OMS culpa publicidade pelo aumento da obesidade infantil

Janeiro 29, 2016 às 10:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do http://economico.sapo.pt de 26 de janeiro de 2016.

Recomendações e relatório da OMS no link:

http://www.who.int/end-childhood-obesity/news/launch-final-report/en/

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Advertising as a cue to consume: a systematic review and meta-analysis of the effects of acute exposure to unhealthy food and nonalcoholic beverage advertising on intake in children and adults

card_obesidade_260116

A obesidade infantil está a aumentar de forma galopante e a culpa pode ser da publicidade, diz a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O número de crianças abaixo dos cinco anos com excesso de peso aumentou em 10 milhões, nos últimos 15 anos. A taxa, que em 1990 era de 4,8%, passou para os actuais 6,1%, revelou ontem a OMS, que aponta o dedo ao marketing e à publicidade, sem restrições no que toca aos refrigerantes e a outras bebidas açucaradas.

O contributo da publicidade para que as crianças comam cada vez pior e para a actual epidemia de obesidade infantil tem sido comprovada por sucessivos estudos. Um dos mais recentes foi realizado pela Universidade de Liverpool e publicado, este mês, no American Jounal of Clinical Nutrition.

Os investigadores do Instituto de Psicologia, Saúde e Sociedade daquela instituição avaliaram o impacto da publicidade a alimentos não-saudáveis no seu consumo por crianças e adultos e concluíram que, no caso dos mais novos, a exposição a anúncios de televisão ou na internet levou a um aumento significativo da ingestão destes alimentos. Mas o mesmo não aconteceu no adultos. O estudo revela ainda que o impacto nas crianças é o mesmo em qualquer um dos meios utilizados.

“A nossa análise mostra que a publicidade não influencia apenas a preferência por uma marca, mas impulsiona o consumo.

Dado que quase todas as crianças, nas sociedades ocidentalizadas, estão expostas, numa base diária, a grandes quantidades de publicidade a alimentos não saudáveis, esta é uma preocupação real”, explicou Emma J. Boyland, responsável pela equipa de investigadores.

Boyland diz ainda que o aumento gradual da ingestão de calorias resultou na “actual epidemia de obesidade infantil” e defende que o marketing alimentar tem um papel crítico nesta matéria.

Estes resultados justificam, com base científica, as recomendações para a adopção de estratégias e políticas que reduzam a exposição das crianças à publicidade de alimentos.

 

Fast food pode provocar asma nas crianças e jovens

Janeiro 21, 2013 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Notícia da Visão de 14 de Janeiro de 2013.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Do fast foods cause asthma, rhinoconjunctivitis and eczema? Global findings from the International Study of Asthma and Allergies in Childhood (ISAAC) Phase Three

Lusa

O consumo de “comida rápida” pelo menos três vezes por semana pode provocar doenças como asma e eczema em crianças e adolescentes, segundo as conclusões de um estudo do boletim especializado britânico “Thorax”

O consumo de “comida rápida” pelo menos três vezes por semana pode provocar doenças como asma e eczema em crianças e adolescentes, segundo as conclusões de um estudo do boletim especializado britânico “Thorax”.

Um grupo de cientistas das universidades de Auckland, na Nova Zelândia, e de Nottingham, no Reino Unido, responsáveis pelo estudo, concluiu ainda que o consumo abundante de fruta tem um efeito preventivo no aparecimento daquelas doenças.

As conclusões do estudo resultam da análise de padrões de alimentação de mais de 500 mil crianças de 50 países e fazem parte de um documento mais vasto, o Estudo Internacional de Asma e Alergias na Infância.

Os cientistas verificaram que os jovens que comem mais refeições como hambúrgueres preparados e servidos em cadeia internacionais e restauração correm mais risco de desenvolver doenças como asma, eczema e irritações oculares e das vias respiratórias.

Entre os pré-adolescentes que consomem esses alimentos três ou mais vezes por semana, o risco de asma aumenta 39 por cento. Nas crianças de seis a sete anos, o risco aumenta 27 por cento.

No sentido inverso, o consumo de fruta três ou mais vezes por semana reduz entre 11 e 14 por cento o risco de sofrer de asma, de eczemas e de rinoconjuntivites

Em alguns casos, alimentos como o leite de vaca, ovos, peixe, marisco, leveduras, frutos secos e alguns corantes e conservantes podem agravar os sintomas, assinalaram os especialistas.

“Se a relação entre a comida rápida e a prevalência dos sintomas de asma, rinoconjuntivite e eczema é causal, as conclusões têm um grande impacto na saúde pública devido ao crescente consumo de comida rápida a nível global”, assinalaram Innes Asher, da Universidade de Auckland, e Hywel Williams, da Universidade de Nottingham.

 


Entries e comentários feeds.