De que é que as crianças têm medo?

Maio 13, 2017 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do http://www.noticiasmagazine.pt/ de 2 de maio de 2017.

Medo do escuro, do lobo mau, de monstros no armário. Das trovoadas, de ficarem sozinhas, da morte. Os medos variam consoante a idade e a personalidade das crianças mas, apesar de lhes poderem causar sofrimento, são tão comuns quanto necessários para crescerem. Cabe aos pais ajudarem os filhos a descobrir que nada é, afinal, tão assustador como pensavam, explica a psicóloga Leonor Baeta Neves, especialista em desenvolvimento infantil. E dar-lhes a confiança de que precisam para se irem tornando independentes. Isso sim, dá um medo danado. A eles e a nós.

Texto de Ana Pago | Fotos da Shutterstock

Quais são os principais medos das crianças, de um modo geral?

São no fundo os medos ancestrais, aqueles que o homem pré-histórico decerto teria e lhe salvavam a vida. Primeiro, o medo do escuro, porque nesses tempos andar no escuro, sem ver, era potencialmente mortal: podia cair num precipício, encontrar um animal feroz, afogar-se num rio. Segundo, o medo de animais, já que não tinham defesas contra os grandes, que eram predadores, ou os muito pequenos (insetos, por exemplo), que podiam trazer doenças. Terceiro, o medo da solidão, de ser abandonado, que até um animal sente. São tudo medos antigos e muito profundos.

E o maior medo de todos? Separar-se da mãe?

O medo da separação também é um medo defensivo, mas é mais do que isso. É de facto o medo maior, o mais compreensível e correto. Um ser humano dificilmente sobrevive sozinho: quanto mais pequeno, maior o risco. A ligação à mãe é um verdadeiro instinto que qualquer animal tem e uma criança sabe, sente, que necessita não apenas dos cuidados físicos, uma vez que nasce incompleta, mas também da relação de afeto, tão importante para a sua saúde como os cuidados materiais. O chamado segundo organizador da personalidade, que é a conhecida angústia do oitavo mês, funciona em relação à mãe pelo pânico que a criança sente quando se separa, quando a mãe desaparece. Esse é um facto conhecido e importante.

Maior que o medo da morte?

A noção da morte, de uma separação para sempre, surge muito mais tarde e é um medo associado ao da separação. Afinal, o sentimento da criança é: «Se eu perco quem me assegura a vida, o que vai ser de mim?»

Por muito irracionais que estes medos pareçam aos pais, eles são reais. Mesmo não tendo uma relação direta com a realidade e sim o sentido que a criança lhes atribui em cada etapa do desenvolvimento…

São reais, sim. Importa reconhecê-los como tal e ajudar os nossos filhos a enfrentá-los com confiança, de modo a evitar que evoluam para fobias. E isto sem nunca ridicularizar a criança ou os seus medos. A realidade é secundária quando se trata de sentimentos.

Ter medo é saudável? Até na medida em que pode evitar que corram riscos desnecessários?

Ter medo é importantíssimo. Ouvimos alguns pais dizerem em tom divertido «Ah, o meu filho não tem medo de nada», mas isto não tem graça. Devia ter medo. E não, os pais não precisam de o assustar para lhe incutir o sentimento de cuidado com muita coisa, nomeadamente esses medos primitivos do escuro, ou de animais, ou do fogo, ou das alturas – afinal, ao andar num escuro total pode magoar-se; se agarrar num bicho que não conhece pode ficar ferido; se se debruçar de um sítio alto pode cair e morrer… Ensinar a ter cuidado é justamente ensinar a não ter medo, ou seja, a utilizar a cautela de forma adequada e eficiente. O que se deve é ensinar a criança a servir-se das ferramentas de que dispõe: pode mexer e usar tudo, ou quase tudo, mas antes deve treinar muito bem essa utilização.

Quando é que um medo aparentemente normal se transforma em motivo para alarme?

Quando se torna obsessivo. Quando prejudica o dia-a-dia e impede o natural funcionamento do quotidiano. Quando se percebe que incomoda a criança e os que lidam com ela. Por outro lado, também existem medos individuais que convém perceber como surgiram. Os pequenos podem ter medo de uma gravura, uma cantiga, uma pessoa, e aí devemos perceber a razão por que isso acontece. Que memórias são evocadas e as associações que fazem.

O que podem os pais fazer concretamente para mostrar às crianças que respeitam os seus medos?

Como para quase tudo na vida, o primeiro passo (e o mais importante) é conversar. Deixar que a criança diga o que receia sem se sentir censurada. Pôr-se no seu lugar, voltar à infância e tentar sentir o mesmo que lhe é descrito. Acima de tudo, nunca forçá-la: uma pessoa pode enfrentar qualquer medo se se sentir acompanhada, mas nunca quando é empurrada. A brincadeira é outra aliada poderosa nesta luta contra os medos: podem fazer jogos de role playing juntos, brincar um pouco com aquilo que assusta o seu filho sem troçar dele. E é bom confidenciar-lhe medos que também tenha tido e como os ultrapassou.

Desvalorizar nunca é solução?

Nunca. Nem gozar ou menosprezar a situação – apenas fará com que a criança deixe de falar nisso por vergonha, enquanto sente reforçar-se o seu sentimento de angústia. Ainda que aos olhos do adulto possa parecer engraçado, o medo tem de ser levado a sério, porque é sério. Para a criança não tem graça nenhuma. É uma ofensa ser ridicularizada.

Falamos em medos infantis, embora na verdade se prolonguem pela adolescência com o receio de não pertencer a um grupo, não ser popular e outros do género…

Os medos infantis mais famosos são os que chamei de ancestrais, por serem antiquíssimos, básicos e inclusive comuns a alguns animais. Depois, quando a criança se socializa, quando vai para a escola, aparecem os medos sociais como a vergonha, que é uma emoção bem forte apesar de um animal não ser capaz de senti-la. Também estes medos sociais são importantíssimos, não apenas na adolescência, mas sobretudo nessa etapa.

Qual é a melhor abordagem a ter nessas idades, em que os jovens julgam saber tudo e já estão menos dispostos a ouvir os pais?

A adolescência de um filho deve começar a preparar-se ainda durante a infância, quando aprende a sentir-se seguro e amado. É importante nunca deixar gerar-se um vazio grande de comunicação na família: o jovem deve sentir que pode confiar nos pais, mesmo que se oponha a eles, e é bom haver essa oposição para crescer. Por mim, a melhor aposta é o diálogo, por muito difícil que seja. Se possível, conheça o maior amigo do seu filho e nunca o hostilize. Estabelecer uma ponte também pode ajudar: conte-lhe coisas da sua própria adolescência, os disparates que fez, a relação com os avós, como se sentia então. Não havendo uma receita infalível para todos os casos, os pais terão de ir por tentativa e erro.

E o que fazer quando os medos das crianças mexem com memórias dolorosas ou com os medos dos próprios pais?

Aceitar isso e enfrentar, afinal de contas é um ponto de proximidade importante. Se os medos forem demasiado dolorosos para que o adulto consiga debater com o filho essa angústia em comum, fale com um técnico ou leia qualquer coisa que o ajude a ver mais claro. Preparar-se para ajudar as crianças tem tudo para ajudar também os pais.

mais fotos no link:

http://www.noticiasmagazine.pt/2017/sao-estes-os-medos-das-criancas/

 

 

Anúncios

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: