AMPLOS lança guias para ajudar pais e educadores a compreenderem questões de género

Outubro 29, 2019 às 8:00 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Público de 24 de outubro de 2019.

Para a vice-presidente da associação, é preciso “explicar às crianças que elas não são culpadas de qualquer discriminação de que são alvo”. Guias foram apresentados nesta quinta-feira no âmbito do Dia Municipal para a Igualdade.

Lusa

A pior atitude perante uma criança com comportamentos diferentes dos esperados para o seu género é ignorar, alertou a Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual (AMPLOS), que apresentou nesta quinta-feira dois guias para ajudar pais e educadores.

Os guias, que foram apresentados publicamente numa cerimónia com a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, têm cada um 15 páginas com recomendações — tanto para os profissionais na área da educação, como para os pais — sobre a diversidade de expressões de género na infância e como lidar com a questão.

Em declarações à agência Lusa, a vice-presidente da Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual (AMPLOS) revelou algumas das recomendações feitas aos educadores e, no geral, a quem trabalha com crianças. “Explicar às crianças que elas não são culpadas de qualquer discriminação de que são alvo. A criança não pode ter culpa de nada, é a sociedade que não a aceita”, adiantou Manuela Ferreira.

O guia começa logo por apontar que, “por vezes, as crianças têm comportamentos e atitudes inesperados, que não correspondem aos papéis que normalmente se atribuem ao seu sexo” e que frequentemente há profissionais de educação que, quando são confrontados com estas expressões de diversidade de género, as consideram erradas e sentem-se na obrigação de corrigir esses comportamentos.

“O fundamental será então capacitar quem se relaciona com elas (no caso da escola essa informação deverá envolver toda a comunidade escolar), ajudando a compreendê-las, em vez de tentar que sejam as crianças a mudar os seus comportamentos”, lê-se no guia.

Aconselha-se, por exemplo, que sejam evitados “cantinhos”, como o cantinho das bonecas ou o cantinho dos carrinhos, frequentemente associados às meninas e aos meninos, respectivamente, e que é comum acontecer no pré-escolar. Recomenda também que seja permitido à criança expressar as suas preferências, nomeadamente no nome, e que se utilize o nome pelo qual a criança quer ser chamada mesmo que possa parecer desconforme com o seu género.

Manuela Ferreira apontou, por outro lado, que não se deve deixar que os casos de bullying aconteçam: educadores e outros profissionais devem intervir assim que tiverem conhecimento de uma situação do género, em que a criança é insultada ou discriminada. “E aproveitar até a situação para explicar as coisas e fazer disto uma lição para os restantes meninos”, defendeu, acrescentando que também se deve tentar abordar a família “para prevenir aquelas situações de silêncio”.

“O que não devem de todo fazer é ignorar. Esta é a mais importante das recomendações”, defendeu Manuela Ferreira.

Já em relação às famílias, a responsável da AMPLOS explicou que é importante, “antes de mais”, mostrar que “o amor incondicional existe”. “Só temos que aceitar os nossos filhos e continuar a amá-los. Isto é só uma característica, que pode ser esbatida com o tempo ou não, mas é uma característica e uma característica não pode ser um impedimento para que nós não continuemos a amar os nossos filhos”, apontou a responsável.

Manuela Ferreira salientou que também entre as famílias é importante não silenciar a questão, ressalvando que “o silêncio pode dar cabo de uma família inteira”. “O melhor que nós podemos fazer é falar das coisas, sem medos”, aconselhou.

De acordo com Manuela Ferreira, a ideia de construção destes guias surgiu há uns anos, depois de uma família ter procurado ajuda junto da AMPLOS por causa do filho, que tinha na altura entre seis e sete anos e era discriminado na escola porque tinha comportamentos e escolhas que fugiam ao que era socialmente esperado de um rapaz.

Os guias foram sendo elaborados com a ajuda do Instituto de Apoio à Criança (IAC) e foram apresentados ao início da tarde em Odivelas, num evento para assinalar o Dia Municipal pela Igualdade. A vice-presidente da AMPLOS adiantou que a partir de sexta-feira os guias vão estar disponíveis no site da associação e que o IAC terá também exemplares em papel para distribuir pelas escolas.

A cerimónia de apresentação conta também com a presença do presidente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos de Escolas, Filinto Lima, e do presidente da Confederação Nacional de Pais, Jorge Assunção.

 

Educação sexual: escolas confirmam que não cumprem lei com uma década

Outubro 29, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia da TSF de 23 de outubro de 2019.

Por Nuno Guedes

Em causa estão o pouco tempo dedicado ao tema e a falta de gabinetes de apoio à saúde e educação sexual.

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão é visível num relatório feito pelo Ministério da Educação, que deve fiscalizar se a legislação está a ser bem aplicada.

O documento lido pela TSF resulta de questionários a que responderam, no início do ano, 633 escolas ou agrupamentos de escolas (95% do total existente no país).

As maiores carências acontecem no ensino secundário, onde apenas 36% das escolas e agrupamentos de escolas dedicam as 12 horas de carga horária prevista, por ano, ao chamado Projeto de Educação Sexual na Turma, sendo que num terço das escolas esse projeto simplesmente não existe.

No 3.º ciclo do ensino básico, onde o limite mínimo também é de 12 horas, a percentagem sobe para 57%.

No 1.º ciclo, onde o limite desce para 6 horas, os valores de cumprimento da legislação sobem para 68%, chegando a um máximo de 74% no 2.º ciclo.

Quando questionadas sobre os constrangimentos que sentem, a esmagadora maioria das escolas não responde, mas aquelas que o fazem, 12%, apontam os condicionamentos nas horas que têm disponíveis e a extensão do currículo que não deixa tempo para este tipo de temas.

Um quarto sem gabinetes para a saúde e educação sexual

A lei também prevê que as escolas devem disponibilizar aos alunos um gabinete de informação e apoio para a educação para a saúde e educação sexual, mas o relatório revela que apenas 72% o têm, com 23% a confirmarem que ainda não o criaram.

Das 153 escolas ou agrupamentos que admitem não ter este gabinete, as principais razões são a falta de recursos humanos (63 casos), falta de crédito de horas (52) e falta de espaço físico adequado (49).

O relatório refere que o número de escolas sem este gabinete para a saúde e educação sexual surge como a situação “mais preocupante”.

Várias recomendações

Com números mais positivos, 94% das escolas têm designado um professor coordenador da educação para a saúde e educação sexual e 83% já criaram uma equipa multidisciplinar para esta área.

O documento do Ministério da Educação termina com uma série de recomendações, nomeadamente, entre outras, que se encontrem espaços para abrir os gabinetes de saúde e educação sexual nas escolas e que se identifiquem as necessidades de formação dos professores.

As escolas podem ainda apresentar candidaturas ao selo de escola saudável “cujo financiamento pode contribuir para colmatar dificuldades financeiras identificadas”.

“A lei está muito à frente das práticas institucionais”

O presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas, Filinto Lima, admite constrangimentos e pede mais atenção por parte do Governo: “É preciso um apoio mais efetivo da tutela que permitisse aos professores, por exemplo, terem formação, as escolas terem espaços adequados a este tipo de situações, as escolas terem mais crédito para atribuir aos nossos professores.”

“A lei está bem concebida, está é muito à frente das práticas institucionais”, sublinha Filinto Lima, acrescentando que as próprias escolas estão a encontrar soluções para a falta de tempo e de meios.

“Nós não atiramos a toalha ao chão e colmatamos isso assegurando protocolos com os centros de saúde e é normal os médicos e os enfermeiros irem às escolas, realizarem palestras no âmbito da educação sexual”, remata.

Crianças devem comer fruta ao pequeno-almoço todos os dias, alertam nutricionistas

Outubro 29, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Público de 23 de outubro de 2019.

Estudo que indica que 99,6% das crianças inquiridas tomam o pequeno-almoço em casa, a maior parte com leite e pão ou cereais com leite, e que apenas 17% come fruta nesta refeição.

A bastonária dos nutricionistas disse que as crianças devem fazer diariamente um pequeno-almoço que inclua fruta, que segundo um estudo, divulgado esta quarta-feira, apenas faz parte da primeira refeição de 17% dos mais pequenos.

Em declarações à agência Lusa a propósito de um estudo que indica que 99,6% das crianças inquiridas tomam o pequeno-almoço em casa, a maior parte com leite e pão ou cereais com leite, e que apenas 17% come fruta nesta refeição, Alexandra Bento sublinhou a importância de a fruta fazer sempre parte da primeira refeição do dia.

Salientando que os dados deste estudo contrariam informações disponíveis de outras investigações, a bastonária da Ordem dos Nutricionistas afirmou: “Apesar destes dados, sabemos que há crianças mais carenciadas, provenientes de famílias com mais dificuldades económicas, que vão para a escola sem pequeno-almoço”. “O pequeno-almoço deve integrar vários grupos de alimentos (…) e a fruta deveria estar presente no pequeno-almoço de todas as crianças”, reforçou a responsável.

Segundo os dados recolhidos por este estudo, que incluiu inquéritos presenciais a 1.086 pais/cuidadores de crianças dos três aos 10 anos de idade em Portugal continental e na Madeira, mais de metade das crianças abrangidas (57,2%) bebe leite ao pequeno-almoço, 47,2% come pão e 31,3% cereais. O consumo de fruta é mais frequente nas crianças cujo pequeno-almoço habitual é apenas leite simples (22% dessas crianças come fruta).

Alexandra Bento sublinhou que “com mais literacia, os pais acabam por transmitir aos seus filhos que o leite, pão e fruta deverá ser a melhor solução para os seus pequenos-almoços sempre”.

Por outro lado, a responsável referiu que os casos em que a opção dos pequenos-almoços são os cereais (22,4% nas crianças dos 3 aos 5 anos e 36,3% dos 6 aos 10 anos), habitualmente mais rápidos de preparar, “exigem mais literacia dos pais”. “Isto exige mais atenção e mais literacia porque nos cereais há uma panóplia tão grande que é preciso os pais conhecerem o alimento. Temos cereais encharcados de açúcar e sal, como temos cereais de pequeno-almoço com pouco açúcar, sem sal e até com cereais integrais. É preciso saber olhar para o rótulo e saber escolher”, afirmou.

 Alexandra Bento lembrou que o pequeno-almoço é uma refeição muito importante, que deve rondar 20 a 25% do valor energético do dia da criança, com 300 a 400 calorias, num conjunto de alimentos dos diferentes grupos, e que para isso é preciso ter famílias conscientes e atentas a esta refeição.

O estudo, elaborado por uma empresa de consultoria científica na área da saúde entre Abril e Junho deste ano, indica que a maioria dos pais/cuidadores inquiridos atribui importância máxima, numa escala de 1 a 6, ao pequeno-almoço no que diz respeito à saúde (81%), crescimento (79%) e atenção/concentração da criança (74%). Esta última variante é mais valorizada nos pais de crianças entre os 6 e os 10 anos de idade.


Entries e comentários feeds.