Seminário “Burnout: Contextos e Intervenções” Burnout nas Estruturas de Saúde e Educação

Outubro 26, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

burnout

https://www.facebook.com/events/1671337246417982/

 

O Ser Criança é universal – Artigo de Luísa Lobão Moniz do IAC

Outubro 26, 2015 às 3:24 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Artigo de Luísa Lobão Moniz, docente a exercer funções no IAC / SOS-Criança.

O Ser Criança é universal

O IAC, SOS Criança tem desenvolvido um trabalho de sensibilização e de divulgação do número telefónico das crianças maltratadas, ou seja, de qualquer criança que se encontre em risco, 116 111 através do projecto “Bom dia, SOS Criança”.

O projecto tem como base os Direitos da Criança e tem como suporte físico o livro “Menino como eu”, cartões SOS Criança e autocolantes com o nº 116 111.

As conclusões do relatório de avaliação deste projecto, durante o ano lectivo 2014/2015, assemelham-se às considerações feitas pelo Coordenador do SOS Criança, Dr Manuel Coutinho, relativamente à prioridade dada pelas crianças ao motivo que as faz telefonar_ a solidão, o estarem sós, mesmo com alguém por perto.

As nossas crianças e jovens têm uma grande necessidade de comunicar para contar o que lhes vai na alma.

As relações sociais, parentais e familiares têm-se vindo a modificar ao longo dos tempos. Se fizermos uma viagem, ascendente relativamente às nossas famílias, verificamos que os usos e costumes, dentro de uma mesma família, variam conforme as diferentes gerações, do bisavô à bisneta.

As relações adulto/criança não se modificaram porque sim, mas porque as relações sociais também se modificaram e estas também não se modificaram porque sim.

O que tem contribuído para estas modificações tem sido o modelo sócio económico em que vivemos.

Não se imagina as crianças da Idade Média com os problemas das nossas crianças. Haveria solidão?

As crianças estavam sempre acompanhadas por pessoas mais velhas que lhes ensinavam um ofício e que lhes davam atenção, à noite, quando os mais velhos se reuniam para contar histórias à volta de um fogo (fogueira).

As crianças das famílias pobres eram pobres, não tinham roupa adequada, vestiam como os adultos, tanto fazia que chovesse ou fizesse frio que a roupa era a mesma.

Nos anos 80, em Lisboa, encontrei situações de pobreza do século XX idênticas a esta.

O modelo socio económico determina a qualidade de vida das pessoas e em cada época os povos vivem em conformidade com as forças dominantes, ou tentam combater essas forças, criando outras forças, mas de libertação.

As crianças choravam quando se viam afastadas dos pais, para irem servir os senhores do poder.

As mães entristeciam.

Os pais de tristes faziam-se contentes porque a separação, quantas vezes para sempre, ia fazer deles Alguém com um Nome.

As crianças sentir-se-iam sozinhas , com “problemas” que atravessam todas as épocas e todas as crianças?

Todas têm medo de serem abandonadas, que não gostem delas.

Têm medo de desiludir os adultos de quem gosta.

Não havia a linha SOS Criança (só uma sociedade com tanta desigualdade social e tanta exclusão sentiria a necessidade de auxiliar, por via institucional, crianças que se sentem sozinhas, em risco).

Também na Idade Média as crianças fugiam de casa ou iam com desconhecidos. Não havia meios de comunicação, mas havia sofrimento.

Quando se punham em pé, em cima de um caixote, para poderem descascar batatas, quando tinham que obedecer, sem pestanejar, às ordens de uma “mulherona frustrada”, mas com o poder que lhe era conferido por ser a chefe de cozinha, as crianças choravam ou faziam uma traquinice (vêem como ela merece o castigo?).

A vida da Criança tem sido feita de grande sofrimento.

Eram violadas como as do século XXI, mas não havia leis de protecção.

Eram abandonadas, porque a família já não as podiam sustentar.

Acreditava-se que alguém com mais “posses” as encontrassem e tomassem conta delas, sabe-se lá para que futuro.

O Ser Criança é Universal.

As mudanças sociais dão-se todos os dias, a obediência às regras dos mercados não se discutem….mas as Crianças, essas, crescem com sabor amargo na boca, com os olhos rasos de lágrimas, com o corpo dorido, com a alma cheia de medo e sem ter com quem falar.

Neste momento, estão a morrer crianças maltratadas, crianças soldado, crianças refugiadas, crianças com fome;

neste momento, estão pais a sofrer porque não têm nada para dar aos filhos;

neste momento as sociedades, os países estão a ser governados em prol dos lucros económicos e não em lucros para os afectos.

O que seriam os senhores do poder se não houvesse pobreza, se não houvesse dívidas, se o bem-estar das crianças e das famílias fossem quem mais ordenasse?

Haveria crianças com medos, mas haveria tempo para Elas.

Esta agenda conta com a contribuição de conceituados escritores portugueses

Outubro 26, 2015 às 12:43 pm | Publicado em Campanhas em Defesa dos Direitos da Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

capa_agenda_dt_brincar_006

 

A Agenda IAC 2016 proporciona agradáveis momentos de leitura através de  maravilhosos poemas e contos da autoria de conceituados escritores portugueses como Alice Cardoso, António Torrado, José Fanha, Fernando Cardoso, Luísa Ducla Soares, Margarida Fonseca Santos, Raquel Palermo, Sara Rodi e Sílvia Alves. Cada mês apresenta um poema ou um conto alusivo à Criança. As ilustrações são criadas a partir dos desenhos das crianças apoiadas pelo IAC.

O nosso projecto de crowdfunding “Agenda 2016 do Instituto de Apoio à Criança”, cujo objetivo inicial é angariar verba para a produção da agenda e a motivação final é o desenvolvimento de novos projetos ligados à prevenção de situações de violência entre os jovens, necessita do seu apoio. Se o seu donativo for superior a 10€, além das recompensas enumeradas no PPL, vai receber também um exemplar da agenda. Mas 1€ já é uma ajuda. Euro a euro…

Para apoiar a Campanha de Crowdfunding do CEDI Instituto de Apoio à Criança, aceda ao link

http://ppl.com.pt/pt/causas/agenda-iac-2016

Na causa “Agenda IAC 2016 Pela Defesa e Promoção dos Direitos da Criança” introduza o valor do seu contributo, clicando posteriormente em CONTRIBUIR. Continue o processo seguindo os passos que constam do formulário. Aconselhamos a selecionar a opção” Desejo doar o valor a este promotor, mesmo que a campanha não angarie a totalidade dos fundos“ para que possamos dispor de qualquer verba angariada e, desta forma, concretizar o nosso objetivo. A plataforma do PPL irá gerar uma Referência Multibanco para que possa fazer o seu contributo à campanha.

Agradecemos que divulgue a nossa iniciativa.

Os nosso agradecimentos

O Centro de Documentação do Instituto de Apoio à Criança

24 fatores na infância que influenciam a vida adulta

Outubro 26, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

criancas-8a49

Desde as nossas características biológicas a como somos educados, muitas são as influências da infância quando nos tornamos adultos.

É impossível assegurar o sucesso em idade adulta, no entanto, um estudo psicológico apontou vários fatores que poderão prever o sucesso:

1- As nossas habilidades sociais podem determinar se vamos para a universidade ou trabalhar.

Investigadores da Universidade Estatal da Pennsylvania e da Universidade de Duken mantiveram registo de mais de 700 crianças americanas entre os 3 e os 25 anos e descobriram uma relação significativa entre as suas capacidades sociais como crianças no infantário e o seu sucesso como adultos mais tarde. O estudo mostrou que as crianças que apresentavam maiores capacidades sociais tinham mais probabilidades de conseguir um grau académico e ter um trabalho a tempo inteiro aos 25 anos. Por outro lado, as crianças com capacidades sociais limitadas tinham mais probabilidades de serem presas.

2 – Se os pais se tiverem divorciado quando a criança era muito nova, é provável que esta tenha uma relação débil com os seus pais em adulto.

De acordo com um estudo da Universidade do Illinois, se os pais se separam quando a criança tem entre 3 e 5 anos é provável que tenha uma relação insegura com os seus pais mais tarde.

3 – Se a criança copia os pais, terá uma mente mais aberta em adulta.

Ao copiar os pais, a criança desenvolve uma predisposição para assumir que todas as ações têm um propósito, tornando-a uma pessoa mais aberta a partilhar e transmitir cultura mais tarde na vida, de acordo com um estudo da Universidade de KwaZulu-Natal em Durban, África do Sul, e da Universidade de Queensland na Austrália.

4 – Se a criança for uma rapariga e a mãe trabalhar, terá mais probabilidade de se tornar chefe e fazer mais dinheiro.

De acordo com um estudo da Harvard Business School, há muitos benefícios em crescer com mães trabalhadoras. As filhas de mães trabalhadoras passam mais tempo na escola e têm maior probabilidade de ter um trabalho de chefia e ganhar mais dinheiro – 23% mais em comparação com as filhas que foram criadas por mães domésticas.

5 – Se a criança foi abusada, terá um maior risco de ser obesa em adulta.

Vários estudos mostram uma enorme relação entre abuso sexual com distúrbios alimentares.

6 – Tentar ser “fixe” no ensino secundário poderá levar a problemas na vida adulta.

Adolescentes “populares” no secundário têm mais probabilidades de terem problemas com drogas e álcool e desenvolver comportamentos criminosos, segundo um estudo publicado no jornal Child Development. Muitos adolescentes tentam parecer mais velhos do que realmente são, no entanto, ainda não atingiram a maturidade emocional e comportamental de um adulto.

7 – Quanto mais os pais ganharem, maiores serão os resultados escolares.

“Intervenções abrangentes e caras, status socioeconómico é o que impulsiona o desempenho e realização educacional”, escreveu Dan Pink, autor de Drive.

8 – Se a criança crescer pobre, a sua memória poderá sofrer.

A Universidade do Oregon sugere que crianças que crescem em classes mais baixas acabam por ter menos memória ou habilidade para pensamentos múltiplos.

9 – Se a criança vir programas de televisão violentos, tem mais probabilidades de se tornar agressiva mais tarde.

Um estudo com 15 anos afirma que as crianças moldam os seus comportamentos através de cenas violentas em que os vilões são galardoados pela violência.

10 – Aprender matemática cedo ajuda não só no desenvolvimento de capacidades matemáticas, mas também de leitura.

Um estudo de 2007 que incluia 35 mil crianças do pré-escolar nos EUA, Canadá e Inglaterra descobriu que desenvolver habilidades matemáticas desde cedo pode tornar-se uma enorme vantagem.

11 – Se a criança tiver pais toxicodependentes, é provável que seja um adulto muito sério.

Crescer com pais toxicodependentes é sinónimo de ser pai para os pais. Como a criança não teve infância será uma pessoa muito séria. Há um tendência para um sentido de responsabilidade exagerado, segundo o Portland Lifestyle Counseling.

12 – Se a mãe tem um grau académico, é provável que a criança obtenha um também.

Um estudo de 2014, liderado pela Universidade do Michigan, descobriu que mães que acabam o ensino secundário ou a universidade têm mais probabilidades de criar filhos que façam o mesmo.

13 – Se a criança sofreu de bullying, terá mais probabilidade de enfrentar dificuldades em adulto.

Num estudo publicado no jornal JAMA Psychiatry, investigadores da Universidade de Duke descobriram que as vítimas de bullying na infância têm um maior risco de desenvolver transtornos de ansiedade na vida adulta, e aquelas que foram em simultaneo vítimas e agressores têm um maior risco de ter depressão e distúrbios de pânico mais tarde.

14 – Se a criança foi exposta à televisão quando era bebé, poderá ter capacidades de comunicação suprimidas.

Um estudo de observação entre mães e crianças descobriu que a televisão reduz a comunicação entre parente e criança. Mesmo quando há uma conversa, os comentários dos pais não estão, normalmente, relacionados com o que a criança disse.

15 – Ter pais menos stressados ajuda a criança a ter mais paciência.

“Mães stressadas, especialmente quando estão stressadas por causa do trabalho e estão a tentar arranjar tempo para os filhos, poderão estar, na realidade, a afetar imenso os seus filhos,” disse Kei Nomaguchi, sociologista na Bowling Green State University ao The Post.

16 – Se a criança levou umas “palmadinhas” durante a infância, poderá tornar-se um adulto “manhoso.”

No livro “Drive”, o autor Daniel Pink defende que oferecer recompensas ou castigos não resultará no comportamento desejado por parte da criança. Em vez disso, as crianças vão apenas esforçar-se mais para não serem apanhadas da próxima vez, tornando-se adultos que tentam evitar os problemas recorrendo a esquemas.

17 – Se os pais não deixam a criança tomar decisões, poderá vir a ser um adulto dependente.

A conselheira de saúde mental, Laura JJ Dessauer, diz que se os pais não deixam as crianças escolher as suas roupas, amigos ou comida podem estar a criar adultos dependentes. Isto poderá resultar num procura de relações em que o companheiro tenho todo o poder e controlo.

18 – As expetativas dos pais podem guiar a criança até à universidade.

“Pais que viam a universidade no futuro dos filhos pareciam conseguir guiar os seus filhos por esse objetivo, independentemente da sua situação financeira e outros aspetos,” concluiu o professor Neal Halfon e os seus colegas com base em dados de uma pesquisa efetuada em 6,600 crianças nascidas em 2001, por parte da Universidade da Califórnia.

19 – Crianças que têm autocontrolo desde cedo têm mais probabilidades de serem adultos funcionais.

Crianças que têm autocontrolo desde cedo terão mais probabilidades de crescer saudáveis, financeiramente seguras e adultos sem problemas do que aquelas que têm pouca autodisciplina, de acordo com um estudo de 32 anos publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences.

20 – Pais que dão atenção aos filhos, aumentam as probabilidades dos filhos de terem relações mais saudáveis e melhores resultados académicos por volta dos 30 anos.

Foi reportado à PsyBlog que pais que são mais sensíveis e atentos aos seus filhos e lhes respondem rápida e apropriadamente, oferecem uma base de suporte segura para as crianças explorarem mais.

21 – Mães que tiram licença de maternidade têm mais probabilidade de criar adultos bem sucedidos.

Uma pesquisa proveniente do The Institute for the Study of Labor (IZA), em Bonn, registou maiores números de ensino superior, QI, e níveis de rendimento na vida adulta para crianças cujas mães tiraram licença de maternidade.

23 – Se a criança tiver um relação próxima com o pai, terá maiores hipóteses de desenvolver melhores relações interpessoais.

De acordo com um estudo da University of Haifa’s School of Social Work, ter uma conexão emocional com o pai durante a infância é um indicador de uma maior probabilidade de ter uma relação íntima mais saúdavel fisica e emocionalmente com um companheiro mais tarde.

24 – Se a criança sofrer maus tratos, tem o dobro das probabilidades de desenvolver depressão em adulta.

Um estudo da King’s College London que envolveu 26,000 descobriu que se uma criança experienciou vários tipos de maus tratos (rejeição materna, disciplina exagerada, ambiente familiar instável ou maus tratos físicos e sexuais), terá 2,27 vezes mais probabilidades de ter episódios de depressão frequentes.

Visão em 8 de Setembro de 2015

Bullying – Uma História de Hoje – ESTREIA Nacional 30 de Outubro – Centro Cultural de Carnide

Outubro 26, 2015 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

bullying

BULLYING – Uma história de Hoje
ESTREIA Nacional 30 de Outubro – Centro Cultural de Carnide
Entrada livre

Reservas de espectáculos | 93 445 44 47 | 93 445 57 22 | contrapalcoteatro@gmail.com

https://www.facebook.com/contrapalcoteatro

Fotógrafo registra antes e depois de crianças prematuras

Outubro 26, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Texto do site http://www.paisefilhos.com.br de 5 de outubro de 2015.

Red Méthot

Veja a série de lindas fotografias que retratam a história destas pessoas

O fotógrafo canadense Red Méthot realizou um ensaio fotográfico chamado “Les Premas”, onde crianças que nasceram prematuras seguram quadros com suas fotos ao nascerem, para mostrar a dificuldade que enfrentaram e os desafios superados. Foram reunidas várias crianças para a série. Confira abaixo:

Red Méthot2

mais fotos no link.

https://www.yahoo.com/parenting/powerful-photos-show-how-far-premature-babies-have-191110545.html?soc_src=mail&soc_trk=ma

https://www.facebook.com/RedMPhoto

 

 

 

 


Entries e comentários feeds.