Há quase 13 mil crianças migrantes detidas nos EUA. O nível mais alto de sempre

Outubro 2, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Expresso de 13 de setembro de 2018.

Os níveis de população nos abrigos para crianças migrantes dispararam mais de cinco vezes desde o último verão, atingindo um total de 12.800 em setembro, relata o NYT. Em maio do ano passado, eram 2400 crianças sob custódia. A burocracia e o medo têm desencorajado familiares e amigos das famílias a apresentar-se para ficarem com as crianças.

O número total de crianças migrantes detidas nos EUA subiu para o nível mais alto alguma vez registado. Segundo dados obtidos pelo jornal “The New York Times” (NYT), os níveis de população nos abrigos para crianças migrantes dispararam mais de cinco vezes desde o último verão, atingindo um total de 12.800 em setembro. Em maio do ano passado, estavam 2400 crianças sob custódia.

Estes aumentos, que têm colocado o sistema federal de abrigos no limite da sua capacidade, não se deve ao fluxo de crianças que entram no país mas à redução do número de menores libertados para voltarem para junto das suas famílias e outros cuidadores. A informação consta dos dados recolhidos pelo Departamento de Saúde e Serviços Humanos, sugerindo alguns funcionários que o estrangulamento está a sobrecarregar tanto as crianças como o sistema que delas cuida.

A maioria das crianças atravessou a fronteira sozinha, sem os pais. Muitas são adolescentes da América Central e estão alojadas num sistema de mais de 100 abrigos espalhados pelos EUA, com a maior concentração perto da fronteira sudoeste.

Burocracia e medo desencorajam familiares e amigos a reclamarem crianças

Os novos dados foram relatados a membros do Congresso, que, por sua vez, os partilharam com o jornal norte-americano. De acordo com o NYT, esta situação mostra que, apesar dos esforços da Administração Trump para desencorajar os migrantes da América Central, aproximadamente o mesmo número de crianças está a cruzar a fronteira como em anos anteriores. A grande diferença é que a burocracia e o medo provocado por políticas mais rigorosas de controlo têm desencorajado familiares e amigos das famílias a apresentar-se para ficarem com as crianças.

A capacidade dos abrigos ronda os 90% desde maio, em comparação com os 30% de há um ano. Operadores no terreno acreditam que qualquer vaga de passagens da fronteira, que pode acontecer a qualquer momento, poderá sobrecarregar rapidamente o sistema.

 

 

 

O brincar no bebé não é feito ao acaso – Eduardo Sá

Outubro 2, 2018 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Photo by Åsmund Gimre on Unsplash

Texto de Eduardo Sá publicado no site Pais & Filhos de 24 de outubro de 2017.

O brincar do bebé liga ritmos, regras e rotinas. Conhece. Experimenta. Desafia medos e limitações. Crónica de Eduardo Sá.

Os bebés passam grande parte dos seus primeiros meses a observar. É um observar atento, através do qual estabelecem relações de causa e efeito. Na verdade, eles educam o olhar

Sempre que reparamos na forma como as crianças brincam, é tocante a seriedade com que o fazem e o jeito – quase infatigável – como se entregam ao seu brincar. É claro que, de forma intuitiva, percebemos que o brincar lhes faz bem. Mas talvez paremos pouco para nos perguntarmos porquê. Porque as distrai? Porque as estimula? Porque as diverte? Afinal, porque é que brincam as crianças? E, já agora – porque vivemos num mundo onde o brincar é, cada vez mais, uma atividade de fim de semana; parece estar, na vida delas, perigosamente, “à beira da extinção”; e é vivido como o “líder da oposição” em relação à aprendizagem e à escola – para que serve o brincar?

Brincar é aprender. Na verdade, sempre que uma criança brinca corresponde à curiosidade. Aproxima-se. Toca. Mexe. Desmancha. Reconstrói. Liga. Intui. Compreende. Abstrai. Extrapola. Compõe. Dispõe. Pesquisa. Pensa. Recria. E aprende. Isto é: isola, da realidade à volta dela, um conjunto de fatores que a estimulam; relaciona-os entre si e sintetiza aquilo que os liga; observa, interpreta e compreende; coloca hipóteses e testa-as, em simultâneo; experimenta-as e experimenta-se nelas; formula um problema; deduz; resolve o problema; transforma competências em recursos; conhece; e habilita-se para conhecimentos de complexidade crescente. Mais tarde, através da experimentação, voltará a testar o raciocínio lógico numa infinidade de combinações que a levam a ligar aquilo que conhece, aquilo que vive e aquilo que sente em equações de síntese com as quais pensa mais, pensa melhor e pensa, sobretudo, de forma mais simples, mais acutilante e mais eficaz. Brincar liga complexidade com simplicidade. Sensibilidade com proatividade. Versatilidade com criatividade. E liga corpo, pensamento, vida e mundo. E sempre que liga tudo isto a mais pessoas, exige mais síntese; mais competência para desconstruir a intuição, as imagens e os símbolos em palavras; mais comunicação; e mais destreza para compatibilizar co-mover, con-viver e intencionalidade empreendedora. Haverá, então, alguma atividade escolar que, atendendo aos métodos tradicionais de ensino e aos conteúdos que a escola traz às crianças, seja tão didática e compreensível como o brincar, e que lhes faça uma ponte tão esclarecedora para o mundo à sua volta e para o seu dia a dia? Não! Ou seja: brincar é mais importante do que a escola! Se ligarmos brincar e escola mudamos o mundo. Desligando o conhecimento do brincar, compromete-se a aprendizagem.

Mas se o brincar nas crianças parece ser, ainda, tão desconsiderado, o brincar no bebé nunca se discute. Ora, os bebés utilizam o brincar com a mesma intencionalidade que ele tem nas crianças. Os bebés passam grande parte dos seus primeiros meses a observar. É um observar atento, através do qual estabelecem relações de causa e efeito. Na verdade, eles educam o olhar. Começando pela forma como observam e “escutam” o olhar da mãe. Em tempo real, esperam que ela os leia. Leem-na, em simultâneo. Para que leiam o mundo, a partir dos olhos dela, de seguida. Assim a mãe adeque expressões, gestos e sons àquilo que ele intui, validando o seu conhecimento e expandindo-o para além do seu olhar. Que é, logo de seguida, dirigido para o interior da sua cabeça. Isto é, a curiosidade do bebé transforma-se em capacidade de exploração a partir da forma como, agora, passa do olhar ao dedo indicador e o dirige aos olhos da mãe, ao interior da sua boca, do nariz e das orelhas maternas. Para que, indo do dentro para o fora do colo, passe a explorar o interior das tomadas ou o interior das gavetas e dos armários. Surge, então, o primeiro “braço de ferro” com a mãe.  “Não!”, diz a mãe, de forma firme e “seca”, com um olhar fixo, centrado nos olhos do bebé. Ele testa-a, olhando-a, com surpresa. Para que, depois, esboce um olhar rasgado e projete o rosto sobre o seu ombro, tentando seduzi-la.

Antes disso, foi o bebé experimentando, com uma paciência e uma tenacidade incansáveis, a elevação do pescoço. A rotação do corpo. A coordenação das relações do olho com a mão. E a articulação entre tonicidade, equilíbrio e movimento. Entretanto, foi desafiado para movimentos mais súbitos, mais ruidosos e, sobretudo, mais intimidantes, como as cócegas. Às quais não reage, num primeiro momento, de forma tão sintónica como a mãe desejaria. Para que, depois, sorria. Se ria, logo a seguir. E, finalmente, gargalhe. Transformando aquilo que seria medo num jogo lúdico de aproximação e de vínculo. Ao mesmo tempo, já o bebé reage a expressões visuais, discriminando o bem e o mal, escolhe o bonito em prejuízo do feio, prefere os objetos fofos e calorosos (que representam muitas das qualidades maternas, na ausência da mãe) aos objetos angulosos, e as cores quentes e mornas às frias. Manuseia cubos ou cilindros que se contêm uns aos outros e – de forma aleatória, primeiro, mas dum jeito metódico, logo a seguir – contém os mais pequenos nos pequenos que, por sua vez, são contidos nos cubos médios que, numa sequência lógica, acabam por ser contidos nos maiores. Será uma  espécie de parábola da sua relação familiar que ele transforma em exercícios de classificação, de sequências lógicas e de seriação.
Pelo meio, tenta perceber até onde vai a sua importância, à medida que joga os objetos para o chão, e os observa, depois de cairem (como quem articula raciocínios e ilações) e espera que lhos devolvam, transformando uma descoberta ocasional num jogo, primeiro, e, depois, numa espécie de omnipotência atrevida que aguarda os sinais maternos para que aprenda a regra e os limites.

No entretanto, as “turras” (jogando a sua testa sobre a testa da mãe ou a do pai) são uma forma de se aproximar de quem gosta, de forma súbita e descoordenada (às vezes, quase intimidante) e, depois, dum modo mais contido e equilibrado, ligando agressividade e ternura, e retirando daí ritmos relacionais que consolidam, ao pormenor, o perímetro e a singularidade da relação.  Que, logo depois, se redefine na forma como derruba as torres de cubos que os pais constroem, para que as reconstruam e as derrube uma e outra vez e, assim, se assegure do lado inofensivo dos seus gestos mais agressivos e das competências reparadoras dos pais para conviverem com eles. Para que, a seguir, se inicie no jogo da presença e da ausência (“Não tátá o bebé… Tatá!!!) que, de forma repetitiva, introduz, num jeito lúdico, o afastamento de quem é precioso para ele e traz, com espanto e com surpresa, o seu regresso, que ele, a seguir, reproduz.

Quando um bebé brinca nada se faz ao acaso. O brincar do bebé liga ritmos, regras e rotinas. Conhece. Experimenta. Desafia medos e limitações. Liga. E estabiliza redes nervosas que, quando mais estimuladas forem, de forma coerente e constante, mais passam a ser o “software” a partir do qual ele cresce e conhece. Também no bebé, brincar é aprender. Assim ele possa, com a mesma tenacidade e de forma infatigável, para sempre, brincar.

 

 

Atividades Promotoras do Desenvolvimento Psicomotor até aos 5 anos

Outubro 2, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Texto do site Educare de 27 de abril de 2018.

Não deve comparar o seu filho com as restantes crianças quanto às “habilidades” que faz, mas é importante que fale com o seu médico caso o processo de desenvolvimento do seu filho lhe cause preocupação ou ansiedade. Caso seja identificado algum atraso de desenvolvimento, o que deve acontecer o mais precocemente possível, o seu médico irá acompanhar e orientar adequadamente.

No seguimento do artigo anterior, Atividades promotoras do desenvolvimento psicomotor no primeiro ano do bebé, e de forma a elucidar o processo de desenvolvimento após o primeiro ano de vida, em linhas gerais, segue um esquema-tipo dirigido a cada idade, assim como algumas dicas para promover o progresso do seu filho.

18.º mês
Com 18 meses a criança anda bem. Gosta de ver livros embora folheie varias páginas de cada vez e risca papéis pegando nos lápis preferencialmente com uma mão. Diz 6 a 26 palavras e conhece as partes do corpo.
Nesta fase, ensine-a a arrumar os brinquedos e a evitar expor-se a perigos, como não se aproximar do fogão. Deixe-a rabiscar no papel. Repita com ela as partes do corpo, como por exemplo quando a está a vestir… cante e dance.

2.º ano
Aos 2 anos é vê-lo correr! Gosta de livros, já consegue folheá-los página por página, mas por vezes vai preferir rabiscá-los em círculos. O discurso do tagarela é maioritariamente incompreensível, mas diz claramente o seu nome e o de alguns objetos, assim como frases simples. Põe e tira um chapéu. Bebe pelo copo sem entornar e come sozinho com colher.
Com tanta energia é ainda trapalhão, pelo que deve incentivá-lo a correr ou a pular num pé. Permita-lhe pintar com tintas adequadas, fazer puzzles simples, e no fim ensine-a a arrumar os brinquedos. Conte-lhe histórias e estimule-a a pronunciar palavras corretamente e a emitir a sua opinião. Inicie o desfralde de acordo com a sua capacidade de fala/compreensão. Peça-lhe para ajudar nas tarefas diárias, como se de um jogo se tratasse.

3.º ano
A criança já sabe subir escadas facilmente. Sabe dizer o seu nome completo, o seu sexo e identifica duas cores. O seu discurso ainda é pouco compreensível por estranhos. Já vai à casa de banho sozinho e despe-se se não tiver botões. Já come com garfo.
A criança com 3 anos precisa de se mexer muito, de correr, saltar ou andar de triciclo. A sua imaginação é fértil e facilmente mistura a realidade com a fantasia. Este pensamento mágico deve ser respeitado e não ridicularizado. Nos tempos de convívio assistam juntos, por tempo limitado, a programas televisivos adequados, conversem muito e estimule a criança a contar o que fez durante o dia. Tenha paciência porque esta é a fase dos “porquês” e a criança vai esperar que responda às mais mirabolantes dúvidas! Ensine-a a partilhar brinquedos e mantenha regras, apesar de poder haver birras.

4.º ano
A criança sobe e desce escadas fluentemente e salta num pé. Conhece as quatro cores básicas, e por vezes muitas mais, a sua idade e a sua morada. Fala fluentemente. Consegue vestir e despir-se com exceção dos laços e respeita regras como a de esperar pela sua vez.
Habitualmente a criança com 4 anos gosta de construções de puzzles, de desenhar o corpo humano e de cantar. Estimule-a a distinguir as cores. Ajude-a a controlar os impulsos mas incentive-a a verbalizar os seus pensamentos e vontades. Valorize a sua participação nas tarefas domésticas e encarregue-a de transmitir uma mensagem sua a outra pessoa.

A partir do 5.º ano a criança é cada vez mais autónoma mas nem por isso necessita de menos atenção. Acompanhe o desenvolvimento da sua personalidade e da criação de valores.
Promova atividades de movimento, assim como recortes e colagens. Converse com a criança de modo a aumentar o seu vocabulário, questione sobre o significado das palavras e ensine-o caso seja oportuno. Compreenda que a criança possa ter medos e fobias, apoie-a sem a ridicularizar. Incremente a sua noção de responsabilidade e autoestima (por exemplo dando-lhe tarefas complexas e elogiando-a no seu sucesso), mas sem resvalar para a vaidade e sem ser condescendente com a quebra de limites. Consolide regras, sobretudo no que diz respeito ao tempo passado frente a écrãs.

Não deve comparar o seu filho com as restantes crianças quanto às “habilidades” que faz, mas é importante que fale com o seu médico, caso o processo de desenvolvimento do seu filho lhe cause preocupação ou ansiedade. Caso seja identificado algum atraso de desenvolvimento, o que deve acontecer o mais precocemente possível, o seu médico irá acompanhar e orientar adequadamente.

Em suma, este processo exige muita dedicação, carinho, apoio, conversas e brincadeiras com a criança, assim como a imposição de regras de segurança… é parte do educar! O tempo que dedicar a este projeto trará fortes e boas consequências na vida da criança.

Maria do Carmo Ferreira, com a colaboração de Sandra Costa, Pediatra do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga.

Serviço de Pediatria do Hospital de BragaEste espaço é da responsabilidade da equipa médica do Serviço de Pediatria do Hospital de Braga, instituição certificada pelo Health Quality Service (HQS).

 

 


Entries e comentários feeds.