Porque é que os meninos não devem brincar com bonecas?

Março 14, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Artigo de opinião de Paula Cosme Pinto publicado no http://expresso.sapo.pt/ de 1 de março de 2017.

trinity-design

Lembro-me de há uns tempos o marido de uma amiga ter ficado altamente incomodado quando ela deixou o filho pintar a unhas com verniz. O miúdo, com pouco mais de cinco anos, achava um piadão às unhas coloridas da mãe e deleitou-se quando viu as suas transformadas num verdadeiro arco-íris. Como podem calcular, a única coisa de que o miúdo não gostou, nem sequer percebeu, foi a zanga. Conto este episódio porque já discorremos sobre ele em conjunto e porque é apenas um entre os muitos que acontecem entre pais e filhos, quando os primeiros têm dificuldade em deixar cair ideias pré-definidas no que toca ao que é apropriado a meninas e meninos. Afinal, qual é o mal de um miúdo querer pintar as unhas?

O mal está exclusivamente na cabeça dos adultos, que carregam consigo uma série de preconceitos, enraizados na nossa sociedade há séculos e que demoram a cair, mesmo quando estamos despertos para a necessidade urgente de o fazer. Continua a existir uma vontade e necessidade de se colocar rótulos naquilo que é esperado de cada género, desde criança, seja na forma como nos comportamos em sociedade e no seio familiar, nas atividades que gostamos de fazer, nas escolhas para o futuro. Em parte, isto também explica porque teimamos em dar carrinhos, bolas e miniaturas de materiais de construção aos garotos, enquanto que às garotas a escolha habitual – e igualmente pouco refletida – vai para cozinhas em miniatura, tiaras de princesa e bonecos ao género do bebé chorão.

trinity-design2

Muito se tem falado sobre a importância de estimularmos as meninas a fazerem outro tipo de atividades nas suas brincadeiras para além do universo cor-de-rosa, desde o desporto às ciências. Fazemo-lo convictos de que a alteração de certos padrões associados às expectativas que recaem sobre o sexo feminino desde tenra idade venham a contribuir para que elas se possam transformar em mulheres menos submissas, menos espartilhadas nas suas escolha e com a confiança suficiente para escolherem o que bem lhes apetecer para o seu futuro, mesmo que seja um trabalho ou atividade regra geral associado ao sexo masculino. Contudo, temo-nos esquecido constantemente de fazer o exercício contrário: promover a igualdade de género também entre os meninos e rapazes, dando-lhes espaço para serem e fazerem aquilo que mais gostarem. Para além dos tais rótulos do que supostamente é para menino ou para menina.

#ABoyCanToo, o projeto que todos devemos espreitar

Há uma fotógrafa canadiana que se dedica precisamente a tentar quebrar este estereótipos de género tão comuns na educação das crianças há mais de uma ano. Baseada nas diferentes personalidades dos seus três filhos, Kirsten McGoey começou em 2016 um movimento fotográfico associado à hashtag #ABoyCanToo, que se tornou num enorme sucesso. Em 2017, a primeira foto que publicou foi precisamente a de um menino a pintar as unhas e foi por isso que me lembrei de hoje o partilhar convosco.

As fotos de McGoey são feitas em estúdio, com meninos e pré-adolescente dos 4 aos 16 anos. Um género de elogio às suas escolhas, como fonte de inspiração para outras crianças que não se sentem à vontade para fazer coisas tão simples quanto patinagem artística, sapateado, cozinhar, brincar com bonecas, usar cabelo comprido e por aí fora. O resultado é um conjunto de retratos simbólicas que para muitos podem até ser desconfortáveis, mas cuja leitura aos olhos de uma criança não deveria ser mais do que normalidade.

trnity-design3

Hoje, o projeto alargou-se (e até aceita propostas de outros países), mas McGoey começou por fotografar os seus próprios filhos, fascinada pela diversidade de comportamentos e escolhas que cada um fazia individualmente. Tanto gostavam de jogar à bola e de brincar às lutas, como também gostavam de dançar, de usar peças cor-de-rosa e de fazer bolos (principalmente o filho do meio). O mais importante? Não era nenhuma destas coisas isso que os definia no seu todo. Não é o facto de gostarem de usar cor de rosa ou de brincarem com bonecas que os torna menos rapazes, nem tampouco menos masculinos. Não é isso que vai ditar o futuro da sua vida, incluindo as escolhas afectivas ou de orientação sexual. Escolhas que, quer queiramos quer não, serão individuais, sem direito a opinião alheia, incluindo a dos pais.

Aos olhos desta mãe tudo isto era e é cada vez mais claro: como crianças que são, devem ter espaço para explorar e descobrir os seus gostos individuais, e terem a liberdade para fazerem escolhas, sem os espartilhos criados pelos preconceitos dos adultos. Preconceitos que as crianças vão aprender rapidamente e adoptar para as suas vidas, tanto na sua autopercepção como na percepção do próximo. Se não queremos ter crianças preconceituosas, cabe-nos a nós dar-lhes o bom exemplo desde cedo e estarmos abertos para as clarificar quando as dúvidas surgirem. Mesmo que tal não aconteça em casa, acreditem, mais cedo ou mais tarde alguém lhes vai dizer que não é normal um menino brincar com bonecas ou pintar as unhas. Haja alguém que lhes explique que fazer esse comentário é que não é normal.

Espreitar este magnífico trabalho em conjunto pode ser um bom ponto de partida para mostrarem às crianças que vos rodeiam que o preconceito individual de cada uma nós depende… só de nós mesmos.

 

 

 

Anúncios

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: