Com novo plano de vacinas, aos 12 meses bebés ficam protegidos contra 11 doenças

Janeiro 7, 2017 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Entrevista de Graça Freitas ao https://www.publico.pt/ no dia 26 de dezembro de 2016.

A vacina da meningite B, que fica cara aos pais, vai ser dada apenas aos grupos de risco

A vacina da meningite B, que fica cara aos pais, vai ser dada apenas aos grupos de risco

Já há 300 mil adolescentes vacinadas contra o vírus do papiloma humano em Portugal, calcula a subdirectora-geral da Saúde, Graça Freitas. E a nova vacina incluída no Programa Nacional de Vacinação — que arranca em Janeiro — protege contra mais de 90% dos cancros de colo do útero.

Alexandra Campos

A grande mensagem do novo Programa Nacional de Vacinação (PNV), que entra em vigor em 2 de Janeiro, é que a vacinação é para a vida.  As crianças começam a ser imunizadas contra a tosse convulsa ainda na barriga das mães. Depois, com menos picadas do que actualmente, aos seis meses já ficam protegidas contra sete doenças e, com apenas um ano, ficam livres de 11 patologias, enfatiza a subdirectora-geral da Saúde, Graça Freitas.

A médica calcula que já são 300 mil as raparigas imunizadas contra o vírus do papiloma humano e frisa que a nova vacina protege contra mais de 90% dos cancros do colo do útero. Já a vacina da meningite B, que fica cara aos pais, vai ser dada apenas aos grupos de risco, mas o alargamento a todas as crianças continua em estudo.

O novo PNV vai arrancar com algum atraso nos centros de saúde porque o concurso de uma das vacinas não está concluído, avisa Graça Freitas, que confia que tudo esteja normalizado em duas semanas.

O novo Programa Nacional de Vacinação tem muitas alterações. Uma das novidades é a vacinação universal das grávidas para a tosse convulsa. Mas, habitualmente, as grávidas são avessas a vacinar-se. Acha que vão conseguir convencê-las desta necessidade?

Estamos convencidos de que vamos ter uma boa adesão.  Em cada momento, desde 1965 (o PNV já tem 51 anos),  foi-se fazendo o melhor programa possível para a saúde pública e para a população naquele momento. Há aqui uma relação de confiança entre quem promove a vacinação e quem se vacina. Num mundo tão conturbado, é importante realçar a confiança da população.

A taxa de vacinação em Portugal é muito elevada?

Sim, é à volta de 95% ou mais. Há outros países com bons resultados, mas não há muitos que mantenham esta cadência. A grande mensagem deste PNV, em termos generalistas, é que a vacinação é para o longo da vida, não é só pediátrica. Começamos pela vacinação das grávidas contra a tosse convulsa, a primeira vacina que estamos a introduzir é in utero. Vacina-se a mãe para que possa passar a imunidade, os anticorpos que desenvolve, através da placenta, de forma a proteger o seu filho, que só se pode vacinar contra tosse convulsa aos dois meses. Aquelas primeiras semanas de vida são as de maior vulnerabilidade para a doença.

Mas este ano há um pico de casos de tosse convulsa em Portugal e as vacinas para as grávidas que se vendem nas farmácias chegaram a esgotar-se…

Sim, houve um pico de casos, mas agora abrandou. Esta doença é sazonal, há mais casos nos meses quentes mas, mesmo com os picos, os casos são poucos. O problema é que [esta patologia], nas primeiras semanas de vida pode ser grave. As grávidas devem fazer a vacina da tosse convulsa entre a 20.ª e a 36.ª semana, idealmente até à 32.ª semana. A vacina é segura, para a mãe não tem consequências, e é um acto de generosidade e de amor porque protege o filho. Esta é uma mudança crucial.

Outra novidade é que os bebés vão ser sujeitos a menos picadas?

Exactamente. Aos dois meses e aos seis meses, para manter a aceitação, para aumentar o conforto e minimizar a dor, tomamos a decisão de introduzir duas doses de vacina hexavalente (a mesma ampola contém seis vacinas).  Assim, aos dois e aos seis meses poupamos uma injecção.

Havia recomendações de especialistas, nomeadamente da Sociedade Portuguesa de Pediatria, para incluírem também outras vacinas, como a do rotavírus, da varicela e hepatite A, algumas das quais custam muito dinheiro aos pais. Por que é que isso não aconteceu?

Ponderamos sempre a inclusão em função do interesse público, do benefício para a sociedade, mais do que o benefício individual. Nenhum programa em nenhuma parte do mundo tem todas as vacinas. Portugal, por exemplo, durante anos teve a BCG quando a maior parte dos países já não tinham.

calendario-vacinas

Mas a vacinação contra o rotavírus e a varicela faz ou não faz sentido?

Do ponto de vista da saúde pública não faz sentido. A doença por rotavírus é uma gastroenterite, não é grave, basta que as crianças estejam hidratadas. Agora, do ponto de vista individual, não temos nada com isso, a decisão é dos pais e dos médicos.

Por que motivo é que a vacina da meningite B fica reservada apenas para grupos de risco?

É para grupos de risco, mas o alargamento ainda está em estudo.

É uma vacina cara para os pais…

Sim, mas temos que ter a certeza que é benéfica para todos, se vai diminuir a circulação ou não. É um processo de decisão muito complexo. Isto depende sempre da evidência científica, dos estudos.

Nos últimos anos têm-se sucedido também as falhas no fornecimento da vacina BCG. Foi por isso que decidiram deixar de a dar a todas as crianças e passaram a dar só às de grupos de risco?

Não, já estávamos a estudar esta mudança havia muitos anos. Esta é outra novidade, mas já era assim desde o ano passado. Só que agora passa a ser oficialmente assim. [No entanto], os grupos de risco, as pessoas imunodeprimidas, as que vão fazer uma viagem especial, os profissionais de alguma área que os põe em risco, podem continuar a beneficiar de vacinação gratuita.

No caso das adolescentes, o que é que muda na vacina contra o papiloma vírus humano (HPV)?

Mudámos de uma vacina que tinha quatro grupos do HPV e protegia contra 75% dos cancros do colo do útero para outra contra nove genótipos do HPV que protege contra 90% a 95% dos cancros do colo do útero. É um ganho muito grande.

Já há muitas adolescentes vacinadas em Portugal?

Há mais ou menos 300 mil adolescentes vacinadas, é a minha estimativa. É muita menina, estou muito feliz com isto.

Vários especialistas recomendam também a vacinação contra o HPV para os rapazes. Por que é que isso não avançou?

Tínhamos que ser muito ricos. Se as meninas ficarem protegidas, mais tarde, quando os rapazes tiverem relações sexuais com elas, não há transmissão. Há aqui um ganho adicional para os rapazes. Agora, voltamos à história do plano individual: se uma família quiser dar esta vacina aos rapazes, não é um erro. Mas, do ponto de vista da saúde pública, consideramos que era preferível investir o dinheiro a aumentar a abrangência para as raparigas em vez de vacinar também rapazes.

Já na idade adulta, porquê toda esta insistência com a vacinação contra o tétano?

Porque o tétano nunca se vai extinguir, a bactéria sobrevive anos no ambiente e a doença não dá imunidade, o que é uma coisa estranha. E esta é uma doença muito grave. A boa notícia é que, ao longo da vida, os reforços desta vacina vão passar a ser feitos de vinte em vinte anos, em vez de dez em dez anos. Só a partir dos 65 anos, como o sistema imunitário já não é tão bom, é que as pessoas se têm que se vacinar de dez em dez anos.

Como é que vão operacionalizar o novo programa no terreno a partir de Janeiro?

Estamos a fazer todos os esforços e vamos conseguir que isto arranque como está previsto a partir de 2 de Janeiro na maior parte dos sítios para a maior parte das vacinas.  Noutras situações poderá haver um delay de dias, durante a primeira e a segunda semanas.

O gasto com o actual PNV ascende a 30 milhões de euros. Quanto é que o novo vai custar? Vai ficar um bocadinho acima, não sei dizer porque o concurso das vacinas hexavalentes ainda não está completamente encerrado. Estas são um bocadinho mais caras, a HPV9 também é mais cara e a das grávidas representa um custo adicional. [Em contrapartida], reduzimos a BCG mas esta é uma vacina barata.  O orçamento ficará acima dos 30 milhões,  mas não sei os números exactos.

O concurso não está concluído? Então como vão avançar em Janeiro?

A vacina hexavalente é a menos problemática, porque os poucos meninos que vão fazer dois meses estes dias podem fazer a pentavalente mais um. E vamos ter a hexavalente nos primeiros dias de Janeiro. Se as crianças cumprirem o esquema, quando fazem seis meses ficam protegidas contra sete doenças. É muito importante que os pais não se atrasem. Quando fazem um ano, ficam protegidas contra 11 doenças. A grande vantagem é a de que, com um ano de idade, as pessoas já estão livres de 11 doenças, algumas delas graves.

Apesar disso, há pessoas que têm medo de se vacinar.

Sim, há movimentos de hesitação em vacinar, por isso vamos fazer uma fortíssima aposta na informação e comunicação. Queremos que os pais estejam sempre informados dos benefícios e dos raros riscos da vacinação, e também dos riscos da não vacinação.

 

Anúncios

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: