O que faz aos adolescentes ver pornografia

Abril 16, 2015 às 7:41 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

Reportagem do Diário de Notícias de 11 de abril de 2015.

ng4128180

por FERNANDA CÂNCIO

“Só sexo”, “animalesca”, “útil”, “tabu”, “saudável”. As opiniões dos jovens variam, as dos adultos também. O que não varia é a realidade: a esmagadora maioria dos jovens – sobretudo rapazes – consome pornografia.

“Não procuro a pornografia na net só por si. Procuro no contexto de masturbação. Vou ver o que há e escolho o que é mais agradável.” David, 17 anos, morador na zona de Lisboa, lembra-se de ter tido o primeiro contacto com a pornografia online aos 14, com amigos que foram a sua casa e lhe mostraram, no seu computador, onde encontrar. “Talvez tivesse visto pela primeira vez a passar canais na TV, mais ou menos na mesma altura. Os meus amigos já conheciam, eu nunca tinha andado à procura. Não me lembro de ter tido um impacto muito grande. Achei curioso, um pouco estranho. E fiquei surpreendido de ser tão fácil.” Filho de uma doméstica de 49 anos e de um gestor de 48, nunca mencionou o assunto aos pais. Nem sequer fala sobre isso com o irmão mais novo, de 14. “Tenho a certeza de que sabe da existência, mas não sei se vê diariamente.” Ele, que certifica consumir “uma média de quatro vezes por semana, e geralmente à noite”, faz uma pausa. “A pornografia é um tabu, não é algo de que se fale. Pelo contrário: é algo que se tenta manter em privado.”

Roberto, 19 anos, foi mais precoce. “Tinha uns 12, 13 anos quando comecei a usar mais a net. Acho que me dei conta através de publicidade não solicitada no mail e pop-ups [janelas que se abrem em determinados sites com links para outras páginas]. Fiquei um bocado espantado.” Também Roberto, que habita “no litoral Oeste”, não comentou o assunto com os pais. “Achava um bocado estranho falar sobre isto com os meus familiares e mesmo com os amigos. Mas não me admiraria se os meus colegas também vissem.” Sobre a influência que a pornografia teve em si, é franco. “Como nunca tinha tido relações sexuais, fiquei com uma imagem do que é. E acho que, sabendo separar o fictício do real, não há motivo para ser prejudicial, até é saudável. Aliás, quando penso em sexo e masturbação não recorro sistematicamente à pornografia.”

Confessando que ainda não teve sexo com alguém – “Nunca encontrei a pessoa certa, quero que isso aconteça quando estiver apaixonado.” -, Roberto não tem receio de que o consumo de pornografia lhe tenha de alguma forma “viciado” as expectativas. “Compreendo que haja a possibilidade de haver pessoas influenciadas pelo jogo de papéis que há na pornografia, os homens dominadores, as mulheres submissas, a ideia do sexo sem contexto, dos corpos como objetos, mas isso é para quem não consegue separar a realidade da ficção. Eu sei que a realidade é diferente, que aquilo é feito com atores.” Ainda assim, admite que pode ter sido algo influenciado pela forma como, naquele universo, as coisas se passam, até em termos do tipo de atos sexuais encenados: “Em certas coisas, sim. Mas deve haver partes em que é como ali e outras que não.”

Parece para já não haver estudos sobre consumo de pornografia por adolescentes em Portugal. O mais próximo será “Eu e a pornografia: a exposição de jovens adultos à pornografia e a sua sexualidade”, de Andreia Matias e Nuno Nodin (2004). Com base em informação recolhida junto de portugueses entre os 20 e os 30 anos, permitiu concluir que 40% deles tiveram o primeiro contacto – em TV e vídeos – entre os 8 e os 10 anos, 40% entre os 11 e os 13 e 20% entre os 14 e os 16. Na era da internet, porém, o acesso só pode ser ainda mais precoce e generalizado. E até sem querer.

Que o diga Ondina Freixo, 50 anos, professora de Biologia/Geologia do Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira (Viseu). “Os miúdos têm acesso desde muito cedo, e em simples pesquisas, o mais inocentes possível, na net. Por exemplo, procuram “cenoura” e aparece-lhes uma imagem de uma mulher com a dita metida na vagina. Já vi suceder.” Mas apressa-se a certificar que não na escola: “Esse tipo de conteúdos, e até o Facebook, estão bloqueados na nossa escola, e acho muito bem. Mas uma vez quis mostrar um vídeo num contexto de educação sexual e não conseguia por causa desse bloqueio.” Ri-se. “Mas sabemos que eles acedem em casa ou noutros locais. Aliás, isto não é novo. Antes apanhávamos aos miúdos revistas porno, agora já não, para que hão de gastar dinheiro? É tudo grátis na net. E, claro, aos 13 ou 14 anos sabem coisas que, caramba, nós não imaginávamos na idade deles. Não podemos pôr a cabeça na areia. A nossa sexualidade foi diferente da dos nossos pais e a deles (miúdos) é completamente diferente da nossa. E já não existe aquela dicotomia cidade/interior. É a aldeia global.”

Esta professora, que trabalha numa escola onde há muito a educação sexual faz parte dos currículos e se criou, em conformidade com a legislação existente desde 1999, um gabinete de atendimento para os jovens na área da sexualidade, manifesta preocupação com alguns possíveis efeitos do acesso indiscriminado à pornografia, malgrado o reconhecimento de que a realidade é inelutável. Um é o de “não se usar nunca preservativo nesse tipo de situação” – “Os filmes porno são muito deseducativos”, comenta. Outro é o já referido “conhecimento” precoce de uma série de realidades ou práticas. Exemplifica: “No Dia Mundial da Sida cheguei à aula de Ciências do 8.º ano e disse: “Não vou falar de sida, vou responder às perguntas que vocês tenham. E uma miúda disse que queria fazer uma pergunta. E fez: “Uma rapariga quando faz um broche a um rapaz” – e ela usou mesmo esta palavra, se calhar nem conhece a expressão sexo oral – “e engole o esperma pode apanhar o vírus da sida?” Ficou tudo calado, nem um risinho, acho que estavam à espera de ver a minha reação. Confesso que sou atrevida e geralmente não me embaraço facilmente, mas fiquei a pensar como ia responder àquilo.” Respondeu corretamente, como depois confirmou junto de um médico. Mas registou que a rapariga em causa teria já experiência sexual, e nomeadamente a de sexo oral. “Com a idade dela, sabíamos lá o que isso era”, comenta.

E que acharia Ondina Freixo de, como defendeu recentemente um dos mais proeminentes sexólogos dinamarqueses, Christian Graugaard, as aulas de Educação Sexual incluírem visionamento de pornografia, para ajudar os estudantes a serem “consumidores conscientes e críticos, capazes de discernir a diferença entre aquilo que se vê nesse tipo de conteúdo e a realidade das relações que incluem sexo? “A minha proposta é discutir criticamente a pornografia com alunos dos 8.º e 9.º anos [a partir dos 15 anos, a idade legal do consentimento na Dinamarca – em Portugal é 14] como parte de uma estratégia didática sensata desenvolvida por professores treinados”, explicou este professor da Universidade de Aalborg ao jornal britânico The Guardian. “Sabemos pelos estudos feitos que a esmagadora maioria dos adolescentes [há inquéritos escandinavos que indicam que aos 16 anos 99% dos rapazes e 86% das raparigas já viram filmes porno] começou a ver pornografia muito cedo, portanto não se trata de lhes mostrar isso pela primeira vez. Devemos fortalecer a capacidade deles de distinguir entre a representação do corpo e do sexo na pornografia e nos media e a vida normal de um adolescente.” Ondina reflete: “Tudo o que tenha a ver com esclarecimento, contribuir para uma educação sexual melhor e uma vida mais saudável, sou a favor. Por esse motivo, faz-me sentido falar disso. Mas nunca mostrar imagens. Isso não. Tenho muito à-vontade com as minhas filhas, mas era incapaz de ver um filme desses com elas.”

Ana, uma lisboeta de 17 anos, tende a concordar. “No 9.º ano, que é aquela idade mais da adolescência, os rapazes falavam imenso disso, de pornografia. Riam, falavam das posições… Lembro-me de no 7.º ano ter começado a ouvi-los comentar e ficar espantada, não sabia nada.” Porquê essa diferença entre os rapazes e as raparigas? “Somos meninas, não é? Não temos tanta curiosidade, acho. E é aquela coisa do segredo, do mistério… E da vergonha, também. Quando os nossos amigos nos falavam daquilo percebiam com certeza que não percebíamos nada, que éramos completamente burras.”

Apesar de alertadas, ela e as amigas, garante, nunca foram ver. “Faço uma ideia do que é pornografia. Devo ter apanhado do ar, ou talvez ao passar canais na TV. Mas ver ver nunca vi, porque realmente estar a olhar para um ecrã onde estão duas pessoas a fazer algo que não me diz nada não é produtivo. Acho aquilo muito animalesco, não me parece muito positivo, é só sexo sem mais nada por trás. Banaliza imenso, acho.” Algo que, pensa, pode estar relacionado com haver rapazes “que têm namorada e andam com 30 outras raparigas. O que é o sexo para eles? É só aquilo?”

Dependência pouco frequente

A psicóloga Margarida Gaspar de Matos, professora na Universidade de Lisboa e coordenadora nacional dos estudos sobre comportamentos de saúde em jovens em idade escolar, no âmbito da Organização Mundial da Saúde, sorri. “Há quem defenda que o cérebro emocional só está desenvolvido aos 25 anos, que o melhor é proibir tudo. Mas eu acho que a sexualidade está muito mais natural agora do que no tempo dos nossos avós. Pôr os males todos na época contemporânea é uma coisa estranha.”

A recordação sobre a forma como tradicionalmente, até há poucas décadas, os rapazes eram “iniciados” no sexo, sendo levados a frequentar prostitutas, e as raparigas mantidas (idealmente) virgens “até ao casamento”, em rígida atribuição de papéis sexuais que conformavam as relações e as expectativas de forma muito mais artificial que a de hoje, permite colocar em perspetiva a atual polémica sobre o acesso precoce a imagens sexuais. “O frisson para ver uma fulana mais despida ou um tipo mais despido é natural, e não vale a pena fazer uma grande história com isso. Mas para quem nunca teve relações sexuais, a pornografia pode fixar uma bitola que não é real. As pessoas nas primeiras vezes estão sempre inseguras e pior ainda quando têm um modelo que não corresponde à realidade. Pode pensar-se que aquilo é que é sexo, que aquilo é que são pénis, que aquilo é que são corpos. E há a possibilidade de perda do que é “bonito” na descoberta e das fases do namoro e do envolvimento amoroso e do seu tempo e ritmo. O mais perigoso, porém, pode ser a formatação de modelos, o associar do sexo à violência e à desvalorização das mulheres.” E, claro, a possibilidade de desenvolvimento de comportamentos aditivos. Há casos reportados na literatura científica, mas, certifica o presidente do Colégio de Psiquiatria da Ordem dos Médicos e um dos pioneiros da sexologia em Portugal, Luís Gamito, não é frequente surgirem na clínica, em Portugal, adolescentes com dependência da pornografia. “Só aparecem se houver uma situação crítica, se houver falência das outras dimensões da vida porque o jovem só consegue pensar naquilo, não tem tempo para as outras matérias. A dependência é isso, ter a mente inundada por pensamentos relacionados com a pornografia. Um dos sinais é fechar-se no quarto horas e horas, a família ter dificuldade em falar com ele.” Casos raros, segundo a literatura científica, e que Gamito associa a personalidades com tendência para dependências patológicas e perturbação obsessivo-compulsiva.

A pornografia, então, como o jogo, o álcool e outras substâncias passíveis de causar dependência, capaz de viciar quem seja de vícios: nem mais nem menos. David resume: “Sei que aquelas imagens influenciam a minha ideia do sexo, mas acho que o sexo vai muito para além daquilo. Consumo com uma disposição mental de prazer, não como se fosse aquilo a realidade.”

 

 

 

 

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: