Workshop sobre Prevenção do Abuso Sexual Infantil, 12 junho em Cantanhede

Junho 6, 2018 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

mais informações:

https://www.facebook.com/APFamiliaCentro/

 

Conferência “A Criança em Portugal, na Idade Média” 9 junho em Estremoz

Junho 6, 2018 às 5:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

mais informações no link:

https://www.facebook.com/events/196317537668206/

 

Portugal ainda tem muito caminho a fazer na obesidade infantil mas os resultados são animadores

Junho 6, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do site nutrimento de 24 de maio de 2018.

Obesidade Infantil

A Iniciativa Europeia de Vigilância da Obesidade Infantil da OMS (ou COSI) é um sistema de vigilância que, há mais de 10 anos, mede as tendências de excesso de peso nas crianças em idade escolar. O COSI estuda  mais de 300.000 crianças em toda a Região Europeia da OMS a cada três anos.

Graças a esta iniciativa pioneira, onde Portugal através da DGS (via PNPAS), do esforço das ARS e do INSA é parte muito ativa é possível observar que o excesso de peso nas crianças com idades entre os 7-8 anos começa a baixar sistematicamente.

Um trabalho visionário, iniciado há mais de 10 anos, com Portugal na liderança e que agora começa a dar os seus frutos.

Consulte o relatório aqui. 

Formação em Direitos das Crianças: A Convenção Sobre os Direitos da Criança em Prática – Lisboa, 18 e 19 junho e 2, 3 e 4 julho

Junho 6, 2018 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações no link:

https://www.cesis.org/pt/noticia/434/formacao-em-direitos-das-criancas-a-convencao-sobre-os-direitos-da-crianca-em-pratica/

 

Não deixe a criança no carro, mesmo que esteja à sombra e de vidros abertos

Junho 6, 2018 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , ,

Notícia do Observador de 24 de maio de 2018.

Vera Novais

Já se sabe que um carro parado ao sol se torna uma autêntica estufa. Se o volante pode ultrapassar os 50ºC, imagine as consequências que pode ter na saúde e vida de uma criança.

Todos os anos, mais do que uma vez, se ouvem relatos de pais que se esqueceram dos filhos dentro dos carros ou os deixaram deliberadamente no interior enquanto iam às compras. Umas das situações mais recentemente noticiada aconteceu nos EUA: um pai esqueceu-se de deixar a criança na creche e seguiu direto para o trabalho. Só quando a mãe chegou à creche no fim do dia se apercebeu que a criança não tinha ido. A criança foi encontrada sem vida, como em muitos casos deste tipo.

Preocupados com este problema, especialmente em dias de calor, uma equipa norte-americana publicou na revista Temperature, esta quarta-feira, um artigo sobre as temperaturas que podem ser atingidas dentro de um carro que seja deixado ao sol durante uma hora. A conclusão é que basta uma hora no carro ao sol para que uma criança sofra uma insolação.

“Nos últimos 18 anos, morreram entre 30 a 60 crianças anualmente, nos Estados Unidos, devido ao calor extremo por terem sido deixadas sem vigilância num carro ao sol”, escrevem os autores no início do artigo. “Com frequência, as crianças são simplesmente esquecidas (54% das mortes) ou estão a brincar nos carros sem vigilância (28%), mas 17% das situações são intencionais.”

É provável que já tenha ficado parado numa fila de trânsito em dias de calor e sentido que nem os vidros abertos ajudam a diminuir o calor que se faz sentir dentro do veículo. Às vezes, nem mesmo os dias enublados ajudam a que o efeito estufa dentro do veículo seja menor. Os autores referem que bastam cinco minutos com uma temperatura ambiente de 30 graus Celsius para a temperatura interior do carro chegar aos 57-68ºC. Se, como adulto, já sente as dificuldades de enfrentar estas temperaturas, imagine as consequências numa criança. Se quer outro exemplo, lembre-se de como é difícil tocar no volante, no manípulo das mudanças ou até sentar-se no banco depois de ter deixado o carro umas horas ao sol.

Comparação das temperaturas a que podem chegar as estruturas no interior de um veículo num dia de sol (em cima) ou enublado (em baixo) quando a temperatura exterior é de 37ºC — Vanos et al. (2018) Temperature

Por oposição aos adultos, as crianças têm uma maior área de exposição (pele) quando comparada com a massa do corpo e também uma maior produção de calor por unidade de massa corporal, o que significa que aquecem e aumentam a temperatura interior mais rapidamente, além de terem mais dificuldade em arrefecer. Como agravantes para a situação de vulnerabilidade das crianças está a dificuldade que têm em comunicar o desconforto que sentem e o facto de, frequentemente, adormecerem durante as viagens.

“Quando se coloca uma pessoa dentro destes carros quentes, elas começam a libertar humidade no ar [pela respiração e transpiração]. Quando há mais humidade no ar, as pessoas têm mais dificuldade em arrefecer através da transpiração porque o suor não evapora tão rapidamente”, ilustra Nancy Selover, co-autora e climatóloga no estado do Arizona.”

Temperaturas interiores de 40ºC para os grupos mais vulneráveis, como crianças e idosos, e 42ºC para adultos, são as temperaturas limite e estão relacionadas com os problemas de saúde verificados em situações de calor extremo. A investigação mostrou que os carros estacionados à sombra e ao sol (num dia de verão no Arizona) podiam chegar aos 39,5ºC e 47,6ºC, respetivamente. Isto significa que uma criança de dois anos deixada no interior do carro poderia subir a sua temperatura interior para 38,2ºC e 39,1ºC, respetivamente, ao fim de uma hora. [De lembrar que a temperatura interior normal é 36-37,5ºC.] É fácil perceber que ao fim de duas horas já haveria consequências muito graves para a saúde.

“Esperamos que estes resultados possam ser usados para aumentar a sensibilização e prevenção da insolação pediátrica em veículos e a criação e adoção de tecnologia dentro dos veículos para alertar os pais das crianças que ficaram esquecidas”, disse Jennifer Vanos, investigadora na Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia (San Diego) e primeira autora do artigo.

 


Entries e comentários feeds.