Exposição Familiarte – Workshops pequenos com graúdos, Mini Ateliês no Centro Cultural e Congressos Caldas da Rainha

Junho 3, 2015 às 6:02 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

ccc

Exposição patente de 01 a 30 Junho

No mês de Junho o projeto Familiarte (pequenos com graúdos) celebra o seu primeiro aniversário, por esse motivo convidamos todos artistas que colaboraram connosco para uma exposição coletiva onde reunimos alguns exemplares dos trabalhos por si desenvolvidos.

No dia 14 estão todos convidados a celebrar connosco o nosso 1º aniversário. Nesse dia iremos presentear os nossos visitantes com ateliês abertos com alguns dos nossos convidados e algumas surpresas.

mais informações sobre os artistas no link:

http://www.ccc.com.pt/exposicoes/futuras/904-aniversario-do-familiarte-2

 

Sábados em Cheio em Junho na Biblioteca Municipal José Saramago – Loures

Junho 3, 2015 às 3:21 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

sabados

programa:

www.cm-loures.pt/media/pdf/PDF20150601113638721.pdf

mais informações no link:

http://app.cm-loures.pt/winlib/

Alunos com melhores resultados sem telemóveis na sala de aula

Junho 3, 2015 às 2:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Notícia do http://lifestyle.publico.pt/      de 19 de maio de 2015.

Adriano Miranda

Desempenho de crianças em idade escolar melhora significativamente quando não utilizam o telemóvel durante o período de aulas.

Tirar o telemóvel a uma criança pode ser a solução para notas melhores nos testes, de acordo com um novo estudo britânico. Alguns pais querem estar em permanente contacto com os filhos mas muitos professores dizem que os smartphones são motivo de distracção – o novo relatório revela políticas restritivas em algumas escolas.

Para o estudo, os investigadores Richard Murphy e Louis-Philippe Beland, da London School of Economics, analisaram os resultados de 130 mil estudantes de 16 anos, de 91 escolas britânicas. Entre as 91 escolas, a política de uso de telemóveis era diferente e essa foi uma das variáveis tida em conta quando analisados os resultados dos testes dos estudantes.

“Descobrimos que, para estes alunos, banir os telemóveis teve um impacto equivalente a uma hora adicional por semana na escola ou um aumento do ano escolar em cinco dias”, explicaram os investigadores à CNN.

Em termos práticos, os economistas concluíram que os resultados dos estudantes aumentavam em 6,4% quando a escola proibia os telemóveis. E nos estudantes que habitualmente não cumprem as expectativas, os resultados dos testes aumentaram em 14%.

De acordo com o estudo, “os alunos com baixos resultados são mais propensos a distraírem-se com a presença dos telemóveis enquanto os que têm bons resultados conseguem concentrar-se na sala de aula, independentemente da política de telemóveis”.

Em declarações à CNN, Murphy e Beland salientam que os telemóveis e outras tecnologias podem, em algumas circunstâncias, ser usados para aumentar a aprendizagem. No entanto, explicam que estes trazem “alguns inconvenientes” e distracções, aludindo à tentação de enviar mensagens de texto, jogar ou utilizar as redes sociais no telemóvel.

 

 

9th European Forum on the Rights of the Child

Junho 3, 2015 às 1:50 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

9th_EUROPEAN_FORUM

A Drª Ana Sotto-Mayor, do serviço jurídico do IAC, irá participar no 9th European Forum on the Rights of the Child, que se realiza em Bruxelas nos dias 3 e 4 de junho de 2015.

Link do site

10 Regras básicas para educar contra a insegurança

Junho 3, 2015 às 12:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

texto do site http://uptolisbonkids.com  de 26 de maio de 2015.

Quero ajudar os meus filhos a serem seguros, fortes e capazes. As dúvidas em excesso, o medo de errar e, porque não, a inveja, são como ervas daninhas. Talvez esteja a escrever este texto para mim, para relembrar-me do principal. Por vezes esquecemo-nos do mais importante, do mais simples. E você? Além de saber ponto por ponto estas regras, tem conseguido aplicá-las?

Talvez este texto também esteja a ser escrito para si:

  1. Distinga o que o seu filho fez de errado daquilo que ele é. Ele não é trapalhão, apenas entornou o copo de leite. Ele não é distraído, apenas se esqueceu de puxar o autoclismo. Ele não é preguiçoso, apenas ainda não tem o cérebro preparado para poder lembrar-se de todas as suas tarefas. Sei que, por vezes, as pessoas dizem que isto são “só palavras”. Que é “uma questão semântica”. Tenho a certeza da importância destas palavras. Pode pensar que é apenas um pormenor…também não custa tentar, certo? Assim, discipline-se e não confunda: Uma coisa é o que ele é, outra é o que ele fez.
  2. Ajude-o a ter uma boa imagem. A imagem corporal é importante. Cuidado com a obesidade infantil. Aprenda, por exemplo, a fazer a sua massa para pizza e encontre o equilíbrio entre a farinha “tradicional” e a farinha integral, à partida, bastante mais saudável.
  3. Quando quiser dar uma instrução, ou mesmo uma ordem, tente usar um nome carinhoso no meio da frase. Gosto desta imagem (que corre pela internet):

amar

Educar a confiança é usar um nome carinhoso, mesmo quando se quer dar uma ordem ou fazer um reparo.

  1. Ironizar não é o caminho correto na hora de educar. Nomeadamente com crianças mais pequenas, as possibilidades da ironia ser mal interpretada são grandes. Esse problema de comunicação pode minar o amor-próprio. Guarde o sarcasmo para comunicar (brincar) com os seus amigos.
  2. Não é preciso (nem saudável) que ele seja sempre o centro das atenções. Mas deixe-o brilhar. Se ele quiser contar uma história ou anedota numa reunião de família, dê-lhe algum espaço. Dê-lhe espaço para brilhar.
  3. Se ele lhe disser que está a namorar, mesmo que seja um namoro de brincadeira, até porque ele pode ter apenas 8 ou 9 anos, não dê demasiada importância. Mas também não despreze! As crianças conseguem ter sentimentos diferentes em relação a diferentes colegas. Se ele acha que há alguém especial, não vai fazer disso um bicho- de-sete-cabeças, mas também não vai impedi-lo de falar dos seus sentimentos. Quer dizer, ficamos tristes quando se fala de violência e desprezamos quando os miúdos falam de sentimentos especiais?!
  4. Tenha cuidado com os comentários que faz quando está a ver televisão. Se for demasiado impulsivo e falar mal de tudo à sua volta, o mais certo é a sua criança estar a ser educada num meio intolerante. Ser capaz de entender a beleza da diferença, o valor da diversidade, ajuda a compreender melhor o valor da própria individualidade. Fale com o seu filho sobre ele “ser único”. Esta capacidade de, sem exageros, nos apaixonarmos pelo facto de sermos ímpares, faz maravilhas pela auto-estima.
  5. Lembre-se: Só a intenção não chega! Se gosta dele, diga-lhe. Se gosta dele, abrace-o. Se gosta dele, chame-o para perto de si. Se gosta dele, vá para perto dele e brinquem. Se gosta dele, melhore. Se gosta dele, inventem um cumprimento só vosso. Se gosta dele, joguem ao sério. Se gosta dele, fale-lhe do dia em que descobriu que estava grávida.
  6. E se um extraterrestre começasse a falar consigo e lhe pedisse para descrever como são as crianças da terra? O que dizia? E se lhe pedisse para falar de si? Quais os seus pontos fortes e as suas qualidades? Esta pode ser uma forma de estimular o seu filho a olhar para dentro. Se soubermos quem somos, seremos mais seguros. Invente formas de ajudar o seu filho a conhecer-se melhor. Claro que é importante conhecer as fraquezas, mas primordial é conhecer as forças! Não queremos crianças arrogantes, mas também não queremos falsas modéstias.
  7. Descubra se lhe dá espaço, mas não o abandone. Quando ele pratica desporto, por exemplo, vai assistir porque, no fundo, gostava de estar no lugar dele? Ou ele participa para poder aprender a trabalhar em equipa e melhorar competências? Na atividade extra curricular, ele participa para ter oportunidades de sucesso ou deixa-o lá apenas para poder ir às compras ou ficar preso numa qualquer rede social?

Quero ajudar os meus filhos a serem seguros, capazes de pensar e agir sobre o mundo. A rede de relações em que eles estão inseridos, é, por isso, fundamental. A ação dos pais é muito importante, mas pode não ser suficiente. Tenho uma secreta esperança. Seria muito importante estas ideias chegarem também às Escolas, dado o seu enorme peso no desenvolvimento das crianças e jovens.

E, já agora, também seria importante que os nossos filhos pudessem estar rodeados de outros adultos, tais como amigos, tios ou avós, capazes de olhar para si mesmos, e encontrar as suas luzes de qualidade. Pode ser que esses adultos tenham a capacidade de (re) ler estas “regras”. Pode ser que consigam traduzi-las, de forma a conseguirem aplicar à sua própria formação, ao seu próprio desenvolvimento.

Aceita o desafio?

Por Alfredo Leite, Mundo Brilhante,  para Up To Lisbon Kids®

Todos os direitos reservados

 

 

Curso de Formação Mediação de Conflitos na Escola

Junho 3, 2015 às 8:56 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

itad2

Mais informações:

http://www.itad.pt/formacao/mediacao-de-conflitos-na-escola-lisboa-6-junho/

 

Formação Autismo, 8 de junho, LX Factory

Junho 3, 2015 às 6:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

lx

  • 8 de junho de 2015
  • 19:00-21:30
  • Cowork Lisboa, LX Factory, Lisboa
  • Cowork Lisboa, LX Factory, Rua Rodrigues Faria,103 Alcântara, Lisboa
  • €20,00

 

Apresentação

O termo “Perturbações do Espectro do Autismo” refere-se a uma condição clínica de alterações cognitivas, linguísticas e neurocomportamentais, pretendendo caracterizar o facto de que, mais do que um conjunto fixo de características, esta parece manifestar-se através de várias combinações possíveis de sintomas num contínuo de gravidade de maior ou menor intensidade. A formação irá incidir sobre a descrição do termo “Perturbações do Espectro do Autismo” a sua etiologia, as principais características e as principais estratégias de intervenção. O termo Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) refere-se ao conjunto de perturbações do comportamento e desenvolvimento neuronal, com etiologia bastante heterogénea e, em parte desconhecida, caracterizados por desvios em duas categorias comportamentais: na comunicação social; e nos comportamentos repetitivos e estereotipados.

OBJETIVO GERAL: Adquirir conhecimento sobre as Perturbações do Espectro do Autismo.

METODOLOGIA DE ENSINO A formação será teórico-prática, com recurso a suporte audiovisual e participação ativa do formando.

mais informações:

http://www.anaguimaraesmartins.com/formacoes/autismo/eventos/autismo-27-05-15#


Entries e comentários feeds.