Apresentação do livro “A viagem de Peludim” 17 Setembro na Biblioteca Municipal Lídia Jorge (Albufeira)

Setembro 8, 2016 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

14079588_1016635651767450_7554546822179553704_n

XV Aniversário da CPCJ de Baião + Conferência “Crescer com Afetos” 17 de setembro

Setembro 8, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

14199708_1348155698542105_5367386108288715083_n

CPCJ de Baião

Telef. 255 541 390

Fax: 255 541 396

Tlm: 934 195 049

E-Mail: cpcjbaiao@gmail.com

Morada:

Rua Comandante Agatão Lança, n.º 47

Campelo 4640 – Baião

Há perto de 50 milhões de crianças “desenraizadas” no mundo

Setembro 8, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Comunicado de imprensa da Unicef Portugal de 7 de setembro de 2016.

up

 

Há perto de 50 milhões de crianças “desenraizadas” no mundo – UNICEF

28 milhões estão deslocadas dentro e fora dos seus países devido a conflitos e violência

NOVA IORQUE, 7 de Setembro de 2016 – Em todo o mundo, perto de 50 milhões de crianças estão actualmente desenraizadas, das quais 28 milhões deixaram as suas casas devido a conflitos para os quais não contribuíram minimamente, e muitas outras migraram na esperança de encontrar uma vida melhor e mais segura. Muitas vezes traumatizadas pelos conflitos e pela violência dos quais fogem, estas crianças enfrentam outros perigos pelo caminho, incluindo o risco de afogamento em travessias por mar, má nutrição e desidratação, tráfico, rapto, violação e mesmo de assassínio. Nos países pelos quais passam ou nos de destino, são muitas vezes vítimas de xenofobia e discriminação.

Um novo relatório que a UNICEF lança hoje, Uprooted: The growing crisis for refugee and migrant children (Desenraizadas: A crise que se agrava para crianças refugiadas e migrantes), apresenta novos dados que traçam um quadro muito desolador sobre a vida e a situação de milhões de crianças e suas famílias afectadas por conflitos violentos e outras crises que fazem parecer mais seguro arriscar tudo numa viagem perigosa do que permanecer em casa.

“Imagens inesquecíveis de algumas crianças – o corpo inerte de Aylan Kurdi que morreu afogado e deu à costa numa praia, ou o rosto aturdido e ensanguentado de Omran Daqneesh quando é levado para uma ambulância depois de uma bomba ter arrasado a sua casa – chocaram o mundo,” afirmou Anthony Lake, Director Executivo da UNICEF. “Mas cada imagem, cada rapariga ou cada rapaz, representa muitos milhões de crianças em perigo – o que exige que a nossa compaixão pela criança cuja imagem chega até nós se traduza em acção para todas as crianças.”

O Relatório revela que:

  • As crianças representam uma percentagem desproporcionada e crescente das pessoas que procuraram refúgio fora dos seus países de origem – elas constituem cerca de um terço da população global mas cerca de metade de todos os refugiados. Em 2015, cerca de 45 por cento de todas as crianças refugiadas sob protecção do ACNUR vieram da Síria e do Afeganistão.
  • 28 milhões de crianças abandonaram as suas casas devido à violência e a conflitos no interior dos seus países e além fronteiras, entre as quais 10 milhões de crianças refugiadas; 1 milhão de requerentes de asilo cujo estatuto de refugiado ainda não foi determinado; e cerca de 17 milhões de crianças deslocadas nos seus próprios países – crianças que precisam urgentemente de assistência humanitária e acesso a serviços essenciais.
  • São cada vez mais as crianças que atravessam fronteiras sozinhas. Em 2015, mais de 100.000 crianças (menores de 18 anos) não acompanhados requereram asilo em 78 países – três vezes mais do que em 2014. As crianças não acompanhadas estão entre as que correm maior risco de exploração e abuso, incluindo por parte de passadores e traficantes.
  • Para além daquelas, cerca de 20 milhões de crianças migrantes em diversas partes do mundo deixaram as suas casas por razões de diversa ordem, entre as quais a pobreza extrema ou a violência de gangs. Muitas estão particularmente em risco de abuso e detenção porque não têm documentos, porque têm um estatuto legal incerto e por falta de acompanhamento e monitorização sistemáticos do seu bem-estar – as crianças que escapam por entre as lacunas do sistema.

Segundo o relatório “Desenraizadas”, a Turquia acolhe o maior número de refugiados recentes, e muito provavelmente o maior número de crianças refugiadas do mundo. Proporcionalmente à sua população, o Líbano é de longe o país que acolhe o maior número de refugiados: aproximadamente 1 em cada 5 pessoas no Líbano é um refugiado. Comparativamente, no Reino Unido há aproximadamente 1 refugiado por cada 530 pessoas; e 1 por cada 1.200 nos EUA. Contudo, se considerarmos o nível de rendimento dos habitantes dos países de acolhimento é na República Democrática do Congo, na Etiópia e no Paquistão que se regista a maior proporção de refugiados.

O relatório defende que onde existem rotas seguras e legais, as migrações podem representar oportunidades tanto para as crianças que migram como para as comunidades que as acolhem. Um estudo sobre o impacte das migrações em países de elevado rendimento concluiu que os migrantes contribuíram com mais impostos e contribuições para os sistemas sociais do que a ajuda que receberam; que preencheram lacunas de pessoal altamente qualificado e pouco qualificado no mercado de trabalho; e contribuíram para o crescimento económico e a inovação nos países de acolhimento.

Mas, o que é grave é que as crianças que deliberadamente deixaram as suas casas ou se viram forçadas a fugir, muitas vezes perdem os potenciais benefícios da migração, como a educação – um dos principais factores que leva muitas famílias e crianças a optar pela migração. Uma criança refugiada tem cinco vezes mais probabilidade de não frequentar a escola do que uma criança não refugiada. E quando têm a oportunidade de a frequentar, é na escola que as crianças migrantes e refugiadas são mais frequentemente vítimas de discriminação, nomeadamente mediante tratamento injusto e bullying.

Fora da sala de aula, as barreiras legais impedem as crianças refugiadas e migrantes de beneficiarem dos mesmos serviços que as crianças naturais do país em questão. Nos casos mais graves, a xenofobia pode chegar a ataques directos. Só na Alemanha, as autoridades registaram 850 ataques contra abrigos de refugiados em 2015.

“Que preço pagaremos se não proporcionarmos a estes jovens as oportunidades necessárias para terem uma educação e uma infância mais normal? Como poderão eles contribuir positivamente para as suas sociedades? Se o não puderem fazer, não serão apenas os seus futuros que ficarão comprometidos mas também as suas sociedades serão enfraquecidas,” disse Lake.

O relatório destaca seis medidas específicas para proteger e ajudar crianças deslocadas, refugiadas e migrantes:

  • Proteger as crianças refugiadas e migrantes da exploração e da violência, especialmente as crianças não acompanhadas.
  • Pôr fim à detenção de crianças requerentes do estatuto de refugiado ou migrante através da adopção de uma série de alternativas práticas.
  • Manter as famílias juntas como a melhor forma de proteger as crianças e atribuir às crianças um estatuto legal.
  • Permitir que todas as crianças refugiadas e migrantes possam continuar a sua aprendizagem e que tenham acesso à saúde e a outros serviços de qualidade.
  • Apelar à acção concreta para combater as causas que estão na origem de movimentos de refugiados e migrantes em larga escala.
  • Promover medidas para combater a xenofobia, a discriminação e a marginalização.

 

 

 

10 estratégias para disciplinar as crianças

Setembro 8, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do site http://pequenada.com/

cayusa

cayusa

Pequenas, mas com vontades próprias, as crianças necessitam de disciplina para conhecerem os limites e valores importantes como o respeito. No entanto, a disciplina não deve ser reservada exclusivamente para os momentos em que as crianças se portam mal, deve ser algo contínuo para que a criança saiba ela própria distinguir entre o que é certo e o que é errado. Mune-se destas estratégias para ter sempre crianças bem comportadas.

  1. Regras e limites.A melhor forma de facilitar a disciplina de uma criança é estabelecer regras e limites claros, ou seja, que sejam claramente percetíveis pela criança. As regras e os limites são fundamentais para a criança aprender o autocontrolo, para saber o que está certo e errado, facilitando a vivência dentro e fora da esfera familiar. Conhecidas as regras, a vida torna-se mais fácil para pais e crianças.
  2. Consequências claras. Da mesma forma que as regras para crianças têm de ser simples e claras, também as consequências devem ser. Se existe um castigo para o mau comportamento – ir para a cama mais cedo, não poder ver televisão ou brincar com um certo brinquedo – é importante que essa consequência se materialize. Só assim é que as crianças vão perceber que não podem contornar as regras, nem desafiar os limites sem terem de lidar com as consequências. Por mais que lhe possa custar, há que cumprir as consequências – nunca ninguém disse que a disciplina ia ser fácil, mas mais importante do que isso é que seja eficaz. A longo prazo valerá a pena.
  3. O respeito é muito bonito. Ensinar a criança a respeitar não só os adultos, mas todas as pessoas que a rodeiam passa por coisas tão simples como aprender a dizer “por favor” ou “obrigado”. Não gritar ou bater são outras ações que devem ser controladas, para limitar a agressividade nas crianças. Fale com a criança da mesma forma que gostaria que ela falasse consigo e nos dias em que a pequenada se exaltar (acontece a todos!) peça-lhe para se sentar quieta durante 5 minutos para se acalmar antes de voltar a falar consigo. É importante que a criança possa falar e expressar tudo o que lhe apetece, mas sempre com respeito pelo outro.
  4. Sim em vez de não. Quando se pensa em disciplina para crianças, a palavra que vem imediatamente à cabeça é “não”, porém, esta deve ser substituída pelo “sim” sempre que possível, ou seja, troque o “não deves” por “deves”. Ao focar o comportamento que quer ver em vez daquele que não quer ver, é mais fácil a criança aprender – por exemplo, em vez de dizer “não batas com os carrinhos na mesa” diga “ao fazeres isso podes estragar a mesa, brinca com os carrinhos no chão, aí andam mais depressa!”.
  5. Descobrir as causas. Se o mau comportamento é uma constante e todos os atos de disciplina estão a ser infrutíferos, é importante avaliar a situação e perceber qual o motivo por de trás da desobediência: será que aconteceu alguma coisa na escola? Será que a criança não se sente bem? Estará a dormir o suficiente? O mau comportamento nem sempre é capricho infantil, por isso, converse com a criança depois de ela se acalmar e tente avaliar melhor a situação e a forma como a pode resolver.
  6. Seja firme. O segredo por de trás do sucesso da disciplina infantil é a capacidade de manter-se firme, ou seja, se a criança já sabe que não pode levar brinquedos para a escola, não ceda só porque ela resolveu fazer uma birra gigante; se a hora de dormir é às 20h30, não ceda porque a criança quer brincar mais um bocadinho. No momento em que ceder, a criança vai continuar a testar os limites vezes sem conta.  
  7. Gosto de ti. Ser firme não significa que não pode dizer à criança quanto gosta dela ou dar-lhe um abraço depois de lhe chamar a atenção pelo mau comportamento ou de explicar porque não gostou de determinada ação ou palavras. É uma forma interessante de mostrar à criança que a disciplina não significa que se goste menos um do outro e que apesar dos conflitos tudo vai acabar bem.
  8. O poder é seu. Não há volta a dar, os pais são quem mandam, por isso, utilize isso para seu benefício. As crianças observam e copiam tudo aquilo que seja do mundo adulto, por isso, se estiver sempre a gritar com a pequenada, eles vão pensar que não há nada de errado com isso e serão certamente um espelho do mesmo tipo de comportamento. Ao respirar fundo e pensar duas vezes antes de falar, pode fazê-lo de forma calma, lembrando à criança que é assim que se fala e se deve comportar. Cabe a si estabelecer o tom das situações, que as crianças acabam por seguir esse caminho.
  9. Cuide-se. As crianças são os seres mais maravilhosos do mundo, mas a rotina diária e as diferentes fases do seu desenvolvimento podem revelar-se verdadeiros desafios para qualquer mãe ou pai. Daí a importância de cuidar de si – encontre tempo de qualidade para estar sozinho, mas também com o seu companheiro(a), faça atividades que lhe permitem aliviar o stress – desta forma estará mais preparado para enfrentar, de forma calma e exemplar, os desafios da disciplina infantil.
  10. Avanços e recuos. Disciplinar uma criança não é algo que acontece de um dia para o outro e, embora seja mais fácil perceberam as regras à medida que vão crescendo, isso não significa que de vez em quando não haja uma grande birra, portas a bater, irmãos a brigar ou outros comportamentos menos positivos. Esteja preparado para tudo.

 


Entries e comentários feeds.