II Encontro da CPCJ de Loulé – “Apertar os Laços, Desfazer os Nós” com a participação de Ana Perdigão do IAC, 13 de abril em Loulé

Abril 11, 2018 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

A Drª Ana Perdigão – Coordenadora do Serviço Jurídico do instituto de Apoio à Criança, irá participar no encontro com a comunicação “A proteção na vinculação”.

mais informações:

http://www.cm-loule.pt/pt/menu/313/comissao-de-proteccao-de-criancas.aspx

 

Anúncios

Conferência “Abril 2018 – Licença para… Amar”, com a presença de Melanie Tavares do IAC, 11 abril em Cascais

Abril 11, 2018 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

A Dra. Melanie Tavares, Coordenadora dos Sectores da Actividade Lúdica e da Humanização dos Serviços de Atendimento à Criança do Instituto de Apoio à Criança,irá participar na conferência com a comunicação “A importância dos GAAF no binómio Família-Escola”.

mais informações:

https://www.cascais.pt/noticia/cascais-diz-nao-violencia

Lançamento do livro “Do telemóvel para o mundo” de Daniel Sampaio – 11 abril, 18.30, Fundação Medeiros e Almeida

Abril 11, 2018 às 11:20 am | Publicado em Divulgação, Livros | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

mais informações:

http://www.caminho.leya.com/pt/eventos/?id=831

 

Número de jovens com medidas tutelares educativas aumentou 8%

Abril 11, 2018 às 9:00 am | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 30 de março de 2018.

Percentagem corresponde a quase três mil jovens, a maioria por crimes contra pessoas e contra o património, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna.

JOANA GORJÃO HENRIQUES

Quase três mil jovens tiveram medidas tutelares educativas, a maioria por crimes contra pessoas e contra o património, segundo o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2017 divulgado esta quinta-feira. O número de jovens nessas condições subiu de 2701 para 2921, o que representa um aumento de 8%.

Além disso, também aumentou o número de jovens internados em centro educativo em 6,5%. Porém, sublinha o RASI, o peso das medidas de internamento em centro educativo face ao total das medidas tutelares manteve-se nos 8,4%.

Lei Tutelar Educativa abrange crianças e jovens com mais de 12 anos e menos de 16 que cometem actos qualificados como crime. A partir dos 16 passam a poder ser responsabilizados criminalmente.

Voltando ao número de medidas tutelares, registaram-se 3360, dado superior aos quase três mil jovens uma vez que cada um pode ter mais do que uma medida por causa de processos diferentes.

Foram registados vários crimes cometidos por esses jovens, com destaque para os crimes contra as pessoas (50,9%), seguindo-se os crimes contra o património (39,2 %) e os crimes previstos em legislação avulsa (6,6%) – e nesta categoria destaca-se os crimes respeitantes a estupefacientes e condução sem habilitação legal.

Em 2017 houve também um aumento de 8,7 % dos pedidos de apoio recebidos para a execução de medidas na comunidade.

Do total de jovens com medidas tutelares educativas, 79,8% (ou seja, 2331) eram do sexo masculino. A maioria tinha nacionalidade portuguesa, sendo que a percentagem de estrangeiros diminuiu para os 5,9% com destaque para jovens de Cabo Verde (42 jovens), Brasil (41), Angola (21) e Guiné-Bissau (19).

Em fim de Dezembro de 2017, quase metade (1314) dos quase três mil jovens abrangidos por medidas tutelares durante o ano todo estava ainda cumpri-las. Desses, 147 (correspondente a 11,8 %) estiveram sujeitos a internamento em centro educativo – o que representa o tal aumento de 6,5% em relação a 2016.

No internato, a grande maioria (102) ficou em regime semi-aberto. Em regime aberto ficaram 23 jovens e em fechado 15 jovens. Também aqui a maioria era do sexo masculino (89,1%). Esses 147 jovens foram internados por vários tipos de crimes, predominando a categoria contra as pessoas, designadamente, vários tipos de ofensas à integridade física e a ameaça e coacção (48%). Seguiu-se o crime contra o património (46%), de onde se destacaram roubo e furto.

Em Maio de 2017 foi encerrado o centro educativo do Mondego, o que levou a uma alteração da lotação total, sendo que foram ainda feitos reajustamentos verificados nos restantes centros educativos, passando de 198 para 152 lugares (menos 23,2%).

Descarregar o Relatório Anual de Segurança Interna 2017 no link:

https://www.portugal.gov.pt/download-ficheiros/ficheiro.aspx?v=9f0d7743-7d45-40f3-8cf2-e448600f3af6

 

Silêncio que se vai contar uma história

Abril 11, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Bruno Batista é contador de histórias há 18 anos. Neste ano, estreou­‑se na Biblioteca de São Domingos de Rana

Texto do https://www.noticiasmagazine.pt/ de 27 de março de 2018.

A Hora do Conto é uma atividade acolhida por bibliotecas, livrarias e jardins­‑de­‑infância para fomentar o gosto pelos livros e criar hábitos de leitura desde tenra idade. Fomos ouvir algumas histórias que cativam pequenos (futuros) leitores.

Texto Sofia Filipe

A entrada de crianças, acompanhadas de adultos, confirma ser dia de Hora do Conto, com a designação «Contos à Solta», na Biblioteca Municipal de São Domingos de Rana. Este habitual, ordenado e quase silencioso «rebuliço» acontece todos os primeiros e terceiros sábados de cada mês e muitos são participantes assí­duos, dirigindo­‑se sem hesitação para a Sala do Conto.

Integrada na Rede de Bibliotecas Municipais de Cascais (RBMC), a biblioteca de São Domingos de Rana abriu portas em 2005, os responsáveis sempre encararam os mais jovens como um público a cativar e uma das formas de o fazerem é fomentar o gosto pelos livros, através desta atividade, gratuita, que decorre ininterruptamente desde maio de 2015.

«Temos tido um enorme desenvolvimento», garante Valter Amaral, coordenador desta biblioteca, ao mesmo tempo que cumprimenta alguns pais que chegam poucos minutos antes de começar a atividade que considera ser «a alma da biblioteca».

Por este motivo, tem havido um «forte investimento nos contadores, sobretudo para assegurar o regresso dos leitores», comenta o bibliotecário, que vê na banda desenhada um género fulcral no incentivo à leitura e menciona o sucesso da Bedeteca José Matos Cruz, estrategicamente situada junto ao Espaço Infantil/Juvenil.

No final de fevereiro de 2018, a RBMC tinha inscritos 486 leitores menores de 6 anos, de um total de 31 005 inscritos. Com «Contos à Solta», que durante 2017 recebia em média trinta participantes (crianças e adultos acompanhantes), é esperado «fidelizar novos frequentadores», diz João Miguel Henriques, chefe da Divisão de Arquivos, Bibliotecas e Património Histórico da Câmara Municipal de Cascais.

«É uma atividade âncora, para motivar e despertar as crianças para a importância do livro e da leitura. Serve também para promover junto dos educadores a importância da familiarização precoce com o livro e a leitura por parte dos educandos.»

Histórias que cativam

Nesse sábado, foi Bruno Batista que cativou miúdos e graúdos com um conjunto de histórias dedicadas à floresta e às árvores. Contador de histórias desde 2000, estreou­‑se nesta biblioteca em 2018, mas tem um conjunto de «pequenos fãs» que o seguem para o ouvir. Natural de Lagoa, Algarve, Bruno Batista tem 38 anos e vive em Lisboa há dez, mas percorre o país, de norte a sul, para contar histórias em bibliotecas, livrarias ou escolas.

«Alguns pais por vezes comentam que já conheciam o livro, mas que só deram importância depois de me ouvirem contar a história», diz o narrador, que tenta ser original na abordagem. Desta vez, trouxe uma mala mágica cheia de objetos relacionados com o tema escolhido, para além de livros pop­‑up e álbuns ilustrados (livros com texto e imagem em simbiose).

Começou por contar a história de um texugo chamado Pedro, que queria arrumar a floresta e, antes de mencionar pela última vez «vitória, vitória, acabou­‑se esta história», deu a descobrir algumas «Estranhas Criaturas».

Durante a sessão, que durou cerca de uma hora, foram vários os «objetos mágicos» que povoaram as histórias, captando a atenção mas também suscitando a imaginação e fomentando a criação de imagens mentais. Do início ao fim, todos os miúdos mantiveram o interesse, a atenção e a curiosidade.

Catarina Roquete, 28 anos, mora em Cascais e leva assiduamente o Duarte, de 3 anos, às atividades «Sementes de Leitura», da Biblioteca Infantil e Juvenil da RBMC, e «Canto de Colo», da Biblioteca Municipal de Oeiras, para além de lhe ler todos os dias em casa, em especial ao deitar. Como queria proporcionar ao filho «novas experiências na área da leitura», decidiu ir a São Domingos de Rana participar pela primeira vez em «Contos à Solta».

«Estas ações são muito estimulantes para o Duarte, porque descobre novas palavras, aumenta o vocabulário, aperfeiçoa a fala e aprende a comunicar melhor. O meu filho adora livros, o ambiente das bibliotecas e depois da Hora do Conto repete aos familiares, muito entusiasmado, a história que ouviu», diz Catarina, massagista de profissão. Deste contador de histórias ficou com uma excelente opinião. «É espetacular, trouxe livros fantásticos e soube captar a atenção.»

Há cinco anos que Ângela Mendes, da Parede, assiste à Hora do Conto, primeiro apenas com o filho mais velho, Ricardo, de 6 anos, depois com a Marta, 3 anos, e, no futuro, irá levar o terceiro rebento, que nasce em julho.

«Costumamos participar em São Domingos de Rana e em Cascais. Escolhemos as sessões pelo contador e o Bruno Batista é excelente», diz esta mãe que é professora de Português do terceiro ciclo.

Foi pela mão de Ângela que Sofia Vilela, 36 anos, passou a vir com alguma regularidade da Praia das Maçãs (onde vive) a São Domingos de Rana, para assistir à Hora do Conto, com a sua filha Camila Cardoso, de 4 anos. «Selecionam boas histórias e os contadores são notáveis», comenta Sofia, que trabalha na área comercial de uma seguradora.

As duas amigas ficaram encantadas com as histórias que Bruno Batista trouxe a «Contos à Solta» e consideram que são «atividades essenciais para a promoção da leitura». O pequeno Ricardo comprova dizendo, de imediato, que «são ótimas histórias» e tanto Marta como Camila mostram satisfação pelo local e pelo que lá acontece.

Outras horas para o conto

A Hora do Conto é uma das práticas mais comuns para criar hábitos de leitura desde a infância, sendo dinamizada em inúmeras bibliotecas (municipais e escolares) do país, com designações diferentes, mas também em livrarias e jardins­‑de‑infância. Para Tomé Santos, 4 anos, o livro é algo natural.

«Gosta de ouvir histórias e de mostrar os seus livros aos colegas e à educadora», diz a mãe, Sónia Vieira, 42 anos, professora do primeiro ciclo do ensino básico no Centro Escolar de Alcoentre, Azambuja.

O Tomé vive em Santarém com os pais, que o levam com regularidade à livraria Aqui Há Gato, localizada na cidade onde habitam, para assistir à Hora do Conto que acontece todos os sábados de manhã e à tarde.

«Adora, sabe ouvir, está atento, intervém e espera com entusiasmo as novidades», diz o pai, Bruno Santos, que é iluminador e responsável pela direção técnica do Centro Cultural do Cartaxo.

Sónia considera o filho «privilegiado porque desde sempre convive com os livros, as histórias, o teatro, a pintura». No Jardim­‑de­‑Infância do Choupal, Santarém, usufrui do projeto A Educação pela Arte no âmbito do qual ouve as histórias habitualmente contadas por Rosa Montez.

Educadora de infância há 32 anos, Rosa Montez conta que «o desafio de criar territórios onde se jogue com palavras, gestos, olhares, onde o tempo de descoberta aconteça e onde o campo da imaginação seja acionado, originou a Hora do Conto, com as crianças envolvidas pelo prazer de ouvir, ver, contar e criar histórias».

Para além de trabalhar neste jardim­‑de­‑infância, Rosa Montez organiza outras atividades, como a animação de histórias em bibliotecas e a apresentação do seu livro, À Espera de Quê?, em diversas instituições educativas.

A ideia de escrever para crianças surgiu precisamente da «vontade de materializar o que já fazia» e o feedback tem sido positivo. «O livro tem tido uma excelente receção e tem sido gratificante ver o envolvimento das crianças quando apresento a história», sublinha.

Prevenir o insucesso

Estas são formas de promover a leitura, evidenciando o contributo das bibliotecas no crescimento cultural dos adultos de amanhã. Porém, o estreito contacto com livros não isenta eventuais dificuldades durante a aprendizagem da leitura.

O Instituto Politécnico do Porto, a Câmara Municipal do Porto e o Ministério da Educação uniram esforços no sentido de prevenir essas situações criando, em maio de 2015, o Centro de Investigação e Intervenção na Leitura (CIIL).

«Tem por objetivo a promoção do sucesso educativo, através da prevenção precoce e do incentivo das competências de base à futura aprendizagem da leitura, designadas competências pré­‑leitoras», diz Ana Sucena, coordenadora científica do CiiL e professora na Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico do Porto.

A intervenção com crianças no último ano do pré­‑escolar decorre atualmente em quatro agrupamentos escolares do concelho do Porto, abrangendo seis jardins-de-infância. É feita em contexto escolar, por um técnico (psicólogo/professor do ensino básico/terapeuta da fala), com a colaboração do educador de infância. Até ao momento, já beneficiou 331 crianças do jardim­‑de­‑infância.

«No ano em que iniciámos a intervenção, a percentagem de crianças em risco de terem dificuldades de aprendizagem da leitura, no 1º ano, era de 46 por cento e atual­mente é de 19 por cento», constata Ana Sucena, avançando que «no próximo ano letivo o CiiL estará presente em todos os agrupamentos escolares do Porto com jardins­‑de­‑infância e/ou primeiro ciclo».

O Falaroco é a mascote do CiiL e costuma motivar as crianças que assistem a estas sessões que se realizam duas vezes por semana. Que o diga Romeu Varela, 5 anos. Aliás, já o disse aos seus pais, Renata Pinho, 35 anos, e Pedro Varela, 36, ambos arquitetos de profissão.

Certo dia, o petiz apareceu no corredor de casa com um esfregão numa mão e um pano na outra exclamando «antónimos». «Nós, com espanto, perguntámos de que falava, ao que retorquiu “áspero, macio. São antónimos” e disse que tinha sido o Falaroco a ensinar», conta a mãe.

Esta família, do Porto, tem por hábito levar o Romeu e o seu irmão Isaac, de 22 meses, a leituras de histórias na Biblioteca Almeida Garrett ou em livrarias, para alegria dos dois irmãos. Em casa, não faltam livros e, segundo o pai, leem­‑lhe «desde os 6 meses [do Romeu] e acreditamos ser uma rotina benéfica no aumento da disciplina e na capacidade de concentração».

Crescer com livros e leitura

Crescer a Ler é uma iniciativa da Associação de Profissionais de Educação de Infância (APEI) que tem o objetivo de promover a leitura, através da disponibilização para venda de um pacote de leitura composto por uma mochila, um guia para pais e um livro infantil.

«Há pouco tempo tivemos novamente uma encomenda da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Mação e continuamos a receber pedidos de vários municípios, para oferecerem às crianças», diz Luís Ribeiro, presidente da APEI e educador de infância do Agrupamento Vertical de Portel, Évora. Dirigida a bebés e crianças, dos 0 aos 6 anos, tem o Grupo Leya como parceiro.

A Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) também desenvolve ações em prol da literacia da leitura, junto de educadores de infância, professores e alunos. Conto Contigo, que decorre em Alcochete, e É de Pequenino Que se Aprende a Tratar os animais com Carinho, que envolve 33 jardins­‑de­‑infância de Coimbra, são apenas dois dos projetos da RBE.

«Os professores bibliotecários procuram motivar as crianças para a aprendizagem da leitura, através da dinamização de atividades em que exploram o prazer da língua, modelam o processo de leitura ou realizam sessões de natureza experimentalista», diz Helena Araújo, professora em funções no Gabinete Coordenador da RBE.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

 

 

 

 

E se eu chumbar de ano?

Abril 11, 2018 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Wired

Texto do site http://uptokids.pt/

Sinónimos do ponto de vista dos pais, habitualmente. E isto porque pais, filhos e escola é uma relação triangular que envolve receios e, por norma, muitas expectativas.

Como forma de reduzir os receios parentais, aumenta-se a necessidade de que os filhos tenham uma carreira académica de sucesso. Isto é, quando os filhos brindam os pais com boas notas constantes, além do orgulho sentido, os pais vivem uma preocupação a menos (já que educar vai suscitando sempre algumas). E isto, do ponto de vista dos filhos, traz por norma a carga das expectativas. Os filhos vão sendo muito elogiados pelos resultados, a família e amigos próximos reforçam os elogios e, sem que muitas vezes uns e outros se apercebam, já todos têm a expectativa da manutenção daquele estatuto e o próprio aluno vai percebendo que “este registo agrada… se vacilar e baixar as notas, agradarei ou não…”.

Afinal, que representação acarreta, emocionalmente, uma carreira académica brilhante, desde cedo?

Sucessos sucessivos e consequentes reforços positivos podem facilmente conduzir ao medo de falhar – o medo de errar. Os famosos “chumbos”!

No fundo, os filhos tendem a sentir sempre alguma expectativa sobre a sua prestação escolar. Uns esforçam-se por corresponder a essa expectativa e podem até vivê-la com ansiedade, bailando ao som da falha como possibilidade legítima (e evitando-a a todo o custo, mas sem desistir); outros a quem a possibilidade de não corresponder à expectativa os trava, logo na casa de partida, e nem tentam a sorte “ao jogo”.

Falhar e tentar de novo, faz parte do percurso de vida de todas as pessoas. As falhas têm a vantagem de nos ensinar novos caminhos, permitindo-nos renovar experiências e, com isso, crescer e criar autonomia emocional. Incutir aos filhos o trajeto das boas notas; o objetivo do quadro de honra é enviesar a realidade.

Na vida real, o caminho não é sempre sereno, as surpresas não são todas agradáveis, os objetivos não são todos cumpridos e os resultados das circunstâncias vividas nem sempre serão um fruto apetecido. Logo, permitir aos filhos espaço para falhar sem zangas, é criar a oportunidade de se confrontarem com essa frustração, originando um trabalho de gestão interna de tolerância ao erro, com consequente aprendizagem. É, acima de tudo, retirar-lhes o medo de errar!

Pode, depois, criar-se a dúvida sobre onde fica o limite de não exigir boas notas, mas ensinando que tem de haver empenho e algum esforço. E a resposta a essa dúvida é a atitude. A atitude de exigir responsabilidade, no entanto sem demonstrar reatividade emocional aos resultados académicos obtidos:

1. As notas são a única e necessária recompensa que os filhos têm como fruto do esforço investido no estudo.

Os pais devem demonstrar que a felicidade/orgulho sentido, é consequência daquilo que o próprio filho sente. Exemplo perante uma boa nota: “Que bom que estás contente! Fico tão feliz quando estás assim. E sei que é muito bom vermos o nosso esforço glorificado. Estudaste, conseguiste!”.

Perante uma nota negativa: “Como é que te sentes com o teu resultado?” (esperar a reação) “O que achas que podes fazer (ou “podemos fazer”, de acordo com a idade ou nos casos em que os pais possam sentir assim) para mudar este resultado?”

Evitar demonstrar preocupação com os resultados negativos, para controlar o sentimento (dos filhos) de “eu não agrado”, que muitas vezes conduz a um outro sentimento destrutivo “eu não sou capaz”.

2. O desinvestimento escolar dos filhos, que culminará no insucesso escolar, não é necessariamente uma decisão voluntária.

Os pais devem lembrar-se disto, como forma de evitar rótulos (nomear defeitos). A esta atitude, segue-se tensão na dinâmica familiar, sem quaisquer alterações desejadas no que é sentido como o foco do problema.

É necessário um auxílio especializado para auscultar as razões.

3. Relembrar sempre que o inverso de alunos “quadro de honra” não são maus alunos e, acima de tudo, não são maus filhos, nem filhos problemáticos.

Podem, simplesmente, ser filhos que não focam nas matérias escolares toda a sua energia, podendo isso até ser uma mais valia. Um foco absoluto no estudo, retirará tempo e capacidade para desenvolver outras áreas tão ou mais importantes na nossa condição de humanos: como a área emocional, onde está implicada a necessidade e capacidade de comunicação e relação com o outro.

4. Alunos não devem ser reforçados pelas suas notas positivas ou negativas

As boas notas são o único reforço positivo necessário ao investimento de tempo implicado no estudo.

As más notas, ou mesmo negativas, deverão ser motivo de reflexão entre pais e filhos, sem que implique reações emocionais desagradáveis. Isto evitará a criação de expectativas e, sobretudo valorizará a crença de que, além de os pais serem interessados, atentos e envolvidos nas vidas dos filhos, as notas não têm qualquer influência no amor incondicional pelo qual se pauta a relação pais-filhos.

Os filhos devem estudar porque esse é o seu trabalho e porque os ajudará a conseguir com maior facilidade assimilar a matéria que virá a seguir. E esta é a única exigência-base que os pais devem colocar na relação, em termos do percurso académico.

image@wired

 


Entries e comentários feeds.