Crianças superprotegidas têm mais dificuldade em lidar com a frustração

Junho 26, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 19 de junho de 2018.

As crianças cujos pais são excessivamente controladores – já baptizados como “pais-helicóptero” por andarem sempre a “sobrevoar” os filhos – tornam-se menos capazes de controlar as suas emoções e os seus impulsos à medida que vão crescendo, podendo mesmo vir a sofrer dificuldades acrescidas nas aprendizagens feitas na escola.

A conclusão resulta de um estudo que juntou investigadores norte-americanos, ingleses e suíços e que, segundo o jornal britânico The Guardian, implicou a observação de 422 crianças e respectivas mães durante oito anos. “Os pais que são excessivamente controladores são quase sempre bem-intencionados e estão a tentar apoiar os seus filhos”, introduz Nicole Perry, uma investigadora universitária do Minnesota, nos EUA, para recomendar: “Contudo, para promover o desenvolvimento das competências emocionais e comportamentais das crianças, os pais devem permitir que estas experimentem uma variedade de emoções e dar-lhes espaço para as gerir de forma autónoma. E só depois, quando a tarefa se revela demasiada para as crianças, devem ajudá-las e orientá-las”.

Num artigo publicado na revista Developmental Psychology, da Associação Americana de Psicologia, os investigadores explicaram que as 422 crianças foram chamadas a um laboratório quando tinham dois anos de idade para os investigadores verem como brincavam com as respectivas mães. Durante quatro minutos e postas diante de uma variedade de brinquedos, as mães sabiam que estavam a ser observadas. Depois, eram deixadas sozinhas com os filhos durante mais dois minutos, sem saberem que continuavam a ser gravadas e observadas.

Aquilo que os investigadores procuravam apurar era até que ponto as mães tentavam assumir as tarefas e orientar a brincadeira dos filhos.

Anos depois, quando as crianças tinham cinco anos de idade, os investigadores voltaram a observá-las para perceber que comportamentos assumiam perante uma distribuição não equitativa de doces e quando convidadas a completar um puzzle sob pressão.

Numa fase posterior do mesmo estudo, quando as crianças tinham dez anos, os investigadores questionaram os respectivos professores sobre a existência de problemas como depressão, ansiedade e solidão entre estas crianças, bem como sobre os respectivos desempenhos escolares e aptidões sociais. Nesta altura, as crianças foram também questionadas sobre as suas atitudes em relação à escola e aos professores.

As conclusões a que os investigadores chegaram são claras q.b. Sopesadas as diferenças etárias e de contextos sócio-económicos, os filhos de mães mais controladoras revelaram, aos cinco anos, ter menos controlo sobre as suas emoções e sobre os seus impulsos. E, mais do que isso, as crianças que aos cinco anos revelavam problemas de auto-controlo das emoções revelaram, cinco anos depois, ter menos aptidões sociais e um desempenho académico mais fraco.

Apenas seis minutos de observação

Os investigadores limitaram-se a observar uma única vez a interacção entre os bebés e as respectivas mães e não consideraram mudanças na família ou na saúde das crianças. Conforme ressalva Dieter Wolke, da Universidade de Warwick, no Reino Unido, os investigadores não averiguaram sobre a existência de distúrbios de ansiedade entre as mães. Mas o investigador não deixou, por isso, de enfatizar o facto de as conclusões convergirem com as de outros estudos que demonstraram que a falta de auto-controlo na infância gera problemas em idades mais avançadas.

“A questão é que se alguém não aprende a auto-regular-se na infância como é que se vai auto-regular quando sai de casa ou quando vai para a universidade?”, reflecte, para considerar que impedir as crianças de fazerem essa aprendizagem configura uma “certa forma de abuso”.

A questão estará assim em perceber onde está a fronteira, isto é, “quando é que o controlo se torna excessivo” e de que modo se enquadra no contexto em que a criança está inserida.

“Embora o estudo estabeleça uma ligação entre o excessivo controlo parental e problemas futuros não é possível concluir que uma coisa provoca a outra”, sublinha outra investigadora, Janet Goodall, da Universidade de Bath, na Inglaterra, para lembrar que a interacção das crianças com as mães durou apenas seis minutos. De resto, segundo a investigadora, os pais não devem sentir-se culpados: “O que realmente importa é que os pais se preocupem com as suas crianças e sobre o que estas fazem e aprendem.”

mais informações na notícia :

Helicopter Parenting May Negatively Affect Children’s Emotional Well-Being, Behavior

 

 

Estudo explica por que adolescentes são mais impulsivos que adultos e crianças

Novembro 23, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Diário Digital de 14 de Novembro de 2013.

Mais informações sobre o estudo mencionado na notícia:

Teens Are Drawn to Danger, Study Shows

NEW EVIDENCE ON THE BIOLOGICAL BASIS OF HIGHLY IMPULSIVE AND AGGRESSIVE BEHAVIORS

Um estudo conduzido pelo Weill Cornell Medical College, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, aponta que o cérebro de adolescentes tem mais dificuldade em conter impulsos, levando jovens a cometerem mais crimes e infracções de trânsito, por exemplo.

O cérebro adolescente teria, segundo os autores do estudo divulgado esta semana, uma peculiaridade funcional em comparação com cérebros de crianças e adultos.

Para chegar à descoberta, investigadores submeteram 83 pessoas com idades entre 6 e 29 anos a uma experiência que se baseava na resposta impulsiva a imagens exibidas num ecrã.

Os cientistas usaram como base o conhecimento de que adolescentes envolvidos em crimes geralmente cometem-nos em situações de stresse emocional, de conflito.

Assim, aos participantes a experiência consistia em ver rostos com expressões neutras ou ameaçadoras no ecrã e apertar um botão apenas quando a face exibida fosse neutra.

Os participantes também tiveram a sua actividade cerebral monitorizada durante os testes.

Adolescentes apresentaram 15% mais erros do que os adultos e crianças envolvidos no teste, pressionando o botão também ao ver faces ameaçadoras, numa atitude impulsiva.

Segundo os pesquisadores, os adolescentes que conseguiram conter o impulso de pressionar o botão erroneamente demonstraram uma grande actividade numa área do cérebro chamada córtex pré-frontal ventromedial (VMPC), directamente ligada ao autocontrolo.

Isso poderia explicar, segundo os peritos, a razão de criminosos adolescentes terem pouca probabilidade de reincidirem em crimes, já que apenas o desenvolvimento natural do cérebro, decorrente da maturidade, permite uma maior actividade desse córtex.

«A conclusão sugere que o cérebro adolescente é altamente impulsivo ao deparar-se com uma situação de ameaça e indica que uma actividade pouco usual do VMPC possa ter uma relação biológica com isso», afirma o cientista do City College of New York Jon Horvitz na divulgação do estudo. «É uma descoberta empolgante.»

 

 


Entries e comentários feeds.