Alerta: novo esquema de sextortion em vários países, incluindo Portugal

Novembro 1, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto e imagem do site da APAV de 10 de agosto de 2018.

Sextortion consiste na ameaça de publicação de imagens privadas e sensíveis, de cariz sexual, a menos que a vítima pague uma determinada quantia ao criminoso. O esquema atualmente em circulação consiste no envio de uma mensagem de e-mail por um alegado hacker que afirma ter acedido à webcam da vítima e ter na sua posse vídeos da pessoa em causa a ver filmes pornográficos na internet. O remetente do e-mail ameaça divulgar estes vídeos se a vítima não lhe pagar o montante exigido. Para aumentar a credibilidade da sua mensagem, o criminoso informa que conhece a password do e-mail do destinatário e indica-a no e-mail. O criminoso teve acesso a esta password (atual ou antiga) do destinatário em virtude de situações anteriores de obtenção ilícita e massiva e subsequente divulgação online de dados de acesso a contas de e-mail.

A ameaça não é credível e deve ser ignorada. No entanto, se for vítima desta tentativa de ataque:
não responda ao e-mail;
não efetue qualquer pagamento: para além de muito provavelmente neste caso o criminoso não ter na sua posse qualquer vídeo seu, o pagamento vai incentivá-lo a continuar a chantageá-lo a si e a outras pessoas;
altere a sua password, sobretudo se a que o criminoso mencionou no e-mail que lhe enviou for a atual: é importante para se proteger deste e de outros esquemas informáticos que as suas passwords sejam seguras e alteradas com regularidade;
denuncie a situação ao Ministério Público ou à polícia.

 

As crianças têm direito a não dar beijinhos

Novembro 1, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Shutterstock

Texto do Notícias Magazine de 18 de outubro de 2018.

Texto de Sofia Teixeira | Ilustração Shutterstock

Quem tem filhos pequenos conhece o filme: frequentemente familiares, amigos e conhecidos querem beijinhos dos miúdos quando os encontram e, também frequentemente, os miúdos recusam. Faz sentido insistir com os pequenos para darem beijos ou deve ser a criança a escolher como cumprimentar?

Carolina Pimentel, 33 anos e três filhos, tem em casa um autêntico “expositor” do que são as diferenças de personalidade, socialização e atitude perante manifestações de afeto. Rodrigo, de 7 anos, escondia a cabeça no meio das pernas dos pais quando era mais novo, continua tímido e envergonhado e não dá beijos nem abraços a ninguém.

Sebastião tem 5, ainda ninguém lhe pediu nada e já ele se está a esticar para dar beijos e abraços (cumprimenta e despede-se de toda a gente, mesmo que seja ao entrar e sair de um elevador, cheio de desconhecidos, no centro comercial). Mafalda, de 2 anos, faz jus à fama de esta idade ser temperamental e tem dias: ora está expansiva e beijoqueira, ora relutante em aproximar-se de alguém.

Carolina tem feito sempre questão de lhes explicar que dar beijos é opcional, ser bem educado é obrigatório. “Respeitamos os momentos e a personalidade de cada um. Sabem que “olá”, “boa tarde”, “adeus” têm sempre de dizer, que devem responder quando falam com eles, mas os beijinhos e abraços dão quando querem e a quem querem, sem obrigações.”

As crianças, como os adultos, têm diferentes níveis de tolerância ao contacto físico por parte de pessoas que não lhes são próximas. “O que para algumas crianças é prática comum, para outras pode ser muito incomodativo ou mesmo causar-lhes repulsa”, explica a psicóloga Carla Pacheco, defendendo que os limites de cada um devem ser respeitados.

Parece óbvio e do mais elementar bom senso, mas há pais que continuam a sentir-se incomodados perante a recusa dos filhos no que toca a cumprimentos físicos e há adultos que interpretam essa recusa das crianças como falta de educação.

Já a psicóloga clínica Cláudia Leal admite que, para os padrões da nossa sociedade, o cumprimento de beijinho faz parte da socialização, mas é importante que os pais consigam perceber que educação, regras e limites não devem chocar de frente com o respeito pelos afetos dos filhos, ainda que, por vezes, eles façam escolhas que vão contra o que é socialmente esperado.

Por essa razão, não tem dúvidas: “Os pais devem incutir-lhes a liberdade de poderem escolher a maneira como saúdam as pessoas, conhecidas ou desconhecidas. Com um passou-bem, um “boa-tarde” ou simplesmente com um sorriso e um aceno continuam a ser educados e simpáticos para com os outros, sem necessidade do beijo ou do abraço.”

Para Carolina, as recusas – quase sistemáticas de Rodrigo e esporádicas de Mafalda – são geridas com naturalidade e sem drama. Perante o pedido de alguém e a recusa deles, estando por perto, dirige-se aos miúdos dizendo: “Não precisas de dar beijinho, mas tens de dizer olá.”

“Nunca tive reações negativas entre o círculo de amigos ou conhecidos.” Mas admite que é mais difícil com pessoas mais velhas, como os avós e as tias, que não veem com tanta frequência. “Às vezes para os avós paternos é difícil aceitar. Mas explico-lhes que obrigar os meus filhos a dar beijinhos era o mesmo que obrigarem-me a mim a beijar alguém: não faz sentido.”

Cláudia Leal defende que a sensibilização para os afetos é muito importante para o desenvolvimento saudável de uma criança, mas não pode valer tudo. “Seja com os avós, tios, amigos ou até conhecidos, devemos sempre incentivar a retribuição de um gesto carinhoso, de uma palavra doce. Podemos e devemos promover o carinho, mas não podemos esquecer que o sentir não se impõe. Ao forçar, cria-se um falso conceito de afeto”, defende.

De acordo com a psicóloga, muitas vezes, as crianças aceitam cumprimentar alguém dessa forma, mesmo quando não gostam, com medo de serem castigadas. “Que liberdade de sentir lhes damos assim?”, questiona.

Carla Pacheco concorda: é importante sensibilizá-las para os estados emocionais dos outros e para o efeito das suas ações nelas, mas isto deve ser feito “sem culpabilização, chantagem ou com vista a convencer a criança, mas apenas com o intuito de fomentar a empatia e lhe permitir ser ela própria a desenvolver estratégias de retribuir o carinho e a atenção, nos seus próprios termos.”

Há quem vá mais longe e entenda que as imposições são perniciosas: ensina-lhes que devem submeter-se a contacto físico não desejado, só porque esse é o desejo dos outros. A coach parental norte-americana Jennifer Lehr criou celeuma no seu blogue quando, há dois anos, defendeu que este comportamento dos pais leva a criança a percecionar como sendo normal o uso do corpo para satisfazer os desejos alheios.

E – apesar de ter sido acusada por muitos de ser extremista – defendeu que isso era meio caminho andado para a criança tolerar uma relação abusiva, tanto na infância como na adolescência.

Carla Pacheco confirma que é essencial respeitar o espaço pessoal da criança, promovendo a noção de respeito por si própria e pelos seus afetos. “Ao forçarmos uma troca de afeto que não é sentida, estamos a transmitir-lhe a ideia de que a sua vontade, no que respeita ao seu espaço pessoal e aos seus afetos, poderá não ser tão válida como a de terceiros.”

A psicóloga defende que é importante não cairmos em extremismos – “Não vamos traumatizar a criança por a forçar a dar um beijinho à tia que veio de longe” –, mas que é importante refletirmos sobre qual é a mensagem implícita neste comportamento e quais são, afinal, as nossas verdadeiras motivações para isso.

“Enquanto pais, podemos sentir-nos melindrados, por receio de ver a nossa competência parental posta em causa pelos outros. Mas importa ter em mente que a criança é um indivíduo de direito próprio e que não existe para ir ao encontro das necessidades ou expetativas de terceiros.”

BEIJINHOS DAS VISITAS TODAS AO RECÉM-NASCIDO? É MELHOR NÃO.

Apesar de poder haver um batalhão de gente a querer ver, pegar e dar beijos ao bebé nos primeiros dias – seja na maternidade, seja já em casa, é prudente que, sem extremismos, haja alguma salvaguarda. O bebé esteve nove meses num ambiente perfeitamente estéril, protegido do exterior. Quando nasce tem alguma imunidade devido aos anticorpos da mãe, mas o sistema imunitário ainda é muito frágil e impreparado para lidar com os milhões de microrganismos do ambiente.

Herpes, mononucleose ou um simples vírus da gripe, que em crianças mais velhas ou em adultos não costumam ter um impacto muito grande na saúde, podem, num recém-nascido, provocar complicações. Por isso, sobretudo no primeiro mês de vida, as visitas devem ter o cuidado de não pegar no bebé se estiverem doentes e de lavar as mãos antes de lhe dar colo. Os beijos devem ser limitados às pessoas mais próximas da família e devem ser dados preferencialmente na testa ou cabeça, não na cara ou nas mãos.

 

O Zé não lê, não escreve e não fala. “Pode parecer frio, mas ele não precisa do que se dá nas aulas tradicionais”

Novembro 1, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

CHARLY TRIBALLEAU/ Getty Images

Texto do Expresso de 9 de outubro de 2018.

Marta Gonçalves

Zé, José Pedro Miguel, na verdade. 16 anos. Aluno do 9º ano em Cascais. Autismo médio-grave diagnosticado. Nunca antes esteve a tempo inteiro com os 20 e pouco colegas da sua turma. Até ao ano letivo passado estava a maioria do tempo na sala de ensino especial. As coisas mudaram. A lei está diferente.

Não é fácil que Zé fique sossegado por mais de 40 minutos, a mãe diz-nos que é quase impossível. Querem que fique uma hora e meia sentado na sala de aula.

Não é fácil que Zé compreenda mais que uma ordem direta. Querem que ele compreenda as aulas de físico-química.

Não é fácil que Zé esteja num ambiente novo. Querem que ele esteja numa sala onde poucas vezes esteve.

Não é fácil que Zé fique em sítios com muito barulho porque ouve a triplicar. Querem que ele fique numa sala com mais 20 crianças.

Zé, José Pedro Miguel, na verdade, não lê nem fala. 16 anos. Aluno do 9º ano em Cascais. Autismo médio-grave diagnosticado (ao qual está muitas vezes associado a hiperatividade). Nunca antes esteve a tempo inteiro com os 20 e pouco colegas da sua turma. Até ao ano letivo passado estava a maioria do tempo na sala de ensino especial. As coisas mudaram. A lei está diferente. Os políticos querem educação inclusiva, que na verdade é também o que querem pais, professores, diretores e escolas. Querem-no de outra forma, com outros prazos.

“Se o Zé não ouve, não compreende, qual a lógica de estar a ter aulas de língua portuguesa?” Alexandra Miguel tem muitas dúvidas por estes dias. Com as novidades na lei, ainda não sabe ao certo o que vai acontecer ao filho. Sabe que nos primeiros dias de aulas Zé esteve a retomar rotinas e que de agora em diante, aos poucos, vai estar nas aulas práticas de físico-química e nas educação-física.

“Para ele é um suplício estar num pavilhão, como ouve a triplicar é todo aquele barulho normal de um jogo mas três vezes mais alto”, explica a mãe. E continua: “Não sabe escrever, não sabe ler, não sabe falar. Tudo o que faz e trabalha é ao nível da memória, do desenvolvimento da autonomia. Isso é que interessa ao Zé. O problema dele é esse. Pode parecer frio, mas ele não precisa [daquilo que se dá nas aulas tradicionais]. Não tem hipótese alguma de aprender. O meu filho vai ouvir a professora e não vai captar nada. Entende ordens diretas, frases curtas e objetivas. Nada mais.”

Hoje Zé já não tem terapia na escola (“perdeu direito a todas”), quando entrou na pré-primária era acompanhado três vezes por semana pela terapeuta da fala (“como não fala, acham que não precisa”), duas por psicomotricistas e outras três por terapeutas ocupacionais.

“Este ano está tudo muito esquisito. A natação é o melhor desporto que lhe podem dar – aliás, é assim com tudo o que inclua água. É como se tivesse tomado uma dose de calmantes. É extremamente importante para ele nadar. Nos outros anos, por esta altura, já costuma estar tudo organizado e ainda não sei nada”, conta Alexandra. Possivelmente, Zé vai ter equitação e vela, ambas as atividades são disponibilizadas pela Câmara de Cascais.

Zé tem um horário tal qual os colegas. Com diferentes horas de entrada e saída a cada dia. A mãe sabe a sorte de poder estar em casa sem trabalhar e que ainda consegue pagar algumas coisas que a escola não não dá ao filho. “Chegámos a gastar mais de mil euros por mês em acompanhamento para o Zezito, mas agora não conseguimos. Felizmente, vamos arranjando outras coisas.”

Há duas semanas que a escola começou. Há duas semanas que Zé está entre o ano passado e o novo, entre o método antigo e a escola inclusiva que lhe prometem. Ainda não foi avaliado pela equipa multidisciplinar – criada agora para determinar como cada um deles vai aprender. Há uma espécie de lista de espera: primeiro, os urgentes; depois, os sérios; seguem-se os graves; os não tão preocupantes e vai por aí (o secretário da Educação disse ao Expresso que esta fase deve estar terminada no final de novembro). Identificam-lhes as dificuldades, as estratégias e aplicam-nas: pode estar numa sala de ensino especial – que segundo a nova lei são centros de apoio à aprendizagem – ou acompanhado por alguém durante as aulas ou ficar sozinho e ter algumas metodologias específicas do professor da disciplina.

A grande diferença em 2018/2019 é que o sistema de ensino passa a considerar-se uma forma de educação inclusiva. Quer isto dizer que estas medidas de apoio são universais e podem ser introduzidas no vida escolar de qualquer menino ou menina. O critério deixa de ser simplesmente médico, há muito mais a ser considerado (dificuldades económicas ou até o historial familiar).

Enquanto isto se vai fazendo, Zé está à espera.

“Entregados ou integrados”

“Há mais do que uma explicação científica que prova que meninos com menos competências ficam melhores se aprenderem com as outras crianças; já para os alunos sem estas dificuldades, o contacto com a diversidade é fundamental. Percebem a diferença, desenvolvem valores de solidariedade, não ficam prejudicados nas aprendizagens. A diversidade em si é um bem e não um problema”, diz José Morgado, professor com especialização em Educação Inclusiva no ISPA – Instituto Universitário. “É no contexto escolar que a grande maioria das crianças aprende uma diversidade de competências que dificilmente vão aprender noutros contextos. Vivenciam e crescem com valores de respeito ao outro e às diferenças”, explica a equipa técnica do PIN – Centro de Desenvolvimento.

José Morgado define cinco critérios fundamentais: ter o direito à educação, estar no espaço educativo de crianças da mesma idade, participar nas atividades o mais possível, pertencer à escola e à comunidade escolar e aprender ao máximo. Ter, estar, participar, pertencer, aprender. “Isto são apenas os princípios. Todas crianças conseguem estar numa sala de aula? Não. Mas quanto possível devem estar nas salas de aula”, sublinha. “O que está a acontecer é que em nome da inclusão estamos a promover exclusão. Não basta pegar numa criança e colocá-la na sala e dizer que está incluído apenas porque está junto aos outros. Costumo dizer: isso é entregados, não integrados.”

Estarem no mesmo espaço? Sim. Mas estando bem. E estar bem significa ser útil, fazer o que se é capaz, aprender consoante as suas competências.“Não estarem depositadas” na sala. “Embora a normativa tenha aspetos positivos e, no ponto de vista da sua conceção, ser um avanço em relação à legislação anterior, conheço dezenas de relatos de coisas a correr mal. Não vale a pena achar que está a correr tudo bem. Como se por decreto-lei as crianças ficassem normalizadas… Provavelmente estou a caricaturar, mas tem sido quase isto que me chega: dão os mesmo trabalhos que dão aos outros miúdos, como se por um passo de mágica fossem capazes de entender num âmbito pedagógico em que nunca participaram.”

Assim podem nascer as resistências, o receio de ir para a escola, um local onde não se sentem bem pois têm perceção daquilo que as rodeia, alerta. “Sou o primeiro a reconhecer que não é algo fácil de fazer e exige recursos. Mas não podemos ter os números da inclusão e não ter inclusão”, defende José Morgado. A nova lei é a oportunidade para enraizar o conceito da inclusão. Os problemas têm estado na operacionalização. Os casos que envolvem problemas de comunicação são os mais complicados. A aprendizagem faz-se maioritariamente pela comunicação verbal e são poucas as vezes em que há alternativas. E Zé sente isso, usa sobretudo cartões para dizer o que quer

Até cerca dos dois anos, os pais nunca souberam que o seu Zézito não era como as outras crianças. Era o segundo filho. Um dia, a correr pelos corredores de casa, caiu. Levaram-no ao médico. Desde desse dia, Alexandra ficou ainda mais atenta. O filho chorava, parava. Estava tudo bem. O choro recomeçava. Parava. Estava tudo bem. Era isto uma e outra vez. “Estávamos todos na festa de anos da prima dele e não me largava as pernas, sempre a choramingar, nervoso, a tremer. Nada daquilo me parecia normal.” Alexandra voltou ao pediatra. “Deu-lhe uns cubos para as mãos e o miúdo atirou-os ao chão. Teve meia dúzia de reações e o médico desconfiou logo.”

Nel usa o computador em vez do papel e caneta

Manuel está como Zé: à espera. Também tem uma perturbação do espectro do autismo e também ele ainda não foi avaliado, não estava no topo da tal lista de espera. Anda no 5º ano e, por opção dos pais, no ano passado completou apenas metade das disciplinas, agora vai fazer as que faltam – incluindo matemática e história e geografia de Portugal.

“Foi erro nosso. Agora percebemos que teria feito o 5º ano todo no ano passado, tinha conseguido”, diz o pai João Veiga. O currículo de Nel – assim lhe chama o pai – é adaptado: aprende o que todos os colegas aprendem com métodos diferentes.

Ainda há dias, acabara João de regressar de uma reunião na escola – “onde me disseram que nada estava planeado em concreto para o meu filho” – e recebe uma chamada. Pediram-lhe para regressar, Nel estava agitado, com um episódio de comportamentos disruptivos. Tem acontecido algumas vezes. O regresso à escola após as férias não é simples (“a expectativa dos professores era que o meu filho regressasse às aulas como os demais”) e no caso de uma criança com perturbação do espectro do autismo, que vive organizada em rotinas, é mais caótico. E isso desencadeia alguns comportamentos: bater na cabeça, alguma violência, sons altos.

“O diagnóstico de perturbação do espectro do autismo caracteriza-se por dificuldades na interação social e na comunicação, associadas a ações repetitivas e interesses restritos”, esclarece o PIN. No entanto, são características variáveis. “Podem necessitar de um maior nível de organização e maiores cuidados no que respeita aos estímulos sensoriais, como os ruídos das salas ou dos refeitórios, bem como apoio ao nível da interação e comunicação com os seus pares, não só na sala como frequentemente no recreio”, acrescenta. As alterações à rotina, como uma visita de estudo, devem ser antecipadas e preparadas.

João Veiga demorou pouco a regressar à escola, não mora longe. “Encontrei umas quantas pessoas a agarrarem o meu filho e a impedirem-lhe os movimentos, mais outras tantas ali paradas a olhar. Aproximei-me e bastaram segundos para o acalmar.” O regresso à rotina da escola após as férias não é simples. Os professores mudaram e também a turma. Falta uma continuidade de trabalho. “É como estivéssemos sempre a começar do zero”, diz o pai. E a questão não está na nova lei, “é a luta de sempre”.

Manuel não entende metáforas, precisa de textos diferentes dos colegas de turma, usa o computador em vez dos cadernos e canetas. Tem feito o percurso académico de qualquer outra criança. Na escola, em tempos insistiram que ele deveria seguir outro caminho.

“No fundo, o currículo específico é fazer atividades de vida diária com muito pouca preocupação com a vertente académica. Colaborarem no refeitório da escola, aprenderem a ir às compras…” Mas Nel sempre fez isso em casa, aliás, ir ao supermercado com o pai é das coisas que mais gosta de fazer. “Não era significativo para ele. Tem competências cognitivas significativas. Não são superiores nem inferiores à média. São as que lhes permitiram fazer o percurso escolar com dificuldades mas que lhe têm permitido fazê-lo.”

Manuel gosta de legos e construções. Zé prefere passear – não há um fim de semana que fique em casa, precisa de ver o mar.

Nota: O título e o início do texto foram alterados às 16h de 10 de outubro de 2018. O Zé terá apenas aulas de físico-química e educação física, não vai participar em todas as disciplinas como tínhamos inicialmente noticiado. A mãe, Alexandra Miguel, havia dito ao Expresso que o filho iria frequentar as disciplinas todas, pois “por estar tudo tão confuso fui induzida em erro”. Entretanto, contactou o Expresso para corrigir a informação que tinha inicialmente prestado

 


Entries e comentários feeds.