«Peso exagerado nas mochilas está ligado a contraturas musculares, má postura e excesso de carga nos discos da coluna»

Setembro 17, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

iStock

Texto de Alexandra Pedro para o DNLife, em 26 de agosto de 2018

Depois de lhe darmos seis dicas fundamentais para o uso adequado das mochilas escolares, consultámos o neurocirurgião Bruno Santiago, coordenador da campanha nacional Olhe Pelas Suas Costas, para lhe explicar melhor quais os problemas que podem surgir do excesso de carga.

Bruno Santiago é neurocirurgião e coordenador da campanha Olhe Pelas Suas Costas, desenvolvida a nível nacional. Depois das recomendações para comprar a mochila mais adequada para o próximo ano letivo, o especialista deu uma entrevista à Life para falar sobre os problemas do excesso de peso nas costas.

Em causa estão problemas de postura, dificuldades musculares e até lesões na coluna vertebral. Leia a entrevista com o neurocirurgião e recorde as recomendações sobre a utilização das mochilas na fotogaleria.

Qual o peso ideal das mochilas?
Sabemos que o peso das mochilas não deve exceder 10 por cento do peso corporal da criança. Para uma criança de 30 quilogramas, por exemplo, deveria ter no máximo 3 quilos. Mas verificamos, frequentemente, que esse peso é largamente excedido, podendo chegar aos oito quilogramas.

«Os pais devem ter um papel pró-ativo e inequívoco na vigilância desta situação, pesando a mochila dos filhos e alertando os professores ou a escola.»

Que consequências podem surgir do excesso de peso nas costas?
Provoca desde logo um aumento da carga que a coluna vertebral em crescimento tem que suportar. No curto prazo provoca dores nas costas, que podem ser na região lombar ou cervical e ombros. O peso exagerado nas mochilas correlaciona-se também com contraturas musculares, má postura do tronco e com um excesso de carga nos discos da coluna vertebral.

E a longo prazo?
A longo prazo, esta sobrecarga e postura inadequada de forma persistente pode contribuir para um desgaste mais precoce dos discos intervertebrais, embora não esteja ainda demonstrada ou quantificada essa correlação do ponto de vista científico.

Como acha que se pode contornar o problema do excesso de peso nas mochilas dos estudantes?
Deve existir um esforço de gestão dos livros necessários para a aprendizagem. Ou seja, só deveriam levar para casa o mínimo indispensável para os trabalhos de casa. Idealmente, seria até apenas uma disciplina de cada vez.

A utilização de cacifos na escola tem sido uma solução apontada…
Sim, a par da transformação digital dos manuais escolares. Há também alguns detalhes na escolha das mochilas que são úteis, como ter vários compartimentos para melhor distribuir o peso e duas alças bem almofadadas. É ainda de realçar a importância de colocar sempre a mochilas em ambos os ombros.

 

iStock

Como devem os pais lidar com esta questão?
Os pais devem ter um papel proativo e inequívoco na vigilância desta situação, pesando a mochila dos filhos e alertando os professores ou a escola caso o excesso de peso da mochila seja recorrente.

Durante o processo de crescimento ocorre um impacto muito negativo na postura da criança ou do adolescente.

Quais são as idades mais afetadas pelo excesso de peso?
As dores nas costas nas crianças e adolescentes aumentam com a idade e está demonstrado que a sua frequência é maior sobretudo entre os 10 e os 16 anos. Há vários estudos que destacam a correlação entre este tipo de dores nas crianças e o uso de mochilas com um peso que excede os 15 a 20 por cento do peso corporal.

Estes problemas de coluna podem dificultar o processo de crescimento?
Durante o processo de crescimento ocorre um impacto muito negativo na postura da criança ou do adolescente, com o uso persistente e errado das mochilas pesadas, que se pode prolongar na vida adulta. No entanto, não está provado que contribua para doenças específicas da coluna vertebral, como por exemplo a escoliose.

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: