O meu filho apanhou um escaldão. O que fazer? Como prevenir?

Agosto 20, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Texto publicado no site Up to Kids

Publicado por Hugo Rodrigues

O meu filho apanhou um escaldão (queimadura solar). O que fazer? Como prevenir?

O primeiro aspeto a reforçar é que todos as queimaduras solares devem ser evitadas. Isso pode conseguir-se através de uma série de medidas de proteção.

Assim, aqui ficam alguns princípios a seguir para ajudar o seu filho a aproveitar o Sol de uma forma mais saudável:

  • Evite as horas de maior intensidade de radiação (11:00 – 16:00)
  • Coloque-lhe sempre um chapéu, de preferência com abas que lhe protejam as orelhas
  • Vista-lhe uma t-shirt para estar mais protegido
  • Experimente colocar-lhe uns óculos de Sol
  • Use um protetor solar com factor de proteção 50+ (se o seu filho tiver menos de 2 anos, esse protetor deve ser com filtros 100% físicos ou minerais) e aplique-o antes da exposição ao Sol
  • Dê-lhe muita água, para repor os líquidos que ele perde com a transpiração
  • Reponha o protetor solar sempre que saia da água

No entanto, se mesmo assim o seu filho apanhar um escaldão, deve tomar as seguintes precauções:

  • Aplicar um creme pós-solar, que geralmente tem um efeito calmante e reparador
  • Passadas algumas horas pode começar a aplicar um creme restaurador hidratante, de preferência com bastante vitamina A e E (e também zinco); deve aplicá-lo, pelo menos, 2-3 vezes por dia
  • Dar medicação para as dores e/ou comichão, se necessário
  • Usar roupas leves e de algodão (de preferência brancas), para não “irritarem” a pele
  • Dar banhos mais curtos e com água mais tépida (pouco quente)

Mesmo depois de passar a queimadura deve continuar a a hidratar bem a pele, para ajudar na sua regeneração. Lembre-se que um escaldão pode ser bastante doloroso (acho que já todos passamos por isso) por isso seja compreensivo com o seu filho quando este se queixar.

Pediatra na Unidade Local de Saúde do Alto Minho, em Viana do Castelo.

Hugo Rodrigues

Voices of Children and Young People in the EU – novo relatório da Child Helpline International

Agosto 20, 2019 às 2:30 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Descarregar o relatório no link:

Voices of Children & Young People in the EU – Data from 2017

Cristina Ponte – EU Kids Online: Como é a internet usada pelos jovens e pelas suas famílias?

Agosto 20, 2019 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Texto do 90segundos de ciência de 16 de julho de 2019.

Esta investigação tem como objetivo conhecer como as crianças e jovens usam a internet e os meios digitais, e qual o impacto que estas experiências têm no seu bem-estar e no seu desenvolvimento.​

Cristina Ponte, docente na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (NOVA FCSH) e investigadora no Instituto de Comunicação da Nova (ICNOVA), coordena em Portugal o estudo europeu EU Kids Online.

Este estudo tem como base uma rede de inquéritos realizados a crianças e jovens entre os 9 e os 17 anos em vinte países da União Europeia.

“Para recolhermos este conhecimento nós fazemos inquéritos nacionais nos mais de vinte países que participam nesta rede. Nesses inquéritos temos perguntas que crianças e jovens dos 9 aos 17 anos respondem sobre as suas práticas digitais, e também temos perguntas sobre os modos como a sua família, os seus amigos, e a escola que frequentam têm uma intervenção na forma como elas lidam com o digital”, refere.

O EU Kids Online insere-se numa rede de investigação criada em 2006 que já se encontra na sua quarta edição. Entre 2015 e 2018 foram realizados novos inquéritos a crianças e jovens dos países que participam nesta iniciativa.

Alguns dos dados preliminares desta análise apontam para uma maior necessidade dos pais incentivarem os filhos a retirar um maior proveito da informação disponível online.

Os resultados de 2018 indicam que 60% dos jovens portugueses ajudam com frequência os pais a usar a internet. Contudo, apenas um quinto dos pais incentiva os filhos a pesquisar por informação online.

Estes dados também demonstram que as crianças mais novas gostam de fazer atividades online com os seus pais.

Para Cristina Ponte esta oportunidade deve ser usada pelos pais para ensinar os filhos sobre os cuidados a ter com a informação que é lida online.

“Enquanto os adolescentes já prezam a sua privacidade, as crianças mais novas gostam de estar com os pais a fazer atividades. Aí, de uma maneira informal, pode ser dada muita formação sobre formas de pesquisar, cuidados a ter com o que se lê, não acreditar em tudo o que aparece nos ecrãs, entre outros aspetos”, conclui.

Saiba mais sobre a investigadora em: Linkedin | Researchgate | Google Scholar | NOVA FCSH

Ouvir as declarações de Cristina Ponte no link:

Ep. 667 Cristina Ponte – EU Kids Online: Como é a internet usada pelos jovens e pelas suas famílias?

Crianças praticam menos desporto por falta de tempo e dinheiro

Agosto 20, 2019 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do Público de 17 de julho de 2019.

Investigação avança que as raparigas são as mais privadas da actividade desportiva por entraves associados à segurança.

Lusa

A falta de tempo e de dinheiro são dois dos principais obstáculos à prática desportiva pelas crianças, revela um estudo do Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS), Faculdade de Ciências e Tecnologia, da Universidade de Coimbra (FCTUC).

A investigação avança que “a falta de tempo e de dinheiro são duas grandes barreiras para a prática de desporto em crianças com idades entre os 6e os 10 anos”.

Mas a segurança também é um dos entraves à pratica desportiva por parte das crianças, “especialmente das raparigas”, segundo a mesma investigação, intitulada “Parental perception of barriers to children’s participation in sports: biological, social, and geographic correlates of Portuguese children”, destaca um comunicado da FCTUC.

Publicado no Journal of Physical Activity and Health, o estudo pretende identificar “as barreiras percebidas pelos pais que podem contribuir para estratégias de promoção da actividade física em crianças, e perceber até que ponto o estatuto socioeconómico, o local de residência e o sexo, a idade e a participação desportiva das crianças afectam essas barreiras percebidas”, explicita a instituição.

Dos 834 pais inquiridos, residentes nos concelhos vizinhos de Coimbra e da Lousã, “quase metade referiu a falta de tempo e a falta de dinheiro como as principais barreiras para a prática desportiva das crianças”.

Saúde, transporte, segurança, instalações, clima, cansaço e falta de interesse das crianças foram outras barreiras apontadas pelos pais.

“Como esperado, de modo geral, os pais com menor poder socioeconómico indicaram mais barreiras, principalmente a nível do custo e do transporte para a prática dessas actividades”, refere Daniela Rodrigues, primeira autora do artigo. “Curioso foi que os pais de raparigas reportaram mais barreiras relacionadas com o custo e a segurança do que os pais de rapazes”, salienta, citada pela FCTUC.

Ainda de acordo com a investigadora do CIAS, o facto de os pais das raparigas indicarem o custo e a segurança como barreiras pode, “até certo ponto e aliado a outros factores já conhecidos, ajudar a explicar porque é que os rapazes praticam mais desporto do que as raparigas”.

Em relação ao local de residência – locais com maior ou menor nível de urbanização –, a diferença mais significativa que os investigadores encontraram está na falta de tempo: “Os pais dos meios mais urbanizados referem significativamente mais vezes a falta de tempo como barreira do que os pais de meios menos urbanizados”, afirma Daniela Rodrigues.

“Comummente, a maioria das famílias, particularmente das comunidades urbanas, tem pai e mãe em empregos de tempo integral, o que pode contribuir para a falta de tempo dos pais nesses ambientes”, admite.

Os resultados deste estudo “devem ser considerados no planeamento e nas intervenções futuras para promover efectivamente a actividade física em crianças”, recomendam os seus autores. “As barreiras mencionadas pelos pais podem ser superadas em alguns casos com o envolvimento de governos locais, decisores políticos e escolas, disponibilizando sessões de desporto locais para crianças imediatamente após a escola ou durante o dia escolar”, sugerem.

O artigo citado na notícia é o seguinte:

Parental Perception of Barriers to Children’s Participation in Sports: Biological, Social, and Geographic Correlates of Portuguese Children


Entries e comentários feeds.