Controlar os filhos online pode ser uma má ideia para a relação parental

Maio 11, 2016 às 2:50 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

notícia do lifestyle.sapo.pt/ de 11 de maio de 2016.

o relatório citado na notícia é o seguinte:

Parental controls: advice for parents, researchers and industry  

Nuno Noronha  SAPO com Lusa

Um estudo sobre controlos parentais online alerta que, apesar das “boas intenções”, o uso destas aplicações pode limitar as oportunidades digitais das crianças, e ameaçar a relação entre pais e filhos.

“As ferramentas não devem ser concebidas como ‘aplicações-helicóptero’, para pais que gostariam de ‘sobrevoar’ o seu filho, vigiando-o todo o tempo e a qualquer custo”, alerta o estudo “Controlos parentais: Conselhos para pais, investigadores e indústria”, o mais recente relatório da rede europeia EU Kids Online.

O estudo, hoje divulgado, adverte que “é essencial manter uma postura crítica em relação a controlos parentais, já que as suas funcionalidades têm efeitos contraditórios”.

“Apesar das boas intenções, o uso de controlos parentais tem repercussões nas oportunidades digitais dos mais novos, e pode ameaçar a própria relação entre pais e filhos”, justifica.

Segundo as autoras do relatório, Bieke Zaman e Marije Nouwen, da Universidade Católica de Lovaina, Bélgica, a maioria dos atuais controlos parentais é de “tipo preventivo, visando evitar riscos e restringir comportamentos”.

A partir do levantamento de estudos realizados sobre o tema, as investigadoras destacam que “as práticas parentais de ‘(sobre)controlo’ e de ‘(sobre)proteção’ podem ter a consequência não desejada de limitar as oportunidades ‘online’ das crianças” e pode ser prejudicial para os seus direitos e o seu bem-estar.

“Não permitir atividades ‘online’ pode, por exemplo, impedir o direito de procurarem informação do seu interesse, de se relacionarem, de se divertirem, etc.”, sublinham.

O efeito das restrições sem explicação

Advertem ainda que, quando o pai ou mãe colocam restrições aos filhos, a partir de uma determinada idade, sem qualquer explicação, “é provável que venham a piorar a dinâmica familiar”.

O comportamento de “espiar, à Big Brother”, através de controlos parentais, pode também envolver o risco de revelar informação sobre os amigos da criança ou jovem, ou de outros sujeitos.

O estudo alerta que “o potencial dos controlos parentais está além de funções meramente preventivas e protetoras”, defendendo que “as medidas protetoras podem e devem incluir soluções que ajudem as crianças a construir mais resiliência para lidar com o risco e dano que possam encontrar”.

Após analisarem o estudo sobre a eficácia destas ferramentas, as investigadoras concluíram que “ainda se desconhece a [sua] real eficácia” para reduzir os riscos ‘online’ para os menores.

O estudo deixa recomendações aos pais, como “evitar uma parentalidade sobreprotetora” e “não conceber os controlos parentais”, como forma de “‘sobrevoar’ os filhos, de modo consciente ou inconsciente, a qualquer custo”.

Os pais devem também estar conscientes de que castigos, como proibir os filhos adolescentes de usar redes sociais, “não lhes ensinam valores ou normas, e aumentam a probabilidade de quebrarem o castigo em segredo”.

Devem ainda discutir as definições dos controlos parentais com a criança e ter presente “as consequências éticas” que o uso desta ferramenta pode acarretar.

Já a indústria deve promover literacia digital nas famílias com filhos, e integrar os controlos parentais com as iniciativas educativas existentes.

 

6 things parents and policy-makers need to know about children and the internet

Novembro 28, 2015 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do site http://blogs.lse.ac.uk

Zeitfaenger CC BY 2 0

Sonia_Headshot-Photo-150x150Sonia Livingstone has been researching children’s internet use for 20 years, and based on this research and that of many others, she’s come to six evidence-based conclusions that should be of value to parents and policy-makers who seek to maximize the opportunities and minimize the risk of harm. Sonia is Professor of Social Psychology at LSE’s Department of Media and Communications and has more than 25 years of experience in media research with a particular focus on children and young people. She is the lead investigator of the Parenting for a Digital Future research project. 

  1. Internet access as a right. As children go online for longer, ever younger, and in more countries across the globe, the nature of internet use is changing – more mobile and personalized, more embedded in everyday life, harder to supervise by parents yet ever more tracked by companies. As children see it,internet access is now a right, and so, too, is digital literacy. They claim these as rights out of both enthusiasm and necessity – not so much because they value engaging with the internet in its own right, but because they engage with the world through the internet. And this they see as their route to wellbeing now and to better life chances in the future. However, not all online opportunities are automatically translated into demonstrable benefits for children, as too many have gained access to hardware but not know-how, to lessons but no lasting learning, or to chances to express their voices that go unheard.
  2. Addressing the participation gap. Children’s enthusiasm alone is not enough. Even in the world’s wealthier countries, most tend to use the internet primarily as a medium of mass communication, and mainly receive (view, stream, download) content produced by others, most of it commercial. It is only the minority of children – more of them older and relatively privileged – who are genuinely creative or participatory in their online contributions. Many therefore fail to gain the benefit of the internet, and don’t have the chance to see their own experiences and culture reflected in the digital environment. This raises two challenges: (i) to media literacy educators, and the ministries of education that support them, to facilitate creative, embedded, ambitious uses of digital media, and (ii) to the creative industries, to build more imaginative and ambitious pathways for children to explore online and fewer walled gardens, sticky sites and standardized contents.
  3. Beyond digital natives and digital immigrants. In the early days of the internet, parents and teachers tended to feel disempowered as their children knew more about it than they did. But as the internet has become a familiar part of everyday life, the reverse generation gap (in which children’s digital skills outweigh those of their parents’) has tended to reduce, with parents and teachers increasingly able to share in and guide children’s internet use.Evidence shows that if parents are knowledgeable and confident in using the internet themselves, they offer the kind of guidance that children themselves accept as useful (and you can tell if that’s the case by reflecting on whether your child spontaneously shows you, or asks for help with, what they’re doing online). This means more authoritative guidance – sharing, discussing, setting some limits – and fewer top-down restrictions or bans that children are likely to evade. So efforts to build parents’ digital literacy will help parents, children and teachers in using the internet wisely (and that, in turn, might help regulators who prefer not to intervene).
  4. Getting online risk in perspective. Society has become used to media headlines panicking about media risks online, and clinical and law enforcement sources do show that these are real and potentially deeply problematic for a small minority of children. But for the vast majority of children, the online world is no more risky – and perhaps even less risky – than the offline world. Reliable evidence suggests that the incidence of risk of harm for most internet-using children is relatively low – in Europe and the US, for instance, between 5% and 25% of adolescents have encountered online bullying, pornography, sexting or self-harm sites.
  5. Risk is (only) the probability of harm. Research also shows that online (and offline) risks are generally positively correlated – for example, children who encounter online bullying are more likely to see online pornography or meet new online contacts offline, and vice versa. Moreover, offline risk seems to extend (and sometimes get amplified) online, while online risk of harm is often felt (and made manifest) in offline settings. However, not all risk results in actual harm. Indeed, some evidence suggests that exposure to some degree of risk is, for many children, associated with the development ofdigital skills and coping strategies, as children build up resilience through their online experiences. Children are no more homogeneous than the adult population, so a host of factors as diverse as gender norms, family resources and regulatory context all make a difference in the distribution of risk and harm, vulnerability and resilience.
  6. Risks and opportunities go hand in hand. The more often children use the internet, the more digital skills and literacies they generally gain, the more online opportunities they enjoy and – the tricky part for policy-makers – the more risks they encounter. In short, the more, the more: so internet use, skills, opportunities and risks are all positively correlated. This means thatpolicy efforts to promote use, skills and opportunities are also likely to engender more risk. It also means that efforts to reduce risk (by policy-makers, parents and other stakeholders) are likely to constrain children’s internet use, skills and opportunities. This poses a conundrum that demands recognition and careful thought. How much risk is society ready to tolerate to support children’s digital opportunities? And, most important, can governments and industry take action to redesign children’s online experience so as to enhance their well-being and rights?

These points are all illustrated in the graph below, which shows the positive correlation for children in seven European countries between online opportunities and risks in 2010. It also shows the same correlation a few years later. While the overall picture remains similar, we might ask ourselves, how have some countries (e.g. UK and Italy) managed to increase children’s online opportunities without substantially adding to their risks, while other countries have increased children’s opportunities only at the cost of also increasing their risks? And how will societies reach this balance, in different countries and for different children, in the future?

Graphic-for-WEF-Agenda-Blog

NOTES

This text was originally published on the World Economic Forum’s Agenda Blog and has been re-posted with permission.

 

 

Crianças com smartphones ou tablets no quarto dormem menos

Janeiro 16, 2015 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

texto do site http://www.dinheirovivo.pt  de 8 de janeiro de 2014.

ng3834514

Um estudo de especialistas canadianos publicado pela revista Pediatrics revela que as crianças que têm acesso a smartphones ou tablets nos quartos dormem menos do que aquelas que não têm acesso a estes dispositivos.

Os especialistas acreditam que os conteúdos veiculados pelos media emitem frequentemente mensagens que, segundo a Academia Americana de Pediatras, podem ter efeitos nocivos nos mais novos.

Um conjunto de pesquisas desenvolvido pela Academia Americana de Pediatras em conjunto com a Sociedade Canadiana de Pediatria revelou que crianças com idades compreendidas entre os 0 e os 2 anos, não devem ter contacto com qualquer aparelho tecnológico. Já a crianças com idades entre os 3 e os 5 anos, o acesso deve ser restrito a uma hora por dia.

A revista Parents divulgou uma lista com dez razões que limitam e servem de proibição para a utilização da Internet e dos media digitais pelos mais novos:

O rápido crescimento do cérebro. Esta é talvez a razão mais importante para a restrição do acesso às novas tecnologias por jovens e crianças. Entre os 0 e os 2 anos, o cérebro triplica de tamanho. É também nesta altura que se inicia o seu desenvolvimento determinado sobretudo por estímulos ambientais. Nesse sentido, a exposição a elementos multimédia pode afetar de forma negativa o seu funcionamento.

Atraso no desenvolvimento. Segundo os especialistas, o uso das tecnologias pode restringir os movimentos da criança, dificultando o seu desenvolvimento intelectual.

Epidemia e obesidade. A utilização excessiva da Internet pode provocar um aumento significativo de obesidade em crianças e jovens. Aqueles que possuem aparelhos eletrónicos nos quartos têm cerca de 30% de probabilidade de sofrer de obesidade. No Canadá, 30 % das crianças correm o risco de padecer de diabetes e de acidentes cardiovasculares.

Privação de sono. Segundo o mesmo estudo, cerca de 60% dos pais não supervisionam a utilização de Internet e redes sociais pelos mais novos. Dados indicam que 75% das crianças com idades compreendidas entre os 9 e os 10 anos têm televisão no local utilizado para dormir e, com efeito, sofrem de privação do sono.

Doença Mental. O uso da tecnologia é uma das razões utilizadas para explicar as taxas crescentes de depressão infantil e os comportamentos problemáticos de jovens e crianças.

Agressão. Cada vez mais mais crianças e jovens estão expostos a conteúdos considerados violentos. Nos EUA, a violência nos meios de comunicação social foi constituída como um risco à saúde pública devido ao seu impacto na vida dos mais novos.

Demência Digital. A veiculação de mensagens rápidas pelos media pode contribuir para a diminuição da concentração e da memória dos mais novos.

Vícios. Funciona quase como uma influência. Os mais novos veem cada vez mais os seus pais e os familiares a utilizarem as novas tecnologias, tornando-se também eles ‘dependentes’ da sua utilização.

Emissão de Radiação. A OMS (Organização Mundial de Saúde classificou a utilização de telemóveis e outros aparelhos tecnológicos como um risco, devido à emissão de radiação.

Insustentável. O último fator, mas não o de menos importância: o futuro das crianças. Pode ler-se no estudo: “as crianças são o nosso futuro, mas não há futuro para as crianças com overdose de tecnologia.”

As restrições à utilização de aparelhos tecnológicos fazem referência a um conjunto de fatores, passando pela saúde mental e física de jovens e crianças até às suas relações sociais e familiares.

 

 

Telemóveis reinam no acesso à internet

Dezembro 5, 2014 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

texto da Pais & Filhos de 1 de dezembro de 2014.

pais & filhos

A utilização de telemóveis para acesso à internet e às redes sociais pelos jovens duplicou nos últimos três anos e o ‘tablet’ está entre os equipamentos mais utilizados em casa, concluiu um inquérito realizado pelo INOV-INESC.

As conclusões baseiam-se nas respostas a 6.500 inquéritos recolhidos ao longo de três anos, até 2013/14, em escolas secundárias de todo o país por uma equipa de investigação do FAQtos, projeto do INOV-INESC (Instituto Nacional de Engenharia de Sistemas e Computadores) com o Instituto Superior Técnico. O objetivo era conhecer os hábitos e preocupações dos jovens a frequentar o ensino secundário, entre 10 e 14 anos, em relação à utilização dos telemóveis e a questões relacionadas com as radiações eletromagnéticas emitidas pelos equipamentos domésticos.

“Não houve grandes novidades em relação àquilo que se passou nos últimos anos e a grande diferença em relação aos anos anteriores é que há mais estudantes a usar o telefone para aceder à internet e às redes sociais, uma tendência a confirmar aquilo que já se estava à espera, ou seja, que a utilização dos telefones e também dos ‘tablets’ tem vindo a aumentar”, disse hoje à agência Lusa Luís Correia, do INOV-INESC.

O acesso a dados “há uns anos atrás era muito caro, hoje é bastante mais barato, e também o facto de os ‘smartphones’ se terem generalizado e serem muito mais baratos possibilita que os jovens passem a utilizar os telefones para aceder à internet e às redes sociais”, realçou o investigador.

A utilização do telemóvel para aceder à internet e às redes sociais reúne mais de 70 por cento das respostas em ambas as opções de utilização, no último ano, refere uma informação sobre os resultados do inquérito. A entrada no 2.º ciclo do ensino básico (10 a 12 anos) concentra a grande maioria daqueles que dizem ter tido o primeiro telemóvel (mais de 60 por cento), e a idade média não sofreu alteração no triénio em análise, fixando-se nos 10,5 anos.

A partir dos 13 ou 14 anos, a presença do telemóvel é regra entre praticamente todos os jovens inquiridos, apenas 0,4 por cento indicou não usar o aparelho, e 15 por cento detém mais do que um equipamento. “Há uma diminuição do número de estudantes que têm mais do que um telemóvel, no primeiro ano havia uma percentagem razoável”, o que é explicado pelo facto de os operadores terem planos de comunicações que permitem falar para todas as redes sem penalização nos custos, explicou Luís Correia.

Em média, os jovens continuam a falar pouco mais de meia hora e a enviar cerca de 100 SMS (mensagens escritas) por dia, o que se mantém, acrescentou.

 

 

 

Maioria dos jovens chineses começa a usar a Internet antes dos oito anos

Novembro 27, 2014 às 4:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 27 de novembro de 2014.

Luís Garcia Globalimagens

por Lusa

Comparando com os dados apurados há quatro anos, a percentagem de crianças com menos de oito anos que acede à Internet subiu de 33,7%, para 56,3%.

A maioria dos jovens chineses começa a usar a Internet antes dos oito anos de idade e cerca de um quarto deles até mais cedo, segundo um estudo citado hoje na imprensa oficial chinesa.

Cerca de um terço dos chineses com menos de 18 anos (32,2%) liga-se à Internet para jogar e quase um quarto (24,7%) procura sobretudo ouvir música ou ver filmes, apurou o Chinese Youth Pioneers Business Development Center, depois de uma sondagem junto de 10.000 estudantes.

A realização de trabalhos escolares mobiliza um quinto (20,1%) dos jovens internautas e 5,9% recorrem ao ciberespaço para fazer amigos.

Comparando com os dados apurados há quatro anos, a percentagem de crianças com menos de oito anos que acede à Internet subiu de 33,7%, para 56,3%.

Um quarto dos inquiridos este ano aprenderam a usar a Internet quando tinham cinco anos e mais de dois terços (70%) começaram antes dos dez, indica o estudo.

Pequim tem a percentagem mais alta de jovens que usam a Internet (96%). A mais baixa (78%) é na província de Sichuan, no sudoeste da China.

País mais populoso do mundo, com cerca de 1.350 milhões de habitantes, a China tem também a mais numerosa população online do planeta.

Segundo estatísticas oficiais, o número de utilizadores aumenta em média 2,3 milhões por mês, tendo atingido 632 milhoes em junho passado, e mais de 80% acedem à internet através de smartphones e outros dispositivos móveis.

 

 

Children’s rights in the digital age : A download from children around the world

Novembro 4, 2014 às 6:00 am | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

rights

descarregar o relatório aqui

 

O Facebook (já) não vai à escola

Abril 10, 2014 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Artigo da Visão de 3 de abril de 2014.

clicar na imagem

visao___

Teens and Technology 2013 – Adolescentes e o uso da Internet e Telemóveis nos USA em 2013

Março 28, 2013 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

teens

Descarregar o estudo Aqui

Smartphone adoption among American teens has increased substantially and mobile access to the internet is pervasive. One in four teens are “cell-mostly” internet users, who say they mostly go online using their phone and not using some other device such as a desktop or laptop computer.

These are among the new findings from a nationally representative Pew Research Center survey that explored technology use among 802 youth ages 12-17 and their parents. Key findings include:

  • 78% of teens now have a cell phone, and almost half (47%) of them own smartphones. That translates into 37% of all teens who have smartphones, up from just 23% in 2011.
  • 23% of teens have a tablet computer, a level comparable to the general adult population.
  • 95% of teens use the internet.
  • 93% of teens have a computer or have access to one at home. Seven in ten (71%) teens with home computer access say the laptop or desktop they use most often is one they share with other family members.

“The nature of teens’ internet use has transformed dramatically — from stationary connections tied to shared desktops in the home to always-on connections that move with them throughout the day,” said Mary Madden, Senior Researcher for the Pew Research Center’s Internet Project and co-author of the report. “In many ways, teens represent the leading edge of mobile connectivity, and the patterns of their technology use often signal future changes in the adult population.”

Novo Relatório EU Kids Online Excessive Internet use among European children

Novembro 15, 2012 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação, Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Descarregar o relatório Aqui

Jovens portugueses são dos que mais usam internet Estudo europeu elabora recomendações sobre segurança online

Novembro 1, 2012 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do site Ciência Hoje de 22 de Outubro de 2012.

Por Susana Lage

As crianças portuguesas são líderes europeias no acesso à internet através de computadores portáteis e as mais velhas demonstram um dos maiores níveis de uso excessivo dessa ferramenta. Ainda assim, Portugal tem um reduzido nível de uso da internet pelas crianças e jovens, demonstrando um dos mais baixos níveis de actividades online, revela um novo relatório da EU Kids Online que olha para as diferenças nacionais entre 33 países europeus.

Estes dados têm implicações directas para as políticas e por isso os investigadores do projecto publicaram recomendações específicas para Portugal no sentido de reforçar a segurança online.

“Visto que há um nível de relativo baixo uso e de algum risco, que os jovens portugueses são dos que mais usam a internet no quarto e que a procuram em espaços públicos fora de casa, é necessário reforçar as suas competências no sentido de diversificar as oportunidades de que tiram proveito, mas também as dos adultos em casa e fora, para estarem preparados para os apoiar caso alguma experiência online seja motivo de incómodo ou perturbação”, afirma Ana Jorge ao Ciência Hoje.

De acordo com a investigadora da Universidade Nova de Lisboa, também membro do projecto, “a escola e os professores precisam de maior formação para estarem preparados para apoiar os jovens e as suas famílias no uso da internet que seja seguro sem que deixe de incluir um aproveitamento das suas potencialidades”.

Estas conclusões “podem ser apropriadas pela Comissão Europeia para definir grandes políticas que potenciem uma maior segurança” na internet para os jovens utilizadores, mas também por indústrias, associações e governos nacionais. Também a comunidade académica pode desenvolver esta pesquisa, dado que a base de dados é de acesso público.

O projecto EU Kids Online decorre desde 2006, encontrando-se actualmente na terceira fase, de 2011 a 2013. Nesta fase, aprofunda os resultados do inquérito que realizou na 2a fase, entre 2009 e 2011, a mil crianças entre os 9 e 16 anos e um dos seus pais, em 25 países europeus.

Este estudo, incidindo sobre a segurança online, permite ter uma perspectiva alargada e comparativa sobre esta realidade que preocupa pais e profissionais que se ocupam do bem-estar de crianças e jovens. Além disso, permite ter uma perspectiva sobre as experiências de crianças/jovens e seus pais, “algo inédito, a uma grande escala, num inquérito realizado face-a-face”, refere Ana Jorge.

Os próximos passos do projecto incluem continuar a “aprofundar a análise do inquérito, com relatórios sobre redes sociais, diferenças entre famílias, ou compreensão de quais são os riscos na internet que mais preocupam os jovens”.

« Página anteriorPágina seguinte »


Entries e comentários feeds.