra e da fome, que choram porque o pai bateu na mãe, porque são maltratados, porque não são de ninguém, porque pensam que são a causa de todos os problemas familiares e até escolares…”pois, tinha que ser eu…”

Muitas crianças fogem de casa porque já não aguentam mais.

Muitas crianças são agressivas, violentas, autodestrutivas; agressivas, autodestrutivas são as famílias, as guerras, as fomes, as pessoas…as instituições, de repente é quase o mundo todo que está dentro e fora de cada um.

A Humanidade foi dando passos importantes para ir sobrevivendo, e assim parte dessa Humanidade criou um certo modo de vida em que só uma minoria tem acesso ao conhecimento, ao poder, ao bem-estar.

O bem-estar começa por dominar o Outro, o que é diferente e não tem poder.

Que poder tem a Criança?

Que poder têm os elos mais fracos das famílias e das sociedades: o diferente, a mulher, a criança, os idosos, os deficientes…?

A sensibilidade de algumas pessoas fez com que fossem criadas associações que se viram do avesso para existirem no dia-a-dia, não há verbas, não há recursos humanos, não há agilidade inter-institucional, não há formação para quem trabalha na inclusão dos sem poder.

Fazem-se estudos dos quais se extrai a realidade em que vivemos e da qual os meios de comunicação social mostram até à exaustão.

A sociedade indigna-se e não compreende os factos.

A sensibilidade de outras tantas pessoas faz com que se interessem pela não vida da Criança e dos mais fracos.

Espantam-se com os resultados, como?! Porquê?

Ainda não se reconheceu que os adultos querem ser donos, querem subjugar quem julgam ser menor em idade, em origem cultural, em função e papel na sociedade.

É interessante saber que o Tribunal de Menores (menores em quê?) passou a chamar-se Tribunal de Família.

Andamos escandalizados porque há crianças escravas a fazer bolas de futebol, a trabalhar sem condições, há crianças com fome, frio, dores, doentes que caminham fugindo da violência. Pelo caminho perdem-se da família, são milhares…e algumas morrem.

Há crianças que vão com nódoas negras ensanguentadas pela pancada que levam em casa, pela violação que sofreram caladas “então era amigo do meu pai…”

Na primeira década do século XXI rapazes e raparigas generosamente adoptam animais maltratados e devolvem-lhes a saúde e o bem-estar, dão-lhes nomes de pessoas, falam com eles como se fossem crianças traquinas…passam a vida a ir ao veterinário (ainda bem). Adoram mostrar aos amigos as gracinhas dos seus cães.

É por falta de dinheiro que não querem ter filhos?

Serão imaturos emocionalmente? Porque têm medo da responsabilidade, porque recusam o contacto emocional com o outro ?

O que fizemos, o que transmitimos depois da Revolução de Abril?

É preocupante? Por onde andam as emoções, os sentimentos interpessoais? Estamos a desejar uma sociedade onde o trabalho comanda a vida, onde não há tempo senão para as novas tecnologias, para o outro virtual?

Já esquecemos quantos e quantas morreram, foram torturados para que a liberdade fosse um valor que estivesse sempre presente e nunca posto em causa?

Já nos esquecemos do que é a dignidade humana?

Ninguém tem poder para decidir a morte ou o desgosto “eterno” de ter visto um homem a assassinar uma mulher indefesa, medrosa, submissa…quantas vezes tendo como testemunha os seus próprios filhos.

O mundo dos duelos já acabou e, mesmo assim, era de igual para igual, usavam as mesmas armas, eram do mesmo género, melhor dito, eram sempre homens, as mulheres não tinham honra para defender.

Nascemos e morremos todos da mesma maneira, mas o intervalo chamado vida deixa crescer, à medida que convém à sociedade, os pequenos ou grandes poderes nas mãos de quem se sente, apoiado em leis, com mais poder por ser macho, rico, influenciável socialmente, numa sociedade injusta que divide para reinar criando, ela própria, as circunstâncias para que o lado mais “selvagem” do ser humano se revele.

A crença cultural de que os pais podem e devem bater nos filhos para os educar, a dependência do álcool, o não conseguir gerir as frustrações, o saber que socialmente a violência contra as mulheres não tem sanção pedagógica criam as circunstâncias para que haja violência dentro das famílias. As vítimas desta violência, os que não têm voz nem poder são quase sempre a mulher, a criança, o idoso, quando, por acaso, é outro homem a vítima é porque os machos lutam pela posse da mulher.

 

O valor da pensão de alimentos a filhos e os obrigados ao seu pagamento

Novembro 24, 2018 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Photo by Annie Spratt on Unsplash

Artigo de opinião de Sofia Vaz Pardal e Teresa Silva Tavares (Advogadas na Rogério Alves e Associados, Sociedade de Advogados), publicado no jornal Público em 5 de Novembro de 2018.

O elemento fundamental na determinação do montante de pensão de alimentos a prestar aos filhos deverá ser o das suas reais necessidades, não podendo tal determinação ficar espartilhada pela condição económica atual do progenitor obrigado a alimentos.

Aquando da regulação das responsabilidades parentais dos menores, existe um elemento que é essencial: o atinente à fixação do quantum da prestação de alimentos devida, sendo indiscutível que o progenitor não guardião tem a obrigação de pagar a referida pensão e constituindo esta obrigação um dever fundamental, cujo incumprimento é gerador de responsabilidade criminal.

De acordo com a previsão do artigo 2003.º do Código Civil, os alimentos abrangem não só o que é indispensável ao sustento, habitação e vestuário dos filhos, mas também o pagamento das despesas relativas à sua instrução e educação.

Os alimentos abarcam ainda as despesas relativas à segurança e saúde dos filhos, conforme se pode dilucidar da previsão do artigo 1879.º do Código Civil (saliente-se que as despesas com a saúde dos filhos abrangem todos os gastos médico-medicamentosos e tudo o que seja necessário ao desenvolvimento saudável destes).

Já no item relativo às despesas com instrução e educação, deve ter-se em conta que estas comportam as despesas relacionadas com a escolarização e a obtenção de competências profissionais dos filhos, não se podendo deixar de incluir as atividades extra curriculares e, sempre que possível, as despesas com lazer.Se é certo que, nos termos do disposto no artigo 2004.º do Código Civil, a medida dos alimentos deve atender aos meios daquele que tiver a obrigação de prestar os mesmos, tomando-se em conta as necessidades dos carecidos de alimentos vigorando, assim, um critério de proporcionalidade, a verdade é que, estando em causa a regulação das responsabilidades parentais de um filho e, estando-se perante um progenitor não guardião que não tenha atividade profissional ou que, tendo-a, aufere um rendimento escasso, deverá o tribunal atender não apenas ao valor atual desses rendimentos na situação conjetural em que esse progenitor se encontra, mas também deverá considerar a condição social deste, a sua capacidade para trabalhar, o eventual património que este possua e o dever que tem de procurar uma atividade profissional que lhe permita satisfazer a obrigação que tem de prestar alimentos ao filho.

Tal equivale a dizer que o tribunal não se limitará a considerar a efetiva e atual capacidade económica do progenitor, para efeitos de fixação do valor de pensão de alimentos.

A ponderação, a ser feita, é mais lata e mais abrangente, pelo que a pensão fixada deverá ser aquela que for julgada adequada às efetivas necessidades do filho, considerando os circunstancialismos acima mencionados, como seja, a capacidade que o progenitor obrigado à pensão de alimentos tem de procurar trabalho e de trabalhar, ainda que num segundo emprego.

Ou seja, sendo a prestação de alimentos um dever fundamental dos pais perante os filhos, tal leva a que, ainda que o progenitor não guardião não esteja conjeturalmente em situação de poder pagar um valor, efetivamente, adequado às necessidades do filho, o tribunal deverá fixar o quantum adequado a tais necessidades, ainda que, no momento da fixação, o progenitor obrigado a alimentos não disponha conjunturalmente de meios para satisfazer a integralidade da pensão fixada.É também dever de diligência do progenitor que tem o filho à sua guarda diligenciar no sentido de garantir que o menor receba o valor de pensão de alimentos adequado às suas necessidades, fazendo intervir os familiares que, por lei, são obrigados ao cumprimento desta obrigação, como seja o caso dos avós.

O progenitor guardião, em representação do filho, poderá intentar, contra esses familiares, uma ação de prestação de alimentos a favor do filho, por forma a garantir que a pensão seja paga por algum dos obrigados que se encontram identificados nas alíneas c) a f) do n.º 1 ao artigo 2009.º do Código Civil.

Do mesmo modo, deverá atuar o progenitor guardião numa situação em que, tendo sido fixada uma pensão de alimentos, venha o progenitor obrigado a alimentos, em data posterior, pedir a alteração desse valor de pensão, alegando alterações supervenientes que o levem a não poder suportar o montante de pensão que se encontrava a pagar. Também nestes casos se poderá ponderar da bondade de acionar os familiares indicados nas alíneas c) a f) do n.º 1 do artigo 2009.º do Código Civil, com vista a evitar uma redução do montante de pensão de alimentos que afetará o filho.

Em suma, o elemento fundamental na determinação do montante de pensão de alimentos a prestar aos filhos deverá ser o das suas reais necessidades, não podendo tal determinação ficar espartilhada pela condição económica atual do progenitor obrigado a alimentos.

Esta obrigação, por ser fundamental, implica que o tribunal valorize amplamente todas as circunstâncias de vida do progenitor obrigado a alimentos, para que os direitos dos filhos não fiquem dependentes de opções de vida ou de circunstâncias que retraiam esses mesmos direitos e deve, também, sempre que necessário, convocar-se para o cumprimento desta obrigação, os familiares que possam assegurar o pagamento da prestação alimentícia, na medida em que estes familiares têm também consagrados direitos e deveres legais relevantes na vida dos menores.

3º Congresso Internacional da Criança e do Adolescente: 23 a 25 de janeiro 2019, Porto

Novembro 13, 2018 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações:

https://icca.eventqualia.net/pt/inicio/

 

Já está disponível para download o InfoCEDI n.º 76 sobre A Criança e o Direito à Imagem

Julho 19, 2018 às 2:30 pm | Publicado em CEDI | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Já está disponível para consulta e download o nosso InfoCEDI n.º 76. Esta é uma compilação abrangente e atualizada de dissertações, estudos, citações e endereços de sites sobre sobre A Criança e o Direito à Imagem.

Todos os documentos apresentados estão disponíveis on-line. Pode aceder a esta publicação AQUI.

Debate “O Direito à Infância – Importância no Desenvolvimento Humano” com a presença de Dulce Rocha Presidente do IAC, 20 junho em Lisboa

Junho 18, 2018 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

A Drª Dulce Rocha, Presidente do Instituto de Apoio à Criança irá estar presente no debate.

mais informações no link:

https://www.facebook.com/events/179258589582132/

Conferência “A Criança em Portugal, na Idade Média” 9 junho em Estremoz

Junho 6, 2018 às 5:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

mais informações no link:

https://www.facebook.com/events/196317537668206/

 

Tertúlia “A criança e a separação dos pais: que direitos, que família?” 28 maio em Mafra

Maio 25, 2018 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

mais informações no link:

https://www.fcebi.org/noticias/tertulia-a-crianca-e-a-separacao-dos-pais-que-direitos-que-familia

 

“Alerta Premika! Risco online detetado” Já pode adquirir o primeiro livro da coleção!

Dezembro 4, 2017 às 3:42 pm | Publicado em Livros, Publicações IAC-CEDI | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

“Alerta Premika! Risco online detetado” Já pode adquirir o primeiro livro da coleção!

O Instituto de Apoio à Criança, em parceria com a editora Teodolito, acaba de lançar o livro-jogo “Ameaça nas redes sociais! E agora, Marta?”, o primeiro volume da coleção “Alerta Premika! Risco online detetado”, uma coleção para crianças do 1.º e 2.º ciclos no âmbito da segurança na Internet.

Para além da história, o livro possui um conjunto de “dicas” para navegar na Internet em segurança, que podem ser lidas e discutidas em família, e um glossário.

Existe também um blogue para seguir as aventuras da Marta, do Tiago, do Manel e da divertida Premika, a andróide do futuro https://alertapremika.blogspot.pt/

O livro está à venda nas livrarias habituais e pode ser, igualmente, adquirido através do IAC, enviando um pedido para o Centro de Estudos, Documentação e Informação sobre a Criança do IAC (CEDI) iac-cedi@iacrianca.pt

Na compra do livro, o IAC oferece um marcador com o calendário para 2018 e uma surpresa para as crianças navegarem na internet em segurança, neste Natal.

Até dia 21 de dezembro de 2017, o livro tem um desconto de 20% custando 9,60€.

AJUDE-NOS A AJUDAR! Sendo a missão do IAC a promoção e a defesa dos Direitos das Crianças, consideramos que devemos contribuir para que as crianças e os jovens conheçam os seus direitos digitais, visto que as Crianças têm o direito de fazer escolhas conscientes e informadas sobre a sua participação (ou não) online, têm o direito à literacia digital e a desenvolver capacidades para usar e lidar criticamente com as tecnologias.

 

 

As crianças portuguesas são felizes, mas só as mais pequenas

Novembro 15, 2017 às 1:30 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 8 de novembro de 2017.

Inquérito a 1131 pais revela que oito em cada dez preocupa-se com a felicidade futura dos filhos.

Bárbara Wong

As crianças portuguesas são felizes mas, à medida que vão crescendo, a percentagem de infelicidade aumenta, revela um inquérito promovido pela Imaginarium sobre “A felicidade e a infância”, conhecido nesta quarta-feira, em Lisboa. Também a Ikea lançou o seu “Play Report 2017” para o qual entrevistou mais de 350 crianças e adultos na Alemanha, China e EUA para compreender o papel da brincadeira na vida das pessoas.

Segundo o inquérito levado a cabo pela Imaginarium a 1131 pais, oito em cada dez preocupam-se com a felicidade futura dos filhos. Aliás, mostram-se mesmo “muito preocupados” e a maioria acredita que os filhos são “felizes” (20,2%) ou “muito felizes” (51,6%), há mesmo um quinto que diz que o seu filho “é a criança mais feliz do mundo”, apenas 8,8% diz que é “normal, às vezes feliz e outras não” e só 0,1% confessa que o filho é “muito triste”.

Contudo, os níveis de felicidade das crianças varia conforme a idade e os dados mostram que à medida que crescem vão tornando-se mais infelizes. As faixas etárias analisadas foram dos 0 aos 2, dos 3 aos 4, dos 5 aos 6 e dos 7 aos 8 anos. São estes últimos que são mais infelizes (15,2%) – a percentagem de infelicidade vai decrescendo com a idade situando-se nos 6,4% nas crianças entre os 0 e os 2 anos.

Para Rui Lima, pedagogo e convidado pela Imaginarium para comentar o estudo, é imposta uma “crescente pressão” às crianças, quer pelos pais quer pelos professores, onde “o desempenho académico, a competição entre pares e a necessidade de alcançar a perfeição em todas as actividades realizadas são uma constante”, logo, têm um “impacto negativo na felicidade das crianças”, defende num comunicado enviado às redacções.

E o que faz os meninos portugueses infelizes? Não passar tempo suficiente com os pais (26,3%), não ter tempo suficiente para brincar (21,3%) ou ficar de castigo (16,4%), respondem os pais inquiridos. As crianças serão mais felizes se se desenvolverem num ambiente escolar e familiar em que se sintam valorizadas e queridas (45,2%), se passarem mais tempo em família (34,8%) e se os pais as deixarem “explorar o mundo através da brincadeira (17%), respondem ainda os pais.

Falta mais tempo para a família

Praticamente todos os pais (99,8%) respondem que a felicidade dos filhos passa pelo tempo de qualidade partilhado em família, mas pouco mais de metade (51%) sente que passa pouco tempo de qualidade com os filhos e seis em cada dez pais acreditam que os filhos sentem a sua falta. Aliás, a maioria (89,8%) reconhece que tem dificuldade em conciliar a vida profissional com a pessoal e acredita que um horário laboral mais flexível lhes permitiria aumentar o tempo de qualidade e brincar com os filhos.

Quando questionados sobre como contribuem para a felicidade dos filhos, os pais respondem que é ouvindo-os e fazendo-os sentir-se queridos (33,4%) e passando mais tempo com eles (28,1%). Para 14,3% a felicidade passa por elogios e incentivos para que os filhos façam as coisas bem.

Durante a semana, o tempo mais feliz que pais e filhos compartilham é o de antes de ir deitar e, ao fim-de-semana, são os passeios que fazem as delicias dos mais novos. Este inquérito, que a Imaginarium defende representar o todo nacional, conclui que as crianças portuguesas são “extremamente familiares” porque gostam de fazer planos com os pais e passar tempo com os mesmos.

A Imaginarium pergunta ainda aos pais que tipo de brinquedo faz os filhos mais felizes e as bicicletas e veiculos com rodas (38%) surgem à cabeça, seguido da música, arte e trabalhos manuais (35,2%), os jogos de construção e lógica (30,8%) e as cozinhas e profissões (30,6%). Os ecrãs, televisões, Ipad, vídeojogos e telemóveis (19,4%) surgem na oitava posição.

“Os brinquedos devem apelar ao desenvolvimento de diferentes competências, tanto ao nível físico como intelectual. Desenvolvendo essas competências, a criança será capaz de relacionar-se melhor consigo mesma, com os outros e com o mundo. Daí a importância de brinquedos que estimulem os sentidos nos primeiros anos de vida”, defende Rui Lima no comunicado.

Também a marca sueca Ikea fez o seu terceiro relatório – depois de 2010 e 2015 – sobre o brincar com o objectivo de perceber melhor o papel desta actividade no desenvolvimento das crinças e na vida em casa. Para isso, entrevistou mais de 350 pessoas na Alemanha (Berlim), China (Pequim) e Nova Jérsia (EUA), entre os 2 e os 90 anos, e propõe cinco definições para brincar: “brincar para reparar”, ou seja, para recuperar do stress do dia-a-dia e as sugestões passam por actividades que promovam o bem-estar das pessoas como o ioga ou o tai-chi, mas também a jardinagem ou um passeio.

“Brincar para conectar” é a segunda definição. Num tempo em que o trabalho interfere por vezes na vida pessoal, o brincar proporciona a possibilidade de abrandar e de as pessoas se aproximarem da família ou dos amigos. As sugestões passam por ir a um bar fazer karaoke ou fazer jogos tradicionais como os de tabuleiro ou as cartas, o que permite que as pessoas estejam ligadas sem ser pela tecnologia, propõe o relatório.

As pessoas precisam de momentos de libertar, por isso, “brincar para libertar” é a terceira conclusão da marca, que sugere uma ida ao teatro ou a um parque temático. “Brincar para explorar” é a quarta proposta, explorar mundos reais ou imaginários, viajar ou brincar ao “faz-de-conta”. Por fim, “brincar para expressar” que aposta na criatividade e nas artes, da pintura à música.

“Brincar começará a aparecer, cada vez mais, em todos os aspectos das nossas vidas. Desde o local de trabalho ao ginásio, as pessoas irão procurar brincar em espaços e momentos onde tradicionalmente não o fariam”, conclui o comunicado da Ikea.

Ikea Play Report 2017

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.