Concurso Liberdade de Expressão e Redes Sociais – tema Cyberbullying

Outubro 23, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

cyber

mais informações:

http://blogue.rbe.mec.pt/concurso-liberdade-de-expressao-e-redes-1872542

http://sic.sapo.pt/sicesperanca/2015-09-28-Projeto-Liberdade-de-Expressao-e-Redes-Sociais

Lançamento da Agenda IAC 2016 Pela Defesa e Promoção dos Direitos da Criança em Coimbra dia 7 de novembro

Outubro 23, 2015 às 12:55 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

convite_lançamento_agenda01

Brevemente será anunciado o lançamento da Agenda IAC 2016 Pela Defesa e Promoção dos Direitos da Criança em Lisboa.

Esta agenda ensina os seus filhos a protegerem-se on-line. Temos a certeza que vai querer uma!

Outubro 23, 2015 às 12:46 pm | Publicado em Campanhas em Defesa dos Direitos da Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

agenda_IAC_ex_1

Esta agenda contém dicas de segurança sobre a utilização da internet, a proteção da imagem, prevenção do cyberbullying, hábitos de conduta livres de riscos (prevenir raptos) e denúncia de abusos sobre a criança. A abordagem destas temáticas e respetivas dicas de segurança serão complementadas por alguns jogos pedagógicos.

Além disso, a Agenda IAC 2016 proporciona agradáveis momentos de leitura através de  maravilhosos poemas e contos da autoria de conceituados escritores portugueses como Alice Cardoso, António Torrado, José Fanha, Fernando Cardoso, Luísa Ducla Soares, Margarida Fonseca Santos, Raquel Palermo, Sara Rodi e Sílvia Alves. Cada mês apresenta um poema ou um conto alusivo à Criança. As ilustrações são criadas a partir dos desenhos das crianças apoiadas pelo IAC.

Destina-se a crianças, jovens, pais, avós, educadores, responsáveis de instituições que trabalham com crianças, entre outros.

agenda_pag_jan2016_ex

O nosso projecto de crowdfunding “Agenda 2016 do Instituto de Apoio à Criança”, cujo objetivo inicial é angariar verba para a produção da agenda e a motivação final é o desenvolvimento de novos projetos ligados à prevenção de situações de violência entre os jovens, necessita do seu apoio. Se o seu donativo for superior a 10€, além das recompensas enumeradas no PPL, vai receber também um exemplar da agenda. Mas 1€ já é uma ajuda. Euro a euro…

Para apoiar a Campanha de Crowdfunding do CEDI Instituto de Apoio à Criança, aceda ao link

http://ppl.com.pt/pt/causas/agenda-iac-2016

Na causa “Agenda IAC 2016 Pela Defesa e Promoção dos Direitos da Criança” introduza o valor do seu contributo, clicando posteriormente em CONTRIBUIR. Continue o processo seguindo os passos que constam do formulário. Aconselhamos a selecionar a opção” Desejo doar o valor a este promotor, mesmo que a campanha não angarie a totalidade dos fundos“ para que possamos dispor de qualquer verba angariada e, desta forma, concretizar o nosso objetivo. A plataforma do PPL irá gerar uma Referência Multibanco para que possa fazer o seu contributo à campanha.

Agradecemos que divulgue a nossa iniciativa.

Os nosso agradecimentos

O Centro de Documentação do Instituto de Apoio à Criança

Así puede un professor prevenir el acosso escolar en su clase

Outubro 23, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Texto http://www.abc.es de 24 de abril de 2014.

Isabel Permuy

Carlota Fominaya

Los expertos denuncian falta de percepción por parte de los maestros de lo que ocurre en el aula

Amanda, de 19 años, Jokin, de 14, Mónica, de 16… y así hasta una larga lista de nombres de adolescentes con un denominador común: todos decidieron quitarse la vida tras haber sido víctimas de acoso escolar. «Un niño no se suicida de un día para otro. Emiten señales que los adultos que están en su esfera diaria, como pueden ser sus padres o, en este caso, los profesores, deben saber leer», indica Juan Carlos Vilar, presidente de la Fundación Gestiona. «Hay que actuar preventivamente. Las consecuencias, en demasiadas ocasiones, son irremediables», advierte. Hay otro factor común a todos estos casos de acoso, y es que todos ellos comenzaron en el colegio. «El problema está en que en muchos de los casos, los profesores que había cerca de estos pequeños nunca apreciaron que hubiera acoso escolar. O si lo detectaron, la dirección del centro no consideró oportuno sancionar a los agresores o no informó a la Consejería de Educación», añade este especialista. «Demasiadas veces tenemos que leer en los medios de comunicación las siguientes frases: “nunca se apreció acoso escolar”, o “problemas ajenos al centro por completo”», recuerda.

Es indudable que para la Fundación Gestiona, «falta percepción por parte de los maestros de lo que ocurre en el aula. Las peleas, los insultos… no son “cosas de niños”», remarcan. Para Irene López-Assor, psicóloga de esta organización, esta dificultad para detectar las situaciones de acoso en sus fases preliminares es la causa de algunas de las sentencias condenatorias a colegios por casos de acoso escolar que se están produciendo en España. «Como responsables de los menores a su cargo durante las horas lectivas, los colegios tienen la obligación y la posibilidad de combatir esta lacra social. Y para ello necesitan nuevas herramientas que les ayuden a detectar y a prevenir este tipo de situaciones», añade López Assor. «Es crucial que los profesores sepan cómo detectar cualquier señal», insiste. Lo corrobora Abel González, profesor de criminología en la UDIMA con una larga experiencia en el Plan Director de Mejora de la Convivencia y Seguridad Escolar puesto en marcha por el Ministerio de Educación. «Es un imperativo que los profesores sepan detectar cualquier señal que vean durante la estancia de los niños en el centro escolar».

Ante la creciente preocupación social y del sector por este tema, la Fundación Gestiona ha desarrollado una herramienta destinada a que sean los propios centros de enseñanza los que puedan identificar síntomas y prevenir posible casos de acoso en sus aulas, basada en la información y sensibilización de toda la comunidad educativa: equipo directivo del colegio, profesores y padres, con especial incidencia en el equipo docente, que recibe formación específica para identificar y evitar el acoso. Estos serían algunos de sus consejos a la hora de prevenir el acoso escolar en las primeras etapas:

1. Identificar los perfiles psicológicos que hay en el aula. Para ello López-Assor recomienda a los maestros que observen y estudien los perfiles psicológicos de sus alumnos a la hora de hacer grupos. «Es importante saber en qué clase nos manejamos, haciéndonos las siguientes preguntas: ¿son niños fuertes?, ¿débiles?, ¿qué carga emocional tienen? Nosotros lo sabemos mediante la realización de baterías de test y jornadas de observación en las que analizamos los perfiles psicológicos de los alumnos y de su grupo de pertenencia», explica esta terapeuta. En este sentido, desde la Fundación sugieren que se cuelguen en clase carteles bien visibles con los valores de los niños. «Son una excelente herramienta para subir la autoestima», propone.

2. Enseñar a los niños más pequeños a diferenciar lo que está bien de lo que está mal, y a canalizar su ira. «Tienen que aprender a utilizar la inteligencia emocional a la hora resolver conflictos, y esto se puede enseñar en clase desde las edades más tempranas», recomienda López-Assor.

3. Fomentar la comunicación. «El enemigo número uno de la víctima de acoso es el silencio. Pero si el niño aprende a expresar sus emociones y a comunicárselas a un adulto o a una persona de su confianza, habremos ganado en parte la batalla», indica esta psicóloga.

4. Ser conscientes de la gravedad tanto de los ataques intimidatorios como de los psicológicos. «Debemos apartar la idea de que para que exista acoso los niños se tienen que estar “matando en el patio”. Se pueden producir agresiones durante la clase de deporte mediante una patada o un cabezazo jugando al fútbol… En el patio se puede despreciar, aislar, o ignorar a un compañero…». «Pero el peor acoso, el que más se sufre, suele ser el psicológico», matiza esta experta. «Las burlas, el mote…. hoy hay que tener mucho cuidado con esto», añade.

5. La identificación de los lugares «ciegos» en las instalaciones de la instalación escolar sería otra de las recomendaciones de esta organización. «Nos referimos a los lugares donde un niño puede aprovechar para agredir o intimidar a otro al que tenga “manía”. Es bien sabido que el bullying se puede presentar de diferentes formas y en distintos lugares: dando un cabezazo durante el partido de la clase de deporte, o aislando e ignorando en el pasillo o el patio al compañero», diferencia López-Assor.

 

Sessão de apresentação do “Manual de Educação para a Cidadania Global” 26 outubro Instituto da Educação Universidade do Minho

Outubro 23, 2015 às 11:45 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

manual

Convidamos-vos para a sessão de apresentação do MANUAL DE EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA GLOBAL: uma proposta de articulação para o 2º Ciclo do Ensino Básico, dirigido a professores e educadores, que se realiza no dia 26 de outubro, segunda-feira, às 10h30, na Sala de Atos (1104), no Instituto de Educação/Universidade do Minho.

O Manual de Educação para a Cidadania Global é um recurso educativo que disponibiliza um conjunto de planificações de unidades didáticas destinadas a integrar as temáticas de Educação para a Cidadania Global nos conteúdos do currículo formal de quatro disciplinas nucleares – Ciências Naturais, História e Geografia de Portugal, Matemática e Português.

Cada instituição presente, receberá um exemplar do Manual.

Este Manual foi publicado no âmbito do projeto “Educar para Cooperar” – Loures 3ª edição, que tem como objetivo contribuir para um mundo no qual as escolas sejam espaços de construção de cidadãos críticos e participativos, que promovam a transformação social.

A entrada é livre! Agradecemos o seu apoio na sua divulgação!

— em Instituto de Educação da Universidade do Minho.

Centro de Recursos para a Cooperação e Desenvolvimento (CRCD)

crcdesenvolvimento@ie.uminho.pt
Telefone: 253 60 12 85/ 253 60 22 83
Gabinetes: 2061 e 2062
Instituto de Educação da Universidade do Minho

6.º Encontro de Práticas para a Inclusão

Outubro 23, 2015 às 10:32 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

 

inclusão

data limite para proceder à sua inscrição é dia de 29 de outubro.

 

mais informações:

http://cmsintra.malha.eu/moodle/course/view.php?id=130

Projeto solidário “Fashion Kids” dá lugar a exposição

Outubro 23, 2015 às 9:08 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

convite

https://www.facebook.com/events/1034794779877817/

Crianças expostas ao tabaco podem ser mais agressivas ou medrosas, diz estudo

Outubro 23, 2015 às 8:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do site http://zh.clicrbs.com.br/ de 29 de setembro de 2015.

O estudo citado na notícia é o seguinte:

Postnatal Environmental Tobacco Smoke Exposure Related to Behavioral Problems in Children

Crianças expostas ao tabaco antes e após o nascimento teriam praticamente duas vezes mais riscos de ter problemas de comportamento, como serem mais medrosos, raivosos ou briguentos – é o que diz um estudo feito com mais de 5.200 crianças em idade escolar.

Os malefícios do tabaco nas crianças são velhos conhecidos: a substância favorece a ocorrência de asma nos pequenos, ou o nascimento de bebês com baixo peso quando a mãe fuma durante a gravidez.

Mas o papel potencial da fumaça ambiente sobre os comportamentos é muito menos conhecido, ressaltou o Instituto Nacional de Pesquisa Médica e Saúde da França (Inserm), responsável pela pesquisa.

“A exposição ao tabaco durante a gravidez e após o nascimento praticamente dobra os risco de problemas comportamentais entre as crianças escolarizadas no ensino fundamental, com média de idade de 10 anos”, disse à AFP Isabella Annesi-Maesano (diretora de pesquisa do Inserm/Universidade Pierre e Marie Curie).

As crianças expostas ao tabaco seriam mais agressivas: coléricas, desobedientes, briguentas e mais frequentemente inclinadas às mentiras e às trapaças, até mesmo aos pequenos furtos.

Este aumento do risco é grosseiramente refletido pela proporção das crianças expostas ao tabaco em pré e pós natal (18%) que têm este tipo de condutas anormais (18%) comparadas àquelas que não têm fumantes nas proximidades (9,7%).

Para os problemas emocionais, eles desenvolveriam mais facilmente medos, problemas psicossomáticos (dores de cabeça e na barriga), e não ficariam à vontade em situações novas (“criança que fica grudada nos pais”, neste caso).

No estudo, 13% das crianças têm problemas de conduta e 15% problemas emocionais – quer tenham sido expostos ou não ao tabaco, explicou a pesquisadora.

Ao todo, 20% das crianças estudadas foram expostas ao tabaco tanto durante a gravidez (mãe fumante) e nos primeiros meses de vida, neste estudo feito em parceria com hospitais de seis cidades francesas.

Os pais das crianças preencheram um questionário especializado, o “SDQ” (questionário pontos fortes e dificuldades/Strengths and Difficulties Questionnaire) indicando especialmente se a criança tinha sido exposta ao tabaco até a idade de um ano.

Os impactos destes problemas comportamentais na escolaridade não foram estudados, mas devem ser analisados numa próxima etapa.

– Efeito neurotóxico –

Os fatores habituais (nível social, prematuridade, nível de educação, etc.) que poderiam influenciar nos resultados foram levados em conta, com exceção do estado mental dos pais (depressão).

Trabalhos anteriores já apontavam para uma relação entre a exposição à fumaça do cigarro e uma taxa acentuada de problemas comportamentais.

Mas o novo estudo, publicado na revista norte-americana PloS One, é o primeiro a mostrar num número tão grande de crianças, uma “associação” entre a exposição pós-natal ao tabaco e os sintomas emocionais e de conduta, notaram os autores.

Para aquelas crianças expostas apenas durante a gravidez (mãe fumante), “a associação aparece apenas para problemas emocionais”, explicou Annesi-Maesano. Mas poucas crianças pertencem a este grupo no estudo (cerca de quarenta), notou.

Para a epidemiologista, “o estudo traz um motivo a mais para evitar o tabagismo passivo em função dos problemas comportamentais que podem ser provocados nas crianças”.

Estas observações parecem confirmar as realizadas nos animais, segundo as quais a nicotina da fumaça do tabaco poderia ter um efeito neurotóxico sobre o cérebro, em particular sobre o crescimento neuronal nos primeiros meses de vida.

BC/ial/bma/mm

 

 

Famílias com filhos vão ter desconto no IMI pelo menos em 130 municípios

Outubro 23, 2015 às 7:22 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Público de 19 de outubro de 2015.

Até à semana passada, dos 308 municípios portugueses 130 tinham aprovado, ou estavam em vias de aprovar, a concessão de um desconto no Imposto Municipal sobre Imóveis para as famílias com filhos. Entre as cinco câmaras com maior número de agregados que podiam beneficiar desta medida aprovada no Orçamento de Estado para 2015 (mas com efeito, nas carteiras dos contribuintes, em 2016), apenas Lisboa e Braga a aceitaram. Porto, Gaia e Sintra não o fizeram, deixando críticas ao facto de o Governo estar a aliviar a carga fiscal das famílias à custa das receitas das autarquias.

O número de autarquias que vai praticar o desconto no IMI – que pode ser, no máximo, de 20% para agregados com três ou mais filhos – pode ainda aumentar. O prazo para comunicação da decisão, que passa sempre pelos executivos e pelas assembleias municipais, ainda corre, e só termina a 30 de Novembro. Tendo em conta este facto, a Associação Nacional de Municípios não quis, nesta fase, fazer qualquer avaliação do nível de adesão, remetendo-a para Dezembro, altura em que será conhecido um número final.

Neste momento, a melhor forma de perceber como está o país autárquico a reagir à medida é mesmo o site da Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN), que vem prestando atenção a todas as notícias publicadas sobre esta matéria, e conta, para além da identificação dos municípios e de dados sobre os descontos que cada câmara aprovou, com um simulador, para que cada pessoa possa perceber o que vai acontecer no seu caso. Assim, um morador de Lisboa que tenha uma casa com um valor patrimonial de 150 mil euros, e que paga, na capital, 450 euros de IMI, vai pagar em 2016 menos 90 euros do imposto relativo a 2015.

992731

Lisboa é, no que diz respeito ao IMI, uma das cidades mais amigas dos contribuintes. Na capital, o imposto está já na taxa mínima, e em cima disso o município acrescenta, agora, o desconto para quem tenha um filho (10%), dois (15%) ou três ou mais (20%), abrangendo 33 mil agregados. Quase metade das autarquias que já sinalizaram, ou aprovaram mesmo, o benefício, têm o IMI no mínimo. Das 130 que, segundo a APFN, vão baixar o IMI a agregados com descendentes, só Trofa, Portalegre e Seia têm a taxa no seu valor máximo (0,5 ou 5%). Outras 22 ainda estão a cobrar 4% ou mais. Nestes casos, o peso do desconto é obviamente maior, e chega, para um exemplo semelhante ao de Lisboa, aos 150 euros, para um IMI de 750, num concelho como o da Trofa.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, estimava que a medida poderia abranger 861 mil famílias em todo o país. Mas alguns dos concelhos mais populosos, como Sintra, Gaia e Porto, colocaram-se de fora, preferindo, no caso das duas primeiras, fazer uma descida geral da taxa praticada no concelho. Esta já foi aprovada no município liderado por Basílio Horta. O autarca de Gaia admitiu recentemente, numa reunião de Câmara, que deverá fazer o mesmo. Outras câmaras do país estão a seguir esta via, optando, assim, por não pôr em prática a diferenciação em função da dimensão das famílias, considerada uma medida de estímulo à natalidade.

Entre os que já aderiram, a abrangência dos descontos varia. Há 14 câmaras que decidiram não baixar o IMI a agregados com apenas um filho, como acontece em Braga, cujo autarca, o social-democrata Ricardo Rio, considerou que, ao fazê-lo, estará a dar o estímulo ao segundo filho. Em Braga, o desconto é de 10% para os dois patamares superiores, abrangendo 25 mil famílias. Das câmaras que deixaram de fora as casas onde só exista um descendente a cargo, há três que o fazem ainda com quem tenha dois, guardando o desconto para as famílias com três ou mais filhos. O esforço de cada município também varia, e há quem se fique por um desconto de 3%, 6% e 15%, como o Fundão, em vez dos máximos de 10%, 15% e 20% previstos no diploma legal e praticados na maioria dos casos.

A secretária-geral da APFN afirmou ao PÚBLICO que o nível de adesão ao desconto “está em linha” com o que a associação esperava. Desde 2013 que esta organização vinha pugnando pela diferenciação do IMI consoante o número de elementos do agregado familiar e, na sequência de uma carta enviada a todos os municípios portugueses, há dois anos, “muitos mostraram-se, já na altura, interessados em aderir”, caso uma medida do género fosse aprovada. “Isso aumentou o nosso empenho para ver isto aprovado pelo Governo”, explicou.

Para a APFN, outra mudança importante, anunciada já em Setembro, foi a facilitação do acesso ao benefício. Se até ali cabia a cada munícipe pedir o acesso a ele, comprovando a sua situação, agora ele será automaticamente aplicada pela Autoridade Tributária aos contribuintes dos municípios que o aprovem até 30 de Novembro, como acontecia, desde 1 de Janeiro, com as 350 mil famílias abrangidas pela isenção do IMI por motivos económicos.

Mas a medida não está isenta de críticas. Ana Cid contesta que a gradação dos descontos termine nos 20% para quem tem três ou mais filhos, prejudicando as famílias de maiores dimensões que, podendo, são obrigadas a comprar casas maiores e, por isso, com maior valor patrimonial. Além disso, nota, estes agregados que são marginalizados, também, no coeficiente familiar do IRS, são eles próprios “marginais” em termos estatísticos, e não teriam, por isso, grande impacto nas contas do Estado ou das autarquias, argumenta.

Outro dos defeitos apontado a esta medida é que, com o envelhecimento da população, o benefício deveria ser aplicado não apenas em função do número de descendentes mas também dos ascendentes a cargo. Esta foi, por exemplo, a crítica feita pelo presidente da Câmara de Gaia, o socialista Eduardo Vítor Rodrigues, quando há semanas, numa reunião do executivo municipal, justificou o chumbo da recomendação do PSD local, que pedia a aplicação do desconto. Ana Cid concorda que quem tenha ascendentes em casa deveria ter acesso a esta baixa do IMI. Não discordando desta extensão, o social-democrata Ricardo Rio alerta simplesmente para o facto de ela transformar um estímulo à natalidade numa medida social.

Para a APFN, mais do que um benefício, descontos como os que estão a ser praticados agora no IMI, ou os que já são praticados, por 144 municípios, na água, com as tarifas familiares, não são uma questão de justiça. O site da associação tem alguns dados do INE sobre demografia e habitação em Portugal, onde se pode ver, por exemplo, que 10% das habitações com mais de dez divisões estão habitadas por uma pessoa, e que em quase 30% das habitações com seis divisões moram apenas duas pessoas. “Por que razão uma família que é obrigada a comprar uma casa maior, porque tem mais filhos, tem de pagar o mesmo imposto que alguém que tem uma casa maior por opção”, argumenta.

É por isso que, depois da água, do IRS, e do IMI, a APFN, que critica o panorama que se vive no universo do livro escolar, em que a reutilização ainda não é uma regra e o tempo legal de vida dos manuais não é respeitado, pretende virar-se para a electricidade. Este é outro serviço essencial com um preço sensível ao aumento de potência contratada (um pouco à semelhança dos escalões de consumo de água), mas onde não se distingue se na habitação vivem uma, duas ou seis pessoas. Ana Cid afirma que a APFN já abordou, sem sucesso, a EDP, antes da liberalização do mercado, e espera proximamente falar com os vários fornecedores que agora operam no sector, na expectativa de que algum deles aceite graduar o preço em função da dimensão das famílias.

 

 

 

 

Crianças e lentes de contacto: a partir de quando?

Outubro 23, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Texto do site http://lifestyle.sapo.pt

CC

Nuno Noronha

O uso de lentes de contacto para a correção visual em pré-adolescentes pode contribuir para melhorar a sua auto-estima e a capacidade para assumir responsabilidades. Segundo a Sociedade Portuguesa de Oftalmologia, uma em cada cinco crianças em idade escolar necessita de correção visual e este número tem vindo a aumentar.

Aproximadamente uma em cada cinco crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 15 anos necessitam de algum tipo de correção visual, e este número tem vindo a crescer tanto em Portugal como no resto do mundo. O excesso de exposição em tarefas de visão próxima, o grande número de horas em frente a aparelhos tecnológicos e a exposição intensa a luzes artificiais são alguns dos vários fatores que podem ter contribuído para esta tendência.

Nos problemas visuais infantis mais recorrentes, poderão ser encontradas a miopia, o astigmatismo e a hipermetropia, sendo que a maioria das crianças com défice de visão manifesta problemas refrativos, ou seja, suscetíveis de serem corrigidos com o uso de lentes de contacto ou óculos.

Apesar de ainda existir, entre os pais portugueses, uma grande resistência ao uso de lentes de contacto em crianças pré-adolescentes, a verdade é que vários estudos indicam que o uso de lentes de contacto em idades infantis traz todos os benefícios que o uso de lentes de contacto garante nos adultos e, para além disso, contribui para melhorar o seu sentido de responsabilidade e a sua auto-estima.

Falta de consenso entre especialistas

Apesar de as crianças terem capacidade para utilizar lentes de contacto com autonomia a partir dos 8 anos de idade, não existe, entre os especialistas, um consenso sobre uma idade mínima para usar lentes de contacto.

Estes concordam que as crianças que demonstrem o desejo de usar lentes de contacto podem usá-las a partir do momento em que também revelem um certo nível de responsabilidade e maturidade, assim como hábitos de higiene pessoal independente.

Esta é também a experiência de Sofia Matos, coordenadora de ensaios clínicos no laboratório de investigação em optometria clínica e experimental da Universidade do Minho, e que desde há 4 anos adapta lentes de contacto a crianças a partir dos 8 anos.

Segundo esta optometrista, “é muito interessante ver como crianças de tão curta idade evoluem desde as primeiras consultas em que existem alguns receios, até uma utilização independente, embora sob vigilância atenta dos pais, passadas algumas semanas. Surpreende também ver como são conscientes da importância de ter cuidados com a sua higiene para manusear as lentes, sobretudo quando comparados com jovens adultos de 18 ou mais anos. Talvez seja por isto que num estudo recente realizado pela Dra. Robin Chalmers nos Estados Unidos, se observou que a faixa etária entre os 8 e os 12 anos era aquela que apresentava um menor índice de complicações.”

Os benefícios do uso de lentes de contacto em idade pré-adolescente e adolescente são facilmente quantificáveis:

  • Melhoria da autoestima. Uma vez que é nesta fase pré-adolescente e adolescente que iniciam os problemas com a identidade e aparência e o uso de lentes de contacto em vez de óculos melhora substancialmente a forma como as crianças se vêm a si mesmas.
  • Ausência das restrições impostas pelo uso de óculos, pois as lentes de contacto não são passíveis de serem partidas em atividades físicas como os óculos.
  • Melhoria do sentido de responsabilidade. Segundo o estudo “Vision specific quality of life of pediatric contact lens wearers” as crianças que demonstram o desejo de usar lentes de contacto em vez de óculos tendem a ser cuidadosas com a limpeza das mesmas e demonstram facilidade no seu manuseamento.
  • O uso de lentes de contacto pode beneficiar em grande escala a vida de uma criança pré-adolescente e adolescente e libertá-la de certas restrições impostas pelo uso de óculos para a correção visual.

Neste sentido, o uso de lentes de contacto descartáveis diárias está altamente recomendada pela simplicidade e facilidade de utilização.

Por vezes a dificuldade de aceitação das lentes de contacto como um método prático para corrigir problemas de visão pode estar relacionada com mitos, ou neste caso, com a subestimação das capacidades infantis. No entanto, já foi demonstrado que cerca de nove em dez crianças pré-adolescentes consideraram a limpeza e a manipulação de lentes de contacto fácil, assim como também está provado que as crianças apresentam níveis de higiene e de cuidados com as lentes de contacto iguais ou superiores aos adultos.

 

 


Entries e comentários feeds.