UNICEF compara em fotografias crianças refugiadas do tempo da 2ª Guerra Mundial e de agora

Janeiro 5, 2016 às 9:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

1 X264AvJjw1Ne4WoS2uQ1lw

 

“Refugees in Europe: Then and Now
Seven decades after World War II, refugees fleeing conflict continue to seek safety beyond their homelands.

UNICEF’s humanitarian work began in the aftermath of World War II — and by the mid 1950’s millions of children were receiving aid. Seventy years later, refugee and migrants are entering Europe at levels not seen since World War II. Nearly 1 in 4 are children and the number of unaccompanied minors seeking asylum is growing”.

1 QaFWxDnEuCdDgFbX9NFF5Q

1 VVUOU_hmHC9JPFmkLt_6rg

Saiba mais AQUI.

Juízes optam por dar liberdade em vez da prisão a jovens deliquentes

Janeiro 5, 2016 às 1:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 3 de janeiro de 2015.

DN

Filipa Ambrósio de Sousa

Menores internados em centros educativos está a descer a pique: de 274 em 2011 são agora 150 . Estudos provam que o encarceramento levou à reincidência

Há cada vez menos jovens delinquentes condenados ao internamento num centro educativo, as chamadas prisões para menores responsáveis por um crime. Os números falam por si: se em 2011 eram 274 os menores a cumprir essa medida de internamento (correspondente à pena de prisão para um adulto), há cerca de 15 dias – dados de 14 de dezembro de 2015 – eram 150 os casos. A explicação para esta descida é dada ao DN pelo subdiretor da Direção-geral da Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), Licínio Lima.

“Os juízes estão cada vez mais sensibilizados para aplicar a chamada medida de acompanhamento educativo ao invés da medida de encarceramento que é o internamento num centro educativo”. Concretizando: os juízes dos tribunais de Família e Menores têm demonstrado uma maior tendência em aplicar medidas em que os jovens continuam em liberdade e a levar a sua vida com normalidade mas acompanhados por um técnico de reinserção social, obrigados a ir à escola, a passar de ano ou a terem consultas de psicologia ou psiquiatria nos centros de saúde. A maior parte destas medidas são pedidas pelos pais dos menores aos magistrados, com o compromisso de passarem a ter especial especial atenção e vigilância no comportamento dos filhos.

“Agora, apenas os casos mais graves é que vão parar aos centros educativos”, sublinha Licínio Lima. “Porque encarceramento leva a que o estigma aumente e os jovens mantêm-se como delinquentes”, frisa. Os dados da reincidência têm também sido fundamentais para esta nova atitude dos juízes. Segundo vários estudos apresentados pela Direção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais, “os jovens que são “apenas” acompanhados e não internados reincidem muito menos que os que são internados em centros educativos”. Segundo um recente documento da DGRSP e da Universidade do Minho, no perfil de jovens entre os 12 e os 16 anos, os que mais reincidem já depois de cumprida uma medida tutelar educativa, são também os jovens que desenvolveram percursos com delitos mais graves, violentos e frequentes. Diz o estudo que, mais de metade desses reincidentes tinham efetivamente cumprido a pena de internamento. Essa medida pode ser em regime fechado, aberto ou semiaberto (ver caixa ).

O juiz de Família e Menores, António Madeira, disse ao DN que “de todos os chamados follow up”s que são feitos aos vários menores que acompanhei, cerca de 80% dos casos em que apliquei medida de internamento, em média de um ano e meio, os miúdos voltaram a praticar crimes”. Já “nas penas mais leves que apliquei são uma larga maioria casos de sucesso: hoje são adultos com família e trabalhos estáveis. Apesar de nenhum se ter licenciado”.

As estatísticas referem ainda que, desde novembro de 2014, a taxa de ocupação face à lotação é de apenas 74%. Cerca de 68 % dos jovens estava em regime semiaberto e metade por crimes como roubo e furto. A larga maioria são rapazes (ver infografia).

 

 

Teatro para a Infância “O Patinho Feio” no Centro Cultural Malaposta, em Odivelas

Janeiro 5, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

o_patinho_feio_300x300

Teatro para a Infância “O Patinho Feio”

Jan 9, 10, 16 e 17

Sáb – 16H00 | Dom – 11H00

Sala Experimental

6€ [Preço único]

50 Minutos

M/2 aos 5 anos

 

“Na quinta do Tio Manel há tanta coisa para fazer.
É preciso regar as cenouras, as favas crescem que é uma maravilha e os morangos estão prontos para colher.
E hoje há novidades! Acabaram de nascer os patinhos da pata amarela.
Que feliz ela está e que lindos são todos!
Todos? Há um diferente que espanta os outros animais da quinta e dá-se uma grande confusão…
O que irá acontecer?”

Saiba mais AQUI.

Ação de formação/sensibilização sobre “Multiculturalismo e os seus contextos: o mundo como modo de vida” vai decorrer no dia 20 de janeiro em Coimbra

Janeiro 5, 2016 às 11:55 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

file-page1A Ação de formação/sensibilização sobre “Multiculturalismo e os seus contextos: o mundo como modo de vida” vai decorrer no dia 20 de janeiro de 2016, na Escola Secundária D. Duarte, Rua António Augusto Gonçalves – Coimbra.

Aceitam-se inscrições até ao dia 15 de Janeiro. Folha de inscrição ação – Multiculturalismo

Aprender a ler mais cedo: a pressão do sucesso começa no pré-escolar

Janeiro 5, 2016 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , ,

Texto do Diário de Notícias de 23 de dezembro de 2015.

artigo da revista The Atlantic citado na notícia é o seguinte:

The New Preschool Is Crushing Kids

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Is Kindergarten the New First Grade?

Pedro Granadeiro Global Imagens

Joana Capucho

Pediatras defendem que não se deve forçar o desenvolvimento das crianças. Educadores dizem que seguem o ritmo de cada um. Sair do pré-escolar a ler não é uma meta, asseguram, mas estudo americano indica o contrário

Tal como brincar, pintar ou cantar, a leitura tem um papel cada vez mais importante no pré-escolar. De acordo com um estudo feito pela Universidade de Virgínia, nos EUA, que comparou as mudanças entre 1998 e 2010, a percentagem de educadores que esperam que os alunos que vão para o primeiro ciclo saibam ler subiu de 30% para 80%. A mesma pesquisa diz que gastam cada vez mais tempo com fichas de exercícios e cada vez menos com música e arte. Por cá, os três pediatras ouvidos pelo DN dizem que também há uma tendência para a sobrecarga das crianças no pré-escolar, quer por pressão da escola quer dos pais, o que não tem qualquer benefício para os mais novos.

De acordo com o estudo “O jardim-de-infância é o novo primeiro ano?”, citado pela revista The Atlantic, aquilo que se esperava das crianças de 6 anos é hoje pedido às mais jovens. Tal como nos EUA, em Portugal o pré-escolar também mudou, tornando-se mais exigente. Para tal, explica o pediatra Mário Cordeiro, contribuiu “a ciência pediátrica, educativa e psicológica, e também a neurofisiologia”, mas também existem razões “menos boas” para a mudança. Segundo o pediatra, “é querer fazer das crianças “cavalos de corrida” a partir de idades muito precoces, “querendo forçar conceitos abstratos e simbólicos cedo de mais e a aquisição de competências que não são adequadas à maioria dessa idade”. Com base nisso está “a pressão dos pais e um certo show off das escolas (que prometem aulas de inglês aos 2 anos ou mandarim aos 3, por exemplo), impedindo muitas crianças de… serem crianças”.

Essa é também a opinião da pediatra Júlia Guimarães. “Isto também acontece em Portugal, sobretudo no ensino particular. E é uma tendência perfeitamente errada.” Antes do ingresso no 1º. ciclo, “não se deve academizar”. Os educadores “devem estimular as crianças, através da arte, da música, das brincadeiras e atividades orientadas”, mas o início da leitura e da escrita “deve ficar para o 1º ano”. Na opinião do pediatra Hugo Rodrigues, “é notório que, cada vez mais, o pré-escolar tenta investir na escolarização das crianças, o que é um disparate”. Se o 1º ciclo tem início aos 6 anos, “é porque é nessa idade que é suposto começaram a aprender”. Mas, além da pressão da sociedade, “há demasiada competitividade entre os pais e as próprias escolas”. Claro que, ressalva, “se a criança tem vontade de ir mais além, deve corresponder-se, mas sem impor”.

Embora as crianças possam corresponder do ponto de vista cognitivo, Hugo Rodrigues lembra que “não têm maturidade para lidar com as diferenças relativamente aos outros meninos, nem com as diferenças nos métodos de ensino”. Mário Cordeiro explica que “quando as exigências são disparatadas ou desfasadas relativamente ao que é capaz de dar, ou quando é intensivo e faz gastar tempo que poderia estar a ser usado noutras coisas, a criança vive ainda mais em stress, é menos feliz, sente-se pressionada e, mesmo que aprenda muitas coisas, terá mais hipóteses de se desinteressar”.

Antes de receber o telefonema do DN, Mariana Miranda, educadora de infância há 34 anos, tinha estado a falar com a mãe de uma criança de 5 anos que já lê algumas palavras. Não é um caso único. “Quando chegam já trazem imensos saberes. Nós fazemos diagnóstico e conduzimos, introduzindo coisas novas”, explica a coordenadora do pré-escolar do Agrupamento de Escolas Dr. Costa Matos, em Gaia. No entanto, “não existe pressão para que adquiram essas competências”. Trabalham, sim, “para que desenvolvam o gosto pela leitura e pela escrita”. Cristina Madureira, do jardim-de-infância do Centro Escolar de Cinfães, reforça que “não se espera que as crianças saiam do pré-escolar a ler ou a escrever”. Cada uma tem o seu ritmo “e é com base nele que se trabalha”. No 1º. ciclo “chegam facilmente à leitura e à escrita”.

 

 

 

 


Entries e comentários feeds.