Crianças negras tem quase quatro vezes mais probabilidade de viver na pobreza do que as crianças brancas , diz relatório nos EUA

Julho 28, 2015 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , ,

Notícia do http://www.washingtonpost.com  de 14 de julho de 2015.

Black children are nearly four times as likely as white children to live in poverty, report says

By Mark Berman

The economy continues to lumber back to life, with unemployment down and the labor force growing in the years since the Great Recession, but worrisome realities remain for some parts of the population.

Case in point: The staggering number of black children living in poverty, and the perpetual existence of so many children in the United States with access to so little.

Black children were nearly four times as likely as white or Asian children to be living in poverty in 2013, according a new Pew Research Center report analyzing Census Bureau data.

The poverty rate fell among Hispanic, white and Asian children in 2013, yet even as this rate declined for them, it remained the same for black children. About four in 10 black children were living in poverty in 2013, compared to about three in 10 Hispanic children and one in 10 white or Asian children.

1

Black and Hispanic children are acutely over-represented in terms of child poverty. There are actually more Hispanic children living in poverty than there are black, white or Asian children, but that larger overall number stems from Hispanics being a larger and younger population than any other non-white group, Pew says.

Children make up a disproportionate share of the impoverished population. Nearly a quarter of people in the United States are younger than 18, but such people account for nearly a third of those in poverty.

In 2013, the country’s official poverty rate was 14.5 percent, down from 15 percent the year before, making it the first time the poverty rate fell since 2006, according to the Census Bureau. Among children, the poverty rate declined to 19.9 percent that year from 21.8 percent. The number of children living in poverty also fell to 14.7 million from 16.1 million.

(The poverty threshold is based on various factors like the number of people living in a home, but for the purposes of the Pew report and this post, the Census Bureau defined poverty in 2013 as two related children living in a four-person household with an income of no more than $23,624. You can read more about how the Census Bureau defines this poverty threshold here.)

In 2013, for the first time since the Census began collecting this data in 1974, the number of black children in poverty (4.2 million) actually edged out the number of white children in poverty (4.1 million), Pew reports. While Pew noted that the difference was not statistically significant, it stands out because there are far more white children than black in the country.

2

The child poverty rate is a constant, unending pit of sorrow. One in five children in the United States lives in poverty. It has been more than four decades since the poverty rate for children was below 15 percent.

As noted above, children represented 23.5 percent of the total population in 2013, but they made up 32.3 percent of all people in poverty that year. Earlier this year, the Southern Education Foundation reported that more than half of public school students during the 2012-2013 school year were eligible for free and reduced lunches, an indicator of how many come from low-income families.

The United States also does not compare too favorably to other wealthy countries in the world. A report from UNICEF last year studied 41 affluent countries to see how child poverty changed between 2008 and 2012. Based on the child poverty rates in 2012, the United States came in at No. 36.

UNICEF used a different measurement for poverty, determining it based on 60 percent of median income. According to that report, the United States had a child poverty rate of 32.2 percent in 2012, with nearly one in three children deemed impoverished. But this problem is a global one: In more than half the countries studied by UNICEF, at least one in five children lives in poverty. And in 23 of the 41 countries studied — the United States included — the child poverty rate increased between 2008 and 2012.

In addition to measuring different countries, UNICEF also looked at the numbers for each state here. Between 2006 and 2011, otherwise known as a period when a recession chewed through wide swaths of our economy, child poverty increased in more than two-thirds of the states. Some states saw large increases, like New Mexico (rising to a 41.9 percent child poverty rate from 32.8). Others, like Oklahoma, maintained a woeful status quo (with its 36 percent rate barely budging).

This is also a big problem for the youngest age group, those younger than 6. The National Center for Children in Poverty says that half of children in this age range live in low-income or abjectly poor families. About 70 percent of black children younger than 6 live in low-income families, as do about 66 percent of Hispanic children in that age range. And the number of particularly young children living in poverty has increased since 2007, the year the Great Recession began.

This latest report from Pew does not offer explanations for the racial gap. However, in the years since the recession began, there have been numerous indications of how much worse the economic implosion and the ensuing recovery has been for black people and other minorities. Black people disproportionately held subprime mortgages, so they were more likely to face foreclosures when the market collapsed. Black women said they were experiencing greater difficulties paying bills or getting loans. Black families who spent decades climbing into the middle class saw their financial foundations torn apart.

And even as the recovery has picked up, some Americans benefited more than others. Black and Hispanic working families are now twice as likely as white or Asian ones to be poor or low-income, according to one report, a gulf that grew since the recession. The racial wealth gap only grew since the recession, too: While the wealth of white people leveled off during the recovery, it continued to fall for black and Hispanic people.

To put it another way: White households essentially had 13 times the median wealth of black households, and 10 times the wealth of Hispanic households, as Pew researchers put it last December. This is the largest gap between black and white people since 1989.

As the National Center for Children in Poverty explains, most of the children living in poverty have parents who do work, but a combination of low wages and unsteady job employment lead to financial instability. A report earlier this year from the NAACP found that black and Latino workers are more likely to work in retail, which comes with stagnant or low pay, part-time schedules and unsteady schedules.

Meanwhile, nationwide, between 2012 and 2013, the poverty rate fell for men, women, Hispanics, children, people born outside the United States and families, according to the Census Bureau. It remained steady for black people.

Related:

The $15 minimum wage fight goes national

The great and shattered American dream

 

Mark Berman is a reporter on the National staff. He runs Post Nation, a destination for breaking news and developing stories from around the country.

 

 

 

Quando a vida das crianças gira em torno dos ecrãs

Julho 28, 2015 às 2:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , ,

Notícia do Diário de Notícias de 26 de julho de 2015.

clicar na imagem

Sem Título-5

 

 

 

Estudo diz que a leitura em voz alta para crianças, mais do que falar, constrói literacia

Julho 28, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

texto do site http://edsource.org de 8 de julho

Lillian Mongeau EdSource Today

By Susan Frey

In “The Pout-Pout Fish” children’s picture book, the author weaves words like “aghast” and “grimace” into a story about a fish who thought he was destined to “spread the dreary-wearies all over the place” until…well, no need to spoil the ending.

Finding such rich language in a picture book is not unusual, and reading those stories aloud will introduce children to an extensive vocabulary, according to new research conducted by Dominic Massaro, a professor emeritus in psychology at the University of California, Santa Cruz. He said although parents can build their children’s vocabularies by talking to them, reading to them is more effective.

Reading aloud is the best way to help children develop word mastery and grammatical understanding, which form the basis for learning how to read, said Massaro, who studies language acquisition and literacy. He found that picture books are two to three times as likely as parent-child conversations to include a word that isn’t among the 5,000 most common English words.

Picture books even include more uncommon words than conversations among adults, he said.

“We talk with a lazy tongue,” Massaro said. “We tend to point at something or use a pronoun and the context tells you what it is. We talk at a basic level.”

Liv Ames for EdSource

Massaro said the limited vocabulary in ordinary, informal speech means what has been dubbed “the talking cure” – encouraging parents to talk more to their children to increase their vocabularies – has its drawbacks. Reading picture books to children would not only expose them to more words, he said, but it also would have a leveling effect for families with less education and a more limited vocabulary.

“Given the fact that word mastery in adulthood is correlated with early acquisition of words, shared picture book reading offers a potentially powerful strategy to prepare children for competent literacy skills,” Massaro said in the study.

The emphasis on talking more to children to increase their vocabularies is based on research by Betty Hart and Todd Risley at the University of Kansas. They found that parents on welfare spoke about 620 words to their children in an average hour compared with 2,150 words an hour spoken by parents with professional jobs. By age 3, the children with professional parents had heard 30 million more words than the children whose parents were on welfare. Hart and Risley concluded that the more parents talked to their children, the faster the children’s vocabularies grew and the higher the children’s I.Q. test scores were at age 3 and later. Since their research was published, there has been a push to encourage low-income parents to talk more to their children as a way to improve literacy.

But more picture book reading would be beneficial to children from every social class, Massaro said. What limits the tongue of even well-educated adults are “certain rules of discourse,” such as responding quickly, he said. That reduces word choices to those acquired early and used more frequently. In conversation, people also repeat words that have been recently spoken, further restricting the variety of words used.

Writing, on the other hand, is more formal, Massaro said, even in children’s books.

“Reading takes you beyond the easy way to communicate,” he said. “It takes you to another world and challenges you.”

Reading picture books to babies and toddlers is important, he said, because the earlier children acquire language, the more likely they are to master it.

“You are stretching them in vocabulary and grammar at an early age,” Massaro said. “You are preparing them to be expert language users, and indirectly you are going to facilitate their learning to read.”

Massaro said encouraging older children to sound out words and explaining what a word means if it isn’t clear in the context of the story will help build children’s vocabularies. Allowing children to pick the books they are interested in and turn the pages themselves keeps them active and engaged in learning, he said.

Reading to children also teaches them to listen, and “good listeners are going to be good readers,” Massaro said.

Massaro said that 95 percent of the time when adults are reading to children, the children are looking at the pictures, partly because picture books tend to have small or fancy fonts that are hard to read. If picture book publishers would use larger and simpler fonts, then children would be more likely to also focus on the words, helping them to become independent readers, he said.

In the study, Massaro compared the words in 112 popular picture books to adult-to-child conversations and adult-to-adult conversations. The picture books, which were recommended by librarians and chosen by him, included such favorites as “Goodnight Moon” and “If You Give a Mouse a Cookie.”

Most of the books Massaro used were fiction, but children’s picture books can also be nonfiction and discuss topics such as earthquakes or ocean life that would likely include a larger number of uncommon words, he said, giving them an even greater advantage over conversation.

To analyze the conversations, Massaro used two databases of words. One database involved 64 conversations with 32 mothers. The mothers had one conversation with their baby, age 2 to 5 months, while interacting with toys, and another “casual conversation” with an adult experimenter. The second database consisted of more than 2.5 million words spoken by parents, caregivers and experimenters in the presence of children with a mean age of 36 months.

In his comparison, Massaro identified the number of uncommon words, and he determined that the picture books he analyzed contained more of them than the language used in conversation.

Massaro’s study has been accepted for publication in The Journal of Literacy Research.

Susan Frey covers early learning, expanded learning, foster students and adult education. Email her or Follow her on Twitter. Sign up here for a no-cost online subscription to EdSource Today for reports from the largest education reporting team in Califórnia.

 

 

 

 

Livros escolares são gratuitos em muitos países da Europa

Julho 28, 2015 às 10:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Notícia do Público de 25 de julho 2015.

Nelson Garrido

Ao contrário do que acontece em Portugal, na grande maioria dos outros países europeus os manuais escolares são gratuitos para todos os alunos durante a escolaridade obrigatória.

É o que se passa, por exemplo, na Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suécia, Reino Unido e França, onde os manuais são adquiridos pelos governos, regiões, autarquias ou escolas, e distribuídos depois pelos alunos, que os têm de devolver no final do ano lectivo. O prazo de vigência dos manuais oscila entre os seis e os dez anos.

Esta prática resulta do facto de naqueles países o princípio da obrigatoriedade de frequência escolar ser “entendido como implicando a gratuitidade total dessa frequência, o que inclui todos recursos educativos que a escola entenda necessários”, conforme se resume no último parecer do Conselho Nacional de Educação, datado de 2011, sobre a introdução em Portugal de um sistema de empréstimo de manuais.

“Esta gratuitidade total geralmente toma a forma de empréstimo no caso dos manuais escolares. Embora com modalidades diversas, a tendência é para considerar que a devolução e reutilização dos manuais não só diminui a despesa do Estado como é educativa por ensinar a cuidar dos livros, a partilhá-los com os outros e a evitar o desperdício”, descreve o CNE no seu parecer de 2011, no qual defende que também em Portugal o princípio da gratuitidade da escolaridade obrigatória até aos 18 anos, já consagrada na lei, implique “que a escola não deva exigir o que não possa disponibilizar gratuitamente aos alunos”. 

 

 

 

Atividades desenvolvidas pelo GAAF da Pampilhosa da Serra

Julho 28, 2015 às 10:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

resumo atividades GAAF 2014-2015

O GAAF da Pampilhosa da Serra é apoiado pelo IAC-FCJ

 

Centenas de euros em manuais são um “pesadelo” anual para as famílias

Julho 28, 2015 às 9:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

Notícia do Público de 25 de julho de 2015.

grafi

Clara Viana

25/07/2015 – 20:45

É o terceiro ano consecutivo em que há manuais novos obrigatórios por causa da entrada em vigor das metas curriculares.

Um pesadelo. É assim que Joana Quintela descreve esta fase em que, todos os anos, se vê confrontada com os preços dos manuais para os seus sete filhos em idade escolar e em que deita mão a todas as alternativas para aliviar uma factura que facilmente ascende a muitas centenas de euros.

“Guardamos todos os manuais que podemos para passarem de filho para filho, recorremos aos bancos de troca, à família, aos amigos, aos amigos dos amigos, para ver quem tem livros que possam servir, mas muitas vezes não tem sido possível reutilizá-los por causa das mudanças aprovadas pelo Ministério da Educação nos últimos anos”, conta.

É um dilema partilhado por grande parte das famílias com filhos em idade escolar, numa altura em que, para aproveitar o máximo dos descontos propostos pelas editoras, estão a finalizar as encomendas dos manuais em vigor para o ano lectivo de 2015/2016.

Na véspera de falar com o PÚBLICO, Joana Quintela recorreu, precisamente, a um dos maiores bancos de trocas de livros a funcionar em Lisboa, o Dê p’ra troca, da Junta de Freguesia de Belém. Sem grande êxito: “Os manuais para deitar fora, porque já não estão em vigor, são muito mais do que os que estão nas prateleiras para serem reutilizados”.

A partir do 2.º ciclo de escolaridade, o preço dos manuais escolares por aluno ronda em média os 200 euros. No ano passado, quando os filhos de Joana em idade escolar eram seis, a factura em manuais rondou os 700 euros e só não foi bem superior porque conseguiu vários livros usados que ainda podiam ser utilizados. “Todos os anos é esta extorsão”, desabafa.

Dança de manuais

Desde 2006, os manuais passaram a ter um período de vigência de seis anos que, contudo, pode ser reduzido por decisão do Ministério da Educação na sequência da revisão dos programas ou metas curriculares que tenha aprovado. O próximo ano lectivo será, por isso, o terceiro consecutivo com mudanças obrigatória de manuais: em 2015/2016 há novos livros para a maioria das disciplinas do 9.º e 12.º ano; no 10.º também tiveram de ser adoptados novos livros para as disciplinas de Física e Química A, Matemática A, Matemática B e Matemática Aplicada às Ciências Sociais e Português.

“Já recolhemos milhares de manuais, mas a maior parte não é reutilizável por não serem os adoptados para este ano”, confirma Graça Margarido, da associação de pais do agrupamento de escolas Filipa de Lencastre, em Lisboa, responsável pelo banco de troca de livros que está ali a funcionar pelo quarto ano consecutivo.

“O que está em causa, em Portugal, é o incumprimento da Constituição e de várias leis da República”, alerta Henrique Cunha, do movimento Reutilizar, que está a preparar uma queixa para apresentar na Provedoria da Justiça, com vista a pôr termo à “extorsão” anual que é feita às famílias, aqui denunciada por Joana Quintela.

Henrique Cunha lembra que a Constituição apresenta como incumbências do Estado as de “assegurar o ensino básico universal, obrigatório e gratuito” e “estabelecer progressivamente a gratuitidade de todos os graus de ensino”. “Ora, se um aluno é obrigado a ter livros escolares e eles não são grátis, então o ensino não é gratuito!”, contrapõe, precisando que, na opinião do seu movimento, a inversão desta situação “não significa que deva ser o Estado a comprar livros novos todos os anos, para todos os alunos”.

“A criação de um sistema de partilha de livros em cada escola e acessível a todos os alunos – previsto na lei desde 2006 acabaria com este encargo para as famílias sem custos adicionais para o Estado”, defende, lembrando que já por três vezes, em 1989, 2006 e 2011, o Conselho Nacional da Educação, um órgão consultivo do Governo e da Assembleia da República, se pronunciou também no mesmo sentido, sem quaisquer efeitos práticos porque “todos os seus pareceres foram ignorados”.

“Ou seja, há 25 anos que os livros escolares mais não são do que um imposto encapotado sobre as famílias para financiar a indústria livreira perante a passividade cúmplice de todos os parceiros da educação”, denuncia o líder do Reutilizar.

É para tentar acabar com este estado das coisas que o movimento está a apelar aos pais para que apresentem testemunho das situações com que têm sido confrontados, para serem incluídos na queixa que será entregue na Provedoria da Justiça no dia 15 de Setembro. Para o efeito, foi criado, no início de Julho, um evento no Facebook (http://www.reutilizar.org/REUTILIZAR.ORG/REUTILIZAR.html), em que foram apresentadas, até ao momento, “70 denúncias muito relevantes”, a esmagadora maioria das quais apresentadas por mulheres, informa Henrique Cunha.

Sendo a escolaridade obrigatória até aos 18 anos, “o que é estritamente necessário a um bom trabalho de aprendizagem dos alunos deve ser gratuito”, defende, a propósito, e o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), Jorge Ascensão, frisando que há ainda mais soluções que podem ser adoptadas de modo a reduzir os encargos das famílias, nomeadamente por via de alterações do sistema fiscal para garantir que as deduções das despesas com a educação sejam mais benéficas para as famílias. “Todos os intervenientes no sector da educação, onde se incluem as editoras, devem ser chamados a debater a situação e a encontrar soluções que garantam, de facto, a gratuitidade do ensino e a equidade entre os alunos”, acrescenta.

Bolsas para carenciados

A partir do ano lectivo 2013/2014, por decisão do Governo, foram também criadas nas escolas bolsas de manuais escolares destinadas aos alunos com Acção Social Escolar, cujas famílias recebiam até então comparticipações anuais do Estado para a aquisição dos manuais escolares. Só têm direito à Acção Social Escolar os agregados familiares com rendimentos mensais iguais ou inferiores ao salário mínimo nacional.

A comparticipação na compra de manuais passou só a ser garantida no caso de não existirem livros disponíveis naquelas bolsas, cuja constituição é da responsabilidade das escolas e que obedecem a princípios diferentes daqueles que norteiam os bancos de trocas de manuais criados por associações de pais, juntas de freguesia e várias outras organizações.

A criação destas bolsas, só para agregados carenciados, foi criticada pela Confap: é uma medida que irá “aprofundar as diferenças entre alunos”, alertou. Também Henrique Cunha considera que, com esta medida, “o sr. ministro da Educação fez uma infeliz associação da reutilização com a pobreza, reforçando a discriminação daqueles que mais deveria proteger”.

No banco de troca de manuais do agrupamento de escolas Filipa de Lencastre, onde os alunos com Acção Social Escolar não representam mais de 8% do total, Graça Margarido tem constatado que não existem barreiras sociais na procura por livros usados. “Toda a gente vem ao banco de livros e muitos pais fazem-no também com intuitos educativos, para reforçar junto dos filhos a importância de reutilizar e reciclar os materiais usados. Não se trata só de procurar poupar dinheiro, mas sim de uma mudança de mentalidades e esse é um dos traços mais interessantes de projectos como este”, diz.

Joana Quintela fala também de educação ambiental, mas para sublinhar o paradoxo de existir tanto “desperdício” de livros por via da adopção de novos manuais: “Nas escolas estão sempre a falar aos alunos da necessidade de reciclar para depois existirem milhares de livros que não podem ser reutilizados. Não se pode dizer que isto seja educativo para as crianças”.

Já Graça Margarido frisa que o resultado dos bancos de trocas “vai sempre para alguma coisa boa”. Exemplos: muitos dos manuais são reencaminhados para países de língua portuguesa e os que não servem para mais nada acabam por ser encaminhados para os bancos alimentares no âmbito da campanha “Papel por Alimentos”, em que por cada tonelada de papel recolhido é doado o equivalente a 100 euros em produtos alimentares básicos.

 

 

 

Frases para estimular o amor próprio do teu filho

Julho 28, 2015 às 6:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

texto do site http://maegazine.com  de 10 de julho de 2015.

maegazine

Uma amiga partilhou este artigo comigo. A autoria é da psicóloga Katerina Kes, especializada em infância e família. O artigo original está em russo, que eu adaptei partindo também de uma tradução/adaptação do castelhano, que está aqui

Diz a autora que responder com um sim sim, está muito bem não adianta de muito. Está também provado que os elogios do género: és tão esperto, és tão inteligente, és tão giro fazem com que a criança/adolescente fique com medo de arriscar, com medo de falhar (o que é não só inevitável como necessário!), de não corresponder à imagem que lhe dão dela.

Qual a alternativa? Reforçar a confiança em si mesma, promover o amor próprio, a confiança, o esforço, o processo e não o resultado.

Como? Aqui estão umas frases para ajudar.

Descreve o que vês diariamente:

  • Uau, que quarto arrumado e limpo!
  • Ena, fizeste a cama!
  • Estou a ver que arrumaste os livros todos na prateleira!
  • Que pinta, escolheste a roupa e vestiste-te sozinho!
  • Estou a ver que está a dar gozo desenhar!
  • Ena, que cores tão vivas que estás a usar!

Descreve o que sentes:

  • Gosto muito de estar contigo
  • Fico muito feliz por estar em casa contigo
  • Dá-me muito gozo passar tempo contigo
  • Sinto-me muito bem quando me ajudas
  • Gosto de te ouvir dizer isso
  • Gosto tanto que estejas aqui
  • Nós fazemos uma equipa

Mostra-lhe a tua confiança:

  • Confio em ti
  • Acredito em ti
  • Respeito a tua decisão
  • Não é fácil, mas sei que vais conseguir
  • Estás a fazer o correcto
  • Percebes bem as coisas
  • Como é que conseguiste?
  • Ensina-me a fazer isso!
  • Estás a fazer melhor do que antes e ainda vais melhorar

Reconhece o esforço e/ou sofrimento:

  • Vejo que trabalhaste muito para o conseguir
  • Estou a ver que te fartaste de dar o litro, continua assim
  • Posso imaginar o tempão que isso levou
  • Fico orgulhoso por ver que te esforçaste muito, é assim mesmo
  • Continua a empenha-te dessa forma, vais ver que as coisas vão correndo melhor
  • Deves ter feito uma boa planificação para correr assim bem
  • Os teus esforços recompensaram-te com um bom resultado, felicito-te

Agradece a ajuda e contribuição:

  • Obrigada por teres… (algo positivo e não de forma irónica)
  • Obrigada pela tua ajuda
  • Obrigada por compreenderes
  • Isso ajuda-me muito, agradeço-te
  • És um óptimo ajudante
  • Graças a ti, consegui acabar isto mais depressa
  • Graças à tua ajuda temos a casa mais limpa
  • Como me ajudaste já não temos tralhas espalhadas no chão

Ajuda-o a avaliar o resultado / leva em consideração a sua opinião:

  • O que é que te parece?
  • O que pensas sobre isto?
  • Gostas de ver como ficou?
  • Achas que te saiu melhor do que da outra vez?
  • O que é que mais gostas nisto?
  • O que pensas que podias fazer para melhorar?

Agradece o tempo que passam juntos*:

  • Gosto muito de passar tempo contigo
  • Obrigada por estares aqui comigo
  • Estou muito feliz por te ter aqui
  • Sinto-me muito bem ao teu lado
  • Estou mortinha por retomarmos o jogo amanhã
  • És uma pessoa muito interessante
  • És muito importante para mim, gosto muito de estar contigo

ilustração de Benjamin Chaud

actualização – criei um álbum de imagens com as frases todas organizadas em 7 grupos! clica aqui

Se este assunto te interessa, também és capaz de gostar do artigo ‘Quando brincar com a criançada é mais uma tarefa…’

*Amor soletra-se T-E-M-P-O. Esta será matéria para um próximo artigo. Acompanha através do Facebook ou subscreve com email para não perderes pitada!

 

 

 


Entries e comentários feeds.