Crianças. Estereótipos de género no desporto presentes logo na primária

Junho 1, 2018 às 9:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

MÁRIO CRUZ – LUSA

 

Os estereótipos em relação ao género estão presentes mesmo na escola primária, com os rapazes a mostrarem mais interesse numa carreira profissional desportiva e com mais de 24% das crianças do sexo feminino a dizerem que os rapazes são melhores desportistas que as raparigas, disse à agência Lusa a investigadora de antropologia Daniela Rodrigues, que entrevistou 793 crianças, de Lousã e Coimbra, para a sua tese de doutoramento, concluída recentemente.

Para além disso, os rapazes e raparigas praticam desportos que são socialmente associados com o seu sexo, sendo que os desportos praticados pelos rapazes “são mais vigorosos”, o que é mais benéfico para a saúde das crianças e ajuda a alcançar os valores mínimos de atividade física diária recomendada.

Neste estudo, a prevalência de excesso de peso e de obesidade abdominal foi “mais elevada nas raparigas do que nos rapazes”, o que “pode trazer vários riscos de saúde como diabetes e doenças cardiovasculares”.

Das crianças entrevistadas, quase 70% praticavam desporto, “mas na maior parte das vezes só uma ou duas vezes por semana e durante pouco tempo”.

A investigadora chama também a atenção para outros fatores que levam a uma menor prática de desporto extracurricular, como o nível socioeconómico da família, o facto de os pais praticarem ou não atividade física, baixa escolaridade dos pais e a inexistência de locais para praticar desporto na área de residência.

Comparando também uma situação de meio urbano (Coimbra) com periferia (Lousã), nota-se que os pais que vivem na cidade parecem ter uma maior necessidade de estruturar as atividades dos filhos, havendo também uma menor prática de brincadeiras fora do contexto escolar (como jogar à bola ou andar de bicicleta) e menor prática de transporte ativo para a escola (a pé ou de bicicleta).

“Sabemos também que pais ativos têm maior probabilidade de terem filhos ativos. Na idade adulta, há mais homens a praticar atividade desportiva e há uma relação mais forte, neste campo, entre pai e filho e mãe e filha. A filha acaba por ter menos modelos a seguir”, notou Daniela Rodrigues, considerando também importante a influência dos órgãos de comunicação social, que dão primazia ao desporto praticado por homens.

A própria escola, notou, “não estimula tanto a prática de atividades que as raparigas mais gostam”.

Segundo Daniela Rodrigues, é necessário criar “estratégias para garantir uma maior prática desportiva junto das raparigas”, criando “programas que envolvam toda a família, tendo por base os pais, assim como as escolas e professores, e tendo em conta as características específicas de cada criança e das condições económicas, culturais e ambientais que as rodeiam”.

Para além disso, há também bloqueios financeiros, sendo necessário as autarquias garantirem transporte para a prática desportiva e apoiar as famílias, que se veem confrontadas com os custos de equipamento e mensalidades nos clubes.

“Uma das maiores influências foi também a perceção de barreiras pelos pais. Encontravam barreiras como tempo, dinheiro ou a segurança dos filhos e essa variável tinha também muito peso na prática de desporto das crianças. Mais barreiras, menos probabilidade de praticar desporto”, resumiu.

 

Artigo publicado em SAPOLIFESTYLE, em 17 de maio de 2018

Desaparecidas e alvo de violência

Junho 1, 2018 às 4:28 pm | Publicado em O IAC na comunicação social, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do Destak de 28 de maio de 2018

Descarregar o relatório citado na notícia a no link:

Figures and Trends Report 2017

 

 

Dia Mundial da Criança e do Brincar nos Jardins do Palácio de Belém – 2 de junho

Junho 1, 2018 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Texto do Museu da Presidência

O Museu da Presidência da República assinala, a 2 de junho de 2018, o Dia Mundial da Criança e o Dia Mundial do Brincar nos Jardins do Palácio de Belém.

Esta iniciativa, que contará com a colaboração da Casa Militar da Presidência da República e do Instituto de Apoio à Criança, promove a celebração da criança e do brincar através de atividades e experiências que revelaremos ao longo das semanas que antecedem o evento.

Comemoração do Dia Mundial da Criança e Dia Mundial do Brincar nos Jardins do Palácio de Belém
Jardins do Palácio Nacional de Belém
Acesso pelo Museu da Presidência da República – Praça Afonso de Albuquerque
Entrada livre
2 de junho de 2018 | 10h00-17h30 (última entrada às 16h30)
Mais informações: 213 614 980 | museu@presidencia.pt

Evento no Facebook

Dias de Inauguração do LU.CA – Teatro Luís de Camões 1, 2 e 3 de junho! novo teatro para crianças e jovens na Calçada da Ajuda

Junho 1, 2018 às 10:30 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

mais informações:

https://www.facebook.com/LUCA-Teatro-Lu%C3%ADs-de-Cam%C3%B5es-1264522747011858/

http://www.lucateatroluisdecamoes.pt/

 

Hábitos alimentares influenciam no crescimento das crianças

Junho 1, 2018 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Photo by Patrick Fore on Unsplash

 

O açúcar do achocolatado, por exemplo, pode atrapalhar o crescimento. A falta de nutrientes pode provocar o déficit de estatura.

Uma pesquisa com 1.700 crianças revelou que o açúcar do achocolatado pode atrapalhar o crescimento. Mas quando os pais devem se preocupar com o desenvolvimento e estatura dos filhos? O crescimento depende de vários fatores como idade, idade óssea, altura da família, idade de início da puberdade, estado de saúde física e mental.

Entretanto, o crescimento é um marcador indireto de saúde da criança. Ou seja, toda criança considerada baixinha deve ser avaliada pelo endocrinologista especialista em crescimento. Os pais devem se preocupar se a criança é mais baixa que a maioria dos amiguinhos, principalmente antes do início da puberdade, como explicaram as convidadas do Bem Estar desta quinta-feira (17) – a pediatra e consultora Ana Escobar e a endocrinologista Elaine Costa.

Como chegar ao diagnóstico? O primeiro passo é estudar a idade óssea da criança, junto com um estudo hormonal. Se estiver dentro dos parâmetros, está tudo bem. Se houver desaceleração do crescimento, isso pode indicar algum problema e deve-se procurar um especialista.

Quando usar medicamentos? A criança precisa passar por um especialista, pois todos os medicamentos têm efeitos colaterais.

Algumas coisas podem contribuir para a baixa estatura:

Doença celíaca
Hipotireoidismo
Uso prolongado de corticoides
Doenças crônicas
O tratamento deve ser iniciado assim que constatado que a criança parou de crescer enquanto as outras do grupo continuam dentro da curva. Quanto mais cedo iniciar o tratamento, melhor.

Hábitos alimentares

Os primeiros anos de vida são fundamentais para garantir a formação do hábito alimentar. Em Poços de Caldas, no sul de Minas Gerais, um levantamento feito em creches mostrou que 6% das crianças estão com estatura mais baixa do que o ideal. O estudo foi feito com quase 1.800 crianças de até três anos.

Alguns pontos podem contribuir para o atraso no crescimento:

Presença de leite de vaca com achocolatado e adição de açúcar
Consumo de verduras e hortaliças inferior ao recomendado
Ingestão de carne acima do permitido
Ausência de peixe
Textura dos alimentos transformados em sopa, sem incentivar o hábito da mastigação

Segundo os especialistas, os primeiros anos de vida são fundamentais para garantir a formação do hábito alimentar, principalmente em relação a redução do risco da obesidade e baixa estatura.

 

Publicado no site globo.com.


Entries e comentários feeds.