Instituto de Apoio à Criança recebe 10 pedidos de ajuda diária

Maio 24, 2017 às 11:00 am | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

Notícia do http://www.dn.pt/ de 24 de maio de 2017.

A notícia contém declarações do  Dr. Manuel Coutinho (Secretário–Geral do Instituto de Apoio à Criança e Coordenador do  Sector SOS-Criança do Instituto de Apoio à Criança).

Manuel Coutinho, psicólogo clínico e secretário-geral do IAC – Instituto de Apoio à Criança
| Orlando Almeida / Global Imagens

Todos os dias chegam ao Instituto de Apoio à Criança (IAC), em média, cerca de 10 apelos relacionadas com situações de perigo, muitos deles feitos por crianças que se sentem desamparadas e fragilizadas emocionalmente.

“As crianças utilizam a linha para apresentar situações que as preocupam, que lhes causam dúvidas existenciais” e o “SOS-Criança é um dos poucos serviços que lhes dá voz na primeira pessoa”, disse em entrevista à agência Lusa o secretário-geral do IAC, Manuel Coutinho.

Do outro lado da linha há uma equipa de psicólogos que diariamente ouve as suas preocupações e trabalha com elas a sua autoestima.

Só em 2016, o IAC recebeu 2.392 pedidos de ajuda feitos por crianças, pais, familiares ou vizinhos, mais 525 do que no ano anterior.

Segundo Manuel Coutinho, “as problemáticas” mais preocupantes são “as situações das crianças em perigo, em risco, e abusadas sexualmente, mas também das crianças que precisam só de falar com alguém”.

“Hoje em dia, quando aparecem situações preocupantes de desafios ‘online’ completamente perigosos e que fazem até algum terrorismo na vida das crianças temos de perceber que estes ‘jogos’ aparecem porque as crianças estão muito instáveis emocionalmente”, frisou.

Para o coordenador do SOS-Criança, é preciso “dar um suporte efetivo às crianças”, conversar com elas, “fazer-lhes entender os perigos que existem no mundo e levá-las a que tenham uma boa autoestima”, para que possam ter “uma boa saúde mental”.

“Se viverem equilibradas, se tiverem um bom autoconceito, se se sentirem amadas (…) se conseguirem partilhar os seus medos e as suas angústias, as crianças, mesmo as mais curiosas, podem ir ver estes desafios ‘online’, mas não se deixam seduzir pela prática desses perigosos desafios”, frisou.

Além de conversarem com os filhos, os pais devem também ajudá-los a procurar apoio e “a saberem encontrar respostas por si só para os problemas que vão surgindo no quotidiano” e prepará-los para “os ‘não’ da vida”.

Em relação às problemáticas que chegaram ao SOS Crianças no ano passado, Manuel Coutinho apontou a negligência, ou seja, “o mau trato não intencional”, como a questão mais relevante.

Por vezes, as crises económicas e sociais levam os pais a negligenciar o filho, mas “não podemos permitir que as crianças sejam o elo mais fraco de toda esta situação”, disse Manuel Coutinho, adiantando que estas situações têm sido aquelas que o IAC “mais tem conseguido reparar”.

Mas, além desta questão e da “situação do falar com alguém”, há também “um elevado número de situações que se prendem com os comportamentos de crianças em risco/perigo”, muitos delas associadas a situações de regulação parental.

“Os pais têm de perceber, de uma vez por todas, (…) que o casal parental é para sempre” e que “têm o dever de cuidar dos filhos mesmo quando se separam”.

Mas isso nem sempre acontece, “o que leva a que haja muitas crianças e muitos jovens que, angustiados e complemente ‘ensanduichados'” nesta guerra, “telefonem para o SOS Criança” a pedir ajuda.

Na totalidade dos apelos recebidos em 2016 na linha SOS-Criança (116.111), foram identificadas 1.148 crianças, 41% das quais com idades entre os sete e os 13 anos e 28% dos zero aos seis anos.

Apesar de haver apelos provenientes de todos os distritos de Portugal, a grande maioria das crianças é residente no distrito de Lisboa (32%), Setúbal (11%) e no Porto (10%).

 

 

Anúncios

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: