Excesso de peso influencia negativamente rendimento escolar

Janeiro 1, 2016 às 8:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia do http://lifestyle.sapo.pt

Nunca é demais recordar que o excesso de peso e a má alimentação das crianças também contribui de forma negativa para o seu desempenho escolar. O bem estar no dia a dia é essencial para viver de forma plena e ter a mente descansada para absorver a imensidão de coisas novas que aprendemos.

Os resultados de um estudo desenvolvido pela Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, revelou, em março deste ano, que a aptidão cardiorrespiratória e o peso corporal têm um efeito independente e sinérgico no rendimento escolar nas disciplinas de Português, Matemática, Ciências da Natureza e Inglês em alunos do sétimo ano de escolaridade.

Paralelamente, alerta para a necessidade de criar mais atividades de exercício físico durante o horário escolar, por forma a aumentar a aptidão cardiorrespiratória e prevenir o excesso de peso dos alunos.

São dados que realçam aquilo que há muito se sabe sobre a necessidade de manter uma alimentação e hidratação adequadas.

Cabe aos pais tentar manter esse controlo através da educação e sensibilização dos seus filhos sobre a necessidade de estarem atentos aos sinais. As atividades físicas, em especial ao ar livre, são cruciais para um crescimento saudável. A sensação de felicidade que estas atividades transmitem são, também elas, um catalisador para uma vida mais equilibrada.

Atualmente, as crianças em idade escolar estão cada vez mais ocupadas com atividades de estudo, no interior das salas de aula e, em casa, com uma carga de trabalhos em excesso, que acabam por produzir resultados negativos. Quer ao nível da aprendizagem, quer físico.

Especialistas têm vindo a público exigir mais tempo livre para as crianças e este estudo, desenvolvido pela FMH, reforça estes alertas.

Com a aproximação do período natalício, convém fazer um balanço da forma como as coisas estão a evoluir em relação aos seus filhos e traçar um plano que os ajude a estar mais ativos e saudáveis no ano que vai entrar.

 

Álcool na adolescência causa danos cerebrais irreversíveis

Janeiro 1, 2016 às 1:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , ,

Notícia do http://expresso.sapo.pt/ de 23 de dezembro de 2016.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Alcohol consumption during adolescence is associated with reduced grey matter volumes

nuno-fox

Um novo estudo finlandês conclui que o consumo excessivo de álcool na adolescência reduz a massa encefálica do cérebro

É uma questão de senso comum: como o tabaco, é universalmente reconhecido que o consumo excessivo de álcool tem consequências negativas no nosso organismo. Mas um novo estudo científico recém-publicado na revista “Addiction” vai mais longe e conclui que os adolescentes que bebem demais tendem a ter menos massa cinzenta no cérebro, sendo essa estrutura responsável por funções como a memória, a tomada de decisões e o autocontrolo.

A investigação, elaborada por pesquisadores da universidade da Finlândia Oriental, na Finlândia, acompanhou 62 jovens durante dois anos — sendo que todos eles tinham participado num estudo sobre o bem-estar em que relatavam o seu consumo alcoólico durante a adolescência, dos 13 aos 18 anos. Os resultados demonstraram que 35 deles abusavam do consumo de álcool — bebiam pelo menos quatro vezes por semana, ou bebiam muito, com menor frequência. Tomografias Axiais Computadorizadas mostraram que os jovens que bebiam álcool em excesso tinham menores volumes de massa cinzenta.

“Mudanças na estrutura do cérebro pode ser um dos fatores que contribuem para os problemas sociais e mentais entre os indivíduos que usam substâncias”, afirmou Noora Heikkinen, investigadora principal do estudo. O neurologista José Barros, diretor clínico do Centro Hospitalar do Porto, entende que esta investigação está em linha com aquilo que já se sabe acerca do consumo excessivo de álcool. “As complicações neurológicas do alcoolismo são clássicas, muito prevalentes e variadas”, explica. “O consumo excessivo de álcool é um fator de risco para a deterioração do sistema nervoso central (cérebro, cerebelo, tronco cerebral, medula espinhal), do sistema nervoso periférico (raízes, plexos e nervos) e do músculo.” E chama a atenção para outras consequências nefastas do álcool, menos discutidas: “Pode existir uma relação direta de causa-efeito entre a toxicidade do álcool e as lesões neurológicas, mas também indireta. As bebidas alcoólicas são muito calóricas, levando os indivíduos à saciedade precoce, dispensando os alimentos sólidos, precipitando carências de proteínas, vitaminas e minerais. Por isso, costuma classificar-se o alcoolismo no capítulo das doenças tóxico-carenciais.”

Por todas as razões já conhecidas, e as que falta eventualmente conhecer, não é demais relembrar: experimentar e desbravar novos territórios, ser rebelde, fará sempre parte da adolescência, mas é preciso um esforço extra de consciencialização para prevenir eventuais danos, que podem ser irreversíveis.

 

Crianças devem lutar? Entrevista Carlos Neto

Janeiro 1, 2016 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

Entrevista da http://www.gazetadopovo.com.br a Carlos Neto no dia 18 de dezembro de 2015.

luta-600x454

prof

Por Adriano Justino exclusivo para Gazeta do Povo

O professor português Carlos Neto não foge a temas polêmicos relacionados ao desenvolvimento infantil. Em entrevista por email à Gazeta do Povo, ele fala sobre a importância das brincadeiras de luta entre crianças, vistas como nocivas por pais e especialistas:

Professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, o português Carlos Neto .

Professor catedrático da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade de Lisboa, o português Carlos Neto não foge a temas polêmicos relacionados ao desenvolvimento infantil. Em entrevista por email à Gazeta do Povo, ele fala sobre diversos temas, em cinco capítulos que iremos publicar em nosso site, um por semana, relacionados a desafios da formação das crianças de hoje. Neste primeiro trecho da entrevista, ele fala da importância das brincadeiras de luta entre crianças, ainda hoje vistas como nocivas por pais e especialistas:

Como os jogos influenciam a formação das crianças?

O processo de desenvolvimento humano ocorre entre duas dinâmicas opostas e complementares: a procura de proximidade (segurança) e a necessidade progressiva de distanciamento (autonomia). As crianças menores procuram afeto e as mais velhas independência. Este é um fenômeno que acontece em quase todas as espécies animais. Trata-se de uma questão de sobrevivência e de aquisição de ferramentas muito úteis para se tornar adulto.

Este mecanismo adaptativo é ainda mais particular no ser humano por ter uma infância relativamente longa e necessitar assegurar a sua sobrevivência através de uma relação muito complexa entre mudanças que ocorrem no seu corpo e no seu ambiente. O desenvolvimento do jogo e da motricidade permite uma conquista progressiva de autonomia do homem através de referências biológicas e culturais.

As brincadeiras de luta também são importantes na infância?

Elas são uma das mais fascinantes linguagens do corpo em uma perspectiva evolutiva. Os comportamentos de jogo de luta a brincar (play-fighting), jogo de perseguição e caça (play-chasing) e jogo de luta a sério (real-fighting) têm sido largamente estudados no comportamento animal e humano. Todas as crianças saudáveis têm necessidade de brincar de lutas ou de jogos de perseguição. São atividades ancestrais que devem fazer parte das culturas lúdicas na infância.

É correto os pais proibirem as lutas?

O contato físico através dessas brincadeiras e a consequente perseguição, são comportamentos que não devem ser proibidos. Pelo contrário, devem ser implementados entre pais e filhos em casa, entre as crianças no recreio ou em jogo livre nos espaços exteriores. Reprimir este tipo de brincadeira é um erro estratégico do ponto de vista educativo e terapêutico. No entanto, devemos ter atenção quando assistimos a lutas a sério de forma repetida em crianças (principalmente nos recreios escolares), porque isso pode denotar comportamentos de “bullying”.

Como os brinquedos bélicos podem interferir no desenvolvimento?

Se as famílias e as escolas não fornecerem brinquedos bélicos às crianças, elas terão a ocasião de encontrar objetos que imitarão esse tipo de brincadeira. Estes brinquedos bélicos naturais, artesanais ou industriais (como a maior parte de jogos de guerra eletrônicos) são fundamentais para o desenvolvimento motor, cognitivo e social da criança. Elas brincam de guerra (faz-de-conta) de forma simbólica e adquirem várias competências muito importantes: noção de ataque, defesa, território, fuga, simulação, sobreviver, morrer.

As lutas não estimulariam comportamentos agressivos?

Estas formas de brincar são muito importantes durante a infância e uma estratégia decisiva em interiorizar e humanizar os impulsos agressivos que fazem parte da natureza humana. As nossas pesquisas têm vindo a demonstrar que os jogos de luta e a utilização de brinquedos bélicos têm um estereótipo predominantemente masculino e não se verificaram nas crianças estudadas alterações ou aumento de comportamentos antissociais ou agressivos entre pares. Devemos ainda lembrar que os brinquedos bélicos têm uma existência muito significativa em todos os estudos realizados em pesquisas etnográficas sobre jogos tradicionais na infância, em diversos continentes e culturas. Existem muitos benefícios no desenvolvimento da criança na utilização destes objetos lúdicos, apesar da polêmica científica e pedagógica ainda existente sobre o papel nocivo dos brinquedos bélicos.

 

Facebook antes de dormir faz baixar as notas

Janeiro 1, 2016 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , , , , ,

Texto da http://www.paisefilhos.pt de 1 de dezembro de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

The Role of Environmental Factors on Sleep Patterns and School Performance in Adolescents

Está cansado de dizer aos seus adolescentes de desligarem os telefones e outros equipamentos antes de irem para a cama? Não desista. Ao fazê-lo poderá estar a fazer a diferença entre um bom desempenho escolar e notas a enfraquecerem.

Pelo menos estas são as conclusões obtidas no final de um estudo realizado na University College de Londres, o qual estudou o efeito do uso da tecnologia e das redes sociais antes do período de descanso noturno e os resultados académicos. Estar nas redes sociais é especialmente nocivo, dizem os investigadores, já que a interação com os pares faz com que o cérebro seja hiperestimulado, impedindo que entre rapidamente em modo efetivo de sono e descansando muito menos que as dez horas noturnas recomendadas durante a adolescência.

No decorrer do trabalho foi inquirida uma amostra de 48 adolescentes a partir dos 16 anos e 70 por cento revelaram que usam as redes sociais menos de meia hora antes de irem para a cama. E são estes que apresentam, em média, notas 20 por cento mais baixas que os seus colegas que desligam o telefone bem antes de dormir.

Segundo uma das autoras do trabalho, realizado pelo Laboratório de Educação, Aprendizagem ao longo da vida e Sono daquela universidade, os resultados obtidos são “preocupantes”. “O sono é essencial para processos como a consolidação da memória. Para além da estimulação cerebral motivada pelas conversas online, a luminosidade dos aparelhos pode também levar a problemas de sono, pois bloqueia a produção da hormona melatonina, que necessita de escuridão para aumentar de volume no organismo”, refere Dagmara Dimitriou ao jornal científico “Frontiers in Psychology”.

 

 


Entries e comentários feeds.