Mais filmes para mais alunos

Agosto 31, 2016 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do site http://www.educare.pt/ de 24 de agosto de 2016.

educare

Plano Nacional de Cinema quer chegar a mais 33 escolas no próximo ano letivo para continuar a abrir horizontes sobre o dinamismo da cultura portuguesa. “Aniki-Bobó” de Manoel de Oliveira e “O feiticeiro de Oz” de Victor Fleming fazem parte da seleção.

Sara R. Oliveira

O Plano Nacional de Cinema (PNC) vai continuar a percorrer o país com mais filmes e chegará a mais escolas. No próximo ano letivo, a intenção é estar em 185 estabelecimentos de ensino, mais 33 do que os 152 do ano escolar anterior, e aumentar a oferta de filmes com obras de Leonor Teles, premiada com a curta-metragem “Balada de um batráquio” em Berlim, João Nicolau que este ano estreou “John From”, e ainda de Telmo Churro, João Rosas e Bruno de Almeida.

O PNC arrancou em 2013 para mostrar filmes dentro ou fora das escolas, em salas de cinema, envolvendo desta forma cineclubes, auditórios e cineteatros espalhados por todo o país. É um projeto que quer promover a “literacia para o cinema junto do público escolar” dos ensinos Básico e Secundário, privilegiando a apresentação do cinema português ou em língua portuguesa para mostrar múltiplos olhares “sobre o dinamismo da cultura portuguesa recente”.

Trata-se de um plano que organiza sessões para alunos sobre a história do cinema, formatos, linguagens e géneros, e exibe filmes. Nessa lista estão, entre outros, “Aniki-Bobó” de Manoel de Oliveira, “O feiticeiro de Oz” de Victor Fleming, “O meu tio” de Jacques Tati, “A viagem à Lua” de Georges Méliès, “O mundo a seus pés” de Orson Wells. Fernando Lopes, Pedro Serrazina, José Miguel Ribeiro, Regina Pessoa, António Reis e Margarida Gil, são também realizadores que têm obras a circular pelas escolas.

O balanço é positivo. Ao segundo ano, o PNC mais que duplicou o número de alunos que participaram nas sessões de cinema, de 10.898 do ano anterior para cerca de 25 mil estudantes de 152 escolas, segundo dados da Direção-Geral de Educação. Nos últimos meses foram feitas 216 sessões de cinema, 70 das quais em salas de cinema, ou seja, fora do ambiente escolar. Escolas de Viana do Castelo e de Évora participaram pela primeira vez no ano letivo anterior. Lisboa e Porto são os distritos que registaram maior participação de escolas, 52 ao todo. À distância, a Escola Portuguesa Ruy Cinatti, em Timor-Leste, também se associou às atividades do Plano. Este ano, é esperada a estreia de escolas da Madeira e da Escola Portuguesa de Moçambique.

O PNC é uma iniciativa conjunta das secretarias de Estado da Cultura e do Ensino Básico e Secundário. É coordenado por Elsa Mendes.

Mais informações no link:

http://www.dge.mec.pt/plano-nacional-de-cinema

 

Anúncios

Sabe qual o melhor brinquedo científico?

Agosto 31, 2016 às 12:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Texto da http://www.paisefilhos.pt/ de 19 de agosto de 2016.

paisfilhos

Um estudo do Centro de Educação Infantil da Eastern Connecticut State University (EUA) concluiu que o brinquedo que mais fomenta o interesse pela ciência nas crianças são os blocos de madeira. Segundo o coordenador do estudo, Jeffrey Trawick-Smith, “as construções fomentam a capacidade de resolver problemas e o pensamento matemático”, sublinhando que aquilo que faz que um brinquedo promova de modo eficaz as habilidades científicas são a simplicidade e o facto de não ter apenas uma utilidade, “o que permite à criança experimentar e explorar”.

 

Ingressar no 1º ano com 5 anos ou aguardar um ano no pré-escolar?

Agosto 31, 2016 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

texto do site http://uptokids.pt/ de 24 de agosto de 2016.

uptokids

Alguns aspetos a considerar sobre a Maturidade Escolar

Decidir se um filho já está pronto para ingressar no 1º ano ou se deve aguardar mais um ano para desenvolver certas capacidades/competências não é uma tarefa fácil.

Partindo do panorama geral:  na maioria dos países, a criança entra na escola por volta dos 5 e os 7 anos. No entanto, uma criança com 5 anos tem características substancialmente diferentes de uma de 6, tal como uma de 6 tem de uma de 7.  Há crianças com 5 anos que aparentemente estão aptas para entrar no 1º ano, mas muitos são os casos em que os pais acabam por perceber que seria benéfico ter esperado mais um ano, pois a pressão escolar é muito grande, o tempo para brincar e até para dormir é mais reduzido.

Em alguns países, como por exemplo na América ou nos países nórdicos como a Finlândia ou Suécia, há cada vez mais pais com filhos de 5 anos que optam por aguardar mais um ano, pois a criança de 5 será das mais novas na turma, o que traz as suas consequências negativas, enquanto que entrando com 6 ou até 7 faz com que esteja em pé de igualdade e seja respeitada pelas outras crianças e reconhecida pela professora, como sendo mais velha e tendo outra responsabilidade.

Tipicamente, a maturidade escolar significa que durante a pré-escola a criança já atingiu um nível de desenvolvimento que permite a sua adaptação aos desafios da escolarização formal – que é capaz de aprender. E há aspetos sociais e emocionais do desenvolvimento da criança que constituem elementos importantes de sua maturidade  escolar, assim como da sua aprendizagem e do grau de sucesso no futuro.

Nas escolas convencionais, apesar de não existir concretamente uma lista de sinais de maturidade escolar, há vários aspetos que são considerados de maneira a avaliar a maturidade da criança para a entrada na etapa escolar. Entre os quais:

  • conhece as figuras geométricas básicas?
  • conhece as letras do abecedário?
  • é capaz de escrever com lápis?
  • sabe escrever o nome?
  • até quanto consegue contar?
  • já sabe ler?

Assim, vale muito a pena observar com dedicação/atenção a criança que ponderamos se é a altura certa de a levar para a escola.

Existem mais aspetos que nos podem ajudar a perceber se chegou a hora:

  1. A mudança da silhueta
  • os braços e as pernas estão alongados, cada vez menos arredondados
  • a barriguinha, outrora redonda, retrai-se
  • a cintura fica mais definida (evidenciada entre tórax e abdómen)
  • o ângulo das costelas sobre o estômago é agudo
  • a silhueta começa a ganhar as proporções de um adulto
  1. Troca dos dentes

Aparece o primeiro molar permanente ou ocorre a troca de um dos incisivos

  1. Pensamento abstrato
  • ânsia de aprender
  • voluntariamente consegue dirigir as lembranças, sem que estas sejam fruto de imitação ou de hábito/ritmo (por exemplo, pode recontar uma história que dias antes foi narrada no jardim-de-infância)
  1. Maturidade social
  • capacidade de integração numa turma/grupo (com a ajuda da educadora, é capaz de aprender a harmonizar os seus interesses com os dos demais)
  • consegue sossegar as pernas e os braços voluntariamente para ouvir, sem ser por mera imitação do adulto.

A maturidade social, porém, é gradualmente conquistada na transição para o 2º ano escolar.

 

ARTIGO RELACIONADO ENTRADA PARA O 1º CICLO | RETENÇÕES NO PRÉ-ESCOLAR

 


Entries e comentários feeds.