Condenadas siete chicas por hacer bullying a una compañera de clase

Abril 7, 2015 às 6:00 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do site http://www.diaridetarragona.com  de 22 de março de 2015.

Los jóvenes y adolescentes son fáciles blancos del bullying  Foto Lluís Milián

Los jóvenes y adolescentes son fáciles blancos del bullying Foto Lluís Milián

 

Àngel Juanpere

La víctima, de 13 años, sufrió durante un curso y medio toda clase de insultos, agresiones e incluso amenazas de muerte, hasta el punto de que llegó a intentar suicidarse.

Siete jóvenes –que actualmente tienen entre 16 y 18 años– han sido condenadas por hacer bullying a una compañera de colegio, hechos ocurridos durante el curso escolar 2012-2013 y parte del 2014, según la sentencia emitida por el Juzgado de Menores de Tarragona. Este caso –que el propio magistrado considera como muy grave– es de los pocos que llegan a juicio. La mayoría se resuelve con la mediación dentro del propio centro escolar o bien en la Fiscalía de Menores.

La sentencia de las siete procesadas considera probado que actuaron de común acuerdo y con evidente ánimo de menospreciar, humillar y menoscabar la integridad moral de (…), de 13 años». Para ello, durante el curso 2012-2013 y también parte del 2014 vinieron acosando a la víctima de forma habitual con expresiones como «gorda», «ano», «desgraciada», «superdotada», siempre en tono despectivo. También amenazaron con matarla, tanto a ella como a su madre.

Mensaje en la pizarra

El 14 de octubre de 2014, una de las acusadas escribió en la pizarra del aula la palabra «ano». Como ello molestó a la víctima, la agresora le tiró del cabello, la cogió del cuello y la empujó, cayendo al suelo y causándole una contractura cervical. En otra ocasión, hallándose otra acusada en el polideportivo, le propinó una bofetada a la víctima, que sufre epilepsia desde los diez años.

Para el magistrado, el trato denigrante físico y psicológico ejercido por las acusadas «ha ido menoscabando su integridad psicológica y moral hasta el punto de agravar el estado de salud de la víctima, presentando una sintomatología ansioso-depresiva y gesto autolítico, precisando su ingreso en el hospital por su grave repercusión emocional, presentando tristeza, irritabilidad, ira, miedo, apatía, bulimia, aislamiento y absentismo escolar», entre otras patologías. Dicha situación persiste en la actualidad, subraya el magistrado, «siendo diagnosticado todo ello como trastorno de estrés post-traumático» por el hospital en fecha 15 de enero de 2014.

Según la estimación del médico forense en su informe del 20 de mayo del año pasado, el tiempo de curación o estabilización del mencionado trastorno es de 167 días. Por otro lado, señala la sentencia, el 8 de mayo de 2014, al tener conocimiento de la denuncia interpuesta por la víctima, una de las acusadas la amenazó con colgarla de un balcón y matarla. De las siete acusadas, sólo una sigue en el mismo instituto, mientras que las otras estudian algún ciclo formativo.

La pena del fiscal

La fiscal solicitó para las siete acusadas la medida de ocho fines de semana de permanencia en sus respectivos domicilios. Las acusaba de un delito contra la integridad moral. A una de ellas, también de obstrucción a la justicia. Además, se solicitaba el pago de una indemnización de 5.010 euros. En cambio, la defensa solicitaba la absolución.

El caso llegó a juicio porque durante la instrucción en la Fiscalía la mediación no dio sus frutos. Las acusadas siempre han negado que sometieran a la víctima a bullying; aseguraban que fueron hechos puntuales.

Las declaraciones tanto de la víctima como de su madre fueron persistentes a lo largo de la instrucción y también el día del juicio. La mujer declaró que algunas de las acusadas, cuando se cruzaban, también se metían con ella. Además, declaró que su hija le iba explicando todo lo que le iban haciendo las procesadas.

Para el titular del Juzgado de Menores de Tarragona, los testimonios que declararon en el juicio «son prueba de cargo suficiente para desvirtuar la presunción de inocencia que ampara a las menores». Explica que los testigos depusieron «con claridad y evidencia» los hechos relatados, sin que conste la existencia de ninguna relación previa entre ellos y las menores que permita dudar de su credibilidad. Las víctimas no sólo ratificaron en el juicio la denuncia, sino que expusieron un relato de hechos uniforme y sin fisuras.

La reiteración de conductas degradantes para la víctima y que le han causado padecimientos fue expuesta por ella misma, recuerda el magistrado. La adolescente enumeró los diferentes insultos y vejaciones de las que era objeto desde el año 2013 por parte de todas las acusadas, entre otras «gorda», «foca», la amenazaban a ella y a su madre, pues estos insultos y amenazas se producían también fuera del instituto. Asimismo, la madre de la víctima manifestó que esta situación se daba desde junio de 2013, habiendo cesado después de la denuncia. La conducta de todas las menores acusadas, según dijo expresamente respondiendo a las preguntas que se le formularon, consistía en que continuamente se reían de su hija, la miraban y sonreían, la increpaban, la insultaban y hasta le pegaron en una ocasión. Afirmó que esto lo sabía porque se lo contaba su hija y porque ella misma lo presenció, además de sufrir esa situación en persona, pues también con ella se metían. Su hija tuvo necesidad de tratamiento médico como consecuencia de ese acoso, incluso el ingreso psiquiátrico durante un tiempo, pues le bajó la autoestima, estaba insegura y tenía miedo, hasta el punto de intentos autolíticos como se desprende de los informes médicos.

Durante el juicio declaró el profesor –y secretario del centro educativo– que daba clases a la víctima. Aseguró que la vio entristecida y llorando. Esta alumna dejó de asistir a clase por la presión que sufría, siendo conocedor este profesor de que había problemas dentro y fuera del instituto porque era miembro del equipo directivo del centro. Otro miembro del equipo declaró que sabía que hubo insultos y cosas en octubre de 2013 y que el tema se trató con los profesores y tutores. Llamaron a las niñas y a los padres para poner remedio a la situación, pues era prolongada en el tiempo. Asimismo, dicho profesor reconoce que la víctima faltó a clase por cuestión de salud.

Poca pena

En la sentencia, el magistrado acepta la medida –pena, en el caso de adultos– que había solicitado el fiscal. Sin embargo, considera que la medida impuesta es muy corta en relación al delito cometido, que exige maldad de corazón de la persona que lo comete «y carencia de empatía y que es necesario, por tanto, una intervención educativa mucho mayor. La gravedad del delito así lo exige y máxime teniendo en cuenta que la presión que ejercieron las menores enjuiciadas sobre la víctima fue muy potente, hasta el punto de llevarla a un intento de suicidio». Para este tipo de delito, la pena máxima sería de internamiento de dos años en régimen semiabierto, que implica poder aprovecharse de algunos recursos, como salir al exterior del centro con acompañamiento.

Además de quedarse en casa, las menores condenadas tienen la obligación de realizar tareas educativas, las que les encarguen los educadores, como por ejemplo un trabajo sobre la empatía o el sufrimiento.

Hablar con los padres

Para el magistrado que está al frente del Juzgado de Menores de Tarragona –con ámbito provincial–, Jesús María del Cacho, lo principal en el caso de acoso escolar es que las víctimas puedan hablar con sus padres y, en el caso de no ser posible, con otras personas adultas con las que tengan muy buena relación. Le servirá de autoayuda y para subir la autoestima. «Lo que no puede hacer el joven o adolescente es responder de la misma manera. Tiene que confiar en los adultos y saber que estos pondrán de su parte para solucionar el problema», asegura el juez.

Sea quien sea el adulto, tiene que poner el caso en conocimiento del profesorado para que lo resuelvan, haciendo uso de los mediadores escolares que todo colegio tiene que tener –puede ser un psicólogo o bien un profesor preparado–. Del Cacho tiene constancia de que la figura de este mediador funciona mucho mejor en los centros públicos que en los privados o concertados. Estos últimos suelen intentar camuflar o enmascarar el problema para que no salpique la reputación del colegio. Finalmente, si la situación no se resuelve en el colegio, la víctima tiene que denunciar ante la Fiscalía.

 

 

 

Rapazes com idade entre 11-15, que relataram ser vitimas de bullying em 2010 – dados da OECD

Abril 3, 2015 às 8:00 pm | Na categoria Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

 

11081013_806115496147076_7551573308203773244_n

 

In Europe + North America, boys report being bullied the most in Austria + the least in Sweden. 1 in 5 Austrian boys versus only 4% in Sweden: http://bit.ly/1LN91qv

The OECD average for boys reporting bullying was 11% (Ireland, USA, Finland, and Germany were at this level).

This comes from a recent OECD report which included HBSC data on bullying in its analysis, for more info see: http://bit.ly/1LN8ZPj

Relatório da OECD:

Skills for Social Progress: The Power of Social and Emotional Skills

 

Há jovens a autoflagelarem-se nas redes sociais

Março 24, 2015 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 23 de março de 2015.

Daniel Rocha

Cláudia Bancaleiro

Comportamento pode explicar-se com a necessidade de atenção ou como uma forma de se promoverem junto de colegas e amigos.

Em 2013, o suicídio de Hannah Smith aos 14 anos foi associado ao bullying que sofria através do site Ask.fm. Mensagens como “morre, toda a gente ficará feliz” ou “faz-nos um favor e mata-te” foram encontradas no perfil da adolescente britânica. Na altura, o Ask.fm enfrentou fortes críticas, incluindo do primeiro-ministro David Cameron, e acabou por anunciar o reforço das suas medidas de segurança. Uma investigação posterior concluiu que 98% das mensagens de ódio recebidas por Hannah tinham sido enviadas pela própria adolescente.

O fenómeno de “cyber self-harm” ou autoflagelação online é recente. Quem o pratica publica ou envia mensagens abusivas e insultuosas para os seus próprios perfis nas redes sociais, na maioria das vezes de forma anónima, uma situação que é permitida em algumas redes, como é o caso do Ask.fm, Yik Yak ou Tumblr.

No caso de Hannah Smith, foi isso que aconteceu. A adolescente foi encontrada enforcada no seu quarto. Para trás tinha ficado um autêntico massacre de ataques anónimos feitos online através do Ask.fm, como se veio a confirmar numa investigação aos perfis que a jovem mantinha nas redes sociais.

Os pais de Hannah iniciaram uma campanha a denunciar as fragilidades e perigos que sites como o Ask.fm representam para as crianças. Aquele reagiu garantindo que iria tentar identificar quem, de forma anónima, tinha atentado contra Hannah. A família ficou chocada com os resultados da investigação. Havia de facto mensagens publicadas por terceiros a atacar a jovem, mas a esmagadora maioria eram da autoria da própria. As autoridades concluíram o mesmo quando investigaram o computador e endereços de IP da adolescente.

O que leva um jovem a autoflagelar-se online é complexo e perigoso. Além dos danos psicológicos, existe também o risco de haver riscos físicos. Rachel Welch, directora da organização britânica Selfharm, um projecto que apoia jovens que fazem mal a si próprios física e psicologicamente, já teve contacto com vários casos de autoflagelação e alerta para graves riscos deste tipo de comportamento.

“Esta forma de auto-abuso pode funcionar como um catalisador para danos físicos e fornecer motivação para que continue. Pode tornar-se viciante para alguns fazerem algo como cortar-se, queimar ou arrancarem cabelo, e o período de recuperação pode ser prolongado, com muitas recaídas”.

Segundo a Selfharm, a designação de autoflagelação pode representar vários comportamentos, mas no geral pode ser entendida como uma resposta física a uma dor emocional e pode ser viciante. As reacções podem levar à auto-mutilação, mas também a distúrbios alimentares ou abuso de drogas, exemplifica a organização.

Porquê auto-abuso online?

Quando a autoflagelação é feita na Internet, o caso toma outras proporções. Enquanto um jovem se auto-mutila muitas vezes sem ninguém o saber e o faz sozinho; no caso do auto-abuso online o jovem fica exposto online. Danah Boyd, uma das principais investigadoras na Microsoft Research e uma das primeiras pessoas a falar sobre este tema, considera que é “importante salientar que a autoflagelação online não será provavelmente a explicação para a maioria dos comentários negativos anónimos que se fazem, mas o facto de existir deve servir de alerta para todos, e especialmente para os pais que tentam lidar com o bullying”.

Citada pela fundação Cybersmile, uma organização com representação no Reino Unido e nos Estados Unidos que se dedica ao combate do cyberbullying, como uma das principais investigadoras nesta área, Danah Boyd encontrou três razões que podem explicar este tipo de comportamento num jovem: Pode ser um pedido de ajuda para conseguir a atenção dos pais ou de amigos quando se sentem vulneráveis. A importância de ter um estatuto social entre os colegas e amigos. O jovem é tão popular que está a ser alvo de comentários de “invejosos”. E o aumentar da auto-estima pode ser outra razão. Ao despoletar comentários abusivos, o jovem espera receber apoio de amigos através de elogios.

Emma Short, coordenadora do Centre for Cyberstalking Research, diz ter encontrado casos de auto-abuso na rede Tumblr. “A vasta maioria [dos comentários] era de utilizadores a afirmarem que se odiavam. Talvez seja uma forma de conseguir aprovação para os seus sentimentos. Investigações mostraram que se alguém publicar um post negativo online, perto de 30% das pessoas vão juntar-se à acção de bullying, mas perto de 60% vão atacar os abusadores e defender a pessoa alvo de comentários. Pode ser isso que estes jovens procuram”, argumenta a responsável, citada pela Cybersmile.

O fundador desta organização, Scott Freeman, sublinha que estes jovens não pertencem a uma geração de diários em papel, os seus sentimentos mais íntimos são descarregados online. “Estes miúdos vivem todas as suas vidas online, para eles é natural, é aí que devem revelar os seus sentimentos”.

Nos últimos anos, são vários os estudos publicados sobre a autoflagelação. Mas são raros os que se dedicam à temática do auto-abuso online. Um dos mais recentes foi publicado em Junho de 2012 pelo norte-americano Massachusetts Aggression Reduction Centre. Nesse ano, quando entrevistados 617 estudantes, 9% admitiu que já se tinha autoflagelado na Internet de forma anónima.

À semelhança do que sustenta Danah Boyd, o estudo concluiu que entre as motivações apresentadas para o comportamento, os jovens falaram numa tentativa de chamar a atenção de amigos e família, de levar outros a preocuparem-se consigo e a defenderem-nos online.

Ellie começou aos 15 anos

Ellie, agora com 19 anos, começou aos 15 a atacar-se a si própria de forma anónima. Aos 17 anos contou a sua história à organização Selfharm. Criou vários perfis anónimos e escreveu comentários no seu perfil verdadeiro. Acusava-se de ser feia e inútil. “Sabia que era eu que estava a escrever mas no ecrã não era eu. No ecrã era a minha mãe ou a minha melhor amiga”. Ao escrever mal sobre si própria recebeu comentários a alimentar os seus medos mas também mensagens de apoio de amigos. “Os meus amigos tentaram proteger-me e apoiaram-me. Para que tudo continuasse acabei por publicar mensagens negativas contra eles”, contou a jovem.

Rapidamente as coisas descontrolaram-se e Ellie tomou uma decisão. “Estava a matar-me vê-los tão zangados por minha causa e foi aí que soube que tinha de parar. Aquilo não era sobre magoar outras pessoas, era sobre magoar-me a mim própria”.

A investigadora Danah Boyd, também professora na Universidade de Nova Iorque e membro do Berkman Center for Internet and Society, em Harvard, alerta que é necessário perceber a questão antes de partir em busca de respostas e formas de ajudar estes jovens. “Percebi que a maioria dos adultos quer responsabilizar a tecnologia por estes problemas em vez de reconhecer que os jovens estão simplesmente a usar a tecnologia para divulgar uma série de questões sociais e emocionais que enfrentam”, disse à BBC.

A responsável lamenta que os próprios especialistas prefiram falar sobre o que a tecnologia faz aos jovens, no lugar do que torna visível sobre a cultura da juventude. “A tecnologia espelha e aumenta o bom, mau e feio sobre o dia-a-dia mas é mais fácil culpar a tecnologia do que procurar mais profundamente”.

 

 

13.º Encontro para a Promoção da Saúde na Escola com a participação de Cláudia Manata do Outeiro do IAC

Março 23, 2015 às 4:03 pm | Na categoria CEDI, Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

A Dra. Cláudia Manata do Outeiro do IAC-CEDI (Centro de Estudos, Documentação e Informação sobre a Criança), irá participar no encontro com a comunicação “Bullying: Prevenção e Intervenção na Família e na Escola” pelas 11.30 h.

mais informações sobre o encontro no link:

http://promocaosaudeescola.blogspot.pt/

saude

Does Bullying Impact Your Child’s Developing Brain?

Fevereiro 16, 2015 às 6:00 am | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

texto do site http://resources.uknowkids.com/blog/  de 16 de janeiro de 2015.

uknowkids 2

To many, bullying is still considered a “soft” form of abuse because there are no visible injuries. After all, only our feelings are hurt.

It has been well-documented that victims of bullying can experience serious emotional and psychological difficulties. That is now a known fact. New neurobiological research is discovering that bullying physically alters the developing brains of kids. The following are five studies detailing how the brain processes become derailed when an individual is subjected to continual bullying.

1. Rockefeller University – Mice Study

A mice study, conducted at Rockefeller University, examined the brains of mice that had been subjected to bullying (Don’t ask me how they did that. I have no idea how… but it is interesting nevertheless).

The researchers discovered that genes became more active, allowing greater amounts of the hormone, vasopressin, to be released into the brain area.  The changes in the neuroendocrine systems affect adaptive social behaviors. Bullied mice would not socialize with nonthreatening mice, would freeze in place, and frequently displayed fearful and anxious behavior.  In humans, alterations in the components of the neuroendocrine systems are linked to depression, social phobias, and other disorders.  The findings of this study seem to indicate that bullying could produce enduring social trauma at the molecular level.

2. Teicher Study

Neuroscientist, Martin Teicher, conducted a study of 63 young adults who were victims of verbal bullying. Teicher found deviations in the corpus callosum, a broad band of nerve fibers which connect the left and right hemispheres of the brain, allowing communication between the two halves of the cerebellum.

With the subject participants, neurons in the corpus callosum were found to have smaller amounts of the myelin sheathing that helps enhance brain cell communication. These abnormalities may hamper an individual’s ability to process events occurring around them and respond accordingly. Victims of bullying frequently have problems with memory, concentration, and attention. Corpus callosum abnormalities may contribute to these cognitive difficulties.

3.Vaillancourt’s Long-term Study

Tracy Vaillancourt, a psychologist at the University of Ottawa, has been following teenagers, including those that have been regularly humiliated and ostracized by their peers, to investigate whether there were structural differences when compared with others.

Every six months, the teens’ cognitive functioning is evaluated and their brains are scanned using magnetic resonance imaging (MRI) to assess damage to the brain, specifically the hippocampus, which is involved in memory formation. Vaillancourt’s findings suggest that bullying does impair normal brain development.  Her results include…

  • Cortisol Level Abnormalities: In 2008, Vaillancourt’s discovered higher levels of cortisol, the stress hormone, in boys who had been bullied, and significantly lower levels of cortisol, in bullied girls. When an individual is experiencing “fight or flight” responses, blood glucose is deterred from the hippocampus to the muscles. The hippocampus is especially sensitive to chronic stress, and when there is an excess amount of this cortisol in the brain, the abilities to create new memories and access existing ones are compromised. It has not been determined why bullied girls have abnormally low levels of cortisol, but it has been speculated, that the body has learned to make less cortisol, because of the chronic stress, experienced by the girls.
  • Anomalies in the Corpus Callosum: Vaillancourt discovered abnormalities in the nerve fiber bands which indicates that communication between the two hemispheres may be impaired. Scientists have shown that bullied individuals often have cognitive deficits, and score lower on verbal memory tests, and have less ability to focus on and complete tasks successfully. The irregularities in the corpus callosum could account for this cognitive impairment.

4. Peterson Study

A neuroscientist at the Chicago Medical School, Daniel Peterson, documented that just one session of bullying altered a bullied rat’s brain.  When examining the brain, Peterson and his colleagues, verified that while new brain cells were still being produced at a normal rate in the hippocampus, a large percentage of the new cells were dying off before fully maturing.  Peterson speculates that with just a single episode of bullying, brain cell survival will return to its natural state.  Should bullying persist for lengthy periods, producing continual stress, brain cell survival would continue to diminish.

5. Radua Study

Radua compared the brains of children and adults who had histories of maltreatment with those who did not. Using a neuroimaging technique, Radua discovered that those participants, who had been exposed to maltreatment, had significantly lower volumes of gray matter in numerous brain areas.

Gray matter is composed of neuronal cells and unmyelinated axons and functions mainly in the processing of information. Radua concluded that stressors in childhood can cause enduring physiological and neurobiological changes to brain structure.

Parents know that bullying causes serious emotional damage to the victimized child, but not much has been known about the brain structure of victimized children. Evidence is continuing to mount that indicates the harm is far from just skin deep. Bullying, physically alters developing brains, and needs to be taken seriously by parents, teachers, and schools.

What can you do to help protect your kids again cyberbullying? Check out uKnowKids! 

uKnowKids is an amazing tool for parents that are working hard to keep their kids from falling victim to cyberbullying. uKnowKids is also a terrific tool for parents hoping to keep their kids from being a bully. You can learn more at uKnowKids.com.

Posted by Tim Woda

 

 

Manual Crianças e Jovens vítimas de violência: compreender, intervir e prevenir

Fevereiro 15, 2015 às 5:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

manual

descarregar o manual no link:

http://apav.pt/publiproj/images/yootheme/PDF/Manual_Criancas_Jovens_PT.pdf

“A utilidade desta obra é óbvia e essencial, uma vez que permite instruir os diferentes intervenientes no processo de violência e de apoio à vítima e ao agressor, das fases e competências que cada interveniente tem no processo de saúde (e de doença). (…)

De fácil leitura, clara e com boa estruturação pedagógica por assunto, o Manual Crianças e Jovens vítimas de violência: compreender, intervir e prevenir reflecte a complexidade do problema da criança e adolescente que sofre de maus tratos, de violência sexual, de bullying e de violência no namoro, deixando caminhos e finalidades sobre a promoção, a preservação e o restabelecimento da saúde quando esta é alterada pela violência”

João Luís Baptista (MD, MsC, PhD, Prof. de Saúde Pública)

Centro de Investigação em Saúde Comunitária do Departamento Universitário de Saúde Pública, da Faculdade de

Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa (CISCOS/DUSP/FCM/UNL)

Palestra interativa sobre bullying com Luís Fernandes na Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes

Janeiro 26, 2015 às 2:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

bullying

Notícia do site  http://www.sulinformacao.pt  de 20 de janeiro de 2015.

Por Sul Informação

A Associação de Pais e Encarregados de Educação da escola Prof. José Buísel, de Portimão, promove no dia 30 de Janeiro, às 19h30, na Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes, uma palestra sobre o bullying, orientada por Luís Fernandes.

Luís Fernandes é psicólogo e coautor do livro “Plano Bullying: como apagar o bullying da Escola”.

Esta palestra tem entrada livre e insere-se num projeto que a APEE tem vindo a desenvolver, com o apoio da direção do Agrupamento, de combate à violência escolar.

Luís Fernandes é licenciado em Psicologia Educacional e Mestre em Observação e Análise da Relação Educativa. Foi professor no Instituto Superior de Psicologia Aplicada – ISPA e colabora desde 2008 com a «Sementes de Vida – Associação de Apoio à Vítima», em Beja.

Na última década, Luís Fernandes tem coordenado e supervisionado diversos projetos na área do bullying e violência na escola, com ações de formação e de sensibilização em todo o País. É coautor do livro “Plano Bullying: como apagar o bullying da Escola”, editado em Outubro de 2013.

No seu livro, Luís Fernandes aborda a problemática do bullying de uma forma essencialmente prática, disponibilizando um conjunto de medidas de prevenção e de intervenção sob a forma de recursos de apoio para o professor, instrumentos de avaliação e atividades para os alunos. São sugestões concretas que ajudam professores, alunos, pais e qualquer técnico em ambiente escolar a lidar com o fenómeno do bullying.

 

 

Sessão de esclarecimento SOS Bullying “Formas de violência entre jovens” com Ana Perdigão e Melanie Tavares do IAC

Janeiro 12, 2015 às 1:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

A Drª Ana Perdigão – Coordenadora do Serviço Jurídico do instituto de Apoio à Criança e a Dra. Melanie Tavares, Coordenadora da Mediação Escolar do Instituto de Apoio à Criança irão ser as oradoras da sessão de esclarecimento SOS Bullying “Formas de violência entre jovens” no auditório da escola Superior Ciências Empresariais de Valença.

sos

Seminário CLDS+ Benavente “Um olhar sobre….. os maus tratos e violência nas crianças e jovens de hoje” com a participação de Melanie Tavares do IAC

Janeiro 8, 2015 às 6:00 am | Na categoria Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

10885220_1012977582062738_2726552675185804166_n

A Dra. Melanie Tavares, Coordenadora da Mediação Escolar do Instituto de Apoio à Criança irá participar no seminário com a comunicação “Bullying? não… é só a brincar”.

O Projeto AGIR – CLDS+ Benavente irá realizar, no próximo dia 17 de Janeiro de 2015, no Cine-Teatro de Benavente, um Seminário subordinado ao tema “Um olhar sobre….. os maus tratos e violência nas crianças e jovens de hoje”.

Os interessados deverão inscrever-se, até ao dia 15 de Janeiro de 2015, para os seguintes contactos:

e-mail: cldsmaisbenavente@hotmail.
com
263 589 420
96 615 51 32
96 615 51 33

https://www.facebook.com/cldsmaisbenavente/timeline

 

Como proteger o seu filho do bullying

Janeiro 5, 2015 às 6:00 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do Sol de 19 de dezembro de 2014.

Shuttersock

O bullying, uma forma de assédio moral ou físico que acontece entre crianças, é hoje uma preocupação para a maioria dos pais. Para detectar e proteger o seu filho desta situação, deve estar atento aos sinais.

“Sempre que há grupos de muitas crianças juntas, parte do desenvolvimento das competências sociais pode traduzir-se em bullying”, explica Joel Haber, psicólogo clínico, ao site Everyday Health.

A atenção dos pais a este fenómeno não deve limitar-se ao contexto escolar. Deve também ter atenção às actividades extracurriculares, principalmente aquelas em que a criança passa mais tempo como em acampamentos de escuteiros ou visitas de estudo que impliquem mais do que um dia. “Ao contrário da escola, não há muitas ocupações num acampamento para os miúdos a não ser desenvolver as suas relações sociais, portanto é o ambiente mais propício à existência de bullying”, afirma o especialista.

Joel Haber explica que se o seu filho subitamente começa a deixar de querer ir para uma actividade que antes gostava, esse é um sinal claro de que poderá haver algum problema. Pode não ser bullying e até tratar-se de outra complicação – ansiedade, fobias, depressão ou algum desconforto com os adultos que monitorizam a actividade. Deve tentar perceber o que se passa.

As crianças mais pequenas costumam mesmo fingir má-disposição física para evitar as actividades e algumas desenvolvem efectivamente sintomas como dores de barriga ou de cabeça resultantes da ansiedade.

“É importante falar de forma natural sobre o bullying mesmo antes de a criança ir para as actividades. Dizer coisas como ‘olha, vais divertir-te muito, mas podem existir momentos menos bons”. Os pais devem ensinar os filhos como reagir caso os colegas tenham comportamentos menos positivos com eles. Esta aprendizagem depende da idade e maturidade da criança. Nos mais velhos, pode encorajar a criança a reagir com humor, não se mostrando intimidada, ou simplesmente ignorando o agressor. “Se a criança conseguir lidar sozinha com o bullying vai sentir-se mais feliz e confiante por ter solucionado o problema de forma autónoma”, explica o psicólogo. Mas se ainda assim o problema não ficar resolvido, o seu filho deve estar instruído para falar abertamente com um adulto da sua confiança, seja um professor, um irmão mais velho ou os próprios pais. O mais importante é a criança ou adolescente sentir que não está sozinho.

Os pais devem também conhecer e falar regularmente com os professores, monitores e pais de colegas, estando a par de como estão construídas as relações sociais dentro do grupo. Deve saber com quem brinca o seu filho e falar sobre como correu o dia na escola.

 

 

« Página anteriorPágina seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.