Sábados em Cheio na Biblioteca Municipal José Saramago – Loures em Outubro

Outubro 10, 2017 às 10:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

mais informações:

http://www.cm-loures.pt/media/pdf/PDF20171003103433097.pdf

Anúncios

Como é que a nossa frustração tem impacto na vida dos nossos filhos

Outubro 10, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do https://www.publico.pt/ de 26 de setembro de 2017.

Quando as crianças observam os adultos em conflito temem (ou não) que a sua família se separe, revela estudo da Universidade do Arizona.

Bárbara Wong

O conflito faz parte da vida dos casais e muitos evitam discutir à frente dos filhos para os proteger. Não fazem mal, mas se gerirem os conflitos de forma construtiva ajudarão os filhos, declara Olena Kopystynska, investigadora da Universidade do Arizona.

Kopystynska e os colegas estudam conflitos e resolução de conflitos e, num artigo publicado no Journal of Family Psychology, analisam a forma como os pais lidam com o conflito e como se sentem os filhos quando expostos ao mesmo.

O estudo concentra-se em estilos construtivos versus destrutivos. No primeiro, apesar da diferença de opinião, há calma e respeito entre os membros do casal, e os pais procuram resolver o conflito. No segundo, o destrutivo, há raiva e ressentimento, e o casal tende a afastar-se do tema da discussão para ir buscar outros acontecimentos do passado. São os conflitos de estilo destrutivo que podem deixar as crianças mais inseguras emocionalmente, revela o estudo.

“As crianças são muito boas a adivinhar pequenas nuances de como os pais interagem um com o outro. Por isso é importante a forma como os pais expressam e gerem os desafios da vida diária porque isso determina a confiança das crianças na estabilidade e segurança de sua família”, declara Kopystynska, citada num comunicado da universidade norte-americana. “Se os pais são hostis, as crianças até aos 3 anos podem sentir a ameaça de a sua família caminhar para uma dissolução. Eles podem não ser capazes de expressar as suas inseguranças verbalmente, mas podem senti-las”, acrescenta.

O estudo baseia-se em dados a nível nacional recolhidos junto de famílias com baixos rendimentos, logo, em mais alto risco de conflito – contudo, muito poucos casais no estudo eram inteiramente destrutivos, aponta o comunicado.

Os investigadores identificaram quatro perfis de casais: aqueles em que ambos tratam o conflito de forma construtiva; aqueles em que ambos tratam de forma destrutiva; casais em que a mãe é construtiva e o pai destrutivo; e casais em que o pai é construtivo e a mãe destrutiva.

A maior parte dos pais não eram casados e os dados começaram a ser recolhidos quando os casais tiveram o primeiro filho. Os dados foram recolhidos em três alturas e a investigadora concentrou-se na última fase, quando as crianças tinham à volta de 3 anos. Então foi perguntado aos pais como geriam os conflitos e como reagiam os seus filhos quando os presenciavam.

Na relação com as filhos, Kopystynska e os colegas descobriram que enquanto os pais interagiam de forma semelhante, fosse qual fosse o seu perfil; as mães que eram destrutivas tendiam a ser mais duras com as crianças.

No que diz respeito ao impacto na insegurança emocional das crianças, os investigadores descobriram que esta era maior quando um dos pais tratava o conflito de forma destrutiva e o outro de forma construtiva, do que quando as crianças tinham pais que lidavam com os conflitos de forma construtiva. Nestes casos, “o que descobrimos é que as crianças sentem-se menos inseguras quanto ao clima familiar, e quando pelo menos um dos pais discute destrutivamente, há alguns níveis de insegurança sobre as relações familiares”, conclui Kopystynska.

O estudo mencionado na notícia é o seguinte:

Patterns of Interparental Conflict, Parenting, and Children’s Emotional Insecurity: A Person-Centered Approach

 

Os Jovens e a Saúde Mental – vídeos

Outubro 10, 2017 às 2:00 pm | Publicado em Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

mais vídeos no link:

https://www.youtube.com/channel/UC13_U9s4W4olhEOUsgd2DQg/videos

 

“O bullying não tem classe social: podes ser de qualquer país, podes ser alto, incrivelmente bonito, o mais inteligente ou o mais forte”

Outubro 10, 2017 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Entrevista do http://expresso.sapo.pt/  a Yan England  no dia 26 de setembro de 2017.

Raquel Albuquerque

O ator e realizador canadiano Yan England veio a Portugal apresentar o filme “1:54”, a sua primeira longa-metragem, que conta a história de um rapaz de 16 anos vítima de bullying na escola – as Nações Unidas já o passaram nas suas instalações, tal a densidade da obra. Com base em histórias reais, filmado numa escola secundária durante o ano escolar, o filme passou segunda-feira no Porto para estudantes do secundário, numa sessão com a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade e a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género. “O problema do bullying é o silêncio. Quando se abre o diálogo, abre-se uma pequena fenda que serve para quebrar a situação”, defende Yan England, que em 2013 teve uma curta-metragem nomeada para um óscar.

Aos oito anos, Yan England estreou-se na televisão canadiana, apresentou programas para jovens e tornou-se comum receber emails de miúdos a falar sobre a vida deles, com dúvida e desabafos. O ator e realizador canadiano, de 37 anos, que em 2013 foi nomeado para um óscar para a curta-metragem “Henry”, agarrou em todas essas histórias e fez um filme que mostra, aos olhos de um adolescente de 16 anos, o que é ser vítima de bullying. “1:54” é um “thriller psicológico”, segundo o realizador. Estreou em 2016, tem passado nas escolas canadianas e chegou às Nações Unidas, onde foi exibido antes de um debate sobre o tema. Depois de passar no São Jorge, no festival Queer, em Lisboa, chegou ao Porto. Surpreendido pelo impacto do filme, Yan England confessa, na sua passagem por Lisboa, ter percebido que o bullying “é igual” em todos os países e o passo mais importante é conseguir que os adolescentes “quebrem o silêncio” em relação ao que vivem.

Com surgiu a ideia para este filme?

Tinha esta ideia há já muito tempo. Assim como o protagonista, o Tim, também eu corro, sempre fiz desporto e quis explorar essa ideia de ultrapassar limites, assim como o lado bom e mau da rivalidade. Este não é um filme só sobre bullying, se quisesse isso eu teria feito um documentário. “1:54” é um thriller psicológico e baseia-se em todas as histórias que fui recebendo. Adoro partir do ponto de vista de uma pessoa e foi isso que fiz nos meus outros dois filmes. Desta vez é um miúdo de 16 anos, o Tim, de quem retrato o dia a dia na escola secundária, um ambiente que quis usar no filme porque conheço bem.

Porque é que conhece bem?

Sou ator desde os oito anos e nunca parei até hoje. Fiz séries de televisão, apresentei programas para jovens e tive a oportunidade de estar próximo de várias gerações de miúdos. Isso também me permitiu que, ao longo destes anos, muitos miúdos partilhassem comigo as histórias deles, tornou-se comum receber emails deles. Um miúdo, uma vez, escreveu-me a dizer ‘hoje não tive um dia bom na escola.’ Respondi-lhe de volta a perguntar porquê e, de repente, veio a história toda. Tudo o que acontece neste filme é verdade. Não é a biografia de um miúdo só, mas sim a história de vários adolescentes. Queria que este fosse um filme extremamente autêntico e realista.

E como conseguiu?

Todas as cenas do filme foram filmadas numa escola, durante o horário escolar e todos os 1200 jovens que aparecem são alunos da escola. Só lhes pedia para continuarem a fazer o que estavam a fazer e que, se alguma coisa acontecesse, reagissem normalmente. Há uma cena no filme com uma luta à porta da escola entre o Tim e o colega que gozava com ele. Pedi à minha equipa que se escondesse e só fiz um sinal visual para que começassem a filmar. A luta começa e, de repente, a reação de todos os miúdos foi juntarem-se à volta dos dois e incentivarem a luta. Foi a reação típica.

Qual o ponto comum das histórias que lhe contaram?

Normalmente, os comentários começam como uma piada, mas torna-se uma pressão. Depois, há coisas que os miúdos não contam aos pais por acharem que eles não os entendem. Todos nós sabemos que é assim e todos já dissemos isso. Mas é um dos grandes problemas. É a lei do silêncio. Quando os miúdos pensam em falar acham que isso vai tornar a situação pior.

O que tem hoje de diferente o bullying nas escolas?

Há 10 anos, se fosses alvo de bullying, quando o dia de escola acabava, ias para casa e voltavas no dia seguinte. Hoje, a escola segue-te dentro do bolso, no telemóvel, através das mensagens escritas e das redes sociais. Mas, no fundo, o bullying não mudou. Há é também um elemento mais privado que torna mais difícil que as pessoas à volta – sejam professores ou pais – saibam e deem conta.

O filme tem passado em várias escolas no Canadá e passa esta segunda-feira para alunos do Porto. Que reações tem recebido?

Essa é a coisa melhor que aconteceu: abrir um diálogo entre os estudantes, entre eles e os professores, e até com os pais. Uma vez tivemos uma apresentação numa escola privada e quando o filme acabou, depois do longo silêncio que fica sempre durante alguns segundo, alguns professores disseram que aquela situação não existia ali na escola. Os miúdos concordaram. Até que uma rapariga, com uns 15 anos, sentada ao lado da irmã mais velha, levantou o braço e disse que aquilo que aconteceu ao Tim no filme lhe acontecia todos os dias naquela escola. Houve um silêncio total. E a irmã mais velha começou a chorar porque não sabia. Uma das coisas que percebi é que o bullying não tem classe social. Podes ser de qualquer país, podes ser alto, incrivelmente bonito, o mais inteligente ou o mais forte. Se escorregas na escola ou algo te acontece, podes tornar-te a vítima.

E tem reações dos pais?

Sim. Estive num festival onde o filme ia passar durante três dias seguidos. Um miúdo, no final da apresentação, veio ter comigo e disse-me que voltaria no dia seguinte. Assim foi e trouxe a família toda. Um tempo depois, o pai veio falar-me e disse-me que, quando regressaram a casa, naquele dia, o filho lhe disse que vivia o mesmo há quatro anos. Nenhum deles em casa sabia.

Este filme mudou-o de alguma forma?

Sim, completamente. Quando fiz o filme, nunca esperei que fosse apresentado em tantos países, nunca pensei que viesse a Portugal, nem que passasse em Lisboa e no Porto. É incrível como o bullying se estende a todos os países, de forma igual. Para mim também foi incrível como o filme chamou a atenção das Nações Unidas ao ponto de terem decidido passá-lo na sede em Nova Iorque, perante tantos especialistas de todo o mundo. Ter miúdos de todo o lado a partilhar as suas histórias é a beleza disto. O filme mudou-me em todos os aspetos e o impacto que está a ter vai para lá do que conseguiria imaginar.

Qual foi a sua maior conquista com este filme?

O diálogo sobre o assunto. O problema do bullying é o silêncio. Quando se abre o diálogo, abre-se uma pequena fenda que serve para quebrar a situação. Não digo que o filme resolve o que quer que seja, mas estar a abrir esse diálogo já é ótimo.

 

 

Startup portuguesa quer pôr crianças a ver vídeos online de forma segura. E a aprender

Outubro 10, 2017 às 6:00 am | Publicado em Recursos educativos, Vídeos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do site http://tek.sapo.pt/ de 25 de setembro de 2017.

A MagikBee é uma startup de Braga que já soma outras “apostas” internacionais no seu portfólio e agora propõe mais uma: a app KiddZtube.

A KiddZtube apresenta-se como um substituto do YouTube para crianças com menos de 7 anos, apostando em vídeos apropriados para a idade, desde música a desenhos animados. O objetivo vai mais além e passa igualmente pela aposta na oferta de uma experiência interativa e educativa.

São neste momento mais de 1.000 vídeos escolhidos “a dedo” de canais de YouTube por um grupo professores que trabalham conjuntamente com uma equipa de seis pessoas da MagikBee. São, normalmente, vídeos populares entre os mais novos, mas também com potencial para serem explorados com perguntas customizadas, de acordo com os conteúdos em causa.

“Os vídeos são escolhidos um a um e de seguida são construídas questões que trabalham áreas linguísticas, matemática, identificação de emoções, cores, atividades, etc”, explicou Hugo Ribeiro, da MagikBee, ao TEK. “As perguntas estão sempre contextualizados no vídeo que estão a ver para que o processo de visualização das crianças seja mais ativo e não passivo”.

Cabe aos pais personalizarem toda a experiência dos seus filhos, podendo ativar ou desativar categorias e até ativar ou desativar os quizzes. “Se a criança ainda não estiver por exemplo familiarizada com a formação de palavras, o pai poderá apenas desligar esse tipo de quizzes”.

A MagicBee garante que os pais têm total controlo sobre o que o filho vê, o tempo que vê e ainda têm estatísticas sobre quais são as áreas de desenvolvimento em que a criança é melhor e aquelas que precisam de ser reforçadas.

A app está só disponível em inglês, “mas é também uma boa forma das crianças portuguesas aprenderem a falar e a ficar familiarizadas com o inglês desde pequeninas, dado que o inglês faz parte dos planos curriculares cada vez mais cedo”, justifica. A intenção é trabalhar diferentes áreas de aprendizagem como: spelling, counting, emotions, colors, activities e directions.

A KiddZtube tem duas versões disponíveis: a versão KiddZtube Lite, que permite experimentar a aplicação, e a versão premium, que custa €5,99 e que abrange os tais mais de 1.000 vídeos, 7.000 quizzes e permite controlar toda a experiência da criança com acesso a um dashboard detalhado. Por enquanto só está disponível para  iOS, mas está prevista uma versão para Android.

Uma startup para “pequenos” a crescer

A app kiddZtube é a mais recente aposta da MagikBee, mas a startup de Braga já soma outras “apostas” internacionais no seu portfólio.

Hugo Ribeiro explica que o negócio está dividido em duas grandes áreas: os smart educational toys, em que o objetivo é criar uma experiência de realidade aumentada, e esta área de active video learning.

“Somos uma startup edtech com a missão de reinventar a forma como as crianças usam as tecnologias tornando-as mais seguras, educativas, mas mantendo toda a componente de divertimento que as crianças procuram”.

A empresa está neste momento a desenvolver mais jogos para o seu primeiro produto, o Magik Play, e tem também um projeto em desenvolvimento com livros, o Magik Book, que pretende alargar os conteúdos de livros tradicionais aos dispositivos móveis, como tablets ou smartphones, criando experiências muito mais ricas com inclusão de vídeos, música e animações.

A evolução positiva do negócio é encarada com muito agrado. “Estamos muito satisfeitos. O Magik Play está a vender para todo o mundo (…) e também em Portugal, na Fnac, e temos planos para continuar a nossa expansão construindo um ecossistema de produtos educativos inovadores com a missão de se tornarem verdadeiras mais-valias para as crianças, pais e educadores”, refere Hugo Ribeiro. “Temos também alguns projetos mais laterais e que visam explorar as nossas tecnologias únicas noutras áreas onde acrescentem valor”, acrescentou.

http://www.magikbee.com/kiddztube/

 

 


Entries e comentários feeds.