Adolescentes portugueses trocam Facebook pelo Instagram

Março 23, 2018 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

PAULO SPRANGER/GLOBAL IMAGENS

Notícia do https://www.dn.pt/ de 5 de março de 2018.

Ana Rita Guerra

Rede de partilha de fotos e vídeos foi a que mais cresceu no ano passado e já é a segunda mais utilizada em Portugal

As notícias da morte do Facebook ao longo dos anos têm sido claramente exageradas, mas a tendência de perda de utilizadores entre os 12 e os 17 anos está a acelerar mais do que o previsto. Há pelo menos cinco anos que diversos estudos se debruçam sobre este problema na rede social mais utilizada do mundo: os mais jovens não querem estar onde estão os adultos. Os números recentes da eMarketer mostram que os adolescentes americanos estão a deixar o Facebook em grandes quantidades e a voarem para a aplicação de mensagens efémeras Snapchat. Mas, em Portugal, a tendência não é bem essa. A rede social que os jovens portugueses preferem agora é o Instagram, que, apesar de também pertencer ao conglomerado de Mark Zuckerberg, tem características mais atrativas para essa faixa de idades.

“Toda a gente começou a deixar de usar [o Facebook] e depois lá não dá para pôr as Stories”, confirma Sofia Matos, de 15 anos. “No Insta dá para pôr histórias e começou a ficar mais na moda.” A criação desta funcionalidade, Instagram Stories, foi uma das iniciativas recentes mais bem-sucedidas da rede social. Permite criar uma história curta com fotografias, frases, clips de vídeo e emojis que desaparece ao fim de 24 horas – uma cópia clara do conceito do Snapchat (e que, na verdade, também existe no Facebook). É a funcionalidade que os jovens portugueses parecem preferir. “Eu quando vou ao Instagram o que costumo ver mais é Stories”, diz ao DN Baltazar Nunes, de 17 anos, que fez exatamente o mesmo que Sofia: desinstalou a app do Facebook do telemóvel e só deixou a do Messenger. “O Instagram é para pôr fotografias e editá-las com filtros diferentes e acho que o Facebook ficou mais antiquado. As pessoas gostam de coisas mais modernas e diferentes”, resume. Baltazar diz que a tendência é a mesma entre todos os seus amigos e dura há cerca de um ano. “O Instagram tem funções completamente diferentes” reitera. “No Instagram, não sei explicar, mas tenho mais amigos que veem.”

Sofia, que já nem se lembra da palavra-passe da conta no Facebook, só usa a app do Messenger para enviar fotografias a si mesma e poder guardá-las. Explica que um dos motivos pelos quais deixou de gostar de ir à rede era estar rodeada de adultos. “No Facebook tinha muitos familiares e no Insta não tenho quase ninguém.”

A mesma transição aconteceu com Mara Machado, que vai fazer 16 anos em maio. No caso de Rafael de Barros, de 13 anos, a passagem para o Instagram deveu-se à popularidade entre os amigos. “Fiz porque ouvia toda a gente a falar sobre isso, queria ver como era e como funcionava”, diz ao DN. Ainda assim, Rafael não é um grande utilizador de redes sociais; mantém o Facebook por causa do Messenger, apesar de quase nunca entrar no seu perfil, e prefere o WhatsApp como meio de comunicação.

Em todos os casos, os pais dos adolescentes criaram contas no Instagram para poderem seguir a atividade dos filhos, sendo que são contas privadas – o adolescente tem de aceitar o pedido para ser seguido e a regra é não o fazer se não conhecer a pessoa.

“Ela acha o Instagram mais seletivo”, conta Ana Machado, mãe de Mara, que agora usa a rede de partilha de fotos para divulgar o seu trabalho de estética. “Um mundo um pouco mais fechado.”

Anabela de Barros, mãe de Rafael, continua a ter as palavras–passe das contas do adolescente, mas diz notar uma grande diferença entre rapazes e raparigas. “Elas expõem-se muito mais”, considera. “Há aquela coisa de se mostrarem.”

Tendência nacional

Estes casos refletem uma tendência nacional que foi atestada pela Marktest num estudo divulgado no final de 2017. Segundo os dados apurados no relatório “Os Portugueses e as Redes Sociais”, da Marktest Consulting, o Instagram foi a rede que teve o maior aumento relativo em 2017, na ordem dos 35%, e é já a segunda rede mais usada pelos portugueses. Enquanto a taxa de utilização global é de 50,3% entre todos os portugueses que usam redes sociais, a penetração na faixa etária dos 15 aos 24 anos é bem mais impressionante: 80,4%.

O Facebook continua a ser a rede mais utilizada, tendo registado durante o ano de 2017 uma taxa de penetração de 95,5% entre o universo de utilizadores de redes sociais. Mas, mesmo que os adolescentes não apaguem as suas contas no site criado por Mark Zuckerberg por uma questão de conveniência – por exemplo, login noutras apps, ligação entre contas ou manutenção do Messenger -, deixaram de ser utilizadores reais. No caso de Mara Machado, a jovem cancelou mesmo o seu perfil e já só usa o Instagram. Os dados da Marktest, curiosamente, indicam que existe uma incidência superior de utilização da rede de partilha de fotos entre as mulheres. Por outro lado, “os residentes na Grande Lisboa e no Grande Porto e indivíduos das classes mais baixas também referem mais do que a média ter conta no Instagram”, indica o relatório da consultora.

E o Snapchat?

A eMarketer prevê que, só neste ano, o Snapchat adicione 1,9 milhões de utilizadores americanos com menos de 25 anos, enquanto o Facebook vai perder 2,1 milhões de utilizadores nessa faixa etária (os analistas questionam se será troca por troca). No ano passado, a rede de Zuckerberg perdeu 1,4 milhões de adolescentes entre os 12 e os 17, três vezes mais que o previsto, e a tendência repete-se noutros grandes mercados, como o do Reino Unido. A aplicação de mensagens efémeras em fotos e vídeos continua a ter mais jovens entre os 12 e os 24 do que o Instagram nos Estados Unidos, mas mesmo assim tem uma dimensão mundial inferior. O Snapchat contabiliza 187 milhões de utilizadores diários, enquanto o Instagram tem 500 milhões.

A que se deve esta diferença entre os jovens americanos e os portugueses? Baltazar Nunes resume desta forma: “O Snapchat é como o Facebook, há uns anos toda a gente usava e deixaram de usar, passou tudo a usar o Instagram.” Sofia Matos confirma: “O Snapchat uso para tirar fotos, porque tem lá efeitos giros, mas já não uso muito.” Rafael de Barros e Mara Machado nem sequer têm lá conta.

Talvez reflitam uma transição que vai chegar a outros mercados, ou estejam a responder às próprias decisões da Snap, casa-mãe do Snapchat, que nos últimos tempos fez um grande esforço para atrair utilizadores mais velhos. Na conferência com analistas para discutir os resultados do quarto trimestre fiscal, o CEO da Snap, Evan Spiegel, falou dos resultados das novidades introduzidas gradualmente na aplicação do Snapchat com esse propósito. O executivo mostrou uma série de indicadores encorajadores, entre os quais melhor envolvimento e interação com utilizadores acima dos 35 anos. É uma faixa etária que normalmente não se associava à aplicação de mensagens efémeras, e que choca com o desejo dos adolescentes de socializarem em ambientes virtuais com poucos ou nenhuns adultos.

A Snap parece estar a tirar notas da experiência do Facebook e do Instagram: é que, embora haja muita atenção devotada às preferências dos adolescentes, estes não têm o mesmo poder de compra das faixas etárias superiores, que estão mais bem distribuídas pelas redes sociais controladas por Mark Zucker- berg.

É um caminho inverso ao que o Instagram fez, quando usou os métodos bem-sucedidos do Snap- chat para atrair utilizadores mais velhos – com resultados muito positivos em mercados como o português. As Stories de que os adolescentes falaram, uma inspiração direta do conceito do Snapchat, aumentou o envolvimento com os utilizadores e acelerou o crescimento em novas contas. É possível até traçar um paralelo entre o ganho de utilizadores no Instagram e a desaceleração do crescimento no Snapchat, o que, por sua vez, levou a Snap a tomar medidas controversas.

De facto, o redesenho mais recente da interface do Snapchat foi feito precisamente para atrair outros públicos, mas causou uma autêntica revolta entre os utilizadores fiéis, que estão a fazer circular uma petição contra com mais de 1,2 milhões de assinaturas. A consultora LikeFolio reportou uma explosão de comentários de pessoas que trocaram o Snapchat pelo Instagram por causa do novo layout, que foi avaliado negativamente por 80% dos utilizadores.

A juntar a esta repercussão inesperada do redesenho, a Snap tombou 6,1% em bolsa e perdeu mais de 1,3 mil milhões de dólares de capitalização bolsista por causa de um tweet de Kylie Jenner, uma das figuras mais populares do clã Kardashian. “Entãooooo há mais alguém que já não vai ao Snapchat? Ou sou só eu… ugh isto é tão triste.” Muitos dos seus seguidores do Twitter (um total de 24,5 milhões) concordaram com o que a celebridade escreveu, apesar de Kylie ter publicado logo a seguir que ainda adora o Snapchat, o seu “primeiro amor”.

mais informações no relatório:

Os Portugueses e as Redes Sociais 2017

 

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: