Deve beijar o seu filho na boca? Declarações de Manuel Coutinho do IAC à revista Sábado

Dezembro 17, 2018 às 1:13 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia e fotografia da Sábado de 7 de dezembro de 2018.

Declarações do Dr. Manuel Coutinho (Secretário–Geral do Instituto de Apoio à Criança e Coordenador do Sector SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança).

por Vanda Marques

Manuel Coutinho diz que é um “afecto desnecessário”. Além de aumentar risco de doenças, os pais “não namoram com os filhos”.

David Beckham não é conhecido apenas como um grande futebolista inglês, marido da ex-spice, Victoria, mas também por gostar de beijar os filhos na boca. No dia 27, partilhou na sua rede social uma imagem a dar um beijinho na boca de Harper, a filha de 7 anos, numa pista de patinagem no gelo. As críticas não tardaram, com acusações de que não era próprio nem aconselhável.

Mas não é a primeira vez que o atleta o faz. Já em 2017 publicou uma imagem a dar um beijo na boca da filha. Defendeu-se das críticas, dizendo que é uma pessoa muito carinhosa com os filhos e que foi assim que foi educado. Acrescentou apenas que seria estranho fazê-lo com o filho Brooklyn, na altura com 18 anos. Mas será adequado fazê-lo?

Manuel Coutinho, psicólogo e secretário-geral do Instituto de Apoio à Criança, defende que se trata de um “afecto desnecessário”, apesar de existirem culturas que o podem interpretar de outra forma. “Na nossa cultura o beijo na boca entre pais e filhos é uma manifestação de afecto completamente desnecessária e pode ser vista como abusiva, para além de poder trazer risco de contágio de doenças.” E acrescenta: “Há outras maneiras de manifestar afecto pelos filhos. O beijo na boca é muito íntimo, pode comprometer o bem-estar do filho e/ou causar-lhe eventual desconforto.”

A coach parental, Magda Gomes Dias, acredita que se trata de um tema delicado porque toca em assuntos que estão relacionados com intimidade. “Há uma relação de grande proximidade e de grande intimidade quando falamos de parentalidade. É frequente vermos pais com filhos pequenos a comunicarem essa intimidade seja com um beijo na boca dos pequenos, seja partilhando a cama com os mesmos, de forma igualmente, frequente”, explica à SÁBADO. Defende ainda que se não for frequente, não vê mal. Ainda assim: “Não vejo interesse nesse tipo de contactos, menos ainda à medida que os miúdos vão crescendo.”

O psicólogo Manuel Coutinho vai mais longe e diz que os pais não o devem fazer. “O beijo na boca pode ser um sinal de puro afecto, mas na nossa cultura está muito associado ao ‘namoro’ e os pais não namoram com os filhos.”

Os riscos deste tipo de intimidade podem até contribuir para uma confusão na cabeça das crianças. “Acredito que normalmente não há segundas intenções e que muitos pais que beijam os seus filhos na boca estão simplesmente a demonstrar carinho, mas não o devem fazer. O beijo na boca entre pais e filhos para além de os poder confundir na gestão dos seus afectos é na nossa cultura uma prática com conotação sexual e erótica que não pode ter lugar entre adultos e crianças.”

 


Entries e comentários feeds.