Mais de 60% dos jovens de Lisboa que vão a tribunal apresentam absentismo escolar

Novembro 11, 2014 às 11:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 7 de novembro de 2014.

ricardo graça lusa

por Lusa

Mais de 60% dos jovens de Lisboa que são presentes a juizes de menores por prática de crimes apresentam problemas de absentismo escolar, conclui uma investigação do Centro de Estudos Sociais (CES) de Coimbra a que a Lusa teve acesso.

Dos 104 casos analisados que foram a tribunal na área metropolitana de Lisboa, apenas três jovens tinham abandonado precocemente a escolaridade, referiu João Pedroso, coordenador do projeto de investigação, sublinhando que, para além do elevado absentismo escolar, 76% dos jovens tinham já uma ou mais retenções escolares.

Também mais de metade dos jovens que são sujeitos a julgamento têm comportamentos agressivos, um quarto apresenta “problemas de desobediência ou desrespeito pelas figuras de autoridade” e 21 jovens estavam “referenciados como tendo algum tipo de doença do foro mental”. 

De acordo com o estudo, cerca de metade destes jovens com processos tutelares educativos findos (processos que chegam à fase judicial) já tinham tido um contacto com o sistema judicial e quase um terço já tinha sido alvo de uma “medida tutelar educativa” – 18 na comunidade e 10 em internamento. 

“As retenções escolares estão relacionadas” com práticas de delinquência por parte dos jovens, observou João Pedroso, sublinhando que é necessária “uma deteção precoce” e a aplicação de “uma solução imediata”. 

De acordo com o investigador do CES, “não é possível pensar numa solução sem se pensar na escola”, considerando que é importante uma atenção especial por parte dos estabelecimentos de ensino, mas que terá de envolver “a família e o meio” onde os jovens vivem. 

“Deve haver uma política especial para jovens” que têm retenções, referindo que as medidas que existem “não chegam”. 

O estudo regista também que os jovens que vão a tribunal de menores são “ligeiramente mais velhos” que os jovens dos inquéritos arquivados. 

Nos inquéritos arquivados, 83,7% dos jovens são de nacionalidade portuguesa (em contraste com 75,9% dos processos que foram a tribunal) e apresentavam níveis de absentismo e de retenções escolares mais baixas – 30% e 61% respetivamente. 

Nestas situações, o inquérito educativo foi o primeiro contacto com o sistema judicial para a maioria dos jovens, sendo que 87,2% não tinham processo tutelar educativo anterior. 

Nos inquéritos arquivados, os tipos de crime mais comuns foram furtos (41%) e ofensas corporais (21%), sendo que nos processos que chegaram ao tribunal também são ofensas corporais e furtos, seguidos de ameaças, injúrias e roubos. 

O estudo do CES analisou 100 inquéritos tutelares educativos arquivados e 104 processos tutelares findos, de 2012, provenientes dos tribunais de família e menores de Lisboa, Setúbal, Barreiro, Loures e o Juízo de Família e Menores Grande Lisboa-Noroeste (Sintra).

Os resultados do projeto de investigação serão também discutidos e apresentados hoje no colóquio internacional “@s Jovens e o crime – Transgressões e justiça tutelar”, que decorre na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

 

 

 

 

Colóquio Internacional @s jovens e o crime – transgressões e justiça tutelar

Setembro 14, 2014 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

ces

7 de novembro de 2014, 09h30, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

Apresentação

O Colóquio Internacional “@s jovens e o crime – transgressões e justiça tutelar”, que terá lugar no dia 7 de novembro, na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, é organizado no âmbito do projeto de investigação “Desvio e crime juvenil no feminino: da invisibilidade dos factos, seleção e percursos no sistema judicial, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (PTDC/CPJ-JUR/117490/2010 – FCOMP-01-0124-FEDER-019895) e do programa de doutoramento Direito, Justiça e Cidadania no séc. XXI. Num momento em que os comportamentos juvenis desviantes são um problema social com crescente visibilidade, sobretudo em espaço urbano, revela-se necessário discutir a delinquência juvenil e os mecanismos de seleção e medidas aplicadas das/às jovens pelos sistemas judiciais a nível europeu e nacional. Este colóquio organizar-se-á em três momentos: uma sessão plenária que contará com a participação de especialistas nacionais e internacionais na área do desvio e delinquência juvenil; sessões paralelas que serão precedidas de call for papers; e uma sessão plenária de encerramento, onde serão apresentados os resultados do projeto de investigação “Desvio e crime juvenil no feminino: da invisibilidade dos factos, seleção e percursos no sistema judicial.

Inscrição As inscrições no colóquio estarão abertas até dia 1 de novembro para o público em geral. As comunicações de autores que não tenham completado/pago a inscrição até 30 de setembro não serão consideradas no programa.

O custo de inscrição no colóquio será de: • Geral – 15 euros; • Estudante – 10 euros;

Mais informações aqui

Colóquio Internacional Tráfico de Seres Humanos: desafios à cooperação legal e à proteção das vítimas na EU

Abril 8, 2014 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

cartaz_coopfight_web

mais informações:

http://www.ces.uc.pt/eventos/thb/


Entries e comentários feeds.