Legumes e frutas sempre e para todos

Outubro 1, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto de Paula Veloso publicado no site Educare de 18 de julho de 2018.

Os vegetais ou frutas em conserva ou congelados podem ter-se de reserva para quando o tempo não chegou para os comprar frescos. É, sem dúvida, preferível consumi-los desta forma do que não os comer.

Os legumes e as frutas são alimentos muito atraentes pelas suas cores, formas, cheiros e sabores. No entanto, muitas crianças, jovens e até adultos não têm hábito de os consumir apesar das inúmeras campanhas que aconselham a que comam estes alimentos todos os dias. Na prática, idealmente devem ingerir duas peças de fruta e 300 g de legumes ou três peças de fruta e 200 g de legumes todos os dias, tendo o cuidado de os variar.

A vida apressada que cada vez mais somos obrigados a viver deixa-nos pouco tempo para os comprar frescos e para a sua preparação, substituindo-os muitas vezes por produtos prontos a comer (“de pacote”) cujo consumo é largamente estimulado por uma publicidade cada vez mais apelativa.

Há alternativas?
Os vegetais ou frutas em conserva ou congelados podem ter-se de reserva para quando o tempo não chegou para os comprar frescos. É, sem dúvida, preferível consumi-los desta forma do que não os comer.

Entre os vegetais conservados, os congelados são os que preservam mais as suas características nutricionais desde que sejam respeitadas todas as regras de congelação (geralmente não necessitam de descongelação prévia). Quanto aos produtos em lata ou frasco, normalmente já cozidos, podem conter teores de sódio ou açúcar razoáveis, o que deverá ser tido em atenção nomeadamente por quem sofre de hipertensão arterial ou diabetes.
Cebola ou alho picados, bróclos, couve-flor, feijão-verde, milho, cogumelos, espinafres, ervilhas, favas, alho-francês ou castanhas são alguns exemplos de alimentos congelados que permitem confecionar uma infinidade de pratos em tempo recorde. Também as leguminosas (grão, feijão, favas, ervilhas) e os frutos enlatados, desidratados ou secos deverão estar sempre presentes na nossa despensa. Nos frutos enlatados deverá desperdiçar-se a calda em que vêm mergulhados.

Como convencer as crianças e os jovens a comê-los?
Uma boa forma de consumir vegetais é em sopas. Mas atenção, os pais têm de dar o exemplo!
As crianças são especialmente atraídas pela cor. Para obter pratos coloridos, cortam-se os legumes miudinhos e misturam-se em massas, arroz ou picados ou ainda dissimulados num molho de pizza, por exemplo. A pizza não é necessariamente um mau alimento, sobretudo quando preparada em casa com massa de pão e usando alimentos com pouca gordura na sua preparação. Os frutos podem ser ingeridos em simultâneo com o prato principal, em sumos, batidos de leite ou incorporados num iogurte como sobremesa.

Qual a importância deste grupo de alimentos?
O grupo dos frutos e produtos hortícolas é, na roda dos alimentos, o grande fornecedor de vitaminas e sais minerais. São alimentos de baixo teor calórico e, por serem ricos em fibras, contribuem para a saciedade, sendo por isso muito importantes na prevenção e combate à obesidade. As vitaminas, embora não forneçam energia, intervêm no seu fabrico bem como na maior parte dos processos metabólicos. Apesar de o organismo necessitar de pequenas quantidades destas substâncias, elas são vitais. Uma alimentação deficiente nestes nutrientes pode conduzir a um mau funcionamento de diversos órgãos ou tecidos, em que se incluem, entre muitos outros, pele, unhas ou olhos. A ingestão aumentada destas substâncias deve fazer-se através de um maior consumo de frutos e legumes e não através de medicamentos uma vez que o seu consumo excessivo pode também ser prejudicial.

Na era da globalização é hoje possível comer morangos em dezembro, laranjas em junho, frutas ou legumes das paragens mais distantes… Há alguma vantagem em consumir as frutas da época?
Continuo a achar que é preferível consumir alimentos da época e de preferência produzidos localmente. Isso implica maior garantia das suas qualidades nutricionais, menor recurso a processos artificiais de conservação e, normalmente, um preço mais baixo. No entanto, também é importante variar e acima de tudo comê-los diariamente!

Paula Veloso Nutricionista e autora de Dietas sem DietaDieta sem Castigo e Peso, uma questão de peso.

 

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: