Congresso Bullying

Setembro 27, 2014 às 4:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

congresso

mais informações aqui

12 dicas para afastar seu filho do bullying

Setembro 24, 2014 às 6:00 am | Na categoria Recursos educativos | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , ,

Guia do site http://educarparacrescer.abril.com.br

1

descarregar o guia aqui

mais guias no link:

http://educarparacrescer.abril.com.br/guias-da-educacao/index.shtml

 

 

Bullying entre irmãos aumenta riscos de saúde

Setembro 19, 2014 às 8:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia da Pais & Filhos de 9 de setembro de 2014.

o estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Sibling Bullying and Risk of Depression, Anxiety, and Self-Harm: A Prospective Cohort Study

pais & filhos

As crianças até aos 12 anos que são vítimas de “bullying” por parte de irmãos estão mais sujeitas a apresentarem problemas de saúde mental no início da idade adulta, defende um estudo britânico publicado na última edição da revista “Pediatrics”.

Os investigadores das universidades de Oxford, Warwick, Bristol e Londres estudaram 6900 casos de “bullying” na esfera familiar no início da adolescência e voltaram a analisar a saúde mental das vítimas aos 18 anos, comparando-a com uma amostra de jovens adultos sem historial de vitimização. E chegaram à conclusão de que aqueles apresentam o dobro das possibilidades de sofrerem de depressão, ansiedade e até episódios de auto-mutilação.

No artigo, os cientistas – que se dividem entre os campos da Política Social, Psicologia, Saúde Mental, investigação sobre suicídio e Neurologia – defendem a adoção precoce de medidas de deteção de “bullying” entre irmãos e de apoio às vítimas, de forma a precaver consequências futuras a nível mental.

 

 

 

 

Cómo detectar que tu hijo sufre ‘bullying’ en el colegio

Setembro 19, 2014 às 6:00 am | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

texto do site http://www.que.es/ de 9 de setembro de 2014.

thumb

Foto: Imagen de un niño siendo víctima de ‘bullying’. | Gtres

 

El acoso escolar o ‘bullying’ es un tema que suscita gran preocupación entre las personas que lo sufren y sus familiares. Identificando una serie de síntomas, los padres pueden darse cuenta si su hijo es víctima de acoso tanto en el colegio como en las redes sociales.

Este martes da comienzo el nuevo curso escolar en la mayoría de Comunidades Autónomas y, con esto, el temor de muchos niños víctimas de abuso escolar a volver a las aulas. El acoso escolar o ‘bullying’ está presente en uno de cada cuatro niños españoles, según recoge un informe elaborado por Cisneros X. Aunque en la mayoría de los casos los menores intentan ocultarlo, existen una serie de síntomas que ayudan a los padres a intuirlo.

Normalmente, las personas que lo sufren son las que resultan más débiles y vulnerables a los demás. Es decir, aquellas personas con baja autoestima, que demustran menos habilidades físicas y sociales, o que tienen algo diferente, como por ejemplo llevar gafas.

Enrique Pérez-Carillo de la Cueva, presidente de la Asociación Española para la Prevención del Acoso Escolar, explica que “los primeros casos de acoso comienzan a darse generalmente a los cinco o seis años, cuando los niños ya tienen cierta capacidad verbal para hacerlo y de ignorar a otros compañeros”.

Cómo detectar el bullying

Lo habitual es que un niño que sufre acoso escolar o ciberacoso lo oculte por miedo o vergüenza a reconocerlo. Por ello, existen una serie de síntomas que pueden alertar a padres y profesores sobre si un menor está sufriendo esta situación.

Perez-Carillo asegura que “las señales de alerta son similares en todos casos, pero cuando se detecta, el acoso ya lleva un tiempo presente”.

Diana Díaz, psicóloga y subdirectora del teléfono de atención de la Fundación ANAR, enumera los síntomas más habituales: “El ‘bullying’ lo identificamos principalmente con un cambio brusco e importante en su estado de ánimo, actitud y conducta, además se pueden dar casos de depresión, llantos sin aparente motivo, estrategias para no ir a clase, falta de material, menos relaciones con otros niños… También puede darse una sintomatología psicosomática, es decir, que el niño presente insomnio, vómitos, dolores…”. Díaz apunta que esto debe ser “una alarma” para los padres.

Pero ahora hay que añadir al acoso en las aulas el acoso en la red. Pérez-Carrillo asegura que las redes sociales se han convertido en “una caja de resonancia”, es decir, el acoso en clase se complementa con el ‘ciberbullying’. “Internet ha hecho que esta práctica se lleve a cabo con mayor facilidad, sobre todo, porque puede ser anónimo”, añade.

Los padres tiene que supervisar lo que su hijo haga con el ordenador. Tanto para conocer si es víctima de ‘ciberbullying’ o, si por el contrario, es autor de humillaciones y vejaciones a otros compañeros. “Es necesario que se advierta a los niños del riesgo en las redes sociales y, si sus hijos están siendo acosados, guardar los contenidos en los que se pruebe que hay acoso”, señala Diana Díaz. “Y es que si el menor acosador tiene más de 14 años debe denunciarse porque existe responsabilidad penal“.

Cómo deben actuar los padres y el centro

“Una vez detectado, los padres deben trabajar el autoestima del niño, además de hablar con los profesores para conocer cómo es la situación de su hijo en clase y con el resto de compañeros”, señala la psicóloga. Si por parte del profesor no se obtienen soluciones, “se puede acudir directamente al jefe de estudios del centro o a la dirección”, añade. El AMPA también es una solución, ya que se presenta el problema al resto de padres.

Por su parte, el colegio debe activar una serie de protocolos para investigar lo que está pasando, además de vigilar a los presuntos implicados y los espacios donde puedan ocurrir los hechos.

“La obligación del centro es hacer que el niño pueda acudir a clase con normalidad y darle la sensación de que la situación se va a solucionar. Y es que si se va a otro centro sin haberlo tratado, es posible que vuelva a sucederle lo mismo”, alerta Diana Díaz.

Secuelas en el futuro

Que un niño sea víctima de acoso escolar puede tener consecuencias en su etapa adulta si no lo detiene a tiempo. Pérez-Carillo comenta que “aquellas personas que no solucionaron su acoso, sufren con mayor facilidad depresión, baja autoestima y ansiedad, entre otras cosas”.

Pero si se detecta a tiempo y se adoptan todos los mecanismos para parar la situación (por parte del colegio y los padres) “el menor no tiene por qué tener secuelas en el futuro”, apunta la psicóloga de ANAR.

Cómo prevenirlo

El mensaje que intentan lanzar es claro: En cuanto un padre percibe que su hijo está siendo acosado debe actuarse porque es dañino tanto a corto como largo plazo. También se hace mucho incapié en la situación de los “espectadores”. Estos son aquellos niños que se posicionan de un lado u otro. Generalmente de parte del agresor y principalmente por miedo a ser la próxima víctima.

Por ello, “es importante que el resto de compañeros se identifiquen con la víctima, que lo estigmaticen, que sepan cómo pedir ayuda y que lo apoyen”, señalan desde ANAR.

Con el inicio del curso, la Policía Nacional reinicia sus conferencias para prevenir, detectar y solucionar episodios de violencia, delincuencia y protección de víctimas en los centros educativos. Una iniciativa que intenta concienciar a los más pequeños de la gravedad del asunto, algo que ha llevado a muchos jóvenes a pensar en el suicidio como solución, y sobre la necesidad de no tener presente el tema únicamente cuando concluyen con un trágico final.

 

 

 

VI Congresso Mundial de Violência Escolar e Políticas Públicas : Da violência ao bem-estar na escola

Setembro 13, 2014 às 1:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

congresso

mais informações http://pazescolar.pe/congreso/portuguese.html

Relatório da UNICEF alerta para “factos inquietantes” sobre violência infantil

Setembro 12, 2014 às 8:00 pm | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

notícia da Visão Solidária de 4 de setembro de 2014.

descarregar o relatório Hidden in Plain Sight: A statistical analysis of violence against children mencionado na notícia

hidden

O relatório – “Hidden in plain sight” – desenvolvido pela UNICEF relativamente à violência infantil alerta para “factos inquietantes”. E diz que, “se não enfrentarmos a realidade que cada uma destas estatísticas revoltantes representa, nunca mudaremos a mentalidade segundo a qual a violência contra as crianças é normal e tolerável”. Quem o diz é Anthony Lake, Diretor Executivo da UNICEF, num comunicado de imprensa.

Lançado esta quinta-feira, em Nova Iorque, o relatório diz respeito a uma análise estatística sobre os “padrões globais de violência contra crianças”. O estudo teve por base 190 países sendo que os dados apenas são referentes aos indivíduos que se disponibilizaram a participar na pesquisa. Deste modo, o relatório documenta a violência contra crianças nas suas comunidades, escolas e casas.

Para além de dar a conhecer a impressionante escala dos abusos físicos, sexuais e emocionais, questões como “os efeitos duradouros, e muitas vezes inter-geracionais, da violência” foram também estudadas e abordadas. Assim sendo, os dados mostram que as crianças que foram e são expostas aos vários tipos de violência têm uma probabilidade de virem a viver na pobreza, a comportarem-se de forma violenta ou a ficarem desempregadas.

Seguindo esta lógica Anthony Lake acrescentou que esta situação “embora prejudique sobretudo as crianças, também afeta todo o tecido da sociedade – ameaçando a estabilidade e o progresso (…) a violência contra as crianças não é inevitável. Podemos preveni-la se não deixarmos que permaneça na sombra”.

Com o intuito de prevenir e reduzir a violência infantil, a UNICEF apresentou seis estratégias: apoiar os pais e dotar as crianças de aptidões para a vida quotidiana; mudar mentalidades; reforçar os sistemas judiciários, penais e de serviços sociais; recolher elementos de prova relativos à violência e aos custos humanos e socioeconómicos que acarreta, são quatro delas.

Iniciativa

Com o intuito de “chamar a atenção para o problema como um primeiro passo para mudar mentalidades, comportamentos e políticos”, a UNICEF lançou a iniciativa a 31 de julho de 2013. O slogan “Tornar visível o invisível” apelava ao envolvimento coletivo na luta contra a violência infantil, dando especial foco ao facto da violência estar “em todo o lado”, mas por vezes “longe da vista de todos”, ou “tolerada devido a normas sociais ou culturais”.

A iniciativa contou com o apoio de cerca de 70 países em todo o mundo, que se comprometeram a disponibilizar meios para “identificar, localizar e reportar situações de violência contra crianças em todas as suas formas”.

Principais Conclusões

Foram várias as conclusões retiradas daquele que consiste na maior compilação de dados relativos aos vários tipos de violência contra as crianças, até hoje. Entre elas destacam-se as seguintes:

Relativamente à violência sexual os pesquisadores concluíram que, em todo o mundo, cerca de 120 milhões de raparigas com idade inferior a 20 anos (cerca de 1 em cada 10) foram sujeitas a relações sexuais forçadas ou outro tipo de atos sexuais forçados. A prevalência da violência praticada por parceiros é de 70% ou mais na República Democrática do Congo e na Guiné Equatorial.

Sendo que um quinto das vítimas de homicídio, a nível global, são crianças e adolescentes com menos de 20 anos – 95.000 mortes em 2012 – o estudo concluiu que o homicídio está entre as principais causas de morte em indivíduos do sexo masculino com idades entre os 10 aos 19 anos no Panamá, Venezuela, Salvador, Brasil, Colômbia, Guatemala, Trinidad e Tobago. A Nigéria tem o maior número de homicídio infantil (13.000) mas entre os países da Europa Ocidental e da América do Norte, os Estados Unidos têm a taxa de homicídio mais alta.

O Bullying é um dos temas que mais se tem vindo a falar. Quase 1/3 dos estudantes entre os 11 e os 15 anos na Europa e América do Norte relatam ter estado envolvidos em atos de bullying contra outros. Na Letónia e na Roménia, 6 em cada 10 admitem ter sido autores de bullying. No que diz respeito às vítimas, em todo o mundo, 1 em cada 3 estudantes com idades entre os 13 e os 15 anos são regularmente vítimas de bullying. Na Samoa a proporção é de quase 3 em cada 4.

Bater na cabeça, nas orelhas, na cara ou espancar a criança repetidamente são alguns dos castigos físicos severos que cerca de 17% das crianças, em 58 países, são submetidas. Em todo o mundo, 3 em cada 10 adultos acreditam que uma disciplina violenta, ou seja, um castigo físico é necessário para educar corretamente uma criança. Mais de 40% das crianças entre os 2 e os 14 anos de idade são submetidos a castigos corporais severos no Chade, Egito e Iémen.

Como consequência, muitas crianças desenvolvem vários tipos de atitudes em relação à violência. No Afeganistão, Guiné, Jordânia, Mail e Timor-Leste 80% das raparigas adolescentes com idades entre os 15 e os 19 anos pensam que, em determinadas circunstâncias, é justificável um marido bater na mulher. Em 28 dos 60 países com dados sobre ambos os sexos, são mais as raparigas do que rapazes que acreditam que bater na mulher é por vezes justificado. Dados de 30 países sugerem que 7 em cada 10 raparigas dos 15 aos 19 anos que foram vítimas de abuso físico e/ou sexual nunca procuraram ajuda.

 

 

 

Bullying em Portugal acima da média

Setembro 9, 2014 às 1:00 pm | Na categoria A criança na comunicação social | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Correio da Manhã de 5 de setembro de 2014.

descarregar o relatório Hidden in Plain Sight: A statistical analysis of violence against children mencionado na notícia

getty images

 

Média nacional de adolescentes que praticam bullying está 6% acima da europeia.

 A Unicef revela que 37% dos adolescentes portugueses dizem ter praticado bullying, nos últimos seis meses. Este número está acima da média europeia e norte-americana, que se situa nos 31%, segundo o relatório “Escondido à vista de todos”.

Já quanto à participação em lutas, 27% dos adolescentes afirmam que o fizeram pelo menos uma vez nos últimos 12 meses. Na maioria dos países as respostas situam-se entre os 30% e os 40%. Esta situação é mais comum nos rapazes do que nas raparigas.

A falta de dados, tanto a nível nacional como internacional, não permite melhores comparações. No caso das agressões físicas e sexuais, homicídios e castigos corporais, Portugal está omisso. Ainda assim, há dados que “são inquietantes, que nenhum governo, pai ou mãe gostaria de ver”, afirma o diretor executivo da Unicef, Anthony Lakeerca.

Cerca de metade das raparigas entre os 15 e os 19 anos considera normal um marido bater na mulher, sob determinadas circunstâncias. Estes dados referem-se à escala mundial, sendo menos de 30% se analisada a Europa em concreto e mais de 80% em países como o Afeganistão, Guiné e Timor.

Já quanto a relações sexuais forçadas, cerca de 120 milhões de raparigas com menos de 20 anos foram obrigadas a fazê-lo.

O relatório mostra ainda que seis em cada 10 crianças são vítimas de punições corporais, embora apenas 17%, em 58 países experiencie as práticas mais severas (agressão na cara ou repetida).

“Os dados contidos neste relatório obrigam-nos a agir no interesse de cada uma destas crianças e pelo reforço da estabilidade futura das sociedades em todo mundo”, concluiu Anthony Lake.

 

 

 

Estatísticas 2014 de Cyberbullying e Bullying nos Estados Unidos e no Reino Unido

Setembro 8, 2014 às 6:00 am | Na categoria Estudos sobre a Criança | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

no

The New Year has arrived and here at NoBullying.com, that means one essential thing. It is time for Cyberbullying and Bullying Statistics 2014.

When gathering bullying statistics 2014, we always look at major polls published worldwide and covering a big number of participants, we always look at the major trends and shifts in cyberbullying and bullying worldwide. Some of the key things we noticed when searching for bullying statistics 2014 are the following:

Most Children showed more worry about Pornography and Violence shared on all social networks as well as pop-up ads and phishing.

More children are showing knowledge and understanding of what cyberbullying and bullying entails, although a big percentage still expressed not knowing enough on how to fight it or prevent it.

Less children are expressing feelings of low self esteem and bigger percentage of them are expressing the desire to remain survivors and winners in the battle against bullying and cyberbullying.

consultar todas as estatísticas no link:

http://nobullying.com/cyberbullying-bullying-statistics-2014-finally/

 

Workshop Identificação e Prevenção do Bullying

Agosto 29, 2014 às 12:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , ,

work

Local: Viseu | Data: 06 de Setembro | Destinatários: Pais e Educadores |
INSCREVAM-SE
Para inscrições e mais informações:
geral@indicemaximo.pt

Tel. 232 083 342 | Tlm. 914 514 818

 

I Congresso Intermunicipal sobre Proteção de Crianças e Jovens

Agosto 28, 2014 às 8:00 pm | Na categoria Divulgação | Deixe o seu comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

inter

mais informações:

http://congressocpcj.wix.com/metamorfose

 

« Página anteriorPágina seguinte »

Create a free website or blog at WordPress.com. | O tema Pool.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.040 outros seguidores