Os nossos adolescentes precisam de psicólogos? Sim, mas há “muito poucos” perto deles – Daniel Sampaio

Maio 1, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia da TSF de 21 de fevereiro de 2019.

Joana Carvalho Reis com Sara Beatriz Monteiro

Depois de 40 anos a trabalhar com adolescentes e famílias, Daniel Sampaio insiste que a saúde mental deve ser uma prioridade nacional e que os adolescentes devem ser acompanhados nas escolas e nos centros de saúde.

O psiquiatra Daniel Sampaio defende que é urgente olhar para a saúde mental como uma prioridade. Depois de 40 anos a trabalhar com adolescentes e famílias, o especialista conclui que existem muitos profissionais competentes no setor, mas que os serviços na área da psicologia e da psiquiatria são insuficientes.

“Precisamos que os centros de saúde tenham médicos de família, psicólogos e enfermeiros que se dediquem mais à saúde mental, Nós temos muito poucos psicólogos nos centros de saúde e muito poucos enfermeiros. O médico de família não pode fazer tudo. E precisamos nas escolas também de psicólogos que trabalhem lado a lado com os professores para detetar precocemente os problemas de saúde mental dos jovens, as carências dos jovens. A pedopsiquiatria precisa de ser reforçada e a psiquiatria e a psicologia da adolescência também. Tem que ser uma prioridade a nível nacional e infelizmente não tem sido.”

Daniel Sampaio é o convidado da conferência “Parentalidade e Psicopatologia na Era da Internet”, um espaço onde vai ter oportunidade de mostrar a importância de os pais e os professores lidarem com os desafios e com as vantagens das novas formas de comunicação.

Na visão do especialista, os pais e os professores devem estar atentos ao comportamento dos jovens, utilizando a internet para estabelecerem uma comunicação mais eficiente.

“Estamos a dar atenção, mas muitas vezes de uma forma negativa, porque pais e professores estão a criticar o uso da internet pelos jovens em vez de aproveitarem esta oportunidade. Nas escolas há uma má política em relação à utilização do telemóvel, muitas vezes não há regras definidas. Umas escolas proíbem completamente, até no pátio, outras proíbem na sala de aula, outras permitem na sala de aula. Tudo isso gera ruído, gera confusão na comunicação.”

Nesse sentido, Daniel Sampaio defende que “é preciso ajudar, desde a infância, as crianças a estarem na internet com muita precaução e, sobretudo, com regras.”

 

“SuperNanny”: uma família quer impedir programa de ir para o ar

Janeiro 19, 2018 às 11:00 am | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do site https://nit.pt/ de 18 de janeiro de 2018.

texto
Andreia Costa

Depois da polémica da estreia, contactaram a CNPDPCJ a pedir ajuda. Têm medo da exposição e não reconhecem filhos nas imagens.

s famílias envolvidas em “SuperNanny”, que estreou na SIC no domingo, 14 de janeiro, estão preocupadas com a exposição do programa. Uma delas, de um episódio futuro, já contactou a CNPDPCJ (Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens) para pedir ajuda.

“Apesar de terem sido cedidos os direitos de imagem, as pessoas não imaginavam que a emissão seria assim. Querem saber o que podem fazer”, conta à NiT Rosário Farmhouse, presidente da CNPDPCJ.

As famílias “não reconhecem os filhos naqueles comportamentos”, garante ainda a responsável pela entidade que foi a primeira a denunciar os “efeitos nefastos” nos miúdos logo após a exibição do primeiro programa.

A CNPDPCJ mostrou a sua preocupação junto da SIC, mandou à ERC (Entidade Reguladora para a Comunicação Social) um pedido de análise e encaminha os casos de que vai tendo conhecimento para as CPCJ (Comissão de Proteção de Crianças e Jovens) locais.

O objetivo é evitar a transmissão de novos episódios de “SuperNanny” mas Rosário Farmhouse admite que é uma “luta contra o relógio”.

“Nós gostaríamos que não existissem programas que expusessem crianças desta maneira. Mantendo-se esta linha [na produção da SIC], e tudo leva a crer que se mantenha, é verdade que gostávamos que fosse travado.

Para já, a entidade está focada em perceber de que forma foi afetada a família Antunes — mãe e filha foram as primeiras visitadas pela psicóloga Teresa Paula Marques — e Rosário Farmhouse confirma à NiT que os pais da menor foram ouvidos em Loures, área de residência.

“Não posso dizer nada sobre a criança mas os pais estão colaborantes [quando assim não é, os casos são encaminhados para o Ministério Público]. Aqui houve uma exposição mediática sem precedentes e a CPCJ de Loures tem estado muito empenhada. Contrariamente ao mito de se querer tirar as crianças às famílias, a primeira decisão é sempre ajudar a que os menores fiquem bem com as suas respetivas famílias.”

Além da CNPDPCJ, muitas organizações já condenaram “SuperNanny” e a ERC tem recebido inúmeras queixas. A NiT resume-lhe o que aconteceu de mais relevante desde a estreia.

Pais ouvidos na CPCJ de Loures

Ao início da tarde de segunda-feira, 15, Patrícia Antunes, a mãe que aparece no primeiro programa, começou por dizer à NiT que não podia prestar declarações enquanto a CNPDPCJ estivesse envolvida. De facto, ao final do dia, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens do Concelho de Loures ouviu a mãe e o pai (que não surge no formato) da criança. Ambos estão a colaborar.

As medidas da ERC

Também na segunda-feira, 15, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social, foi confrontada com algumas queixas e resolveu emitir um comunicado confirmando a receção de “participações/preocupações subscritas por diferentes cidadãos”.

“Os textos versam essencialmente sobre uma alegada violação de direitos fundamentais e serão oportunamente apreciados pelo Conselho da ERC”, pode ainda ler-se na nota.

Para já, o organismo não revela o número de denúncias recebidas. Está a reunir o material antes de se pronunciar novamente sobre o caso.

A posição da SIC

Em comunicado, o canal começa por enumerar as várias versões de “SuperNanny” em França, Alemanha, Espanha, entre outros, e garante que “são exemplos de países onde os padrões de proteção dos direitos dos menores não se revelam menos exigentes do que os existentes em Portugal”.

Assim sendo, “a experiência acumulada nesses países tem demonstrado que o ‘SuperNanny’ não gera efeitos negativos ou de censura em ambiente escolar e social, antes contribuindo para uma melhoria significativa da qualidade de vida familiar”, pode ainda ler-se na nota enviada às redações.

A emissão do formato é para continuar, uma vez que “foi produzido e é exibido na SIC no estrito cumprimento da lei aplicável, tendo sido obtidas as necessárias autorizações para o efeito”.

UNICEF condena programa

A UNICEF foi apenas mais um dos organismos a denunciar a violação dos direitos das crianças em “SuperNanny”, “nomeadamente o direito da criança a ser protegida contra intromissão na sua vida privada”. O texto foi publicado pela “Notícias Magazine” e refere ainda que “a exposição pública, nomeadamente dos comportamentos violentos retratados, poderá colocar em causa do bem-estar da criança e o seu desenvolvimento atual e futuro”.

Instituto de Apoio à Criança

O Instituto de Apoio à Criança (IAC) foi “alertado por diversas associações e personalidades” e pronunciou-se sobre o assunto, igualmente através de um comunicado. “Assistimos ontem [domingo, dia 14] a situações de conflito entre uma criança e sua mãe, ocorridas em contexto privado, as quais foram exibidas em horário nobre num canal televisivo de grande audiência, o que decerto causará prejuízos à imagem da criança vítima da exposição pública.”

Além disso, o IAC condenou o “aconselhamento dito psicológico num contexto que deveria ocorrer no recato de um gabinete ou de um consultório (de psicologia ou de pedopsiquiatria) e jamais perante câmaras”.

 

 

“Se eu morresse e vivesse outra vez podia ser um menino normal

Novembro 3, 2017 às 1:03 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 2 de novembro de 2017.

Ana Dias Cordeiro

Quando a avó Laurinda chegou para o ir buscar, à Divisão de Investigação Criminal da Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal, o menino estava muito magro, sujo e mal vestido. Passara lá o dia todo. O raide à casa onde oito adultos abusaram sexualmente de oito crianças, durante quase dois anos, tinha acontecido às primeiras horas da manhã desse dia 25 de Junho de 2015, quando “todos dormiam”.

Renato destacou-se dos outros meninos, porque deu pulos na cama dando vivas aos polícias ao mesmo tempo que dizia “estamos salvos, estamos salvos”, soube a mãe Vanda, que se constituiu assistente do processo.

O seu mundo não ruiu de uma vez — desabou aos poucos. Primeiro com as revelações de que o filho vivera com o pai numa casa onde este último era um dos principais suspeitos de abusos. Nessa altura, Vanda vivia e trabalhava no Algarve e via o filho de forma muito espaçada. Nesse mês de Junho de há dois anos — quando o ex-marido e outros dois principais arguidos ficaram em prisão preventiva — começou por pensar que Renato tinha sido poupado ao que de mais violento se passava na casa onde festejou os cinco anos.

Mais tarde, imaginou que ele poderia ter sido exposto para fins de pornografia infantil, mas não abusado fisicamente — a acusação veio a confirmar que o foi “um número indeterminado de vezes”. Depois das perícias na PJ, Renato fez declarações para memória futura no tribunal e foi ouvido para perícias psicológicas no Instituto Nacional de Medicina Legal (INML).

Pedidos de ajuda

Desde o início, Vanda bateu a várias portas a pedir apoio psicológico para o filho então com seis anos. A Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) da Lourinhã, onde então Vanda passou a residir com Renato e a filha mais velha, não tinha psicólogo. Formalmente, quando isso acontece, a CPCJ reencaminha o pedido para o centro de saúde ou para a câmara municipal, explica a secretária (adjunta da presidente) desta CPCJ, Sara Gonçalves. Porém, acrescenta, a CPCJ não pode avançar com qualquer iniciativa formal “sem o consentimento de ambos os pais”. A mãe deu consentimento e pediu ajuda. O pai estava preso e não chegou a autorizar.

Perante a insistência de Vanda, a CPCJ aconselhou-a informalmente a tentar ela própria uma consulta num dos dois locais — centro de saúde ou câmara municipal —, o que não lhe foi garantido por falta de recursos e obrigatoriedade de ficar em lista de espera. Nenhuma entidade teve em conta a excepcionalidade da situação de Renato.

Só em Novembro de 2015, quando exigiu, no Hospital de Torres Vedras, que o filho fosse acompanhado, ameaçando com “um escândalo na televisão”, conseguiu marcar consulta. Tinham passado cinco meses do fim dos abusos. Renato começou a ter apoio psicológico regular mas pouco frequente — de três em três semanas, em média.

“O apoio psicológico devia ter sido coordenado pelas várias entidades que tinham conhecimento do processo”, considera Vanda. “Eles são responsáveis sem serem responsáveis, porque não está nada escrito sobre quem deve providenciar esse apoio. Se deve ser a PJ, o Instituto de Medicina Legal, o tribunal, a Segurança Social.”

Respostas desarticuladas

Na realidade, essa responsabilidade não está definida. “O que falha aqui é não haver uma entidade que tenha a responsabilidade de fazer a avaliação das necessidades da criança”, sublinha Cristina Soeiro, psicóloga forense e responsável da Escola de Psicologia da PJ. “Não existe um procedimento estruturado, e é importante que exista. É preciso melhorar e aumentar as respostas integradas dos vários serviços.”

Na resposta ao PÚBLICO sobre um eventual dever de informação às vítimas sobre a possibilidade de serem apoiadas, a Direcção Nacional da PJ remete para o artigo do Código de Processo Penal que determina que “a direcção do inquérito cabe ao Ministério Público, assistido pelos órgãos de polícia criminal”, e estes “actuam sob a directa orientação do Ministério Público e na sua dependência funcional”. Nem o Instituto da Segurança Social nem o Tribunal de Setúbal, a quem foram dirigidas perguntas semelhantes, responderam em tempo útil.

Os apoios são locais e variam de local para local, confirmam dois magistrados do Ministério Público. Existem associações, como a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), que tentam colmatar essas faltas no sistema há vários anos. Em Janeiro de 2016, lançaram a rede CARE – Rede de apoio especializado a crianças e jovens vítimas de violência sexual.

Porém, foi junto da CPCJ da Lourinhã que Vanda reforçou o pedido de acompanhamento psicológico de Renato, quando ouviu da boca do próprio filho, no dia 26 de Outubro de 2015, o que realmente tinha acontecido. Voltavam da perícia psicológica no INML, em Lisboa. “Íamos no carro, e ele contou-me o que lhe faziam.”

Disse-o “como se não se passasse nada”, lembra Vanda. “E isso é do pior que pode acontecer.” É sinal para a mãe de que o indizível, agora, terá mais tarde um efeito devastador. “Ele lembra-se de tudo, sabe tudo, apenas não atribui a gravidade certa aos actos” que sofreu. “É difícil explicar a uma criança impedida de falar durante tanto tempo que deve contar o que se passou com ela. Acredito que o meu filho ainda esteja a viver os efeitos da lavagem ao cérebro que lhe fizeram para não falar”, diz Vanda.

Proteger a mãe

Ele fala mais livremente com Laurinda, confirma Vanda, como se pressentisse que a avó tem mais capacidade para aguentar o que ele tem para dizer. “Ele diz que não quer ver a mãe triste.”

Quando recebeu em casa a acusação, Vanda não foi capaz de a ler. O companheiro leu por ela, chorou durante horas e implorou-lhe que não lesse. Um dia, diz Vanda, terá de o fazer. Pelo filho.

Sabe em traços gerais o que levou o Ministério Público a proferir a acusação em Junho de 2016, um caso com crianças muito pequenas (entre cinco a 14 anos) e adultos que agiram em grupo, o que faz deste, de acordo com uma fonte conhecedora do processo, “um caso muito grave” no qual os agressores têm muitos factores de risco, de reincidência: oito arguidos foram acusados por centenas de crimes de abuso sexual de crianças, crimes de violação agravada, actos sexuais com adolescentes, crimes de pornografia de menores agravada e lenocínio agravado.

O principal arguido, líder da suposta seita “Verdade Celestial” que obrigava as crianças a manterem relações sexuais com ele e os outros adultos, sob pena de serem amaldiçoadas ou de algo muito grave acontecer às suas famílias, apresentava-se como “purificador”, lê-se no despacho de acusação. Considerava que, para serem purificadas, “as crianças não deveriam ter mais de 12 a 14 anos”. Quando com ele tinham sexo oral ou anal, e a criança começava a chorar, tapavam a boca à criança para abafar o som, diz ainda o documento numa referência a abusos filmados e cujas imagens foram encontradas no vasto material informático apreendido.

“Tu salvas-me, avó?”

Nos primeiros meses, a viver com a mãe, e depois com a mãe em casa da avó, Renato tinha muitas vezes o sono assombrado por medos e pesadelos. Gemia e chorava, acordava a suplicar, em voz alta, para ser salvo.

Ainda hoje, acontece por vezes acordar assustado: “Larguem-me, não me agarrem.” E quando acontece, ele implora, ainda adormecido: “Não me levem daqui.” E já acordado: “Tu salvas-me, avó?’”

O que se passará na cabeça dele?, interroga-se a mãe. “Ele não quer lembrar-se, está a guardar tudo lá dentro. Meteram-lhe na cabeça que aquilo era normal. Mas já conseguimos que ele abrisse a caixinha. Disse-me que o pai o obrigava a beber cerveja. Eu tento não pensar nisto numa base diária. Mas é difícil”, diz Vanda. Interrompe a entrevista, pede para continuar noutro dia.

Laurinda fala sem vacilar. “Isto é um pesadelo. Enquanto o julgamento não terminar, o meu neto não está livre de que o chamem”, diz. “Então as crianças não merecem ter paz de espírito? Os pais não merecem ter paz de espírito? E saberem que os responsáveis vão pagar pelo mal que fizeram?”, interroga-se, indignada.

O julgamento decorre desde Janeiro de 2017 no Tribunal de Setúbal. As alegações finais, que antecedem a última sessão na qual é feita a leitura do acórdão, foram adiadas pela quarta vez, souberam os advogados na última segunda-feira. Não apenas por razões de saúde do juiz que preside ao colectivo. Também porque as perícias psicológicas dos arguidos, pedidas pelos advogados de defesa ao INML, ainda não foram entregues ao tribunal. As que foram feitas por psicólogos forenses da PJ não são aceites pela defesa.

Foi difícil dizer ao menino, então com seis anos, que o pai ia ficar preso: “Quando ele perguntava, dizíamos-lhe: ‘O pai ainda está lá com os polícias’”. “E ele não pode falar comigo?”, perguntava. “Ele está de castigo, tiraram-lhe o telefone.”

O Código de Processo Penal prevê uma duração máxima de prisão preventiva até três anos e quatro meses, em processos de “excepcional complexidade, devido, nomeadamente, ao número de arguidos ou de ofendidos”. Os três principais acusados neste processo estão presos preventivamente há quase dois anos e meio.

Repreender de forma instrutiva

“Só quero que ele tenha uma vida em que seja feliz. Uma vida normal na visão que ele terá da vida. Se for homossexual, que seja feliz na sua homossexualidade. Vivo com o medo que ele se meta nas drogas, ou a roubar, ou noutras coisas…”

No mês passado, Renato surpreendeu a avó: “Sabes uma coisa? Eu gostava de morrer. Se eu morresse e vivesse outra vez, podia ser um menino normal.” Laurinda não ficou sem palavras e disse-lhe que ele é uma criança como as outras. “Mas como é que eu digo ao menino que é normal o que lhe aconteceu?”, desabafa agora.

“Temos de saber a todo o momento agir com ele para que não sofra”, salienta Vanda. “Não podemos ser demasiado permissivos nem demasiado rígidos. Temos de o educar como a qualquer outra criança, mas ele não é como qualquer outra criança. Quando é preciso, tem de ser repreendido. E nós repreendemos, instrutivamente.”

Renato é muito pequeno, come muito mas continua magro. Como se o desenvolvimento físico tivesse parado pelo que se passou, diz a mãe. Durante meses, passou fome. Os agressores preferiam as crianças magras, lê-se na acusação.

Hoje com oito anos e meio, Renato frequenta o 3.º ano do ensino básico, nunca chumbou e não revela problemas de comportamento. “Quando ele começar a ter noção do que lhe fizeram e que o pai não o protegeu, como vai ele reagir?”, questiona-se a avó. Não tem esperanças, tem dúvidas: “Como vai ele crescer?”

Vanda e Laurinda vivem numa corrida contra o tempo, sem saberem em quantos pedaços ficou a vida do menino, a sua infância, o seu desenvolvimento, a sua confiança no mundo e nos outros.

“Se não queria deixar o filho com a mãe, que não tinha condições económicas, não teria sido melhor deixar com os seus pais, os avós paternos, do que vender o filho?”, indigna-se Laurinda. Lembra que Renato “vinha muito mal”. Mesmo tão pequenino, “gritava e era agressivo”.

Ele tem melhorado porque tem a família, a ligação familiar, dizem ambas em entrevistas em separado. “Brinca, vai à praia, come gelados, não pode comer doces”, diz Laurinda, rindo. “É o trivial numa família normal, com cães, gatos, carinhos, mimos e castigos quando se porta mal. Ele não sabia que tinha tanta família. Não sabia que podia ser tão feliz.”

Renato, Vanda e Laurinda são nomes fictícios

 

 

 

Gabinete de Apoio à Vítima para Juventude LGBTI

Fevereiro 18, 2017 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

cartaz_final_610x431

O Gabinete de Apoio à Vítima da Casa Qui é um serviço especializado para a juventude lésbica, gay, bissexual, trans ou intersexo (LGBTI) que dá apoio em situações de violência familiar, violência no namoro, bullying na escola ou de crise/vulnerabilidade. Este serviço é gratuito.

mais informações:

https://www.casa-qui.pt/index.php/destaques/54-gabinete-de-apoio-a-vitima

https://www.facebook.com/casa.qui.associacao/

 

Jornadas W+ “Pisar o risco – Respostas inovadoras de saúde com população de risco”

Novembro 17, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

pisar

De inscrição gratuita, estas jornadas destinam-se a todos os profissionais e estudantes que lidam com pessoas em situação de risco e vulnerabilidade psicológica.

“Pisar o risco – Respostas inovadoras de saúde com população de risco”, é o tema das jornadas, promovidas pela Unidade W+ da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), que se realizam no próximo dia 27 de novembro, entre as 9h00 e as 17h30, no auditório da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa.

mais informações:

http://www.scml.pt/pt-PT/destaques/inscricoes_abertas_para_as_jornadas_do_w/

A casa que devolve a autoestima às “crianças perdidas” faz hoje 40 anos

Outubro 22, 2015 às 9:03 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do http://lifestyle.sapo.pt/ de 21 de outubro de 2015.

AFP JOSEPH EID

 Nuno Noronha // Notícias // Lusa

“Sou feio, sou mau, eu não presto”, é desta forma que alguns meninos se descrevem quando chegam à Casa da Praia, uma instituição que apoia maioritariamente crianças com experiências de vida traumáticas que as impedem de comunicar, imaginar e aprender.

A Casa da Praia abriu as suas portas numa pequena vivenda de dois andares na Travessa da Praia, em Lisboa, em outubro de 1975 por iniciativa do psicanalista, pedagogo e pioneiro da saúde mental infantil em Portugal, João dos Santos.

A pretensão de João dos Santos não foi de sobrepor a Casa da Praia à escola ou de a substituir, mas proporcionar um espaço acolhedor a estes meninos com problemas de ordem emocional para que reconstruam a sua autoimagem, ganhem confiança e despertem a sua curiosidade para novas aprendizagens.

João dos Santos explicava também que a Casa da Praia “não é um hospital de dia porque não se destina a crianças com alterações graves de comportamento resultantes de perturbações mentais do ‘foro psiquiátrico’”.

Naquele espaço decorado com desenhos e trabalhos feitos por meninos que ali passaram, os professores, educadores e psicólogos trabalham com as crianças os seus interesses e capacidades na tentativa de compreender o que está na origem das suas dificuldades, como o caso de Ana, uma menina de oito anos que se via como uma aranha.

A psicóloga e vice-presidente da Casa da Praia, Clara Castilho, explicou à agência Lusa que estas crianças são oriundas de famílias de todos os estratos sociais e todas “têm uma história” de vida que se reflete nos seus comportamentos.

Apesar de terem capacidade para aprender, muitas não conseguem ler, escrever e têm problemas de comportamento na escola. “Há meninos que não falam com ninguém” e há outros “muito impulsivos, que não respeitam nada, não sabem conviver”, adiantou a psicóloga.

“São meninos com uma autoestima muito baixa, muito desconfiados, muito centrados em si próprios e com dificuldade em estabelecer relações”, acrescentou a professora do primeiro ciclo Sara Almeida.

Pegando nas palavras de Sara Almeida, a educadora Cristina Cunha contou que há meninos que têm muita dificuldade em fazer o autorretrato.

“Alguns dizem logo, eu sou feio, eu sou mau e não presto”, enquanto outros dizem apenas o nome e a idade, não conseguindo descrever a cor dos olhos e dos cabelos, disse a educadora.

Na Casa da Praia, onde leciona há 10 anos, Sara Almeida descobriu uma nova forma de olhar para a Educação: “Aqui dá-se importância ao que a criança sente e trabalhamos as suas dificuldades”, a maior parte das vezes em grupos, onde trabalham a escrita, a leitura, a expressão corporal, realizam teatros e constroem os cenários para a peça.

Mas muitas vezes as dificuldades não estão nas crianças, mas nas famílias, disse.

Clara Castilho observou, a este propósito, que há casos em que os pais destas crianças também frequentaram a instituição, um ciclo difícil de quebrar.

O apoio na Casa da Praia implica um trabalho com a escola e com as famílias no sentido de as mobilizar para colaborarem no “projeto de ajuda” à criança, que passa por alguma mudança na própria família.

Este trabalho nem sempre é fácil: Há casos em que nem chegam a inscrever os filhos e outros em que, ao fim de um mês ou dois, começam a dar desculpas por não quererem mudar nada ou por sentirem que os técnicos estão a ir “um bocadinho mais longe”, apesar de “serem sempre muito cautelosos na abordagem”, disse Clara Castilho.

Mas também há muitas famílias que tomam consciência da importância de mudar, de olhar de outra forma para os seus filhos e para si próprias, sem ficarem presas a vivências anteriores traumatizantes.

As cerca de 40 crianças, entre os 5 e os 12 anos, que frequentam a Casa da Praia a par da escola regular foram encaminhadas pelas escolas, centros de saúde, famílias e outras instituições da comunidade.

Os 40 anos da instituição são assinalados na quinta-feira com a realização da conferência “Casa da Praia – 40 anos de Pedagogia Terapêutica” na Fundação Calouste Gulbenkian.

 

 

PsicoBelém para crianças jovens e adultos na Junta de Freguesia de Belém

Agosto 13, 2015 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

psico

http://www.jf-belem.pt/

https://www.facebook.com/juntafreguesiabelem

Crianças com problemas de saúde mental sem acompanhamento

Março 23, 2014 às 10:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Público de 18 de março de 2014.

nelson garrido

Catarina Gomes

Projecto que só existe naquela região do país e que foi considerado exemplo de boas práticas está suspenso há mais de dois meses.

João (nome fictício) foi várias vezes abandonado pela família, viveu até aos 10 anos numa instituição, até Ana Martins o conseguir adoptar. O seu percurso de vida, diz a mãe, explica muitos dos seus problemas: “Teve uma depressão, tem dificuldade em concentrar-se, em aprender, tem baixa auto-estima, quando alguém grita ele acha que estão a gritar com ele”.

João foi desde os seis anos acompanhado por uma equipa no centro de saúde de Loulé, com médico de família, psicólogo, enfermeiro, terapeuta ocupacional, com supervisão de um pedopsiquiatra que ia de Lisboa ao Algarve de dois em dois meses. Os chamados Grupos de Apoio à Saúde Mental Infantil receberam dois prémios de boas práticas e foram apontados como exemplo a expandir a todo o país. O protocolo que lhes servia de suporte está suspenso há mais de dois meses. A Administração Regional de Saúde do Algarve (ARSA) responde que existe uma proposta para a realização de um novo protocolo igual ao actual.

O funcionamento destas equipas multidisciplinares está suspenso desde o final de Dezembro. Resta às famílias de crianças com problemas de saúde mental rumar a Lisboa, mas uma viagem para dois de autocarro não fica por menos de 45 euros, diz Ana Martins, fora o resto das despesas. Muitas crianças poderão deixar de ter acompanhamento, alerta o pedopsiquiatra Augusto Carreira, que criou este programa que funciona há 13 anos.

Face à  inexistência de pedopsiquiatras na região algarvia foi criado em 2001 este protocolo entre a Administração Regional de Saúde do Algarve e o Departamento de Pedopsiquiatria do Hospital Pediátrico de D. Estefânia, em Lisboa. Os pedopsiquiatras da unidade lisboeta iam ao Algarve de dois em dois meses analisar os casos de crianças com problemas de saúde mental sinalizadas pelos médicos de família. Estavam envolvidas oito equipas a funcionar em centros de saúde de todo o Algarve, constituídas por psicólogos, medicina de família, enfermeiros, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais e da fala, a quem foi dada formação específica na área da saúde mental infantil pelo hospital da capital.

Os pedopsiquiatras de Lisboa davam directrizes aos médicos de família  na prescrição de medicamentos e terapias a seguir. Estavam envolvidos 68 profissionais e até 2012 tinham sido seguidos 3700 meninos dos 3 aos 12 anos, refere um relatório disponível no site da ARSA. O mesmo documento diz que o programa trouxe várias vantagens, entre elas “não retirar a criança do seu ambiente natural”, evitar deslocações a Lisboa, diminuir a despesa do Sistema Nacional de Saúde e proporcionar melhor adesão das crianças e família às terapêuticas.

A experiência, que não existe em mais nenhuma região do país, foi considerada exemplar. Recebeu em 2008 o Prémio João dos Santos, instituído pela Associação Portuguesa de Psiquiatria da Infância e da Adolescência, em 2009 recebeu o prémio “Prevenção da Doença” instituído pelo Alto Comissariado para a Saúde. No Relatório da Comissão Nacional para a Reestruturação dos Serviços de Saúde Mental, que traça o rumo que deve ser seguido nesta área até 2016 na área da infância e da adolescência, as equipas do Algarve são dadas como exemplo a expandir às outras regiões do país.

Augusto Carreira, o pedopsiquiatra que coordena o programa diz que não entende a decisão que deixa sem assistência todas as crianças com problemas de saúde mental da região até aos 13 anos. “É uma decisão injustificável”. Informa que existe apenas uma pedopsiquiatra no Hospital de Faro que apenas assiste adolescentes daquela parte do Algarve e que está de baixa por doença. “Há centenas de crianças, muitas medicadas, que estão sem supervisão. As pessoas não vêm a Lisboa, estão ao abandono”.

Há um psicólogo para 4000 alunos e muitos concorrem a mais de 80 escolas

Setembro 27, 2013 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do Público de 14 de Setembro de 2013.

ENRIC VIVES RUBIO

Sara Dias Oliveira

Sindicato e Ordem acusam tutela de alargar rede de abrangência com o mesmo número de profissionais.

Sílvia Marques, de 31 anos, do Porto, é psicóloga escolar e ainda não sabe se este ano terá trabalho. Já percorreu três direcções regionais de educação. Esteve em Évora, em Ílhavo e, mais recentemente, em Vila Nova de Gaia. “Estou à espera dos concursos. No fundo, estou desempregada”. No ano lectivo anterior, esteve no Agrupamento Dr. Costa Matos, em Gaia. Entrou na escola em meados de Outubro, agora não sabe como vai ser. “É sempre muito angustiante. Nunca sabemos se ficamos, onde ficamos. Dá para uma pessoa nem dormir…”, desabafa. É o que lhe tem acontecido desde o início de Setembro.

Cada estabelecimento de ensino define os procedimentos e os psicólogos têm de concorrer às ofertas de escola, o que pode significar mais de 190 concursos com critérios distintos. No ano passado, Sílvia Marques concorreu a cerca de 80 escolas, este ano reduziu um pouco o leque. “Estamos muito desprotegidos porque não há um padrão, uma forma de trabalhar, procedimentos comuns”, sublinha.

Frederico Guedes, de 54 anos, do Porto, também espera. “Estou em interrupção laboral, como costumo dizer”. No ano lectivo anterior, era psicólogo no Agrupamento de Escolas de Ovar a tempo inteiro, horário de 35 horas. Concorreu a meia dúzia de escolas. “Estamos tão cansados deste processo que estamos a restringir a nossa área de procedimento concursal”, conta. Parece optimista, mas as notícias não são animadoras. Um psicólogo para dois mega-agrupamentos não lhe parece aconselhável, muito menos viável. O aumento de cinco vagas, de 176 para 181, anunciado pelo Governo, cheira-lhe a “rebuçado envenenado”. “Ninguém supunha que o desenvolvimento fosse este, ou seja, a redução de horários, a conjugação de agrupamentos e de escolas para um psicólogo”. “Não sei o que o ministério pretende com esta nova modalidade”, acrescenta.

As contas são feitas a somar e a subtrair. O Sindicato Nacional dos Psicólogos (SNP) garante que haverá um psicólogo para 4000 alunos, que 250 técnicos que estavam a trabalhar no ano anterior estão hoje no desemprego, que as 181 vagas não chegam para dar resposta às necessidades – na sua opinião, seriam necessárias 750 para cumprir o rácio recomendado de um técnico para mil alunos -, que há horários de 35 horas reduzidos para 18. Fala num “profundo desrespeito” pelo trabalho dos profissionais e já pediu explicações que não chegaram.

A Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) também tem contas para apresentar: uma redução de 25% do total dos horários dos psicólogos contratados, o que significa menos 40 psicólogos nas escolas, devido à redução do horário para meio tempo; 80 contratações para horários de 18 horas; psicólogos com dois mega-agrupamentos e dezenas de escolas sob a sua alçada. A OPP já pediu uma reunião com o secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar para apresentar as suas preocupações. O encontro ainda não foi marcado.

Solicitações aumentam

Para este ano lectivo, o Ministério da Educação e Ciência (MEC) anunciou um aumento de vagas de 176 para 181 psicólogos escolares e garantiu que o ano lectivo arrancaria tranquilamente. João Freire, um dos responsáveis da comissão de educação do SNP, não acredita que assim será e estima que só alguns psicólogos estejam nas escolas no final desta semana e que a maioria só depois de Outubro começará a trabalhar. E a incerteza continua. “São necessários 198 procedimentos diferentes se quisermos concorrer a todas as escolas, não sabemos quando os horários saem”, refere ao PÚBLICO, lembrando que desde 1997 não há um concurso público para a colocação dos psicólogos e que em 2010 houve um corte de 50% no número de contratados, que ficaram reduzidos a cerca de 170.

“O ministério continua a insistir neste modelo, na oferta de escola, e só permite que as vagas abram nesta altura”. O SNP considera que as razões economicistas estão a sobrepor-se à defesa da qualidade do sistema do ensino público. “O ministério, ao invés de avaliar as necessidades e contar o número de profissionais, alarga a rede de abrangência de serviços com o mesmo número de psicólogos”, repara João Freire. “Existem confirmações científicas de que o nosso trabalho tem imenso impacto no sistema educativo”, acrescenta.

O SNP acusa a tutela de olhar para os psicólogos escolares como necessidades temporárias pelo sétimo ano consecutivo e decidiu fazer algumas perguntas à Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, ao ministro da Educação e ao secretário de Estado da Administração Escolar. A estrutura sindical quer saber se a ideia é contratar dois psicólogos com horários de 18 horas em vez de um para 35 horas, quando começam os novos procedimentos relativos ao concurso, se os moldes de contratação – leia-se recurso à plataforma de oferta de escola – se manterá, qual o número de profissionais a contratar, e o que se passa para avançar com tempos parciais. As questões foram feitas por escrito no final de Agosto. “Não há consideração e a prova disso é que ainda não obtivemos resposta”, comenta o responsável, que garante que o aumento de cinco vagas “fica muito aquém das necessidades das escolas”.

A OPP está igualmente apreensiva. “Cinco vagas é uma piada e que é completamente contrariada com horários a meio tempo”, realça Vítor Coelho, membro da direcção da Ordem dos Psicólogos Portugueses. Um psicólogo a tempo inteiro que se tenha de desdobrar por dois mega-agrupamentos poderá ter de percorrer 15 escolas numa semana. Um psicólogo a meio tempo, com horário de 18 horas, num agrupamento com 1500 alunos, significa um baixo nível de cobertura. Estes são os cálculos da OPP.

“Não nos estamos a aproximar da normas europeias e americanas, pelo contrário, estamos a andar para trás”, diz, lembrando que o rácio aconselhável seria de um psicólogo por cada mil alunos e que, no ano lectivo anterior, no nosso país, havia um profissional para 1750 estudantes. “Há um desfasamento da realidade. As solicitações nas escolas estão a aumentar, em grande parte pelo contexto de crise, e o nível de cobertura continua baixíssimo”. Para Vítor Coelho, os ganhos económicos não serão visíveis porque os psicólogos escolares não têm salários elevados. “Não há um ganho económico, estamos a rapar o fundo do tacho”, conclui.

O PÚBLICO tentou, sem sucesso, contactar o MEC.

 

Tempo dos psicólogos nas escolas reduzido para metade

Setembro 14, 2013 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do i de 30 de Agosto de 2013.

Escolas estão a reduzir de 35 para 18 horas semanais o tempo dos psicólogos ou então a repartir um técnico por dois agrupamentos

No próximo ano lectivo haverá mais vagas para psicólogos nos agrupamentos escolares da rede pública. O Ministério da Educação autorizou no início do mês a contratação de 181 técnicos (mais cinco que em 2012-2013), mas resta saber se esse aumento significa que os psicólogos vão estar mais tempo na escola e mais tempo também com os alunos. A dúvida seria fácil de esclarecer se a Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares já tivesse publicado no seu site a lista com a colocação destes profissionais, como aconteceu em anos anteriores. A informação ainda não está disponível, mas haverá pelo menos 30 agrupamentos espalhados pelo país com horários reduzidos para metade.

O i quis saber junto da tutela quantos agrupamentos no total reduziram para metade o tempo do serviço de psicologia escolar, mas não obteve respostas até ao fecho desta edição. O certo é que escolas e agrupamentos que no ano passado contrataram psicólogos com horário de 35 horas semanais se preparam agora para lançar concursos de 18 horas por semana. São os casos dos agrupamentos de escolas de Fragata do Tejo (Moita), de Fazendas de Almeirim, de Figueiró dos Vinhos, de Arganil, de Mirandela, de Lousada Oeste ou das escolas de Ribeirão, em Famalicão. São alguns dos exemplos de agrupamentos que contavam no ano lectivo anterior com um psicólogo a tempo inteiro (sete horas) e que vão passar a fazer três horas e meia por dia.

Ao longo desta semana boa parte das direcções escolares recebeu autorizações da tutela para contratar psicólogos e há até casos em que se mantêm as 35 horas, mas o técnico vai ter sob a sua alçada dois agrupamentos. É o caso do agrupamento Amadeu de Souza-Cardoso e do agrupamento de Amarante, que vão ter um único psicólogo, ou então das escolas de Vallis Longo e das escolas de Valongo, que no próximo ano lectivo vão ter um técnico para mais de 5 mil alunos.

Jorge Humberto foi o psicólogo que no passado ano lectivo ficou colocado no agrupamento de Vallis Longo e, no caso de se candidatar este ano lectivo à mesma vaga, vai ficar também com os alunos das escolas de Valongo: “Estamos a falar de um único profissional para acompanhar alunos dos 3 aos 19 anos com uma panóplia de problemas específicos, além das tarefas habituais como orientação vocacional ou avaliações psicológica dos alunos com dificuldades de aprendizagem ou com necessidades especiais.”

O agrupamento de Lousada Oeste, com 1500 estudantes, está entre as escolas que reduziram o horário para 18 horas. Ângela Ferreira ficou aqui colocada o ano passado e é uma das candidatas à vaga. A psicóloga escolar explica porém que, se for seleccionada, terá de estabelecer novas prioridades com a direcção escolar: “Já tinha crianças em lista de espera e já trabalhava muito além do meu horário, nomeadamente para conseguir atender os pais dos alunos em horário pós-laboral.”

Manuel Esperança, da Associação Nacional de Dirigentes Escolares, está convencido de que o corte no serviço de psicologia não poderia ter vindo em pior altura: “Estamos num momento em que as escolas têm de lidar com cada vez mais problemas dos alunos associados ao desemprego dos pais ou a famílias desestruturadas. O psicólogo sempre foi uma peça fundamental e agora é ainda mais”, remata o dirigente da associação.

 

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.