Falha em aplicação do Facebook permite que estranhos comuniquem com crianças

Agosto 9, 2019 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 23 de julho de 2019.

A aplicação Messenger Kids foi desenhada para que as crianças só comunicassem com quem os pais permitissem, mas um erro possibilitou a comunicação entre menores e estranhos no chat.

“Safe Kids Chat App” ou “Aplicação de Chat segura para crianças”. Assim se define a ferramenta Messenger Kids, lançada em 2017 como a versão júnior do chat do Facebook. A ferramenta permite que os pais decidam quem pode ou não contactar os filhos. Mas uma falha na construção desta ferramenta possibilita utilizadores não autorizados de comunicarem com as crianças, de acordo com o BBC. O erro foi confirmado pela própria empresa.

A aplicação nasceu com uma única promessa: dar o máximo controlo possível aos pais de crianças menores de 13 anos, garantindo que só comunicam com quem os progenitores permitam. Mas falhou na sua principal missão. “Recentemente, notificámos alguns pais sobre um erro técnico que detetámos e que afetou um pequeno número de conversas de grupo”, confirmou a empresa esta segunda-feira.

O Facebook garante que desativou imediatamente os chats afetados e promete que irá fornecer “recursos adicionais no Messenger Kids e na segurança online” para os pais e para as crianças. Em declarações à BBC, um porta-voz da empresa disse que não chegou nenhuma reclamação sobre o problema nem verificou nenhum comportamento inadequado por parte dos intervenientes na conversa.

A organização norte-americana Common Sense Media, que promove campanhas de sensibilização pela segurança online das crianças, garante que este erro veio confirmar as suas suspeitas face à aplicação.

“O Messenger Kids é apenas o exemplo mais recente de um produto do Facebook que representa riscos desconhecidos de privacidade para pais e utilizadores”, disse o fundador e diretor executivo da organização, James Steyer. “Estas preocupações com a privacidade, combinadas com sérias reservas de especialistas sobre o impacto das redes sociais para os adolescentes, levantam a questão: porque precisamos de um produto projetado para atrair as crianças?”, sublinhou.

As questões de privacidade não têm sido um tema alheio ao Facebook. Ainda este mês, a Comissão Federal do Comércio dos EUA condenou a empresa a pagar uma multa de cinco mil milhões de dólares (4,4 mil milhões de euros) devido à exposição de dados de utilizadores, no seguimento do escândalo Cambridge Analytica. Já em outubro do ano passado, tinha sido multada no Reino Unido no valor de 560 milhões de euros pelo mesmo motivo.

Raide anti-imigração no Mississippi deixa centenas de crianças separadas dos pais

Agosto 9, 2019 às 12:06 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Público de 9 de agosto de 2019.

Quase 700 imigrantes sem documentos foram detidos em cinco fábricas na mesma região. Cerca de 300 foram entretanto libertados e ficam a aguardar julgamento, mas as organizações humanitárias estão preocupadas com o trauma que a operação pode causar às crianças.

Centenas de crianças foram retiradas de infantários e escolas no estado norte-americano do Mississippi e levadas para abrigos temporários, nas últimas 48 horas, por agentes dos serviços de imigração dos EUA. Em vídeos partilhados nas redes sociais, vêem-se crianças a chorar, sem saber onde estão os pais, depois de uma operação ordenada pelo Presidente Trump para deter e deportar imigrantes sem documentos.

A operação da agência de imigração norte-americana (ICE, na sigla em inglês) foi a maior de sempre realizada num só estado do país.

Mais de 600 agentes do ICE foram enviados para detectar e identificar trabalhadores ilegais em cinco fábricas de processamento de alimentos no Mississippi, em cinco localidades. Segundo a direcção da agência, foram detidos “aproximadamente 680 estrangeiros removíveis”.

Esta sexta-feira, quase 48 horas depois da operação, cerca de 300 foram libertados por não terem cadastro, nem haver qualquer outro motivo para permanecerem detidos (o facto de não terem documentos não é razão para detenção; os que ficaram detidos já têm ordem de deportação, a maioria porque os seus processos de imigração já foram tratados, e não porque tenham cometido crimes violentos).

“Foram abertos processos nos tribunais federais de imigração e eles terão de comparecer em tribunal mais tarde”, disse o ICE, referindo-se aos cerca de 300 que foram libertados.

Os restantes 400 continuam detidos e vão ser transferidos das instalações provisórias para onde foram levados, na quarta-feira, para os centros de detenção do ICE.

A detenção de centenas de trabalhadores numa só operação, e em cinco localidades próximas umas das outras, foi notada nas escolas da região – na primeira semana de aulas.

Numa delas, no condado de Leake, 50 crianças (1/4 de todos os alunos) não compareceram às aulas na quinta-feira, depois de terem sido levadas pelo ICE na quarta-feira; noutra, no condado de Scott, mais de 150 crianças não foram às aulas; e na escola de Canton, 63 dos 400 alunos que têm o inglês como segundo língua também não se apresentaram às aulas na quinta-feira.

“Nós tentámos falar com eles”, disse ao site Buzzfeed o responsável da escola do condado de Scott, Tony McGee. “Em parte, estão com medo de regressar à escola. Não se sentem seguros nesta comunidade, mas nós dissemos-lhes que a escola é um porto seguro.”

Beverly Luckett, da escola de Canton, disse ao mesmo site que a situação “é muito triste”. “Eu sou mãe, e imagino o meu filho nesta situação. Parte o coração. Temos de garantir que as crianças são bem tratadas, e nós estamos a tentar aliviar o trauma que isto pode causar.”

A direcção do ICE disse que libertou os pais que têm menores ao seu cuidado em casa, e que também foram libertadas 18 crianças encontradas a trabalhar nas fábricas que foram alvo da operação.

Os raides do ICE foram ordenados pela Casa Branca em Julho, com o objectivo de deter e deportar “milhões de imigrantes” sem documentos. Desde então, milhares de pessoas foram detidas e enviadas para os centros da agência ou postas em liberdade a aguardar julgamento, mas o número de processos contra os empregadores norte-americanos é baixo: segundo um estudo da Universidade de Syracuse, em Nova Iorque, apenas 11 entre Abril de 2018 e Março de 2019.

O futuro das crianças é incerto. A esmagadora maioria nasceu nos EUA e frequenta o sistema de ensino norte-americano, e em muitos casos servem de tradutores para os seus pais, que trabalham em fábricas e em outros locais com baixos salários. Se os pais forem deportados, as crianças têm duas saídas: ou ficam nos EUA sem eles, ou regressam com eles a países como a Guatemala, as Honduras e El Salvador.

Depois de El Paso e Dayton, compram-se mochilas à prova de bala para as aulas

Agosto 9, 2019 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Photo: Danny Hermosillo

Notícia do Público de 7 de agosto de 2019.

Durante a última semana, quatro tiroteios nos EUA provocaram 36 mortos. Só este ano, houve 32 tiroteios com múltiplas vítimas no país. Perante o cenário, as vendas de mochilas à prova de bala estão a aumentar: “Já vendemos 300 nos últimos dias”, disse o proprietário de uma marca de mochilas.

Cadernos, lápis, canetas e… mochilas à prova de bala. São assim as listas de compras para o regresso às aulas nos Estados Unidos. No espaço de oito dias houve quatro tiroteios que provocaram 36 vítimas mortais, incluindo dois atiradores que foram abatidos. À luz destes acontecimentos, nos supermercados americanos a venda de mochilas à prova de bala está a aumentar a um ritmo alucinante.

As mochilas da Guard Dog Security já eram um “item popular”, refere Yasir Sheikh, presidente e fundador da Skyline USA, uma empresa que comercializa estes produtos, ao canal televisivo CNBC. Mas nos últimos anos a procura tem vindo a aumentar, especialmente após tiroteios em escolas e noutros espaços públicos. Depois do último fim-de-semana, em que os Estados Unidos viram dois tiroteios a acontecer num espaço de 24 horas, em El Paso, Texas, e em Dayton, Ohio, registou-se um pico de vendas.

Roman Zrazhevskiy, do Ready To Go Survival, uma empresa de “kits de sobrevivência”, acredita que as encomendas do fim-de-semana são mais do que “altas”: “A nossa referência é de 100 unidades por mês. Já vendemos 300 nos últimos dias”, disse ao Houston Chronicle, citado pelo site australiano news.com.au. A Bullet Blocker, que já vende este tipo de mochilas há mais de uma década, diz que as vendas aumentaram em mais de 200% nos últimos anos.

“A mochila Guard Dog parece uma mochila normal. Com uma divisão para o computador e bolsos para organização, apenas é um pouco mais pesada do que uma mochila sem armadura”, lê-se no site da marca. A ideia, diz Sheikh, é que a mochila “não faça quem a usa parecer que vai para a guerra”. Outras empresas, como a ArmorMe, vão mais longe e recomendam que os pais façam uma espécie de “treino” e criem cenários de tiroteio em casa com as crianças, usando a mochila como escudo. “Nunca sabemos quando um ataque violento pode acontecer”, lê-se no site.

A venda destas mochilas levanta questões: William Bratton, antigo comissário do Departamento de Polícia de Nova Iorque, alerta para o facto de as mochilas não serem eficazes para o tipo de armas normalmente utilizadas nos tiroteios nas escolas. Mais ainda, refere, citado no texto da CNBC, que é preciso “ter cuidado com o nível de medo que se está a criar nas crianças”.

“Estamos a pedir às crianças para enfrentarem atacantes porque os políticos têm demasiado medo de se opor ao lobby das armas”, disse, por seu turno, Shannon Watts, fundadora da organização Moms Demand Action for Gun Sense in America, ao New York Times. Igor Volski, director do grupo Guns Down America, lamentou o facto de “o mercado estar a tentar resolver um problema que os políticos se recusam a resolver”.

“Os pais não deviam ter que comprar uma mochila à prova de bala para manter os seus filhos seguros na escola”, escreveu Kamala Harris, senadora democrata e procuradora-geral da Califórnia, no Twitter. “Isto não devia ser normal.”


Entries e comentários feeds.