Mutilação genital feminina: esta escola-abrigo protege as meninas das suas famílias

Janeiro 1, 2020 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Público de 26 de dezembro de 2019.

Ana Marques Maia

Lasoi tinha 10 anos quando o pai a informou que se iria casar dentro de dias. Apesar de nunca ter sequer visto o futuro marido, a notícia não a surpreendeu. Afinal, tinham passado apenas 11 dias desde o corte. A excisão. O procedimento que é também conhecido por mutilação genital feminina. É de senso comum, na tribo maasai, que nenhuma mulher – neste caso, menina – se casa “intacta”. Todas passam pelo mesmo, apesar de o governo do Quénia ter proibido a prática em 2011. Por imposição familiar, Lasoi acabou mesmo por se casar. Na manhã que se seguiu à noite de núpcias, fugiu de casa do marido em direcção à casa dos pais, onde foi recebida com violência e, em seguida, devolvida. Uma semana depois, a menina repetiria a proeza; e os pais repetiriam a sova e a devolução. A insurreição de Lasoi levou a que os seus pais a renegassem, permanentemente, e a que a relação com a nova família azedasse ao ponto de ser vítima diária de agressões.

Um dia, poucas semanas após o casamento, Lasoi foi encontrada inconsciente num descampado próximo da sua nova casa. Contou à Nashipai Maasai Community Project que o marido a tinha seguido e lhe tinha batido até perder os sentidos. A organização não-governamental, que dá apoio a vítimas de mutilação genital feminina e de casamento infantil, direccionou-a para a Escola de Raparigas Naning’0i, onde é apenas uma de 320 meninas que foram vítimas dos mesmos crimes. Não é uma coincidência. Nas zonas de Kajiado e Narok, predominantemente maasai, a estrutura social é profundamente patriarcal e conservadora.

Foi em Março de 2019 que Natalia Jidovanu ficou a conhecer de perto esta realidade. “Fui lá, primeiro, como fotojornalista”, contou ao P3, via Skype. “Estava a trabalhar numa história para a Al Jazeera sobre a mutilação genital feminina e outros desafios das meninas maasai.” À medida que foi conhecendo as histórias das meninas dessa tribo, Natalia foi-se interessando pela Escola de Raparigas Naning’0i e compreendendo a importância do seu papel naquele contexto de pobreza. “Dentro da comunidade maasai existe a ideia de que só os rapazes devem ir à escola, e não as raparigas”, explica Natalia ao P3. “O papel da mulher é estar em casa, ser mãe, tratar dos filhos, da família do marido, das vacas. Convencer os pais que as meninas têm de ir à escola é difícil. Parece-lhes um desperdício de tempo. Se uma rapariga for casada, a família vai receber vacas e a menina vai ser útil à família do marido. Se estiver na escola, a seu ver não vai servir para nada.” A educação é, por isso, na opinião da luso-moldava de 33 anos, “a única forma de interromper este ciclo” de subjugação.

A história da escola, que se situa em Mosiro, tem contornos particulares. “É uma escola primária só para raparigas; tem 320 alunas e capacidade para receber mais duzentas.” Foi fundada em 1999 por uma organização não-governamental e transferida para o sector público de educação queniano em 2014, “altura em que começaram a surgir os primeiros problemas de financiamento”. “No ano passado a escola esteve quase a fechar, mal havia fundos para comida”, lamenta a fotógrafa. A instituição funciona em regime de internato. “Para funcionar em pleno, a escola tem de garantir que as crianças têm acesso a comida, uniformes, camas, materiais escolares. Gratuitamente. Durante todo o ano.” E não apenas durante o ano lectivo. “Tendo em conta o contexto em que vivem, muitas meninas acabam por permanecer na escola também durante as férias. É arriscado voltarem para casa das famílias que, a qualquer momento, as podem submeter a mutilação genital ou forçá-las a casar.”

A escola é importante para as meninas maasai e não apenas porque as protege da mutilação genital feminina e do casamento infantil. “Esta é a única escola para raparigas num raio de 500 quilómetros”, explica Natalia. “Num contexto em que existe tão pouca oferta educativa para raparigas, a excisão feminina acaba por ser um problema quase secundário, embora muito relevante, claro.”

Além de psicóloga e fotojornalista, Natalia é também fundadora da ArtKids Foundation, uma organização não-governamental sediada em Nairobi que promove o uso da arte e cultura para o desenvolvimento pessoal de crianças e jovens quenianos. Perante este cenário de dificuldades e diante da urgência de uma solução, Natalia decidiu “tentar fazer algo através da fundação” para ajudar a escola e as meninas maasai. “Acabámos de oferecer, esta semana, a primeira bolsa de estudo a uma menina que terminou o ensino primário, a Maria, para ela poder continuar os estudos numa escola secundária”, referiu. “A Maria tem 14 anos e fugiu de casa em 2017 para escapar à cerimónia de mutilação genital que o pai estava a preparar para ela.”

Vício do telemóvel afasta as famílias dentro da própria casa

Janeiro 1, 2020 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Texto do site Up to Kids

Vício do telemóvel afasta as famílias dentro da própria casa

Os telemóveis foram e são, sem dúvida, umas das melhores invenções de sempre.  Permitem-nos que possamos estar em constante contacto com pessoas que estão a milhares de quilómetros de distância. As redes sociais vieram ainda “aproximar-nos” de amigos com quem não conseguimos estar no dia-a-dia. Mas será esta aproximação real? Ou quanto mais nos aproximamos dos nossos amigos, mas nos estamos a afastar da nossa família?

Há vários fatores a ter em conta, mas como em tudo, as redes sociais têm muito de positivo, mas também um lado negativo.

Se por um lado as novas tecnologias e as redes sociais nos permitem estar a par de tudo o que se passa no Mundo em tempo real,  o facto de passarmos tanto tempo a olhar para o telemóvel, faz-nos perder muito do que se passa à nossa volta, incluindo o que se passa em nossa casa.

O fotógrafo Al Lapkovsy partilhou uma série de imagens que, apesar de serem um pouco chocantes, retratam exactamente o que se passa em casas em todo o Mundo.

Desde pais que deixam de dar atenção aos filhos por estarem a olhar para o telemóvel, a crianças que acabam por não ter com quem brincar pois todas as outras estão agarradas aos telemóveis, ou até mesmo casais que deixam de aproveitar a sua intimidade para estarem nas redes sociais.

Muitas são as famílias que, apesar de viverem na mesma casa, se afastam cada vez mais, e tudo graças a este vício silencioso.

Com isto não digo que se deva deixar de usar as novas tecnologias e as redes sociais. Mas cabe-nos a nós, adultos e pais, controlar o uso para que não se torne exagerado prejudicando o equilibrio familiar. O vicio do telemóvel não pode existir.

Nada é mais importante do que a nossa família, por isso temos de garantir que a aproveitamos ao máximo, antes que seja tarde demais!

Façamos uma reflexão sobre se estamos realmente a valorizar e priorizar a família.

Estas imagens fazem parte da coleção Desconectar Conectar do artista AL LAPKOVSKY

Era uma vez umas roupas que um dia já tinham sido uma pessoa, iluminadas pela luz azulada 

De acordo com vários estudos, algumas crianças passam em média 7,5 horas na frente das telas por dia. Isso mesmo 7,5 horas. É o tempo que a maioria dos adultos passa no trabalho diarimante. Os adolescentes passam até nove horas por dia nos meios sociais. Surpreendentemente, uma pessoa comum gasta quase duas horas (aproximadamente 116 minutos) nas redes sociais todos os dias, o que significa um total de 5 anos e 4 meses ao longo da vida. Atualmente, o tempo total gasto nas meios sociais supera o tempo gasto a comer e beber, a socializar ou organizar.

Para percebermos o tempo excessivo que uma pessoa passa realmente nos meios sociais, façamos a comparação com o número de horas (cinco anos e quatro meses) que passa ao longo da vida a sociabilizar com amigos e familiares na vida real (um ano e três meses ).

Estamos a desaparecer, deixamos de existir, perecemos.

Não podemos imaginar as nossas vidas sem os ecrãs azuis. Somos bombardeados com notícias, atualizações e status. Temos milhares de amigos e ainda estamos sozinhos. Somos semi-transparentes, perdidos na luz azul de informações inúteis e num falso sentimento de pertença.

O principal objetivo deste projeto é ilustrar como continuamos a desconectar-nos da realidade que nos rodeia a qualquer momento e nos envolvendo em algo que talvez seja real, mas não tão importante e relevante no momento. Como, apenas pela natureza do hábito, escolhemos com mais frequência olhar para o ecrã do que olhar à volta. Enviar uma mensagem para alguém em vez de conversar com uma pessoa sentada à nossa frente. Como a nossa mente se torna global no sentido de que podemos conversar com pessoas que mal conhecemos e, ao mesmo tempo, ignorar alguém muito próximo e real.

Quando estamos com os nossos filhos, estamos realmente presentes? Ou estamos no vício do telemóvel?

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=2615106911858866&set=pb.100000787473822.-2207520000..&type=3&theater

É frequente os nossos filhos alhearem-se dos irmãos e dos pais?

Enquanto casal: quantas vezes já esteve em situações idênticas às retratadas?

Privacidade online trocada por miúdos

Janeiro 1, 2020 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Educare de 23 de dezembro de 2019.

Campanha nacional vai sensibilizar crianças, pré-adolescentes, adolescentes e jovens adultos para a confiança e segurança online. Serão disponibilizados tutoriais e recursos e lançado um concurso para alunos de todos os níveis de ensino.

Sara R. Oliveira

A aprovação chegou da Internet Society Foundation e o projeto “ePrivacidade Trocada Por Miúdos”, iniciativa do Capítulo Português da Internet Society e do Projeto MiudosSegurosNa.Net arranca em 2020. Trata-se de uma campanha que pretende sensibilizar crianças, pré-adolescentes, adolescentes e jovens adultos para a confiança e segurança online. A iniciativa será lançada publicamente num evento marcado para 28 de janeiro de 2020, Dia da Proteção de Dados, na Fundação Portuguesa das Comunicações, em Lisboa.

O projeto está desenhado e inclui quatro componentes. Um evento anual para assinalar o Dia da Proteção de Dados. A disponibilização de tutoriais e outros recursos sobre privacidade e segurança online. Um concurso anual destinado a estudantes de todos os níveis de ensino, do pré-escolar ao universitário, interessados na sensibilização em torno da privacidade online. A disseminação dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes no âmbito do concurso.

“O objetivo é sensibilizar e levar crianças, pré-adolescentes, adolescentes e jovens adultos, sobretudo, mas a população em geral, a refletir sobre o tema, sobre os riscos associados à falta de privacidade online e sobre a importância de a salvaguardarmos. Para tal, pretendemos também ouvir os jovens sobre esta temática, de forma a dar-lhes voz para que possam ser ouvidos no debate público sobre o tema”, adianta Tito de Morais, fundador do Projeto MiudosSegurosNa.Net, ao EDUCARE.PT. O projeto tem prevista uma duração de dois anos, que poderão ser prolongados em função do seu sucesso.

Para José Legatheaux Martins, presidente da Direção do Capítulo Português da Internet Society, a iniciativa “está alinhada internacionalmente com as metas da missão da Internet Society e também com as prioridades do Capítulo Português anunciados aquando da eleição desta direção em março último”. O responsável destaca algumas dessas prioridades, tal como a promoção de debates e formações à volta da problemática da confiança, a produção de materiais de suporte e ações de apoio à formação dos utilizadores, sobretudo dos mais jovens, e o “lançamento de um concurso que promova o envolvimento ‘mãos na massa’ de equipas de jovens em torno do tema confiança online”.

Aprofundar um tema atual e complexo é um dos objetivos do projeto que conta com o patrocínio da Internet Society Foundation e o apoio da Fundação Portuguesa das Comunicações. A Internet Society Foundation é uma organização sem fins lucrativos que trabalha com a Internet Society para apoiar uma visão partilhada de que a Internet é para todos. Esta fundação foca-se no financiamento de iniciativas que promovam o desenvolvimento da Internet como uma infraestrutura técnica global e o que pode fazer para enriquecer a vida das pessoas em todo o mundo.

O Projecto MiudosSegurosNa.Net, lançado em 2003, ajuda famílias, escolas e comunidades a promover a utilização ética, responsável e segura das tecnologias de informação e comunicação por crianças e jovens. Guia-se pela visão de uma sociedade onde as famílias, as escolas e as comunidades trabalham em conjunto para minimizar os riscos a que crianças e jovens podem estar expostos online, no sentido de lhes permitir maximizar as oportunidades e os benefícios que as tecnologias de informação e comunicação têm para oferecer.

O Portuguese Chapter da Internet Society, designado em Portugal por Associação ISOC Portugal, é uma instituição sem fins lucrativos, reconhecida pela Internet Society como sua representante no nosso país. Promove o desenvolvimento de uma Internet segura e confiável, acessível a todos, aberta e de acesso não discriminatório, com respeito pelos princípios da liberdade de expressão e da privacidade.

A campanha “ePrivacidade Trocada Por Miúdos” conta com um vasto leque de parceiros. Entre várias entidades públicas e privadas, convidadas a aderir ao projeto, estão a Confederação Nacional das Associações de Pais, a Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação, o Conselho Nacional de Juventude, a Associação D3 – Defesa dos Direitos Digitais, a Associação Nacional de Professores, a Associação Nacional de Professores de Educação Visual e Tecnológica, a Associação Nacional de Professores de Informática, a Associação para a Promoção da Segurança Infantil, a Associação Nacional para o Software Livre, a Associação Portuguesa para a Promoção da Segurança da Informação, a Aventura Social, a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens, o Dream Teens, o Eukids Online, o Instituto de Apoio à Criança, o Instituto Português da Juventude e Desporto, o Programa Escolhas, a Rádio Miúdos e a Rede de Bibliotecas Escolares.


Entries e comentários feeds.