“Não fazemos isso aos ingleses” que chegam a Portugal. Isolamento de crianças é “dramático” – Declarações de Dulce Rocha Presidente do IAC à TSF

Agosto 28, 2020 às 3:25 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia da TSF de 28 de agosto de 2020.

Por Cristina Lai Men e Catarina Maldonado Vasconcelos

O Instituto de Apoio à Criança considera que a norma de isolamento para crianças que são institucionalizadas durante a pandemia não é nem justa, nem adequada, nem proporcional.

A medida de isolamento profilático imediato das crianças que chegam às instituições para cumprir o tempo de incubação afastadas dos restantes residentes continua a reunir discórdia. Desta vez, é o Instituto de Apoio à Criança a insurgir-se contra a orientação da DGS, que determina o isolamento obrigatório até em caso de rastreio negativo.

Depois de Carla Ferreira, da rede Care da APAV, e de Luís Villas Boas, do refúgio Aboim Ascensão, que na quinta-feira teceram críticas à aplicabilidade da medida, é a vez de Dulce Rocha, presidente do Instituto de Apoio à Criança, considerar “dramático” que as autoridades de saúde se tenham decidido por uma regra que não é “justa” para os menores. “Fiquei a achar que era uma decisão injusta, porque qualquer decisão justa tem de ser adequada, proporcional e razoável, e parece-me que isto não é nenhuma dessas coisas”, sublinha a responsável.

Dulce Rocha também aponta a desproporcionalidade entre as exigências feitas às crianças institucionalizadas e a turistas que entram em território nacional: “Se se faz o teste e dá negativo, ainda se vai ter cuidados acrescidos que não são exigíveis noutras circunstâncias? Não fazemos isso aos ingleses nem aos espanhóis. Exigimos-lhes o teste, ponto final.”

A norma, salienta a representante do Instituto de Apoio à Criança, “tem de ser devidamente explicada”, até porque “tem de haver alternativas que provoquem menor sofrimento às crianças”.

“Não podemos colocar em risco a sua saúde mental e o seu bem-estar”, assinala Dulce Rocha, receosa com o agravamento do estado das crianças que chegam às instituições. “Ainda estamos à espera da recomendação da Provedoria de Justiça, que, tenho a certeza, virá nesse sentido de que não é adequado nem proporcional ou justo”, remata.

Ouvir as declarações da Dra. Dulce Rocha, Presidente do IAC  à TSF no link:

https://www.tsf.pt/portugal/sociedade/nao-fazemos-isso-aos-ingleses-que-chegam-a-portugal-isolamento-de-criancas-e-dramatico-12560781.html

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers gostam disto: