Livros para as férias de Verão dos meninos mais crescidos

Julho 21, 2017 às 6:00 am | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do http://www.dn.pt/ de 7 de julho de 2017.

Maria João Caetano

Na praia, na rede, no jardim, no fresquinho da casa, nada como estes dois meses de férias para descobrir o prazer de ler. Aqui ficam algumas sugestões para crianças e adolescentes.

Começamos por um clássico: Tom Sawyer é aquele rapaz descalço e brincalhão, amigo de Huck Finn, que muitos de nós descobriram na série de animação da década de 1980. O livro que lhe deu origem é As Aventuras de Tom Sawyer, de Mark Twain. Retrato da vida (e das contradições) numa pequena cidade junto ao Mississípi, no século XIX, este é um livro de aventuras sobre a liberdade, os medos e os desejos de dois rapazes. Para ler com o olhar crítico de hoje.

As férias são também tempo para viajar – no país ou no estrangeiro. E os mais pequenos podem ajudar a planear as viagens com os guias da coleção A Minha Cidade. Depois de Beja por Susa Monteiro e Edimburgo por Markus Oakley, há agora mais dois guias: Madrid por Manuel Marsol e Viseu por Ana Seixas. Na sua cidade natal, a ilustradora Ana Seixas propõe, por exemplo, uma ida ao Teatro Viriato, um passeio no Parque do Fontelo e um petisco na Casa Bóquinhas, uma taberna da Rua Escura. São 12 os sítios ilustrados e descritos por quem melhor os conhece.

O Estranhão é uma das coleções juvenis de maior sucesso neste momento. O mais recente volume, Viagem no Tempo em Cuecas, põe Fred, o miúdo de 11 anos, QI acima da média e uma imaginação prodigiosa, a viajar até ao tempo das cavernas, ao tempo dos romanos, ao tempo dos castelos e a muitos outros tempos. Os livros de Álvaro Magalhães são acompanhados pelas muitas e divertidas ilustrações de Carlos J. Campos que são uma grande ajuda para aqueles meninos que ainda “têm medo” dos livros com muitas letras e poucos bonecos.

Mary Poppins é mais uma daquelas personagens que conhecemos sobretudo dos ecrãs: o filme de 1964, realizado por Robert Stevenson, tinha como protagonista Julie Andrews – que recebeu um dos cinco Óscares atribuídos a esta produção. Mas antes de estar no cinema, esta ama com poderes mágicos surgiu nos livros da australiana Pamela Lyndon Travers. Dos oito livros, originalmente publicados entre 1934 e 1986, a Relógio D”Água já editou os dois primeiros volumes.

Este O Regresso de Mary Poppins, com ilustrações de Susana Oliveira, traz a ama de volta à Rua das Cerejeiras para um chá “de pernas para o ar”, um circo no céu e o nascimento de Annabel, o quinto e último bebé da família Banks (que fica completa com cinco crianças).

O ideal seria mesmo ler a coleção toda antes da estreia de Mary Poppins Returns, o filme realizado por Rob Marshall que tem data de estreia marcada para 25 de dezembro de 2018, tendo como protagonista a atriz Emily Blunt e contando ainda com participações de Lin-Manuel Miranda (no papel de Jack, o homem que acende candeeiros na rua), Colin Firth (o banqueiro Weatherall) e Angela Lansbury (a senhora dos balões).

A coleção Caderno de Memórias de Difícil Acesso nasceu este ano pelas mãos de Raquel Palermo e João Lacerda Matos. No primeiro volume ficamos a conhecer Santiago Castelo. Este é o seu diário, por isso o livro é escrito com a linguagem de um rapaz de 11 anos que vive em Portugal em 2017, que implica com a irmã mais velha, que desespera com as regras que os pais lhe impõe, que odeia os alarmes que o acordam de manhã e que conta aqui as suas aventuras – nem sempre bem comportadas – com os amigos e os colegas da escola, nos treinos de futebol ou nas férias de verão.

Por último, uma sugestão para aqueles que estão agora a começar a ler livros maiores. Jatakas – Seis Contos Budistas é mais um livro delicioso da Pequena Fragmenta, com texto de Marta Millà e ilustrações de Rebeca Luciani. Jatakas são os ensinamentos de Buda, “contos, metáforas e lições que foram passando de mestres a discípulos através dos tempos”. Muitos dos protagonistas das jatakas são animais. “Não pretendem dar lições, apenas inspirar uma conduta consciente ética”, explica a autora. Os contos que aqui estão são versões livres de algumas jatakas e há um, A Avó Pirilampo, que é original.

 

 

“25 anos de intervenção do Projecto Rua em retroespetiva”

Julho 14, 2017 às 4:00 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

“25 anos de intervenção do Projecto Rua em retroespetiva”

Decorreu no dia 29 de junho, na livraria Bulhosa do Campo Grande, o lançamento do livro “Crianças em Situação de Rua: O Caso do IAC – Projecto Rua “Em Família para Crescer”, da autoria de Matilde Sirgado.

No estudo e investigação apresentados neste livro pretende-se analisar a problemática das crianças em situação de rua na cidade de Lisboa, recorrendo à metodologia de intervenção desenvolvida pelo IAC- Projecto Rua ao longo de 25 anos.

Através de uma pesquisa exploratória de estudo de caso único, apoiada numa abordagem qualitativa teórico e analítica, faz-se uma análise aprofundada do Projecto que visou a compreensão do seu papel na construção de percursos de inclusão, em torno das seguintes dimensões: como Observatório Social da problemática, como Laboratório Social, como Serviços de Cuidados de Proximidade e como contributo para a adequação de Políticas Públicas.

Para além da equipa do Projecto Rua e representantes de entidades parceiras, a sessão contou também com a presença da Presidente Honorária do IAC, Dra. Manuela Ramalho Eanes, tendo a apresentação da obra ficado a cargo do Professor Dr. Hermano Carmo do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa e orientador do mestrado que deu origem a esta obra, e da Presidente da Direção do IAC, Dra. Dulce Rocha.

Atualmente esta obra está disponível para venda através do IAC e Edições Silabo e a partir de setembro nas livrarias habituais.

Paula Paçó

A inclusão de Migrantes e Refugiados: O Papel das Organizações Culturais – Publicação online

Julho 3, 2017 às 6:00 am | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

descarregar a publicação no link:

A inclusão de migrantes e refugiados: o papel das organizações culturais

Sessão de apresentação do livro “Crianças em situação de rua” de Matilde Sirgado do IAC – 29 junho, 18.00 horas na livraria Bulhosa

Junho 29, 2017 às 12:30 pm | Publicado em Divulgação, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

O Instituto de Apoio à Criança convida V. Exa. para o lançamento do livro: Crianças em Situação de Rua – O Caso do IAC Projecto Rua “Em Família para Crescer”, da autoria Matilde Sirgado – Coordenadora do Projecto Rua, no dia 29 de junho, pelas 18h00, na Livraria Bulhosa do Campo Grande (ver mapa).

A sessão contará  com a presença da Presidente Honorária do IAC, Dra. Manuela Ramalho Eanes e a apresentação da obra será feita pelo Professor Catedrático  do ISCSP da Universidade de Lisboa e da Universidade Aberta, Hermano Carmo e pela Presidente da Direção do IAC, Dra. Dulce Rocha.

A Direção

Evento no Facebook

Sessão de apresentação do livro “Crianças em situação de rua” de Matilde Sirgado do IAC – 29 junho na livraria Bulhosa

Junho 27, 2017 às 11:00 am | Publicado em Divulgação, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

O Instituto de Apoio à Criança convida V. Exa. para o lançamento do livro: Crianças em Situação de Rua – O Caso do IAC Projecto Rua “Em Família para Crescer”, da autoria Matilde Sirgado – Coordenadora do Projecto Rua, no dia 29 de junho, pelas 18h00, na Livraria Bulhosa do Campo Grande (ver mapa).

A sessão contará  com a presença da Presidente Honorária do IAC, Dra. Manuela Ramalho Eanes e a apresentação da obra será feita pelo Professor Catedrático  do ISCSP da Universidade de Lisboa e da Universidade Aberta, Hermano Carmo e pela Presidente da Direção do IAC, Dra. Dulce Rocha.

A Direção

Evento no Facebook

Sessão de apresentação do livro “Crianças em situação de rua” de Matilde Sirgado do IAC – 29 junho na livraria Bulhosa

Junho 22, 2017 às 10:30 am | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

O Instituto de Apoio à Criança convida V. Exa. para o lançamento do livro: Crianças em Situação de Rua – O Caso do IAC Projecto Rua “Em Família para Crescer”, da autoria Matilde Sirgado – Coordenadora do Projecto Rua, no dia 29 de junho, pelas 18h00, na Livraria Bulhosa do Campo Grande (ver mapa).

A sessão contará  com a presença da Presidente Honorária do IAC, Dra. Manuela Ramalho Eanes e a apresentação da obra será feita pelo Professor Catedrático  do ISCSP da Universidade de Lisboa e da Universidade Aberta, Hermano Carmo e pela Presidente da Direção do IAC, Dra. Dulce Rocha.

A Direção

 

O que transforma um jovem num assassino?

Junho 9, 2017 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 29 de maio de 2017.

Reuters/© Nacho Doce / Reuters

Investigação de sociólogo brasileiro afasta problemas familiares, consumo de drogas e pobreza como causas principais para a adesão de jovens a grupos criminosos violentos.

Nem famílias desestruturadas, nem a pobreza, nem o consumo de drogas. O factor mais vezes identificado no percurso de vida de um jovem autor de crimes extremamente violentos, e que mais frequentemente o distingue de outros adolescentes de origens humildes, é o abandono escolar.

Esta principal conclusão de um estudo inédito de quatro anos do sociólogo brasileiro Marcos Rolim, que abrangeu 111 jovens rapazes com idades entre os 12 e os 19 anos, e que visou identificar o que leva algumas pessoas a cometerem crimes de extraordinária violência, ferindo ou matando alguém mesmo sem provocação ou reacção da vítima.

De acordo com a BBC Brasil, que cita a investigação A formação dos jovens violentos – Estudo sobre a etiologia da violência extrema, os 111 jovens cujos percursos foram analisados correspondiam a cinco grupos de indivíduos. O primeiro era constituído por rapazes que cumpriram pena por crimes violentos num estabelecimento prisional juvenil, a Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul (FASE). Após entrevistar estes jovens, Rolim pediu a cada um que indicasse um amigo de infância sem ligação ao mundo do crime, formando um segundo grupo de análise.

O terceiro grupo era composto por jovens a cumprir pena por homicídio na Prisão Central de Porto Alegre, e um quarto era formado por reclusos do mesmo estabelecimento, mas condenados pelo crime de receptação.

O último grupo de análise era constituído por jovens sem cadastro que estudavam numa escola da periferia pobre de Porto Alegre.

Em entrevista ao jornal online brasileiro Sul21, Rolim afirma que em todos os grupos existia um denominador comum: “pobreza, a perda de familiares e famílias desestruturadas”. Ou seja, nenhum destes factores parecia pesar na evolução de um percurso pessoal para uma vida de crime especialmente violento.

No entanto, Rolim identificou um padrão: os jovens autores de crimes violentos tendiam a abandonar a escola mais frequentemente os adolescentes de outros grupos analisados. Aliado a este factor, foi identificada ainda a aproximação destes jovens que abandonavam a escola a grupos violentos onde eram incitados a cometer crimes graves e ensinados a utilizar armas. Ou seja, a experiência de socialização da escola era substituída pela frequência de uma verdadeira escola de crime violento.

O abandono escolar ocorre por norma entre os 11 e os 12 anos de idade. Os jovens analisados referem como motivos o facto de sentirem “burros” ou de considerarem as aulas algo “chato”.

Em sentido inverso, os elementos do segundo grupo, os amigos dos reclusos do centro juvenil, tinham percursos escolares normais e não enveredavam por uma vida de crime violento, apesar de partilharem as mesmas origens económicas e familiares dos amigos detidos.

Escolas divorciadas das comunidades

Rolim conclui que se “os jovens de classes populares apostarem na sua formação por mais tempo, isso irá reduzir a mão-de-obra para o crime”.

No entanto, o sociólogo ressalva que há jovens que querem sair do mundo do crime, mas que “têm medo” medo de represálias por parte dos bandos que integram – em muitos casos, o castigo é a morte.

Apesar de Rolim não ter focado a sua pesquisa no abandono escolar, o sociólogo afirma que a incapacidade de os professores lidarem com jovens de certos perfis pode ser um dos principais factores da desistência dos alunos: “Um jovem que nunca abriu um livro, que tem pais analfabetos, vai ter uma preparação diferente que os restantes jovens, e grande parte dos professores não está preparado para lidar com estas situações”.

À BBC Brasil, o investigador afirma que outra causa potencial do fenómeno é a falta de ligação entre as escolas e as comunidades mais pobres e violentas. A educação oferecida nesses estabelecimentos, “a mesma de há 50 anos”, é para o sociólogo um factor determinante para o abandono escolar.

De acordo com o relatório regional de Desenvolvimento Humano de 2013-2014, elaborado no âmbito do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 63,5% da população prisional brasileira terá tido acesso a armas antes de atingir os 18 anos. O mesmo relatório mostra que a maior taxa de abandono se regista no período entre o 5.º e o 9.º ano de escolaridade.

 

 

Sessão de apresentação do livro “Acolhimento Juvenil no Mundo”, Palácio Nacional de Mafra, 9 de Junho

Junho 5, 2017 às 9:00 am | Publicado em Divulgação, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

A Dra. Manuela Eanes, Presidente honorária do Instituto de Apoio à Criança escreveu o prefácio do livro.

mais informações:

http://www.paje.pt/

http://www.sitiodolivro.pt/

Leituras para as Férias Grandes, por Ana Ramalhete

Junho 5, 2017 às 9:00 am | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do site https://revistafabulas.com/ de 7 de junho de 2017.

Ana Ramalhete

Vamos aproveitar as férias para olhar com atenção. Olhar para cima, olhar para baixo, olhar para dentro, olhar para fora,  olhar para eles, olhar para nós…Olhar para todos os lados!

Inventário ilustrado das aves – texto de Virginie Aladjidi, ilustração de Emmanuelle Tchoukriel, tradução de Elisabete Ramos

«Do pinguim ao cardeal, do melro à andorinha… são quase 80 as espécies de aves que voam e trinam por entre as páginas deste inventário repleto de penas e plumas coloridas.»

Um inventário minucioso de várias espécies de aves, ensinando a identificar e a nomear cada parte do corpo, desde o bico até às penas. Descreve a alimentação, as atividades preferidas, os cantos e o chilrear característico de cada espécie. Recheado de ilustrações realistas e coloridas, este inventário é um companheiro indispensável na descoberta das aves e dos seus voos.

Noite Estrelada – Texto e ilustração de Jimmy Liao, tradução de Ana M. Noronha e Domenica Ignomeriello, edição Kalandraka

«Noite estrelada tem como protagonista uma jovem menina, cuja narrativa na primeira pessoa mostra a forma como é afectada pela sua realidade e pelo mundo que a rodeia. É uma história sobre a solidão e a amizade, a perda e a descoberta, sobre o crescimento e sobre como a arte e a imaginação podem ser veículos de liberdade.»

Nesta história dedicada a todas «as crianças que não se sentem em sintonia com o mundo», a imaginação e a fantasia surgem como formas de libertação de uma realidade pouco atraente, onde estão presentes os conflitos familiares, a solidão e o bullying. O nascimento de uma amizade inesperada vai despontar como um meio de libertação, de fortalecimento individual e de descoberta da beleza, da natureza ou da arte. O quadro A noite estrelada de Van Gogh inspirou Jimmy Liao no título, em partes do texto e nas aguarelas intensas, onde predominam os amarelos e os azuis fortes. Como é habitual nos seus álbuns, as imagens funcionam como um outro texto que desenvolve, completa e acrescenta o que está escrito.

O que aconteceu à minha irmã? Texto De Simona Ciraolo, tradução de Rui Lopes, edição Orfeu Negro

«Esta é a história ternurenta de uma menina que muito intrigada com a irmã adolescente, tenta desvendar a todo o custo este grande mistério. Quem é esta nova irmã? Porque já não quer brincar aos mesmos jogos e anda aos segredinhos pela casa?»

Este álbum ilustrado aborda a cumplicidade entre irmãs e o momento em que esta é perturbada pelas alterações de comportamento e pelas mudanças físicas que a irmã mais velha sofre, da noite para o dia. A consciência e investigação de tal fenómeno, pela mais nova, são acompanhadas página a página pelas ternas ilustrações que jogam com os tons de laranja e vermelho em contraste com os azuis e cinzentos, embrenhando-se texto e imagem numa fusão perfeita.

Na Boca do Lobo – Texto de Sara Monteiro, Ilustração de Susana Carvalhinhos, edição APCC (Associação para a promoção cultural da criança)

«Estes poemas, inspirados em expressões idiomáticas comuns, como por exemplo “fazer uma tempestade num copo de água”, “dar nome aos bois” ou “perder a cabeça”, foram escritos como se se desconhecesse o seu significado, abrindo caminho para o mundo do imaginário.»

Dezassete poemas que nos afastam das conceções iniciais com que certas expressões idiomáticas são utilizadas e nos fazem sorrir e pensar e olhar para todos os lados: para a cidade, para o mundo animal, para o mar, para a lua, para o corpo humano, para o céu. São versos que não batem na mesma tecla e que certamente não nos levam por maus caminhos. As ilustrações coloridas e bem-humoradas de Susana Carvalhinhos vestem os poemas e lavam-nos alma.

Olhos tropeçando em nuvens e outras coisas – Texto de João Pedro Mésseder, ilustração de Rachel Caiano, edição Caminho

«Há olhos que quase só deslizam no telemóvel; e olhos que tropeçam em nuvens, em bolas, em pessoas, em patas de aranha, eu sei lá em quê. Às vezes, esses olhos tropeçantes querem que as mãos escrevam textos à maneira de haicais (este livro explica o que são). Os olhos tropeçam num melro, a mão escreve um; numa borboleta, a mão escreve outro, e por aí fora. E há mãos que gostam de desenhar…haicais. Mas será isso possível? É abrir o livro e logo se verá.»

João Pedro Mésseder tropeça em coisas e como das coisas nascem outras coisas escreveu estes poemas de instantes ou instantes de poemas inspirados nos haicais japoneses. São versos que nos transportam ora para a claridade das manhãs, ora para as nubladas tardes de verão e que, em certos momentos, nos fazem lembrar Eugénio de Andrade. A delicadeza e beleza das ilustrações de Rachel Caiano, a preto, vermelho e azul, traduzem-se em fortes imagens poéticas, quais haicais desenhados. Um livro que nos deixa com «Olhos Tropeçando nas nuvens, Aturdidos de alegria»

 

 

 

Once missing, never forgotten

Maio 25, 2017 às 9:00 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

This study is a first step in this direction and it aims to develop evidence on the decision- making process of launching a publicity appeal, running a publicity appeal, the effectiveness of a publicity appeal, and the impact of a publicity appeal. This is done in order to identify existing knowledge, but also to shed light on operational challenges and gaps in knowledge which call for further research in this under-researched area. Our intention with this project was to improve our understanding of these issues and lay the grounds for further research to be undertaken in 2017 – 2018 (pending available funding).

descarregar o documento no link:

Once missing – never forgotten

Página seguinte »


Entries e comentários feeds.