Childhood autism Horrible history

Novembro 7, 2015 às 1:00 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do The Economist de 22 de agosto de 2015.

Getty Images

The treatment of autistic children in the 20th century was shocking

Neurotribes: The Legacy of Autism and the Future of Neurodiversity. By Steve Silberman. Avery; 544 pages; $29.95. Allen & Unwin; £16.99.

EVERYTHING about autism, which is among the most common and the most slippery of mental conditions, is contested. The American Psychiatric Association, which determines what ailments American insurance companies will pay to treat, classifies it as a disorder. Many parents of autistic children are desperately searching for a cure, and find themselves easy prey for people who overpromise, selling remedies that have no scientific basis. Plenty of other people think that autism—which is characterised, among other things, by an inward focus that makes it hard to abide by the conventions of social behaviour—is not a disorder at all, and therefore has no need of a cure. America’s Centres for Disease Control and Prevention thinks that one in 68 children in the country have at least a touch of autism, which if true means there are more autistic Americans than Jewish ones. This too is contested.

Steve Silberman’s interest in autism was prompted more than a decade ago by his work in Silicon Valley for Wired magazine. He kept coming across software engineers with autistic children and, in an article entitled “The Geek Syndrome”, speculated whether this was a coincidence. Work by Simon Baron-Cohen at Cambridge University suggests it is not. Mr Baron-Cohen’s team has shown that people who have engineers for grandfathers are far more likely to be diagnosed with autism. In “Neurotribes” Mr Silberman goes further. He traces the prehistory of autism, which he argues persuasively was around long before it was given a name in the 1940s, and explains how a condition that now seems common is the product of ego-driven scientists and of the unusual circumstances in which they worked.

The book begins on Clapham Common, in south London, in the 18th century with the perambulations of Henry Cavendish, an aristocratic scientist obsessed (in the proper sense) with measurement. Cavendish took the same route around the common at the same time every night; he ate the same meal every day; wore the same clothes, insisting that his tailor replicate them when they wore out. He avoided eye contact with people. Colleagues at the Royal Society found that they could engage Cavendish in conversation only if they avoided addressing him directly. Yet he was only turned inward in a cocktail-party sense: he endowed a library which scholars were free to borrow from (so long as they did not talk to him) and shared his scientific discoveries with anyone who was interested. Among them were hydrogen, his “inflammable air”, and an accurate estimate of the Earth’s mass, which he calculated on his own at home using instruments of his own design.

Cavendish died 130 years before autism was recognised, but his biography suggests he would have been a good candidate for diagnosis. The same goes for Nikola Tesla, who could not sit comfortably at a breakfast table without calculating the precise volume of the coffee cups on it, or for Paul Dirac, whose work predicted the existence of antimatter. Faced with some marital tension over his tendency to ignore his wife (and everybody else, really), Dirac constructed a spreadsheet where he could insert her queries and make sure he answered them properly, an arrangement that seems to have worked rather well for the Diracs.

Yet for all its current associations with outstanding brains, autism was first identified as a pathological state. Before it got its own label, the condition was referred to as childhood schizophrenia. At the core of “Neurotribes” is an explanation of how autism emerged as the product of conflicts between psychiatrists anxious for career advancement, as played out against the backdrop of the Holocaust. The chief protagonists in this story are Hans Asperger, he of the syndrome, and Leo Kanner, who is widely credited with the invention of autism in a paper published in 1943.

Asperger’s syndrome, which has been dropped from the latest version of the Diagnostic and Statistical Manual, the textbook of American psychiatry, has been criticised for its focus on brilliant oddballs and also for its basis in a small number of observed cases. Yet Mr Silberman shows that Asperger, who was working in Nazi-controlled Austria, deliberately played up the brilliance of his patients in the hope of saving them from murder, and that his work was in fact based on the study of a large number of children who were less obviously gifted. German eugenicists, inspired by work in America, referred to such children as “useless eaters” and said the kindest thing would be to kill them. Asperger lost this argument, but continued his work in a place that made it impossible. One haunting image in the book is of his head nurse buried alive in Vienna by an Allied bomb, her arms wrapped protectively around a young patient.

Cold parents, autistic children

Kanner would surely have known of this work, done by a fellow German-speaker, but chose to ignore it. The Nazis dragged Kanner’s 70-year-old Jewish mother to a gas chamber and scattered the rest of his family. After a spell working in a primitive asylum in South Dakota, he fetched up in Baltimore, where autism was born. Kanner was so keen to make a brilliant breakthrough that he insisted that his discovery was new and rare, when it was neither. That bit of vanity might have been more forgivable had he not also speculated, on flimsy evidence, that the parents of autistic children were unusually cold. Time magazine ran a story headlined “Frosted Children” about these “Diaper-Age Schizoids”. The slur on refrigerator mothers took decades to fade.

Much of the subsequent history of autism has been about recovering from Kanner’s mistakes. In his defence, Kanner never used a cattle prod, unlike some other doctors trying to treat autistic children. Perhaps the grimmest case Mr Silberman cites is of a child who would not stop crying being subjected to electroconvulsive therapy, after which he never spoke again. This sort of stuff is, thankfully, now largely forbidden. But most treatments for autism still inhabit the realm of chelation, supplements, strange diets and other junky science.

If “Neurotribes” has a shortcoming, it is a minor one. By focusing on some of the most interesting cases, Mr Silberman says little about autistic people with severe learning difficulties who will probably require lifelong care. It may be that in a generation the diagnosis thrashed out by Asperger, Kanner and their heirs will splinter anew into lots of separate syndromes, and the notion of an autism spectrum, which is currently used to make sense of a situation where people with very different characteristics are given the same diagnosis, will fade. Whatever the future of autism, though, Mr Silberman has surely written the definitive book about its past.

From the print edition: Books and arts

 

 

 

Estratégias para manter a atenção do aluno autista em sala de aula

Novembro 3, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

9061__1238784

imagem retirada daqui

Rua Sésamo cria primeira personagem autista

Outubro 27, 2015 às 7:25 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Observador de 21 de outubro de 2015.

CR8hRvuWwAAOC5-

Chama-se Julia e será a primeira personagem autista da série. Inserida na iniciativa Rua Sésamo e o Autismo tem por “objetivo fazer com que todas as crianças olhem para o que têm em comum e não para as suas diferenças”.

O projeto televisivo inclui ainda uma aplicação gratuita, que disponibiliza livros de histórias, vídeos e outros recursos audiovisuais, para ajudar as famílias das crianças autistas, nas tarefas domésticas. Em declarações à revista People, Sherrie Westin, vice-presidente executiva dos impactos globais e filantropia, afirmou que “a maioria dos familiares dos jovens com este tipo de deficiências gravita em conteúdos digitais, daí ter-se criado a Julia digitalmente”.

mais informações no link:

http://autism.sesamestreet.org/

Sabia que o peso com que nasce influencia a sua personalidade?

Agosto 16, 2015 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Notícia do Sol de 29 de julho de 2015.

o estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Personality of adults who were born very preterm

DR

Adultos que nasceram com 1,5 quilogramas têm uma maior probabilidade de serem neuróticos e introvertidos, revela um estudo publicado no site BMJ e divulgado no Independent.

O estudo diz que os bebés que têm pouco peso ou os que nascem antes das 32 semanas de gestação correm o risco de ter “uma personalidade socialmente mais fechada”.

Os investigadores da Universidade de Warwick descobriram uma ligação entre o nascimento prematuro ou com muito pouco peso e interacções sociais mais tensas, ansiosas ou tímidas.

Essas pessoas também têm uma maior tendência para mostrarem “sinais de autismo”, dificuldades em conhecer pessoas novas ou tomar atitudes mais ousadas.

O estudo é feito com base na observação de 200 pessoas residente na Baviera, Alemanha, que têm agora 26 anos e que nasceram antes do tempo ou com pouco peso. Estas foram comparadas com outras 197 que nasceram no tempo previsto e com um peso normal.

Os adultos do primeiro grupo mostravam sinais que correspondem a uma personalidade neurótica, preocupavam-se facilmente, tinham dificuldades em socializar e não pensavam tanto nos outros, explica a investigação.

Os investigadores têm várias explicações para este fenómeno – problemas no desenvolvimento cerebral e, consequentemente, na infância.

Para ler o artigo publicado no Independent, clique aqui

 

Autismo de A a Z – Formação especializada em perturbações do espectro do autismo

Agosto 6, 2015 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

ama

 

Dez coisas que toda criança com autismo gostaria que você soubesse

Julho 10, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

texto do site http://www.contioutra.com  de 27 de junho de 2015.

Por Ellen Nottohm

1) Antes de tudo eu sou uma criança.

Eu tenho autismo. Eu não sou somente “Autista”. O meu autismo é só um aspecto do meu caráter. Não me define como pessoa. Você é uma pessoa com pensamentos, sentimentos e talentos. Ou você é somente gordo, magro, alto, baixo, míope. Talvez estas sejam algumas coisas que eu perceba quando conhecer você, mas isso não é necessariamente o que você é. Sendo um adulto, você tem algum controle de como se auto-define. Se quer excluir uma característica, pode se expressar de maneira diferente. Sendo criança eu ainda estou descobrindo. Nem você ou eu podemos saber do que eu sou capaz. Definir-me somente por uma característica, acaba-se correndo o risco de manter expectativas que serão pequenas para mim. E se eu sinto que você acha que não posso fazer algo, a minha resposta naturalmente será: Para que tentar?

2) A minha percepção sensorial é desordenada.

Interação sensorial pode ser o aspecto mais difícil para se compreender o autismo. Quer dizer que sentidos ordinários como audição, olfato, paladar, toque, sensações que passam desapercebidas no seu dia a dia podem ser doloridas para mim. O ambiente em que eu vivo pode ser hostil para mim. Eu posso parecer distraído ou em outro planeta, mas eu só estou tentando me defender. Vou explicar o porquê uma simples ida ao mercado pode ser um inferno para mim: a minha audição pode ser muito sensível. Muitas pessoas podem estar falando ao mesmo tempo, música, anúncios, barulho da caixa registradora, celulares tocando, crianças chorando, pessoas tossindo, luzes fluorescentes. O meu cérebro não pode assimilar todas estas informações, provocando em mim uma perda de controle. O meu olfato pode ser muito sensível. O peixe que está à venda na peixaria não está fresco. A pessoa que está perto pode não ter tomado banho hoje. O bebê ao lado pode estar com uma fralda suja. O chão pode ter sido limpo com amônia. Eu não consigo separar os cheiros e começo a passar mal. Porque o meu sentido principal é o visual. Então, a visão pode ser o primeiro sentido a ser super-estimulado.  A luz fluorescente não é somente muito brilhante, ela pisca e pode fazer um barulho. O quarto parece pulsar e isso machuca os meus olhos. Esta pulsação da luz cobre tudo e distorce o que estou vendo. O espaço parece estar sempre mudando. Eu vejo um brilho na janela, são muitas coisas para que eu consiga me concentrar. O ventilador, as pessoas andando de um lado para o outro… Tudo isso afeta os meus sentidos e agora eu não sei onde o meu corpo está neste espaço.

3) Por favor, lembre de distinguir entre não poder (eu não quero fazer) e eu não posso (eu não consigo fazer)

Receber e expressar a linguagem e vocabulário pode ser muito difícil para mim. Não é que eu não escute as frases. É que eu não te compreendo. Quando você me chama do outro lado do quarto, isto é o que eu escuto “BBBFFFZZZZSWERSRTDSRDTYFDYT João”. Ao invés disso, venha falar comigo diretamente com um vocabulário simples: “João, por favor, coloque o seu livro na estante. Está na hora de almoçar”. Isso me diz o que você quer que eu faça e o que vai acontecer depois. Assim é mais fácil para compreender.

4) Eu sou um “pensador concreto” (CONCRETE THINKER). O meu pensamento é concreto, não consigo fazer abstrações.

Eu interpreto muito pouco o sentido oculto das palavras. É muito confuso para mim quando você diz “não enche o saco”, quando o que você quer dizer é “não me aborreça”. Não diga que “isso é moleza, é mamão com açúcar” quando não há nenhum a mamão com açúcar por perto e o que você quer dizer é que isso e algo fácil de fazer. Gírias, piadas, duplas intenções, paráfrases, indiretas, sarcasmo eu não compreendo.

5) Por favor, tenha paciência com o meu vocabulário limitado.

Dizer o que eu preciso é muito difícil para mim, quando não sei as palavras para descrever o que sinto. Posso estar com fome, frustrado, com medo e confuso, mas agora estas palavras estão além da minha capacidade, do que eu possa expressar. Por isso, preste atenção na linguagem do meu corpo (retração, agitação ou outros sinais de que algo está errado). Por um outro lado, posso parecer como um pequeno professor ou um artista de cinema dizendo palavras acima da minha capacidade na minha idade. Na verdade, são palavras que eu memorizei do mundo ao meu redor para compensar a minha deficiência na linguagem. Por que eu sei  exatamente o que é esperado de mim como resposta quando alguém fala comigo. As palavras difíceis que de vez em quando falo podem vir de livros, TV, ou até mesmo serem palavras de outras pessoas. Isto é chamado de ECOLALIA. Não preciso compreender o contexto das palavras que estou usando. Eu só sei que devo dizer alguma coisa.

6) Eu sou muito orientado visualmente  porque a linguagem é muito difícil para mim.

Por favor, me mostre como fazer alguma coisa ao invés de simplesmente me dizer. E, por favor, esteja preparado para me mostrar muitas vezes. Repetições consistentes me ajudam a aprender. Um esquema visual me ajuda durante o dia-a-dia. Alivia-me do stress de ter que lembrar o que vai acontecer. Ajuda-me a ter uma transição mais fácil entre uma atividade e outra. Ajuda-me a controlar o tempo, as minhas atividades e alcançar as suas expectativas. Eu não vou perder a necessidade de ter um esquema visual por estar crescendo. Mas o meu nível de representação pode mudar. Antes que eu possa ler, preciso de um esquema visual com fotografias ou desenhos simples. Com o meu crescimento, uma combinação de palavras e fotos pode ajudar mais tarde a conhecer as palavras.

7) Por favor, preste atenção e diga o que eu posso fazer ao invés de só dizer o que eu não posso fazer.

Como qualquer outro ser humano não posso aprender em um ambiente onde sempre me sinta inútil, que há algo errado comigo e que preciso de “CONSERTO”. Para que tentar fazer alguma coisa nova quando sei que vou ser criticado? Construtivamente ou não é uma coisa que vou evitar. Procure o meu potencial e você vai encontrar muitos! Terei mais que uma maneira para fazer as coisas.

8) Por favor, me ajude com interações sociais.

Pode parecer que não quero brincar com as outras crianças no parque, mas algumas vezes simplesmente não sei como começar uma conversa ou entrar na brincadeira. Se você pode encorajar outras crianças a me convidarem a jogar futebol ou brincar com carrinhos, talvez eu fique muito feliz por ser incluído. Eu sou melhor em brincadeiras que tenham atividades com estrutura começo-meio-fim. Não sei como “LER” expressão facial, linguagem corporal ou emoções de outras pessoas. Agradeço se você me ensinar como devo responder socialmente. Exemplo: Se eu rir quando Sandra cair do escorregador não é que eu ache engraçado. É que eu não sei como agir socialmente. Ensine-me a dizer: “você esta bem?”.

9) Tente encontrar o que provoca a minha perda de controle.

Perda de controle, “chilique”, birra, mal-criação, escândalo, como você quiser chamar, eles são mais horríveis para mim do que para você. Eles acontecem porque um ou mais dos meus sentidos foi estimulado ao extremo. Se você conseguir descobrir o que causa a minha perda de controle, isso poderá ser prevenido – ou até evitado. Mantenha um diário de horas, lugares pessoas e atividades. Você encontrar uma seqüência pode parecer difícil no começo, mas, com certeza, vai conseguir. Tente lembrar que todo comportamento é uma forma de comunicação. Isso dirá a você o que as minhas palavras não podem dizer: como eu sinto o meu ambiente e o que está acontecendo dentro dele.

10) Se você é um membro da família me ame sem nenhuma condição.

Elimine pensamentos como “Se ele pelo menos pudesse…” ou “Porque ele não pode…” Você não conseguiu atender a todas as expectativas que os seus pais tinham para você e não gostaria de ser sempre lembrado disso. Eu não escolhi ser autista. Mas lembre-se que isto está acontecendo comigo e não com você. Sem a sua ajuda a minha chance de alcançar uma vida adulta digna será pequena. Com o seu suporte e guia, a possibilidade é maior do que você pensa. Eu prometo: VAI VALER A PENA.

E, finalmente três palavras mágicas: Paciência, Paciência, Paciência. Ajudam a ver o meu autismo como uma habilidade diferente e não uma desabilidade. Olhe por cima do que você acha que seja uma limitação e veja o presente que o autismo me deu. Talvez seja verdade que eu não seja bom no contato olho no olho e conversas, mas você notou que eu não minto, roubo em jogos, fofoco com os colegas de classe ou julgo outras pessoas? É verdade que eu não vou ser um Ronaldinho “Fenômeno” do futebol. Mas, com a minha capacidade de prestar atenção e de concentração no que me interessa, eu posso ser o próximo Einstein, Mozart ou Van Gogh. Eles também eram autistas.Talvez um dia iremos encontrar uma possível resposta para o alzheim ou para o enigma da vida extraterrestre – O que o futuro tem guardado para crianças autistas como eu, está no próprio futuro. Tudo que eu posso ser não vai acontecer sem você sendo a minha Base. Pense sobre estas “regras” sociais e se elas não fazem sentido para mim, deixe de lado. Seja o meu protetor seja o meu amigo e nós vamos ver até onde eu posso ir. CONTO COM VOCÊ!!!

A tradução do texto foi realizada por Andréa Simon do site autismo.com.br

 

Porquinhos da Índia são os melhores amigos das crianças autistas

Julho 9, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia da SIC Notícias de 1 de julho de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Animals may act as social buffers: Skin conductance arousal in children with autism spectrum disorder in a social context

Reuters

Os porquinhos da Índia ajudam as crianças com autismo. Esta é a principal conclusão de um novo estudo sobre o tema, que comprovou maior bem estar nos mais pequenos, depois de brincarem com estes animais.

Eles não julgam, não fazem “bullying”, são amistosos, sociáveis e agradáveis ao tato. Razões suficientes para levarem investigadores australianos a concluir, depois de um estudo com quase 200 crianças (autistas e com um desenvolvimento típico), que os porquinhos da Índia são mais que benéficos para os mais novos que sofrem de autismo.

Ao brincarem com estes animais, as crianças autistas ficam mais atentas, mais sociáveis e menos ansiosas, revela o estudo publicado na Developmental Psychobiology. Os dados psicológicos de cada um foram analisados à luz dos “efeitos calmantes” que os animais exerceram sobre as crianças.

Através de uma pulseira electrónica colocada nos pulsos das crianças, os investigadores conseguiram monitorizar os níveis de entusiasmo – ansiedade ou excitação.

As crianças com desenvolvimento típico mostraram-se felizes e com grande nível de excitação. As autistas mostraram-se igualmente extasiadas, mas com bastante menos “stress”.

Geraldine Lawson, do Duke Centre para o Autismo e Desenvolvimento Cerebral, considera a conclusão “promissora”, uma vez que a ansiedade é precisamente o que tipicamente interfere na socialização dos autistas.

“Não sabemos quais são os mecanismos. Talvez seja mais fácil interagir com os outros quanto temos um terceiro objeto, em vez da interação cara-a-cara”, explica.

 

 

 

 

 

Formação Autismo, 8 de junho, LX Factory

Junho 3, 2015 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

lx

  • 8 de junho de 2015
  • 19:00-21:30
  • Cowork Lisboa, LX Factory, Lisboa
  • Cowork Lisboa, LX Factory, Rua Rodrigues Faria,103 Alcântara, Lisboa
  • €20,00

 

Apresentação

O termo “Perturbações do Espectro do Autismo” refere-se a uma condição clínica de alterações cognitivas, linguísticas e neurocomportamentais, pretendendo caracterizar o facto de que, mais do que um conjunto fixo de características, esta parece manifestar-se através de várias combinações possíveis de sintomas num contínuo de gravidade de maior ou menor intensidade. A formação irá incidir sobre a descrição do termo “Perturbações do Espectro do Autismo” a sua etiologia, as principais características e as principais estratégias de intervenção. O termo Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) refere-se ao conjunto de perturbações do comportamento e desenvolvimento neuronal, com etiologia bastante heterogénea e, em parte desconhecida, caracterizados por desvios em duas categorias comportamentais: na comunicação social; e nos comportamentos repetitivos e estereotipados.

OBJETIVO GERAL: Adquirir conhecimento sobre as Perturbações do Espectro do Autismo.

METODOLOGIA DE ENSINO A formação será teórico-prática, com recurso a suporte audiovisual e participação ativa do formando.

mais informações:

http://www.anaguimaraesmartins.com/formacoes/autismo/eventos/autismo-27-05-15#

Diabetes gestacional pode aumentar risco de autismo

Abril 28, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia da Visão de 19 de abril de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Association of Maternal Diabetes With Autism in Offspring

Um estudo publicado no Journal of the American Medical Association conclui que sofrer de diabetes gestacional até às 26 semanas de gestação pode aumentar o risco de autismo

A investigação baseia-se na análise dos casos de mais de 320 mil crianças nascidas no estado da Califórnia do Sul (EUA)  entre 1995 e 2009. Destas, cerca de 8% das crianças eram filhas de mães que tiveram diabetes gestacional, e 2 % eram filhas de mães com diabetes tipo 2.

Do total de crianças que participaram da investigação e que foram acompanhadas durante 5 anos e meio, cerca de 3400 foram diagnosticadas com uma Perturbação do Espectro do Autismo (PEA), que inclui condições como o síndrome de Asperger, que causa problemas de comunicação, sociais e comportamentais.

Segundo os investigadores, sofrer de diabetes gestacional até à 26ª semana de gestação aumenta em 42% o risco da criança vir a sofrer de autismo, em comparação com o risco em relação a crianças cujas mães não têm diabetes gestacional.

Mesmo considerando outros fatores que podem influenciar as probabilidades de uma criança desenvolver autismo (tais como a idade da mãe, as gestações anteriores, ou o sexo da criança, pois autismo é cinco vezes mais comum em meninos do que em meninas) a relação com a diabetes gestacional ainda se manteve.

Segundo Anny Xiang, co-autora do estudo, a razão exata para esta relação ainda não é clara, porque esta é especialmente significativa se a diabetes gestacional acontecer até às 26 semanas. Os filhos de mulheres que desenvolvem diabetes mais tarde na gravidez não apresentam um risco tão elevado. Assim como os filhos de mulheres que já sabiam ser diabéticas de tipo 2 antes da gravidez.

Os primeiros meses de gravidez são um período crítico para o desenvolvimento do cérebro. E se um feto em desenvolvimento está exposto a níveis elevados de açúcar no sangue durante este importante período de desenvolvimento do cérebro, isso pode ter alguma relação com as mudanças comportamentais observadas no autismo após o nascimento, explicou Xiang ao Live Science.

Regra geral, o exame para diagnosticar a diabetes gestacional é feito entre as 24 e as 28 semanas (no caso de mulheres que não têm fatores de risco para diabetes) e por isso a condição pode passar despercebida durante o início da gravidez.

No entanto, a investigadora reforça que em termos globais o autismo é uma condição rara. E, apesar da relação encontrada, a hipótese de desenvolver autismo (mesmo no caso exposição à  diabetes gestacional até às 26 semanas), continua a ser reduzida: sete crianças em cada mil grávidas que tiveram diabetes gestacional até às 26 semanas.

 

 

 

 

App portuguesa estimula crianças autistas

Abril 14, 2015 às 10:25 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

notícia do site http://marketeer.pt  de 14 de abril de 2015

A Enforcing Kids, plataforma de informação sobre autismo criada por dois alunos da Universidade de Lisboa, conta a partir de agora com uma aplicação móvel de apoio à terapia de crianças com síndrome do autismo.

A app, que está disponível de forma gratuita na plataforma Android, foi pensada para ser usada por crianças acompanhadas por adultos responsáveis pela terapia. Inclui jogos, que podem ser configurados pelos terapeutas e pais, que “seguem a lógica das sequências e, portanto, exploram as dificuldades que estas crianças têm ao formulá-las, ao mesmo tempo que permite explorar outras áreas, como a matemática”, lê-se na Google Play. A aplicação está disponível em quatro idiomas: português, castelhano, francês e inglês.

O projecto Enforcing Kids surgiu há cerca de um ano pelas mãos de Cátia Raminhos e Jorge Santos, alunos da Universidade de Lisboa dos mestrados de Engenharia Informática e de Metodologias e Tecnologias em E-Learning. Trata-se de uma plataforma que tem como objectivo partilhar dúvidas, esclarecimentos, opiniões e experiências sobre o autismo. Neste momento, tem adesão em mais de 50 países em todo o mundo. Este projecto é apoiado pelo Departamento de Investigação LaSIGE da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.