Menores de Edad y Conectividad Móvil en España: Tablets y Smartphones

Janeiro 13, 2017 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

menores

descarregar o estudo no link:

http://www.diainternetsegura.es/descargar_estudio.php

 

Workshop CENSOR: Estratégias de Colaboração para o Envolvimento, Integração e Educação de Refugiados/Migrantes – 17 janeiro em Lisboa

Janeiro 13, 2017 às 4:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

15936833_1415537188488073_3530371941249331641_o

Participação Gratuita, mas sujeita a inscrição.

mais informações:

http://aidlearn.pt/pt/empresa/servicos/eventos/ev-002.html

Hora do conto “Corre, corre, cabacinha”, de Alice Vieira – 14 de janeiro na Biblioteca Municipal Maria Lamas (Caparica)

Janeiro 13, 2017 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

corre

Dia: 14 de janeiro

Horário: 16h00

Local: Biblioteca Municipal Maria Lamas – Setor Infantil

Hora do conto “Corre, corre, cabacinha”, de Alice Vieira

Era uma vez uma velha muito velha, mãe de muitos filhos e avó de muitos netos. Vivia numa casa escondida na floresta, e sabia como ninguém fazer pão-de-ló, arroz-doce, coscorões e papas de farinha com mel. Até que um dia teve um convite muito especial…

Duração: 90m

Público-alvo: crianças dos 5 aos 10 anos

Lotação máxima: 10 famílias (máximo 20 participantes)

Marcação prévia: Cristina Morais biblactividades@cma.m-almada.pt 211 934 020

Biblioteca Municipal Maria Lamas

Rua do Moinho ao Raposo

2825-016 Caparica

Tel.: 21 193 40 20

mais informações sobre o livro:

http://www.oqo.es/editora/pt-pt/content/sobre-oqo

           

A Palavra Perdida – Oficina de Escrita Criativa e Ilustração de 18 a 29 de janeiro no CCB

Janeiro 13, 2017 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

marta-madureira

Fábrica das Artes | para todas as infâncias

O Manuel perdeu uma palavra. Confirmou nos bolsos, onde costuma carregar palavras, e faltava-lhe uma. Não sabe exatamente que palavra é. Ou que palavra era. Ou que palavra foi. Pede ajuda aos amigos e aos primos. Para saber que palavras ainda guarda nos bolsos (que é como quem diz: no coração e debaixo da língua), tem de descobrir a palavra perdida. Terá? E será que precisa mesmo da nossa ajuda? Afinal, como se pode escrever e desenhar uma palavra que se perdeu?

18 a 22, 25 a 29 janeiro, 2017 | 10:30

Espaço Fábrica das Artes

7 aos 10 anos (sem pais)

mais informações:

https://www.ccb.pt/Default/pt/FabricaDasArtes/Programacao/Oficinas?A=759

A aparente descontração dos pais alemães

Janeiro 13, 2017 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Texto do http://www.goethe.de/ins/pt/lp/prj/toa/ptindex.htm

celia-mateus

A minha vida mudou e muito no ano 2012. Vim viver para a Alemanha com o meu filho de 5 anos e o meu marido por motivos profissionais. Sabia a língua? Não, nem uma palavra, mas também não interessava nada. É preciso ter abertura de espiríto e encarar as diferentes fases da vida com optimismo, acreditando que tudo irá correr pelo melhor. Eis as minhas aventuras.

Na Alemanha é muito comum ver crianças sozinhas na rua, duas a duas ou em grupo a caminho da escola. Umas a passear de bicicleta e outras a passar nos semáforos das estradas movimentadas. Crianças pequenas que saem das suas casas para irem para a casa dos amigos, que fica na rua ao lado.

Tudo isto são cenas que me relembram a minha própria infância nos anos oitenta em Portugal, que era exatamente assim. Uma época que se perdeu. Mas porquê? Pelo medo muito fomentado pelas constantes notícias na televisão sobre o que vai mal no mundo? E, afinal, o que fazem os pais alemães de diferente? Certamente, eles amam tanto os seus filhos como quaisquer outros pais. Como conseguem eles ter a calma e a descontração para dar esta liberdade aos filhos, liberdade essa mais contida no panorama português? Em primeiro lugar, esta “descontração” no controlo parental é apenas aparente e, em segundo lugar, as crianças são incentivadas a serem independentes e, para que tal aconteça, devem sentir-se responsáveis pelos seus atos.

No jardim de infância, por exemplo, katharina-hankequando os vão levar ou buscar, não os ajudam a despir e a vestir ou a descalçar e a calçar. Ficam à sua frente, a dizer o que devem fazer, tipo: “Agora despe o casaco e pendura no cacifo com o teu nome. Agora descalça-te e guarda os sapatos no lugar deles. Tira as luvas e o gorro e coloca-os dentro das mangas do casaco”, e por aí fora. Assisti muitas vezes a isto e pensava para comigo, que pais eram estes que não ajudavam os seus filhos pequenos? Os pais alemães esperavam o tempo que fosse necessário até todas as tarefas estarem concluídas. E o que acontecia? Os meses passavam e as crianças alemãs, gradualmente, começavam a ser mais “desenrascadas” e já se despiam e vestiam cada vez mais depressa e sem ser necessário que lhes dissessem qual a ordem correta.

Quando o meu filho foi para escola primária alemã, explicaram-nos que os pais só devem acompanhar os filhos no primeiro dia de escola. A partir daí, as crianças devem ir a pé ou de autocarro.
O meu filho de seis anos, sozinho no autocarro da escola?
Não consegui fazê-lo, pelo que ocasionalmente recebia uns olhares espantados dos próprios miúdos, que não compreendiam a minha presença na escola.

As crianças pequenas são também incentivadas a andar de bicicleta, para acompanhar a família nos passeios de fim de semana e, como consequência disso, muitas crianças de três anos já sabem andar numa bicicleta com pedais. Enquanto isso o meu filho aprendeu a andar de bicicleta sem pedais com três anos! Em Portugal não existem bicicletas destas para crianças de dois anos, ao contrário do que se vê na Alemanha.

celia-mateus2Outro bom exemplo são os parques infantis, que na Alemanha estão sempre apinhados de pais com os seus filhos. Os pais sentam-se, conversam, levam termos de café, bolachas e fruta, que trocam entre eles e vigiam os seus filhos sem se levantar. Se eles desaparecem da sua vista, não vão a correr para ver onde os miúdos andam, se foram para trás de algum arbusto, se para cima de uma árvore ou se estão empoleirados num baloiço mais alto onde não deviam estar. Todos os pais alemães que conheço achavam estranho eu andar sempre atrás do meu filho e, gradualmente, deixei de o fazer, não que não me preocupasse, mas a verdade é que ele estava sempre por ali.

Qual é, então, a diferença na educação alemã? Trata-se de incentivar a independência e a responsabilidade, através da confiança que depositam nos seus filhos. Ao estar fora da vista dos pais, a criança sente que precisa de se desenvencilhar sozinha e ao fazê-lo está também a ser mais independente. São maneiras diferentes de educar, cada uma com as suas vantagens e desvantagens.

Seja como for, pese embora eu não me consiga libertar do “controlo parental português”, agrada-me viver num país que me relembra a minha própria infância e sentir que o meu filho pode viver a sua infância na plenitude que ela merece.

celia-mateus3

 

Célia Mateus
licenciou-se em Ciências da Comunicação na Universidade Luís de Camões e especializou-se em Relações Públicas, área onde trabalhou mais de 10 anos, passando pela Câmara Municipal de Lisboa e pela NPF-Pesquisa e Formação. Nos últimos anos trabalhou na área do Turismo, como agente de Viagens na Best Travel.

Copyright: Tudo Alemão
Novembro de 2015

Língua original: Português

 


Entries e comentários feeds.