Primeira-ministra britânica suspende programa de acolhimento de crianças refugiadas

Fevereiro 27, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do http://expresso.sapo.pt/ de 10 de fevereiro de 2017.

facundo-arrizabalaga

“O Parlamento não definiu uma data limite na nossa compaixão para acolher crianças vulneráveis na Europa”, foi a crítica endereçada pelo deputado David Burrowes a Theresa May. Também o conservador Will Quince expressou a sua “decepção” e pediu ao Governo que providencie mais fundos para as entidades locais que participaram no programa de acolhimento.

A primeira-ministra britânica decidiu suspender o programa de acolhimento de crianças refugiadas no Reino Unido, esta quinta-feira. Theresa May justificou a sua decisão alegando que o Reino Unido já acolheu um “bom número de crianças e de famílias” e recordou que o seu país é o segundo maior contribuinte financeiro para os campos de refugiados na Síria.

Amber Rudd, secretária de Estado para os Assuntos Internos, citada pelo “The Guardian”, mencionou que o Governo cumpriu as suas obrigações, depois do país ter recebido 350 crianças, que referiu ser o limite da capacidade que as entidades locais conseguiam sustentar financeiramente.

O anúncio da suspensão do programa foi recebido “com tristeza e choque” pelo arcebispo de Canterbury, Justin Welby, que acreditava que os ministros estavam “comprometidos a dar as boas-vindas a mais de 3 mil” crianças. O clérigo, segundo escreve o “El Mundo”, encabeçou as petições para restabelecer o programa criado há quatro meses para acolher 3 mil menores não acompanhados vindos dos campos de refugiados da União Europeia.

“Temos de resistir e dar a volta às preocupantes tendências que estamos a viver no mundo” disse Welby numa referência à lei anti-imigração de Donald Trump, citado pelo jornal espanhol. “Não podemos recuar na nossa longa tradição de proteger os vulneráveis”, acrescentou.

O programa britânico, que previa o acolhimento de crianças refugiadas, foi planeado por Alf Dubs, sobrevivente do holocausto, que pressionou o Governo para abrir as portas às crianças refugiadas do campo de Calais na França. Dubs acusou a primeira-ministra de violar o “compromisso”que tinha feito quando aprovou a Lei de Imigração em maio do ano passado. Reconheceu ainda a sua “frustração” pela toma desta decisão e anunciou que exercerá de novo pressão no parlamento para obrigar Theresa May a cumprir os seus compromissos.

Também Heidi Allen, deputada do parlamento britânico pelo partido Conservador, citada pelo “The Guardian”, mostrou-se descontente com a medida e garantiu que vai fazer pressão para a sua revogação no debate de 23 de fevereiro. “Há muitos de nós que não vão deixar que isto aconteça. O nosso trabalho durante as próximas semanas é alertar toda a gente para o que aconteceu. Tudo o que o Governo tem de fazer é deixar o sistema aberto. Não há absolutamente nenhuma razão para fechar o programa” de acolhimento, alertou.

Trabalhadores humanitários em Calais estimam que, apesar do campo de refugiados já ter sido demolido, há ainda cerca de 200 crianças que vivem nas florestas em redor do local, que esperavam serem transferidas para o Reino Unido na sequência do programa Dubs.

Como explica Amelia Burr, da organização “Help Refugees”, estas crianças “não estão alojadas em tendas porque isso as tornaria visíveis” e pretendem continuar escondidas. Sublinha também que é perigoso devido às baixas temperaturas e que, durante o mês de janeiro, com as temperaturas negativas, “distribuirão sacos-cama e cobertores durante a noite mas quando regressavam no dia seguinte, os cobertores estavam congelados”.

Segundo Burr, estes jovens voltaram novamente a tentar chegar ao Reino Unido, apanhando boleia em camiões durante a noite. No mês passado, conta, um rapaz de 20 anos da Eritreia foi morto na auto-estrada. “Há muito poucas opções legais para os menores que querem chegar ao Reino Unido agora, por isso apenas têm uma opção, que é arriscar a vida para tentar chegar à Inglaterra”, conclui.

mais informações no link:

https://www.theguardian.com/world/2017/feb/08/dubs-scheme-lone-child-refugees-uk-closed-down

Advertisements

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: