Bullying: o que nunca deve dizer se o seu filho for vítima?

Outubro 14, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Shutterstock

Texto e imagem do DN Life de 7 de outubro de 2019.

É um problema pesado, muitas vezes associado a depressões, baixa autoestima, distúrbios de apetite e sono, ansiedade, fraco desempenho escolar, dores de estômago, solidão. E sim, o bullying é da responsabilidade de todos, pelo que também em casa devemos evitar agravar o sofrimento.

Texto de Ana Pago

“IGNORA”
Se passar ao lado do problema bastasse para resolvê-lo, não teríamos números gritantes a mostrar que um em cada quatro jovens se envolve em situações de bullying como vítima, agressor ou ambos os papéis (“por exemplo, um aluno de 7.º ano que é vítima de um do 9.º e agride, ele próprio, um colega do 5.º”, explica o psicólogo Luís Fernandes, a trabalhar nas áreas da prevenção, combate e intervenção no bullying). Pior: pedir à criança para ignorar os ataques não só não valida o seu sofrimento muito real – por alguma razão ela tentou falar consigo –, como a fará sentir-se mais sozinha e desamparada do que nunca.

“EVITA ESSES COLEGAS”
É outra sugestão bem-intencionada mais fácil de proferir que de fazer, ou não seriamos o 15.º país com mais relatos de bullying na Europa e América do Norte, segundo Luís Fernandes. “Trabalhar com os agressores é tão importante como com quem sofre, já que muitas vezes os próprios são vítimas de violência em contexto familiar”, explica o coautor (com a investigadora Sónia Seixas) dos livros Plano Bullying e Diz Não ao Bullying. Além disso, dizer a um filho que evite os bullies apenas fará com que sinta ser uma vítima deles porque não é suficientemente bom a afastar-se.

“AS CRIANÇAS SÃO MESMO ASSIM”
Se é um facto que as crianças conseguem ser bastante cruéis entre elas, que os agressores são muitas vezes vítimas de ambientes agressivos e que devemos educar para a tolerância, é também um facto que desculpas deste género nunca podem legitimar a violência. “O bullying dói muito e o agressor quer realmente fazer mal”, confirma em entrevista ao Huffington Post Barbara Coloroso, autora de The Bully, The Bullied and the Bystander (O Intimidador, a Vítima e a Testemunha em tradução livre). “Se os pais minimizarem, racionalizarem ou tentarem explicar o comportamento do bully, não tardará a que os filhos prefiram sofrer em silêncio”, acrescenta a especialista em educação.

“TENS QUE SABER DEFENDER-TE”
Na cabeça dos pais o repto irá seguramente incitar os filhos à autodefesa: como não? É como se as palavras tivessem poder em si mesmas, de tão fortes que são. Na prática, porém, o mais provável é a criança ficar a sentir que a culpa de ser vítima é toda dela, por não se saber opor ao agressor. Tal como será unicamente sua a responsabilidade de ter que aprender a defender-se o quanto antes.

“PRECISAS DE SER FORTE”
Sendo outro abanão que pretende ajudar a criança a acabar de vez com aquele sofrimento sempre presente, uma estratégia mil vezes melhor passa por tranquilizar a vítima, estar do seu lado, mostrar que vamos fazer tudo para acabar com as humilhações, adianta o psicólogo Luís Fernandes. “Dá um conforto extraordinário”, diz. E sabe-o porque uma garota de 11 anos, a quem um dia perguntou quando é que o bullying terminou para ela, lhe respondeu que foi no instante em que o pai a abraçou e garantiu que as agressões nunca mais iam voltar a acontecer agora que ele sabia de tudo.

“NÃO SEJAS TÃO DRAMÁTICO”
É capaz de ser das piores observações que uma criança pode ouvir do adulto com quem fala (por mais que este tente apenas desdramatizar o problema sem se dar verdadeiramente conta dos estragos que estará a causar ao fazê-lo). Ninguém tem culpa de ser vítima de bullies. Ninguém é violentado porque quer, pelo que os pais terão de ter especial cuidado para não passarem a mensagem errada de que os filhos estão a exagerar no que sentem.

“É SÓ UMA FASE, VAI PASSAR”
Nem uma coisa nem outra, sublinha o psicólogo Luís Fernandes, que considera haver ainda muitos mitos em torno do bullying que importa desfazer: “Não acontece só em algumas escolas, não é uma mera brincadeira e nunca deve ser encarado como uma fase que passará em breve e que, portanto, pode ser relativizada”, afirma. Até pode vir a suceder num futuro próximo, mas por enquanto ainda é um tormento que ninguém tem o direito de minimizar.

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: