Em Lisboa, há um laboratório a estudar o desenvolvimento da fala de bebés com trissomia 21

Junho 21, 2019 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do Público de 23 de maio de 2019.

O projecto Horizonte 21 pretende encontrar elementos cruciais nas perturbações da fala nos bebés com trissomia 21 e contribuir assim para o acompanhamento clínico destas crianças ao nível da linguagem.

Teresa Sofia Serafim

No Laboratório do Bebé de Lisboa (Lisbon Baby Lab), 42 bebés com trissomia 21 entre os cinco e os 30 meses estão a ser estudados. Neste laboratório da Universidade de Lisboa quer saber-se quais são os sinais precoces no desenvolvimento da linguagem destes bebés. Até agora, percebeu-se que as suas competências para segmentar as palavras se desenvolvem mais tarde do que nos bebés sem perturbações no neurodesenvolvimento.

“Surpreendentemente, os défices linguísticos na síndrome de Down [trissomia 21] estão entre os menos estudados, em particular no que respeita ao desenvolvimento inicial da linguagem e comunicação, isto é, as capacidades de percepção e linguagem”, diz ao PÚBLICO Sónia Frota, directora do Laboratório do Bebé de Lisboa.

Desta forma, em Abril de 2016 iniciou-se o projecto Horizonte 21 para colmatar essa falha. Ao fazer um estudo longitudinal em bebés com trissomia 21, o grande objectivo deste trabalho é obter dados sobre a percepção da linguagem nestas crianças. Espera-se assim conseguir elementos crucias para a compreensão das perturbações da linguagem e de como estão relacionadas com as capacidades cognitivas. No final, pretende-se ainda que este estudo tenha implicações nos planos de intervenção e acompanhamento clínico destes bebés ao nível da linguagem e comunicação.

E como se chegará até aí? Ao longo do estudo, os bebés com trissomia 21 realizam as mesmas experiências que foram usadas para analisar o desenvolvimento de bebés sem risco de perturbações de linguagem e comunicação. “Essas tarefas visam estudar as competências dos bebés para a percepção de melodias e outras características prosódicas [melodia e ritmo] da linguagem determinantes para a comunicação, para a segmentação de palavras no contínuo da fala ou para a aprendizagem de palavras”, especifica Sónia Frota, que falou deste projecto nas 2.ª Jornadas do Centro de Estudos do Bebé e da Criança do Hospital Dona Estefânia esta semana em Lisboa.

Por exemplo, uma das tarefas da aprendizagem de palavras é observar a distribuição do olhar do bebé por uma imagem durante a exposição a estímulos sonoros. Essa observação é feita através de eye-tracking, aparelho de registo do movimento de olhos.

Até agora, já se obtiveram dois tipos de resultados. Primeiro, percebeu-se que as competências para segmentar palavras (sequências de sons que os bebés captam como sendo palavras) no contínuo da fala desenvolvem-se mais tardiamente nos bebés com trissomia 21. “No segundo ano de vida, os bebés com síndrome de Down começam a mostrar competências de segmentar palavras semelhantes às verificadas a partir dos cinco ou seis meses nos bebés de desenvolvimento típico”, indica a cientista.

Depois, os bebés com trissomia 21 também seguem um padrão diferente a segmentar palavras daquele que se registou em bebés sem perturbações no neurodesenvolvimento. Este padrão diverge de outros bebés porque “não têm facilidade em reconhecer as palavras em posições proeminentes do enunciado, que são posições mais salientes e perceptíveis”, esclarece Sónia Frota, acrescentando que vai apresentar este estudo recente na Conferência do Desenvolvimento Inicial de Bebés e Crianças, em Lancaster, no Reino Unido, em Agosto.

Sugere-se assim que os bebés com melhor desempenho em tarefas de segmentação de palavras têm também um melhor desenvolvimento da linguagem, particularmente a nível expressivo. “Estes resultados levantam a hipótese de intervenções vocacionadas para promover a percepção e segmentação da palavra no contínuo da fala poderem contribuir para favorecer o desenvolvimento da linguagem e da comunicação em crianças com síndrome de Down”, diz ainda a investigadora.

Este projecto termina em Dezembro de 2019, mas ainda se pretende descrever e compreender como se processa o desenvolvimento inicial da linguagem na síndrome de Down e estabelecer quais são os marcadores precoces de desenvolvimento da linguagem na trissomia 21. Isto é: quais são os sinais indicadores no primeiro e no segundo ano de vida no desenvolvimento futuro da linguagem?

Em Novembro, antes de o projecto terminar, o Laboratório do Bebé de Lisboa organizará um workshop internacional sobre o desenvolvimento da linguagem em perturbações do desenvolvimento, o “NeuroD-Well – Linguagem Precoce nas Perturbações do Neurodesenvolvimento”. Numa das sessões serão apresentados alguns resultados do Horizonte 21.

 

Escolas preparam alunos para um “mundo que já não existe”

Junho 21, 2019 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do Observador de 4 de junho de 2019.

Deixa de importar aquilo que sabemos e passa a importar o que “fazemos com a informação que temos”. O conhecimento está “à distância de um telemóvel” e a escola tem de adaptar-se à nova realidade.

O futuro das crianças que se iniciam agora na escola é uma incógnita mas, mesmo assim, continuam a ser ensinadas através de “um programa curricular pensado há muitos anos”, criticou Rod Allen, mentor e co-autor de uma profunda reforma curricular no Canadá, que esta terça-feira esteve no Encontro Nacional de Autonomia e Flexibilidade Curricular, a decorrer na Figueira da Foz.

A mudança no Canadá surgiu quando se aperceberam que estavam “a preparar os alunos para um mundo que já não existia”, recordou o ex-vice-ministro adjunto da província canadiana da Colúmbia Britânica.

“Hoje, se queremos saber alguma coisa temos os telemóveis que sabem muito mais do que nós”, ironizou, explicando que do outro lado do Atlântico decidiram mudar o enfoque: “Já não é importante o que sabemos, mas sim o que fazemos com o que sabemos”.

Deixou de fazer sentido a ideia de que a escola servia para debitar informação que era memorizada até ao dia do exame e rapidamente esquecida para decorar outra matéria. O foco transferiu-se do “saber” para o “perceber”.

“Não estamos formatados para aprender em fábricas”, defendeu Rod Allen, explicando que quando um professor ensina apontando para a média da sala de aula acaba por “perder metade da turma”.

A diversidade de estudantes obriga a um ensino que permita aos alunos “explorar paixões e vontades” numa escola onde a relação entre professores e estudantes mudou, afirmou.

“Temos professores excelentes que fazem magia na sala de aula”, disse o especialista, explicando que na sua província já não há hierarquia entre docentes e alunos: “São todos iguais, são todos aprendizes, só que uns são mais velhos do que outros”.

Para o sucesso do novo programa, envolveram os alunos e deixaram que participassem na sua própria aprendizagem, à semelhança do que aconteceu este ano em Portugal.

A escola passou a preocupar-se em ensinar a trabalhar em equipa, dar ferramentas para que os alunos tivessem capacidade de resistência ou conseguirem resolver um problema, exemplificou Rod Allen.

A aparência da escola também mudou. Houve quem tirasse as secretárias das salas de aula, quem permitisse aos alunos aprender em todos os espaços da escola ou optasse por sair para fora dos muros do recinto escolar para aprender.

“Pode parecer o caos, mas é desafiante”, explicou, acrescentando que também os manuais escolares deixaram de ser a peça chave da sala de aula.

A ideia é “alterar as escolas para que deixem de ser fábricas, mas sim sítios de aprendizagem”, lembrou o especialista que acredita que “todos os alunos podem aprender” e “ninguém é deixado para trás”.

Esta ideia também foi defendida pela secretária de estado adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, que hoje apontou o programa de autonomia e flexibilidade curricular como uma das medidas do Governo que veio permitir uma “escola mais inclusiva”, mas também “mais exigente”.

O programa de flexibilidade garante que a “escola não deixa ninguém para trás”, acrescentou Alexandra Leitão, sublinhando a confiança nas escolas e a “capacidade e motivação dos professores” que tornaram realidade o primeiro ano de aplicação do programa de autonomia e flexibilidade curricular em todas as escolas.

Quando o novo programa curricular foi posto em prática no Canadá “houve muita gente preocupada”, mas “os resultados dos alunos melhoraram”, garantiu Rod Allen.

Por cá, também há quem se mostre receoso em relação às aprendizagens, mas o grupo de alunos que hoje esteve na conferência na Figueira da Foz garante que aprende mais agora e diz preferir esta “nova escola”, com mais liberdade, mas também mais responsabilidade.

 

Seminário “Pensar a Participação das Crianças na Tomada de Decisão Pública” 2 julho na Assembleia da República

Junho 21, 2019 às 8:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

A entrada está sujeita a inscrição prévia até dia 25 de junho de 2019 e sujeita à lotação da Sala do Senado.

mais informações no link:

https://www.cnpdpcj.gov.pt/seminario-pensar-a-participacao-das-criancas-na-tomada-de-decisao-publica.aspx?fbclid=IwAR3hv3Z-o7h1rnK-1EdSuCS2jiAlkvkD8cYIlveWq5vGeJ2MxhGkr_JcWa4

Zero violence against Children by 2030

Junho 21, 2019 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações no link:


Entries e comentários feeds.