Se pudessem escolher, as crianças iriam a pé para a escola

Janeiro 18, 2018 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

 

Notícia do https://www.publico.pt/ de 9 de janeiro de 2018.

 

“As cidades não estão pensadas para elas”, diz a autora de estudo da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Samuel Silva

O cenário poderia ser diferente se as crianças decidissem, concluiu Andreia Ramos. Foi perguntado aos participantes qual o meio de transporte que utilizariam na deslocação casa-escola-casa se pudessem escolher. Oito em cada dez disseram preferir fazer o percurso por meios não motorizados.

As crianças evidenciaram uma “grande vontade de terem uma determinada autonomia” nas deslocações de que actualmente não dispõem, diz Andreia Ramos, em declarações ao PÚBLICO.

Na resposta ao questionário que foi aplicado aos estudantes, estes explicam ainda que não se sentem seguros nas deslocações sem supervisão de adultos, apontando como principais motivos aspectos relacionados com o espaço físico como o trânsito excessivo ou o reduzido número de passeios e passadeiras. Só depois destes aparecem nas respostas dos alunos questões relacionadas com a segurança pessoal, como o medo de serem assaltados ou de se perderem.

“Prioridade ao peão”

Estes dados permitem a Andreia Ramos concluir que o escasso uso de meios de transporte não motorizados nas deslocações entre casa e escola tem esta explicação: as cidades “não são pensadas para as crianças”.

“As cidades são projectadas pensando no transporte motorizado. Têm poucas preocupações com os acessos pedonais e são muitas vezes demasiado dispersas”, explica a arquitecta paisagista.

No estudo de Andreia Ramos foram inquiridos 191 estudantes do Agrupamento de Escolas de Rio Tinto, no concelho de Gondomar, dos 1.º e 2.º ciclos — ou seja, crianças entre os 6 e os 11 anos. De modo a evitar que o cansaço ou a falta de atenção afectassem as respostas dos participantes, a investigadora aplicou o questionário por meio de jogos didácticos e visitas de estudo.

“Quando andávamos com eles na rua, eles ficavam maravilhados. Tinham liberdade e não estavam acostumados”, conta a arquitecta paisagista, que trabalha agora no Instituto A Criança na Cidade, com sede em Vila Nova de Gaia. “As crianças parecem conceber a rua como o espaço do automóvel, e, por isso, considera-se urgente recentrar a rua nos peões e especificamente nas crianças, para os casos dos percursos casa-escola.”

Andreia Ramos recomenda, assim, uma maior atenção ao conceito de zonas de coexistência, o que pressupõe a partilha dos espaços urbanos por diferentes utilizadores e tipos de meios de transporte, passando a ser dada “prioridade ao peão” e a outros modos de deslocação não motorizados nos percursos casa-escola.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Mobilidade e interação social da criança na cidade

 

 

Fórum Internacional Noite Saudável das Cidades

Março 11, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

forum

mais informações:

http://noitesaudavelcoimb.wix.com/coimbra2016

 

Colóquio Internacional Crianças, Cidade e Cidadania – com a participação de Maria João Malho do IAC

Março 10, 2016 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

A Dr.ª Maria João Malho (Técnica do CEDI do IAC – Centro de estudos, Documentação e Informação Sobre a Criança do Instituto de Apoio à Criança), irá participar no painel temático “Cidade, Mobilidade e Educação”.

mais informações no link:

http://www.adcl.org.pt/ciccc/index.php

coloquio

As crianças nas nossas cidades estão a ser roubadas de lugares seguros para brincar

Janeiro 19, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

artigo do  http://www.theguardian.com  de 6 de janeiro de 2014.

Andrzej Krause

Children in our towns and cities are being robbed of safe spaces to play

We’re plagued by joyless developments that destroy the essence of community: chances for young people to gather and play

George Monbiot

Where do the children play? Where can they run around unsupervised? On most of the housing estates I visit, the answer is hardly anywhere.

A community not built around children is no community at all. A place that functions socially is one in which they are drawn to play outdoors.

As Jay Griffiths argues in her heartrending book Kith, children fill the “unoccupied territories”, the spaces not controlled by tidy-minded adults, “the commons of mud, moss, roots and grass”. But such places are being purged from the land and their lives.

“Today’s children are enclosed in school and home, enclosed in cars to shuttle between them, enclosed by fear, by surveillance and poverty and enclosed in rigid schedules of time.” Since the 1970s the area in which children roam without adults has decreased by almost 90%. “Childhood is losing its commons.”

Given all that we know about the physical and psychological impacts of this confinement, you would expect the authorities to ensure that the remaining 10% of their diminished range is designed to draw children out of their homes. Yet almost everywhere they are designed out. Housing estates are built on the playing fields and rough patches children used to inhabit, and offer almost nothing in return.

In the government’s masterplan for England, the national planning policy framework, children are mentioned only twice: in a catalogue of housing types. In parliament’s review of these plans, they aren’t mentioned at all. Young people, around whom our lives should revolve, have been airbrushed from the planning system.

I spent Monday wandering around the new and newish housing developments on the east side of Northampton. I chose this area because the estates here are spacious and mostly built for families: in other words, there is no possible excuse for excluding young people.

In the places built 10 or 20 years ago, there is plenty of shared space, but almost all of it is allocated to cars. (You can see the photos on my website.) Grass is confined to the roundabouts or to coffin-like gardens, in which you can’t turn a cartwheel without hitting the fence. I came across one exception – a street with wide grass verges. But they sloped towards the road: dangerous and useless, a perfect waste of space.

This land of missed opportunities, designed by people without a spark of joy in their hearts, reifies the idea that there is no such thing as society. Had you set out to ensure that children were neither seen nor heard, you could not have done a better job. On the last day of the holidays, which was warm and dry, across four estates I saw only one child.

By comparison, the Cherry Orchard estate just completed by Bellway Homes is a children’s paradise. But only by comparison. Next to the primary school, with plenty of three- and four-bedroom houses, it is designed to appeal to young families. But in the middle of the development, where a village green might have been, there’s a strange grassy sump, surrounded by a low fence. It’s an empty balancing pond, to catch water during exceptional floods. Remove the fence, plant it with trees, throw in some rocks and logs, and you’d have a rough and mossy playground. But no such thing was in the plans.

Other shared spaces on the estate have the charming ambience of a prison yard: paved and surrounded by garden fences almost nine feet high. There were a few children outdoors but they seemed pressed to the edges, sitting in doorways or leaning on fences. Children don’t buy houses, so who cares?

Throughout the country, they become prisoners of bad design, and so do adults. Without safe and engaging places in which they can come together, no tribe forms. So parents must play the games that children would otherwise play among themselves, and everyone is bored to tears.

The exclusion of children arises from the same pathology that denies us decent housing. In the name of market freedom, the volume housebuilders, sitting on their land banks, are free to preside over speculative chaos, while we are free to buy dog kennels priced like palaces in placeless estates so badly designed that community is dead on arrival. Many want to design and build their own homes, but almost no plots are available, as the big builders have seized them.

In Scotland the government is considering compulsory sale orders, which would pull down prices – essential when the speculative price of land has risen from 2% of the cost of a home in the 1930s to 70% today. A national housing land corporation would assemble the sites and supply the infrastructure, then sell plots to community groups, housing associations and people who want to build their own.

It goes far beyond England’s feeble community right-to-build measures, which lack the muscular facilitation that only public authorities can provide. But it’s still not far enough.

What if people were entitled to buy an option for a plot on a new estate, which they would then help to plan? Not just the houses, but the entire estate would be built for and by those who would live there. The council or land corporation would specify the number and type of homes, then the future residents – including people on the social housing waiting list – would design the layout. Their children would help to create the public spaces. Communities would start to form even before people moved in, and the estates would doubtless look nothing like those built today.

To the Westminster government, this probably sounds like communism. But as countries elsewhere in Europe have found, we don’t need volume house builders, except to construct high-rises. They do not assist the provision of decent, affordable homes. They impede it. What is good for them is bad for us.

Bellway, its brochure reveals, asked children at the neighbouring primary school to paint a picture of a cherry orchard, and displayed the winning entries in its show home. “Why not pop over to say hello, view our wonderful development and sneak a peek?”, it asks. That’s the role the children were given: helping the company to sell the houses it had already built.

Why can’t we shape the places that shape our lives?

 

 

 

 

Tertúlia – Os espaços de vida das crianças e dos jovens: a CIDADE, 29 de Janeiro, Teatro Rápido, Lisboa

Janeiro 28, 2014 às 3:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

tert

A primeira tertúlia deste ano desafia-nos a pensar sobre as cidades e de que forma é que os espaços urbanos se organizam em prole do desenvolvimento das crianças e dos jovens.

A segurança, a mobilidade e a oferta de actividades que promovam o bem estar físico, motor e mental dos mais novos.

Esta vai contar com a presença de Carlos Neto, Professor da Faculdade de Motricidade Humana; Sandra Nascimento da APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil e Sérgio Xavier, em representação do Vereador  da Câmara Municipal de Lisboa, João Afonso.

Mais informações no evento facebook:

https://www.facebook.com/?ref=tn_tnmn#!/events/535514046546719/

Tertúlia sobre Os Espaços de Vida das Crianças e dos Jovens : A Cidade

Janeiro 23, 2014 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

convite

Tendo em conta o número limitado de lugares, solicita-se confirmação para forumdireitoscriancas@gmail.com

Participação de Dulce Rocha no Programa Sociedade Civil na RTP 2 sobre “Cidades Amigas das Crianças”

Abril 12, 2012 às 10:42 am | Publicado em Divulgação, O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

A Drª Dulce Rocha, Vice-Presidente do Instituto de Apoio à Criança, irá participar no Programa Sociedade Civil na RTP 2 no dia 12 de Abril de 2012 pelas 14.00 horas. O IAC é parceiro do programa Sociedade Civil e tem participado num já considerável número de emissões, na generalidade trata-se de um conjunto de programas em que os temas se relacionam com os direitos das crianças, sendo matérias de verdadeiro interesse público.

Sinopse – O relatório da UNICEF “Situação mundial da infância 2012: crianças no mundo urbano” revela um Portugal que julgávamos ter superado: a pobreza urbana não desapareceu. Apesar de terem desaparecido os bairros de barracas, as condições em que vivem as crianças hoje não deixam de ser alarmantes. Muitas delas estão desacompanhadas na escola, desintegradas do contexto familiar e expostas à criminalidade. Para além das situações de pobreza, há crianças que não brincam nas ruas, não usufrem dos parques infantis nem dos espaços urbanos porque as cidades estão construidas para automóveis e espaços edificados. Será possível inverter esta situação? Que cidades são estas tão hóstis às crianças? Que soluções há para tornar as cidades mais amigas das crianças?

Convidados:

Dulce Rocha, Vice-presidente Instituto de Apoio à Criança
Susana Morais, Coordenadora Núcleo Programação e Ambiente Parques de Sintra-Monte da Lua
Sandra Nascimento, Presidente da Associação para a Promoção da Segurança Infantil
Rui Alexandre, Presidente da Secção Regional Sul Ordem dos Arquitectos

Conferência “A cidade e seus territórios: segregação socioespacial e modos de vida no Brasil”

Março 26, 2012 às 12:40 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Mais informações Aqui

Pobreza que afecta as crianças portuguesas está “encaixotada” em edifícios altos

Março 6, 2012 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia da Rádio Renascença de 28 de Fevereiro de 2012.

Relatório da Unicef para 2012 é dedicado à situação das crianças no mundo urbano, alertando para o facto de as cidades se estarem a transformar em sítios muito desiguais, onde as crianças com menos recursos ficam à margem.

A pobreza que afecta as crianças portuguesas é hoje “menos visível”, mas isso não quer dizer que não haja “muitos problemas” por resolver, defende a directora executiva da Unicef Portugal, sublinhando que embora as cidades ofereçam mais oportunidades , há crianças que ficam à margem.

A propósito do relatório “Situação mundial da infância 2012: crianças no mundo urbano”, divulgado hoje e que será apresentado em Lisboa ao início da tarde, Madalena Marçal Grilo, directora executiva da Unicef Portugal, não tem dúvidas: “Não podemos dizer que a pobreza urbana em Portugal tenha desaparecido, porque não desapareceu.”

“O facto de [as situações] estarem mais encaixotadas, em edifícios altos e que não se vêem, não quer dizer que (…) tenham desaparecido por si só. São é diferentes”, distingue.

Os bairros de barracas praticamente desapareceram em Portugal, mas, entre as “muitas pessoas que foram realojadas”, persistem “muitos problemas que não ficaram resolvidos”, assinala.

Crise reflecte-se nas crianças
“Sabemos que há muitos problemas… falta de condições de habitabilidade, muitas pessoas por habitação, exploração de crianças, abusos sexuais, muitas vezes propiciados pelas condições de habitação”, enumera Madalena Marçal Grilo.

“Estamos num período de crise, em que desemprego e cortes sociais estão a reflectir-se já na vida de muitas crianças”, frisa, reconhecendo, porém, que não há dados específicos sobre crianças que confirmem as impressões recolhidas no terreno.

O relatório da Unicef para 2012 é dedicado à situação das crianças no mundo urbano, alertando para o facto de as cidades se estarem a transformar em sítios muito desiguais, onde as crianças com menos recursos ficam à margem.

Os “mil milhões de crianças” que vivem actualmente em cidades grandes e pequenas estão a ser “excluídas do acesso a serviços essenciais”, conclui a agência das Nações Unidas para a infância.

 

Situação Mundial da Infância 2012 – Crianças em um Mundo Urbano

Março 1, 2012 às 9:00 pm | Publicado em Divulgação, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Descarregar o relatório em português ou em inglês

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.