Contar histórias nas paredes da escola

Fevereiro 24, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia da Visão de 18 de fevereiro de 2020.

Na Escola Básica Padre Doutor Joaquim Santos, em Cabeceiras de Baixo, as histórias saíram da biblioteca para dar cor às paredes do recreio

É a primeira vez que esta escola em Cabeceiras de Basto, no distrito de Braga, participa na campanha eleitoral pelos livros mais fixes. E como quem quer alcançar o nível dos mais experientes, começaram em grande.

No primeiro dia de campanha, 3 de fevereiro, marcaram uma sessão para toda a comunidade escolar. Pais, professores e colegas: todos ficaram a saber o que é o projeto «Miúdos a Votos», o que se vai passar até maio, e ainda se debateram os livros em campanha. Os miúdos vão andar em alvoroço e, além da campanha eleitoral, que já se mostra pelos corredores, têm um objetivo maior: «fizemos um debate, não só para nos divertirmos mas também para nos tornarmos melhores pessoas e aprendermos a discutir ideias. O mais giro é que são os livros que ganham, não as pessoas». Quem o diz é Inês Rodrigues, 9 anos, que faz campanha pelo livro «O Principezinho», de Antoine de Saint-Exupéry.

Para chamar à atenção de todos, resolveram pintar um grande mural no exterior da escola, com muitos desenhos coloridos que remetem para os livros. Convidaram o artista Mário Teixeira (e assim já envolveram mais uma pessoa de fora) e combinaram que desenhos eram precisos para passar a mensagem. Foi ele que desenhou uma menina com cabelos de mar – que faz uma referência ao livro «A Menina do Mar», de Sophia de Mello Breyner Andressen – uma galinha que põe ovos de todas as cores – apelando ao voto no livro «Os Ovos Misteriosos», de Luísa Ducla Soares – uma enorme flor, que lembra o livro «A maior flor do mundo», de José Saramago e claro, um Principezinho; depois dos contornos, todos os miúdos e miúdas que fazem campanha agarraram no pincel e coloriram as paredes.

Paredes cheias de cor

«O mural vai ajudar a chamar à atenção porque todos vão perguntar o que é – durante os intervalos vai ser uma loucura. Queremos muito que todos leiam mais e larguem os telemóveis», confessa Inês. Ao seu lado está Matilde Gonçalves, também com 9 anos, que faz campanha pelo livro «Gravity Falls», de Alex Hirsch. Escolheu-o porque «é um livro divertido que fala sobre o poder da amizade. Nesta história os monstros são amigos e lutam, juntos, pelo bem». Já Beatriz Barroso, que faz campanha pelo livro «A maior flor do mundo», de José Saramago – e que só o leu por causa da iniciativa – parece não pensar de forma diferente: «gostei deste livro porque a história conta-nos como é possível, ao salvar uma planta, salvar a natureza toda».

Índia: as crianças que trabalham no “inferno” de carvão de Jharia

Fevereiro 24, 2020 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Público de 19 de fevereiro de 2020.

Por entre o fumo tóxico, centenas de crianças – algumas com apenas quatro anos – transportam, à cabeça, cestos de pedras negras que pesam quase o mesmo que o seu próprio corpo. Colina acima, cobertas de fuligem, caminham em direcção ao local onde depositam o suado resultado do seu esforço. Uma tarefa monumental que remete para o castigo de Sísifo: diário, repetitivo, tortuoso.

“Inferno” foi a palavra que o fotógrafo indiano Supratim Bhattacharjee escolheu para descrever as minas de carvão de Jharia. E garante que não está a exagerar. Este não é um lugar comum; afinal, aqui lavra, há mais de um século, um dos incêndios mais antigos do mundo. E, em simultâneo, outros 69 que, apesar de mais jovens, são igualmente nocivos. As chamas, o calor infernal e o esforço escravo compõem o retrato do local.

É com as próprias mãos, com recurso a picaretas e a força bruta, que as crianças de Jharia recolhem as pedras. O trabalho será convertido em menos de dois euros por dia. “A população é tão pobre que as crianças são forçadas a trabalhar e, ainda assim, sofrem de malnutrição”, explica o fotógrafo indiano. O dinheiro ganho por elas é trocado por arroz, a base da sua deficitária alimentação. “Colocar os filhos na escola é um sonho para os pais, nesta região.” É a pobreza destes, também trabalhadores da mina, que obriga as crianças a abdicar da escola. E é a iliteracia que as mantém “escravas” do carvão enquanto adultas. O ciclo é vicioso. E, sem intervenção, refere Supratim, é parca a esperança de ver algo mudar.

O carvão alimenta, mas mata devagar. “Aqui, a morte está presente todos os dias”, lamenta Supratim, em entrevista ao P3. Mortes por esmagamento, intoxicação e doença prolongada são as mais comuns. O fotógrafo indiano conhece a fundo esta realidade; a série de fotografias que criou, The Curse of Coal – “A Maldição do Carvão”, em tradução livre –, resulta de seis anos de trabalho. Gases tóxicos que estão presentes em grande densidade no ar da mina, como dióxido e monóxido de carbono, ou óxido de nitrogénio, são a causa de problemas pulmonares, dermatológicos, oftalmológicos.

Existe uma larga parcela de trabalhadores da mina que se encontram em situação ilegal, grupo no qual se incluem todas as crianças. “Existem máfias que subcontratam, à força, estas pessoas, e ficam com grande parte do seu lucro diário”, explica o fotógrafo. Por esse motivo, a presença da polícia no local é frequente – e as crianças são o seu principal alvo. Não raramente são forçadas a fugir, deixando para trás o fruto da sua jorna.

75% da electricidade que a Índia consome provém da combustão de carvão, o que torna o país num dos principais emissores de CO2 do planeta, a seguir à China e aos Estados Unidos. Apenas em Jharia são extraídas 32 milhões toneladas de carvão por ano e ainda existem, em reserva, cerca de 19,4 mil milhões de toneladas para extracção, pelo que não existe previsão de encerramento. “A situação piora de dia para dia”, afirma o fotógrafo. “A exploração laboral aumenta, os salários diminuem. As condições de salubridade deterioram-se, a doença é cada vez mais frequente.” É urgente uma intervenção externa. “Gostaria que o meu projecto chegasse a pessoas de todo o mundo e que alguém fizesse algo por estas pessoas.”

Fotogaleria do Público no link:

https://www.publico.pt/2020/02/19/p3/fotogaleria/india-criancas-trabalham-inferno-carvao-jharia-400272?fbclid=IwAR0WDeYTTHYGOLSxi_a3kBacNte7z8hioKBhnzoHcw-qqZZ2l6pE6g34Qns#&gid=1&pid=2


Entries e comentários feeds.