Baleia Azul. “Os adolescentes nunca deviam levar o telemóvel para o quarto à noite”

Maio 4, 2017 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Notícia do https://sol.sapo.pt/ de 3 de maio de 2017.

No seu consultório já recebeu dois jovens desesperados por terem recebido uma mensagem a pedir que se automutilassem. A esses casos, a psicóloga Bárbara Dias aconselha calma e desprezo por um jogo que é apenas isso, um jogo

Bárbara Dias está habituada a lidar com os jogos que aliciam os adolescentes a pisar o risco. “No ano passado era a ‘Maria Sangrenta’, este ano é a Baleia Azul”, refere, lembrando que o importante é dotar os adolescentes de ferramentas que lhes permitam dizer não a esse tipo de desafios. Um acompanhamento mais próximo dos pais e um acesso limitado à internet são fundamentais, defende a psicóloga.

Já recebeu dois jovens ligados ao jogo da Baleia Azul. De que forma entraram no jogo?

Nos dois casos, os miúdos já eram acompanhados por mim por episódios de ansiedade ou falta de concentração e organização na escola. Como forneço o meu Whatsapp a todos eles, estou habituada a receber desabafos do género “Já não aturo a minha irmã” ou “chateei-me com a Maria”. Desta vez, vieram perguntar-me se podiam ter consulta nesse mesmo dia, porque tinham recebido uma mensagem estranha no telemóvel.

O que dizia?

“Desenha uma baleia com a ponta de uma faca e envia uma fotografia. Se não o fizeres, sabemos onde moram os teus pais e eles morrem.”

Soube imediatamente que se tratava do jogo Baleia Azul?

Não conhecia o jogo, mas fui logo informar-me. Estes jogos são muito comuns. No ano passado era a Maria Sangrenta – jogo em que tinham que enviar uma mensagem 20 vezes “senão a tua mãe morre”. Este é o da Baleia Azul e para o ano será outro. Os miúdos têm é que estar preparados para lidar com estas situações, sejam elas quais forem.

Como é que os tranquiliza?

Tento que percebam que nada de mal vai acontecer à família, que nada daquilo é real e que não passam de brincadeiras de mau gosto. Os miúdos ficam mesmo em pânico.

E é normal essa reação?

Para o comum dos mortais, não. Mas falamos de miúdos mais sensíveis, que já têm necessidade de serem acompanhados, alguns até que se automutilam.

Existe um grupo mais vulnerável portanto.

Sim, quem está mais fragilizado acredita muito mais facilmente. Além disso, olham para este tipo de desafio como a prova de que conseguem cumprir tarefas e são capazes de ultrapassar todas as fases.

Este comportamento também é fruto de uma nova adolescência?

De facto, a adolescência atual não tem nada a ver com a de há uns anos. Os jovens passam imenso tempo sozinhos, o que lhes dá tempo para tudo e mais alguma coisa. Além disso, têm total liberdade para usar tecnologias. À noite, por exemplo, ficam até às tantas ao telefone, a jogar ou a falar com amigos. Nunca deviam levar o telemóvel para o quarto à noite.

Até que idade?

Tem mais a ver com maturidade do que com a idade. Mas um filho meu seria até aos 16 anos.

Os pais estão sensibilizados para a necessidade de um contacto mais próximo?

Faço por isso. Mas ainda a semana passada me apareceram pais a dizer que tiraram os telemóveis aos filhos para evitar que entrem no jogo. Não são essas medidas drásticas que funcionam.

O que recomenda?

Temos é de os ensinar a lidar com essas situações. Se tiverem confiança e uma boa autoestima, são capazes de ultrapassar estas questões facilmente. Da mesma forma que ensinamos os nossos filhos a sentarem-se à mesa e comer com talheres, também temos de os ensinar a navegar na net, sabendo o que é ou não seguro fazer.

 

 

 

Advertisements

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: