Types of Bullies – The 9 Types of Bullies in School

Novembro 27, 2014 às 6:00 am | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

texto do site http://lawnforrester.hubpages.com

7037223_f260

Children must cope with more challenges when facing adulthood concerning their interpersonal relationships in their work environment, which is school. Due to ongoing world affairs and the ever advancing communication technology industry children have more ways to acquire information and more ways to express their reaction to information. Bullying behavior in schools continues to be a problem that takes forms in various ways depending on the culture and location of the educational institution. Bullying is unwelcomed behavior, unwarranted and invalid criticism of another person or entity.

School administrations as well as state and federal branches have been attempting to conquer bullying in schools; be it passing new laws, implementing new programs, encouraging students to support each other, and so. However, most programs and laws have not touched on why bullies bully or the typologies of bullies. Academic institutions have focused on workplace bullying and behavior management, but none of those elements have been introduced directly into the field.

In this article, a typology of bullies will be described and defined. These descriptions are a accumulation of studies and research conducted within the last 10 years at academic institutions.

Nine Types of Bullies

1) Sadistic 2) Bystander 3) Accessory 4) Conditional 5) Imitative 6) Relational 7) Impulsive 8) Accidental 9) Reactive

The nine types of bullies are more than an identification tool, but also allow for an illustration of how they bully their targets.

Sadistic:

A person who is considered a sadistic bully has a low degree of anxiety of incurring consequences of their negative behavior and also has a low level of empathy towards others. The purpose of this type of bullying is self-gratification and is defined by the behavior that is emitted. Does this person bully publicly or privately? Does this person have one target or random targets? Does this person create contrived opportunities to bully or does this person prefer natural opportunities to bully another? Most sadistic bullies need to feel omnipotent and at times appear to have high self-esteem.

Bystander:

A person who is considered a bystander bully has a high degree of anxiety for the consequences of their behavior and typical degrees of empathy for others. This bully identifies with the subject or the bully, but avoids the situation or minimizes the bullying event. Bystander bullies are ambivalent about the situation due to the high anxiety or possible fears of consequences for participating in the bullying behavior or ceasing the bullying behavior. This type of bully is the most thoughtful of the typologies because they have carefully weighed all the parties involved and choose not to take any action except be a silent witness. An example of a bystander bully would be a person watching a bully engage in the behavior and does nothing. Another example, the bully could call attention to the bystander and the bully will only emit the behavior if the bystander is attending.

Accessory:

A person who is an accessory bully has a typical degree of anxiety of consequences and a low degree of empathy of others. This bully maintains a relationship with another bully and has a dependent relationship with their bully-friend. This person aides and/or encourages behavior of another bully. An accessory bully identifies with the bully and can have a hand in selecting targets for their bully-friend. An example of an accessory bully would be a friend of a bully who cheers or instigates the bully to emit the behavior.

Conditional:

Bullies who are considered conditional have a low degree of anxiety of incurring consequences of their negative behavior, but do have a typical degree of empathy of others. These particular bullies determine their targets based on events or actions related. For example, a new student in school is having a relatively typical adjustment and has not been the subject of any bullying behavior. The new student begins an intimate relationship with another student. Suddenly, the new student has rumors spread about their past relationships, the new student receives threatening text messages, emails, and inappropriate voicemails. The new student learns that another student targeted them because they did not approve of their relationship. This conditional bully only targeted the new student because of the newly developed relationship.

Imitative:

Bullies who are considered imitative bullies have a typical degree of anxiety of consequences and a low level of empathy of others. These types of bullies will copy negative and positive behaviors in their environment. Imitative bullies are not attached or dependent on the bullies they imitate and identify with both the bully and the subject. For example, a group of friends could be making jokes at the expense of another friend. An imitative bully may then join in or use the material in that situation and apply it to a similar situation. This person focuses on inclusion and self-gratification.

Relational:

A person who is an relational bully has a high degree of anxiety of consequences and a low degree of empathy of others. This person is a personal bully. This bully maintains a personal relationship with the subject of bullying behavior. They maintain a relationship by providing both positive and negative behavior to the subject. The relational bully does not emit bullying behavior to strangers or acquaintances. Amongst females the term “frienemies” would describe this bullying relationship. In male relationships or friendships, one male will be more dominate and use humiliation to maintain their status and then reward their subordinate for maintaining their friendship. This could look like inviting them to events, praising them, supporting their extracurricular activities, and defending (physically and emotionally) their subordinate from outside acts or influences. The relational bully is dependent upon their relationship with their subject. If the bully does not have a subject, the bully will canvas and develop a relationship, which makes these bullies friendly, charming, and engaging.

Impulsive:

Bullies who are considered impulsive bullies have a typical degree of anxiety of consequences and a typical level of empathy of others. These particularly bullies are likely to be subjected to bullying themselves, which explains why their behavior is spontaneous and random. Impulsive bullies have a highly level of difficulty monitoring their behavior and are opportunity based. If no opportunity is present, they will not contrive an opportunity. Persons who are identified as impulsive bullies may also have a medical/development diagnoses.

Accidental:

Persons who are considered accidental bullies have a typical degree of anxiety of consequences and a typical level of empathy towards others. An accidental bully is just that, a person unaware of their behavior and their behavior’s impact on the subject. An example of an accidental bully or bullying event is taking a joke to an inappropriate level. Intervention for these bullies is highly affective, because the intent of the bully is not sadistic, bystander, accessory, conditional, imitative, relational, or impulsive.

Reactive:

A person who is considered a reactive bully has a high degree of anxiety of incurring consequences of their negative behavior and also has a high level of empathy towards others. These bullies may begin as subjects of bullying behavior and graduate to bullying during retaliation. They are highly defensive and will display anxious and nervous behaviors such as rapid speech, fidgeting, low attending, daydreaming, excessive perspiration, decreased or increased in appetite, emotional irregularities, and incidents of bowel irregularity. In past research studies, this bully would be diagnosed with post-traumatic stress disorder (PTSD) and any behavior emitted would be considered reactive to past trauma from bullying behavior.

After reviewing the descriptions of the nine bully types, a person could assume that they are one of these bullies or have bullied a person in the manner similar to one of the nine. However, the difference between a bully and someone who bullied someone is:

Bullying is obsessive and at times compulsive. A serial bully has to have someone to bully and appear to be unable to function without a current target. A serial bully: (1) has not learned to accept responsibility, (2) refuse to accept and acquire appropriate social behavior mores, and (3) does not acknowledge consequences of their behavior.

Some excellent books about prevention and intervention strategies for classroom and in-the-home include:

“Bullying Prevention and Intervention: Realistic Strategies for Schools” by Swearer, Espelage and Napolitano (2009)

“Bullying Prevention for Schools: A Step-by-Step Guide to Implementing a Successful Anti-Bullying Program” by Allan L. Beane (2009)

“Bullying From Both Sides: Strategic Interventions for Working With Bullies & Victims” by Roberts and Wiseman (2005)

 

 

Cyberbullying. Facebook combate fenómeno que só 7,9% dos estudantes admitem ter sofrido

Dezembro 12, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do i de 9 de Dezembro de 2013.

i

Por Diogo Pombo

Investigadores dizem que só em último caso as vítimas optam por contar o problema a pais ou a professores

Seja por culpa de uma piada pouco simpática ou de uma fotografia em tom de gozo. Além de ser a rede social mais popular no mundo – mais de 1,2 mil milhões de utilizadores -, o Facebook também se pode transformar num pesadelo para qualquer adolescente e é um dos palcos preferidos do cyberbullying. Um estudo da própria rede social descobriu que apenas 20% dos adolescentes confrontaria o seu “bully” se tivesse de redigir a mensagem. Daí a recente decisão do Facebook: criar ferramentas automáticas para confrontar o agressor e os vários casos em que este problema se pode concretizar.

Inês estava apaixonada. O namoro durava há meses e tudo parecia correr bem. Quando as saudades eram muitas enviava fotografias suas a Pedro. Imagens onde se via pouca roupa e muita pele. As discussões apareceram e com elas vieram os problemas. Inês decidiu terminar o namoro e as fotografias que tinha enviado antes começaram a aparecer no Facebook – Pedro decidira vingar-se. Os nomes são fictícios mas a história serve de exemplo para o tipo de episódio que João Amado por várias vezes já assistiu na realidade. “São os casos mais graves e os que mais me chocam”, confessou ao i o investigador da Faculdade de Psicologia e Ciência da Educação, da Universidade de Coimbra.

Por cá, este tipo de episódios é o mais comum quando a conversa toca no cyberbullying: “Isto acaba por ser violência entre namorados”, classificou o docente, ao retratar uma “prática” em que “as raparigas enviam fotografias íntimas” numa “situação de confiança mútua”, e que depois acabam “por ser utilizadas como armas de vingança”. Em Portugal, porém, o fenómeno ainda é pouco estudado – e, pelos números, também ainda pouco expressivo. Entre 3525 adolescentes que frequentavam o 6.o, 8.o e 11.o anos, inquiridos em escolas de nove distritos do país, durante 2013, apenas 297 (7,9%) admitiu já ter sido alvo de cyberbullying.

Esta é uma das conclusões do “O Cyberbullying nas Escolas Portugueses: Um Desafio à Promoção da Literacia Mediática”, trabalho elaborado pela Universidade de Coimbra e financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), a que o i teve acesso e que será divulgado em breve. A reduzida prevalência do fenómeno, suspeita João Amado, poderá dever-se à reacção “mais normal” das vítimas de cyberbullying: a de ficarem “calados” e “guardarem as coisas para si próprios”.

É esta atitude que o Facebook quer evitar com as suas novas ferramentas anti-bullying, que começou a implementar em Novembro. O objectivo passa por “ajudar os jovens a construir e manter relacionamentos”, pois isso “não acontece automaticamente”, defendeu Marc Brackett, do Centro de Inteligência Emocional da Universidade de Yale, nos EUA – uma das entidades que participou nos trabalhos para avaliar como a fricção nas relações afecta a vida online dos jovens.

Foi assim que o investigador justificou a criação de respostas automáticas no Facebook, na quinta-feira, durante a conferência do “4.o Compassion Research Day”, transmitida via streaming. A ideia foi construir uma lista de frases e abordagens, a serem escolhidas pelos jovens vítimas de cyberbullying, quando decidem entrar em contacto com os seus agressores. “O nosso objectivo é que os jovens respirem fundo e se lembrem de parar no momento em que vão reagir [ao cyberbullying]”, revelou, ao mesmo tempo que lhes confere “ferramentas para pensarem no impacto do que o que dizem pode ter na sua reputação online”. E, claro, para resolver casos de cyberbullying.

O Facebook descobriu que apenas 20% dos adolescentes confrontariam o seu agressor se tivessem de escrever o que lhe vão dizer. E 73% dos utilizadores que publicam conteúdo ofensivo respondem sempre que são contactados, afirmam os estudos conduzidos, no último ano, pela rede social norte-americana. “João, esta publicação é ofensiva e deixa-me muito desconfortável. Podes eliminá-la por favor?”, foi um dos exemplos de mensagem pré-formatada, apresentados por Mark Brackett, que será sugerida aos jovens no momento em que reportam um post e decidem confrontar o utilizador que o publicou. Para lá das respostas automáticas, o Facebook construiu também um portal com explicações e conselhos, dirigidos a pais e professores, a adoptar na hora de lidar com vítimas e agressores.

João Amado saudou a iniciativa, elogiando-a como “extremamente positiva”, embora ressalve que o mais frequente é os jovens “calarem-se e esconderem- -se”. Uma reacção inata ao próprio cyberbullying, explica o investigador, que “muitas vezes” tira proveito “da situação de anonimato” dos agressores e o subsequente silêncio das vítimas. Quando de facto falam (38,9% dos adolescentes simplesmente apagam ou excluem o contacto do bully), o mais provável é que as queixas acabem em ouvidos de amigos – aconteceu em 35,9% dos casos em Portugal, segundo os jovens inquiridos no estudo da Universidade de Coimbra. Só 27% dos participantes afirmaram ter contado as agressões aos seus pais.

 

Polícia investiga 15 suspeitos em novo caso de suicídio por cyberbullying

Outubro 2, 2013 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Público de 16 de Setembro de 2013.

Ana Gomes Ferreira

Rebecca tinha 12 anos e era perseguida por colegas através de mensagens enviadas para o telemóvel.

Entre 2010 e o Verão de 2013, o cyberbullying nos Estados Unidos terá sido responsável por pelo menos 12 suicídios. Na semana passada, Rebecca Ann Sedwick, que durante um ano foi torturada por 15 colegas da escola secundária, subiu a um silo de uma fábrica abandonada e atirou-se lá de cima. “Devias morrer”, “Porque é que ainda estás viva?”, “És horrorosa”, diziam as mensagens que lhe enviaram nas redes sociais.

Tinha 12 anos e antes de sair de casa na manhã do dia 9 de Setembro mudou o nome de um dos seu perfis na Internet para “Rapariga Morta”.

Rebecca Ann Sedwick morava na Florida, em Lakeland. Neste estado existe uma legislação antibullying a que este ano foi acrescentada uma emenda sobre cyberbullying. A emenda torna mais fácil acusar na Justiça os bullies do ciberespaço (o bullying é a palavra que define a violência física ou psicológica praticada por um ou mais indivíduos sobre outro, provocando-lhe grande sofrimento).

Na história de Rebecca, há 15 suspeitas, todas com idade semelhante à da vítima. A polícia ficou-lhes com os computadores e com os telemóveis e os advogados públicos estão à procura de provas que possam levar a algum tipo de acusação.

Mas a lei aprovada tem muitas ambiguidades, por exemplo estabelece que no caso de menores deve ser a escola a encontrar uma solução e um castigo para os infractores. Já foram condenadas pessoas por cyberbullying nos EUA, uma por ter provocado a morte de uma menor. Mas o veredicto de culpado foi anulado no recurso – em 2006, Lori Drew, um adulto, foi condenado no Missouri pela morte de Megan Meier, de 13 anos. O homem, que era vizinho da família da rapariga, começou uma relação virtual com a rapariga fazendo-se passar por um adolescente. Quando acabou com o romance, Megan enforcou-se. No recurso foi concluído que não ficou provado que o suicídio foi consequência directa do logro.

Havendo precedentes pouco favoráveis a condenações, os investigadores da Florida têm de começar por determinar se foram os 12 meses de perseguição que fizeram a rapariga subir ao silo e atirar-se, explicou o xerife de Polk County, Grady Judd, citado pelo Huffington Post.

Ela estava “aterrorizada”, disse o xerife. Em casa de Rebecca foram encontrados o computador, o telemóvel e diários com desabafos – “O que ela escreveu parte-nos o coração.”

No dia em que morreu, esta aluna do 7.º ano deixou o telemóvel em casa. Coisa inédita para quem nunca andava sem ele para poder partilhar mensagens, perguntas e imagens através de sites como o ask.fm ou o Kik and Vox. O ask.fm já foi envolvido em casos de cyberbullying nos EUA e no Reino Unido e prometeu criar um sistema de bloqueio; é acusado de nunca ter agido para conter ou proteger os seus utilizadores. “Quantos comprimidos precisas de tomar para morrer?”, era uma pergunta no telemóvel de Rebecca.

Tricia Norman, a mãe, contou à Associated Press que ao longo do ano tentou ajudar a filha. Fez queixas à escola, retirou-lhe o computador e o telemóvel várias vezes, impediu-a de usar os serviços de certos sites. Nunca percebeu que apagados uns, apareciam outros. A polícia encontrou imagens e mensagens que ela enviou nos últimos meses, quando a mãe acreditava que já não o fazia. “Existe toda uma nova cultura que passa ao lado dos adultos, porque muda de dia para dia”, explicou a The New York Times Denise Marzullo, do departamento de saúde mental do Nordeste da Florida. Quando os pais descobrem o Instagram, disse Marzullo, já isso é passado, os filhos estão muitos passos à frente.

A mãe também alertou a direcção da escola da filha para o que se estava a passar – não houve mudanças e transferiu-a para outra escola. “Ela andava risonha e bem-disposta”, disse a mãe, que acreditou que o pesadelo acabara com a mudança de ambiente escolar. Já Rebecca estava na outra escola quando estas mensagens caíram no seu telefone: “Importas-te de morrer, por favor”, “Porque é que ainda estás viva?”.

A escola Crystal Lake descarta responsabilidades. Fez saber que recebeu apenas uma queixa, em Dezembro – quando Rebecca foi internada porque começara a cortar-se com lâminas -, e que a direcção foi obrigada a suspender a rapariga por ela tentar bater numa colega. As mensagens, o bullying, disse já a polícia, foram enviadas sobretudo em horário escolar, e os investigadores estão também a tentar encontrar legislação que sustente um processo contra a escola.

 

Bullying na infância e na adolescência tem efeitos na vida adulta

Setembro 4, 2013 às 12:00 pm | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , ,

Notícia do site crescer.sapo.pt de 19 de Agosto de 2013.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Impact of Bullying in Childhood on Adult Health, Wealth, Crime, and Social Outcomes

Novo estudo mostra que adultos expostos ao «bullying» durante a infância têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios psicológicos.

Há muito que se reconheceu que o bullying numa idade jovem representa um problema para as escolas, para os pais e para os formuladores de políticas públicas. Embora as crianças passem mais tempo com os seus pares do que os pais, há relativamente poucos estudos publicados sobre a compreensão do impacto dessas interações na vida para além da escola.

Os resultados de um novo estudo, publicado na revista Psychological Science, da Associação para a Ciência Psicológica, destaca a medida em que o risco de problemas relacionados com a saúde, a pobreza e as relações sociais é agravado pela exposição ao bullying. O estudo leva em consideração muitos fatores que vão além de resultados relacionados com a saúde.

Dieter Wolke, da Universidade de Warwick, no Reino Unido, e William E. Copeland, do Centro Médico da Universidade de Duke, nos Estados Unidos da América, olharam para além do estudo das vítimas e investigaram o impacto sobre todos os afetados: as vítimas, os próprios agressores e aqueles que se enquadram em ambas as categorias, as chamadas «vítimas-bullies».

«Não podemos continuar a ignorar o bullying como sendo uma parte inofensiva, quase inevitável, do crescimento», diz Dieter Wolke. «Precisamos de mudar esta mentalidade e reconhecer o bullying como um problema sério tanto para o indivíduo como para o país, já que os efeitos são duradouros e significativos.»

As « vítimas-bullies» apresentam um maior risco de problemas de saúde na idade adulta, com uma probabilidade seis vezes mais elevada de serem diagnosticados com uma doença grave, de serem fumadores regulares ou de desenvolverem um distúrbio psicológico quando comparadas com adultos que nunca se viram envolvidos em episódios de bullying.

Os resultados mostram que as «vítimas-bullies» são talvez o grupo mais vulnerável de todos. Este grupo pode virar-se para o bullying depois de ser intimidado, uma vez que pode não ter a regulação emocional ou o apoio necessário para lidar com o bullying.

«No caso das “vítimas-bullies”, o estudo mostra como o bullying pode alastrar-se quando não é tratado», acrescenta o investigador. «Algumas intervenções já estão disponíveis nas escolas, mas são necessárias novas ferramentas para ajudar os profissionais de saúde a identificar, monitorizar e lidar com os maus efeitos do bullying. O desafio que enfrentamos agora é aplicarmos tempo e recursos a tais intervenções para tentar colocar um fim ao assédio moral.»

Maria João Pratt

 

 

Meryl Streep admite ter sido vítima de “bullying” na escola

Março 30, 2012 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 23 de Março de 2012.

Clicar na imagem


Entries e comentários feeds.