Os avós são… sete crianças dizem-nos o que pensam sobre estes seres especiais

Julho 26, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do MAGG de 26 de julho de 2018.

Por Dulce Neto

No Dia dos Avós perguntámos aos netos o que é que eles são. As respostas são honestas mas também ternurentas como se vê neste vídeo.

Com mais ou menos vergonha e um discurso mais ou menos articulado, uma coisa é certa. Os avós destas sete crianças que aceitaram o desafio da MAGG são figuras presentes nos dias dos netos.

E hoje, que o mundo assinala o Dia dos Avós, os miúdos contam-nos como eles fazem parte das suas vidas.

Oferecem prendas, sim, mimos e abraços, muitos, e (alguns) doces, claro, mas também educação. Há quem conte histórias, jogue às escondidas, leve ao parque, ensine a cozinhar ou faça o prato preferido. E também há quem castigue.

Todos concordam com Rosa Cabral, de oito anos: os avós são pessoas especiais. Mateus Martins, de cinco anos, recorda como vai comer gelados com a avó Nela, os presentes que a avó Ana lhe oferece, os passeios com o avô João ou como o avô Jaime é adepto do Benfica e ouvia futebol na rádio.

Já Edgar Santo da Mata, cujos quatro anos traquinas o impedem de ficar muito quieto à frente da câmara da MAGG, confessa que gosta de dormir com a avó Odete enquanto Seline Varela de nove anos revela que a encara como uma segunda mãe.

E se Afonso Beato e Pilar Coelho, ambos com seis anos, garantem que os avós nunca os puseram de castigo e os levam a passear, Mariana Ferreira, de oito anos, manifesta uma opinião muito clara sobre a importância dos avós: têm muito a ensinar, pois nasceram mais cedo.

Ora aqui está uma afirmação com a qual as psicólogas Patrícia Poppe e Margarida Alegria não podiam estar mais de acordo: os avós têm um lugar fundamental na família contemporânea.

A primeira, que já tem uma neta de dois anos, defende que o contacto dos avós com os netos é muito importante para os mais velhos,“porque as crianças são seres em desenvolvimento, são fantásticas, têm muita alegria e significam a possibilidade de se estabelecer relações muito fortes, o que é enriquecedor”.

Reconhecendo, tal como Margarida Alegria, que hoje é mais difícil ter avós disponíveis, porque trabalham até mais tarde, Patrícia Poppe salienta, no entanto, que o “tempo que reservam para os netos é de mais qualidade”.

Recordando a ligação estreita que teve com a avó, a psicóloga aborda o papel que os avós podem desempenhar na educação dos pais. “Quando eram pequeninos, os nossos filhos não nos observavam na nossa função de educadores, de cuidadores e de referências afectivas. Agora veem-nos a lidar com os filhos deles e aprendem também com isso”.

Margarida Alegria reconhece na prática a definição avançada por Mariana Ferreira: “Os avós são pessoas que ajudam”. Com uma bebé com pouco mais do que um mês, é a mãe quem lhe fica com a outra filha de três anos para já poder estar de regresso ao trabalho, onde segue adultos e crianças. A psicóloga não precisa de ir buscar os dados de um estudo desenvolvido em 2008 (mas que continua a ser uma referência) pela Universidade de Oxford para sublinhar que a ligação entre avós e netos é benéfica para as crianças. A investigação da reputada universidade britânica concluiu que as crianças que tiveram uma ligação estreita com os avós têm menos problemas emocionais e comportamentais e menos dificuldades em lidar com os seus pares.

No seu consultório, Margarida Alegria nota a diferença entre “as crianças que agora nas férias não têm onde ficar senão em ATL’s (Atividades de Tempos Livres) e aquelas que têm a sorte de poder ficar com os avós.” Estes, em geral, não são apenas uma fonte inesgotável de experiências, conhecimentos e afecto, como “têm mais tempo livre do que os pais e por isso proporcionam programas aos miúdos a que eles de outra forma não teriam acesso”.

E se não há dúvidas sobre os benefícios da presença dos avós para as crianças, “o mesmo se pode dizer para eles: os avós renascem”.

O ditado diz que os “netos são a sobremesa da vida” para os avós, mas podem eles prejudicar a educação dos miúdos com a ideia de que “os pais educam, os avós mimam”? “O mito de que os avós estragam as crianças é, em parte, verdade”, diz Margarida Alegria. Ou seja, não é bem mito. “São menos rígidos, são mais flexíveis, têm mais tempo para brincarem e fazerem outras coisas com os netos, mas tudo depende da relação que tiverem com os pais e do que for estabelecido entre eles”. Os avós podem, e devem, ser um apoio e um conforto na tarefa difícil de criar os filhos, não um problema ou entrave, continua Margarida Alegria lembrando que é necessário um equilíbrio. “Não considero que a minha sogra ou a minha mãe ‘estraguem’ a minha filha”.

Evocando as férias que passava com a avó, como isso lhe deu um capital de memórias inesquecíveis, a psicóloga salienta ainda a importância de se manterem “certas rotinas e tradições (como o almoço semanal em casa dos avós, a semana de férias em conjunto, por exemplo) para estreitar a união familiar, elemento importante no crescimento de uma criança”.

Tudo somado, conclui Margarida Alegria, as três partes — pais, filhos e avós — “só têm a ganhar com o envolvimento equilibrado dos avós”.

 Texto de Dulce Neto, vídeo de Samuel Costa.

 

 

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: