Mais de 60 milhões de crianças em risco nesta “nova geração” de crises – Apelo da Unicef para Acção Humanitária para as Crianças 2015

Fevereiro 16, 2015 às 8:00 pm | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

© UNICEFNYHQ2014 0974El Baba

Texto da Unicef

Mais de 60 milhões de crianças em risco nesta “nova geração” de crises O apelo Acção Humanitária para as Crianças 2015 no montante de 3.1 mil milhões de dólares é o maior de sempre para podermos chegar a 62 milhões de crianças em risco nas crises humanitárias no mundo – um aumento de mil milhões de dólares relativamente às necessidades de financiamento desde o apelo do ano anterior.

Cada vez mais crianças vêem-se confrontadas com conflitos cada vez mais complexos e destrutivos, catástrofes naturais e outras emergências, como a epidemia de Ébola, que estão a colocá-las em grande perigo de violência, fome, doença e abusos – e para lhes fazer face são necessários cada vez mais recursos. Mais de uma em cada dez crianças no mundo – ou seja 230 milhões – vivem actualmente em países e zonas afectadas por conflitos armados.

“Desde catástrofes naturais mortíferas até conflitos brutais e epidemias galopantes, as crianças do mundo enfrentam uma nova geração de crises humanitárias,” afirmou Afshan Khan, Directora dos Programas de Emergência da UNICEF. “Quer cheguem às manchetes quer aconteçam longe dos olhares, as emergências provocadas por fracturas sociais, alterações climáticas e doenças estão a afectar profundamente as crianças de maneiras nunca antes vistas.”

O apelo Humanitarian Action for Children 2015 (Acção Humanitária para as Crianças 2015) visa abranger um total de 98 milhões de pessoas, cerca de dois terços das quais são crianças, em 71 países.

A maior fatia do apelo destina-se à Síria e sub-região. A UNICEF está a pedir 903 milhões de dólares para a resposta regional a fim de proteger as crianças em risco e prestar assistência vital, nomeadamente através da imunização, água potável e saneamentoe educação.

Este apelo da UNICEF inclui uma parcela de 500 milhões de dólares para acelerar o seu trabalho nas comunidades afectadas pelo Ébola na África Ocidental. Esse dinheiro será usado para incrementar esforços no sentido de isolar rapidamente e tratar cada caso, prevenir novos surtos, e continuar a promover comportamentos seguros para evitar a propagação da doença. O objectivo para 2015 é chegar a zero casos e dar apoio à revitalização de serviços sociais básicos.

Para a Nigéria, onde no ano passado se verificou uma escalada de ataques por parte de grupos armados que forçaram mais de um milhão de pessoas a abandonar as suas casas no Nordeste do país, a UNICEF está a pedir 26.5 milhões.

Após um ano de conflito, o montante do apelo da UNICEF para a Ucrânia é de 32.45 milhões de dólares, dado que o país enfrenta uma crise humanitária com 5.2 milhões de pessoas a viver em zonas de conflito, mais de 600.000 deslocados internos e cerca de 1.7 milhões as crianças afectadas.

O apelo inclui também crises acentuadamente subfinanciadas e esquecidas nas quais as crianças têm enormes carências – incluindo o Afeganistão (35 por cento de financiamento em 2014), o Estado da Palestina (23 por cento em 2014) e o Níger (35 por cento em 2014).

Para além da resposta humanitária imediata, os fundos angariados vão ajudar o trabalho da UNICEF e organizações parceiras que visa preparar os países para catástrofes futuras através do reforço dos sistemas nacionais de resposta e da capacitação das comunidades para que se ajudem a si próprias.

“Este apelo vai permitir chegar às crianças mais vulneráveis, onde quer que estejam,” afirmou Afshan Khan. “O lugar onde uma criança nasce não devia determinar o seu destino. Precisamos de levar serviços e cuidados vitais a crianças que têm carências urgentes agora, a fim de lhes proporcionarmos as bases essenciais que lhes permitirão criar um futuro pacífico. Não se trata apenas de acção humanitária imediata pois estes investimentos de curto prazo traduzir-se-ão por ganhos a longo prazo.”

Em 2014, a UNICEF prestou apoio humanitário a milhões de crianças, incluindo: – Vacinação de 16 milhões de crianças contra o sarampo; – Tratamento de 1.8 milhões de crianças com má nutrição aguda severa; – Apoio psicológico a perto de 2 milhões de crianças; – O acesso a água potável a 13 milhões de pessoas.

Dois milhões de crianças passaram a ter acesso a uma melhor educação – uma componente crucial da resposta de emergência da UNICEF que ajuda as crianças a recuperar rotinas e a ter esperança no futuro.

O apelo integral Acção Humanitária para as Crianças 2015 e dados por país estão disponíveis em: www.unicef.org.appeals

mais recursos (Documentos e vídeos) e donativos no link:

http://www.unicef.pt/accao-humanitaria-criancas2015/

 

 

Seminário ” Internet com segurança para os nossos filhos”

Fevereiro 16, 2015 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

seminario

Seminário ” Internet com segurança para os nossos filhos”
Orador: cabo Jorge Fonseca – GNR Alenquer Escola Segura
Data: 20 fevereiro | Hora. 21h15
Local: Escola Básica Integrada do Carregado
Mais informação:
Apeeaec – Associação de Pais do Agrupamento de Escolas do Carregado
Email: (contato preferencial)  geral@apeeaec.pt

Telefone: 961 414 504

 

Duas Exposições PAPEL DE NATAL, de José Manuel Ribeiro e ENTRE A REALIDADE E A FANTASIA, de Špela Čadež

Fevereiro 16, 2015 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , , ,

duas

mais informações:

http://museudamarioneta.pt/gca/?id=79&pais&prod=4953

Museu da Marioneta

Convento das Bernardas

Rua da Esperança, n° 146 1200-660 Lisboa Tel +351 213 942 810 Fax +351 213 942 819

Geral museudamarioneta@egeac.pt

Web www.museudamarioneta.pt

facebook: www.facebook.com/museudamarioneta

Palestra sobre Risoterapia

Fevereiro 16, 2015 às 3:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , ,

riso

mais informações:

http://www.g-c.pt/evento.php?id=93

2º Fórum da Cidadania

Fevereiro 16, 2015 às 12:01 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

cidadania

mais informações aqui

Inscrições em http://goo.gl/87cdPS até 22 de Fevereiro.

O número de participantes em cada grupo de trabalho é limitado.

Conferência “Asperger, Desmistificando Barreiras”

Fevereiro 16, 2015 às 8:00 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

10985501_10153073885882673_8857334774938698460_n

Informações e Contactos:
Instituto do Desenvolvimento
Praça Capitão Torres Meireles, n.º 46
4580-873 Paredes

Tlf.: + 351 255 401 557
        + 351 967 688 612
e-mail:
geral@institutododesenvolvimento.pt

 

 

Does Bullying Impact Your Child’s Developing Brain?

Fevereiro 16, 2015 às 6:00 am | Publicado em Estudos sobre a Criança | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , ,

texto do site http://resources.uknowkids.com/blog/  de 16 de janeiro de 2015.

uknowkids 2

To many, bullying is still considered a “soft” form of abuse because there are no visible injuries. After all, only our feelings are hurt.

It has been well-documented that victims of bullying can experience serious emotional and psychological difficulties. That is now a known fact. New neurobiological research is discovering that bullying physically alters the developing brains of kids. The following are five studies detailing how the brain processes become derailed when an individual is subjected to continual bullying.

1. Rockefeller University – Mice Study

A mice study, conducted at Rockefeller University, examined the brains of mice that had been subjected to bullying (Don’t ask me how they did that. I have no idea how… but it is interesting nevertheless).

The researchers discovered that genes became more active, allowing greater amounts of the hormone, vasopressin, to be released into the brain area.  The changes in the neuroendocrine systems affect adaptive social behaviors. Bullied mice would not socialize with nonthreatening mice, would freeze in place, and frequently displayed fearful and anxious behavior.  In humans, alterations in the components of the neuroendocrine systems are linked to depression, social phobias, and other disorders.  The findings of this study seem to indicate that bullying could produce enduring social trauma at the molecular level.

2. Teicher Study

Neuroscientist, Martin Teicher, conducted a study of 63 young adults who were victims of verbal bullying. Teicher found deviations in the corpus callosum, a broad band of nerve fibers which connect the left and right hemispheres of the brain, allowing communication between the two halves of the cerebellum.

With the subject participants, neurons in the corpus callosum were found to have smaller amounts of the myelin sheathing that helps enhance brain cell communication. These abnormalities may hamper an individual’s ability to process events occurring around them and respond accordingly. Victims of bullying frequently have problems with memory, concentration, and attention. Corpus callosum abnormalities may contribute to these cognitive difficulties.

3.Vaillancourt’s Long-term Study

Tracy Vaillancourt, a psychologist at the University of Ottawa, has been following teenagers, including those that have been regularly humiliated and ostracized by their peers, to investigate whether there were structural differences when compared with others.

Every six months, the teens’ cognitive functioning is evaluated and their brains are scanned using magnetic resonance imaging (MRI) to assess damage to the brain, specifically the hippocampus, which is involved in memory formation. Vaillancourt’s findings suggest that bullying does impair normal brain development.  Her results include…

  • Cortisol Level Abnormalities: In 2008, Vaillancourt’s discovered higher levels of cortisol, the stress hormone, in boys who had been bullied, and significantly lower levels of cortisol, in bullied girls. When an individual is experiencing “fight or flight” responses, blood glucose is deterred from the hippocampus to the muscles. The hippocampus is especially sensitive to chronic stress, and when there is an excess amount of this cortisol in the brain, the abilities to create new memories and access existing ones are compromised. It has not been determined why bullied girls have abnormally low levels of cortisol, but it has been speculated, that the body has learned to make less cortisol, because of the chronic stress, experienced by the girls.
  • Anomalies in the Corpus Callosum: Vaillancourt discovered abnormalities in the nerve fiber bands which indicates that communication between the two hemispheres may be impaired. Scientists have shown that bullied individuals often have cognitive deficits, and score lower on verbal memory tests, and have less ability to focus on and complete tasks successfully. The irregularities in the corpus callosum could account for this cognitive impairment.

4. Peterson Study

A neuroscientist at the Chicago Medical School, Daniel Peterson, documented that just one session of bullying altered a bullied rat’s brain.  When examining the brain, Peterson and his colleagues, verified that while new brain cells were still being produced at a normal rate in the hippocampus, a large percentage of the new cells were dying off before fully maturing.  Peterson speculates that with just a single episode of bullying, brain cell survival will return to its natural state.  Should bullying persist for lengthy periods, producing continual stress, brain cell survival would continue to diminish.

5. Radua Study

Radua compared the brains of children and adults who had histories of maltreatment with those who did not. Using a neuroimaging technique, Radua discovered that those participants, who had been exposed to maltreatment, had significantly lower volumes of gray matter in numerous brain areas.

Gray matter is composed of neuronal cells and unmyelinated axons and functions mainly in the processing of information. Radua concluded that stressors in childhood can cause enduring physiological and neurobiological changes to brain structure.

Parents know that bullying causes serious emotional damage to the victimized child, but not much has been known about the brain structure of victimized children. Evidence is continuing to mount that indicates the harm is far from just skin deep. Bullying, physically alters developing brains, and needs to be taken seriously by parents, teachers, and schools.

What can you do to help protect your kids again cyberbullying? Check out uKnowKids! 

uKnowKids is an amazing tool for parents that are working hard to keep their kids from falling victim to cyberbullying. uKnowKids is also a terrific tool for parents hoping to keep their kids from being a bully. You can learn more at uKnowKids.com.

Posted by Tim Woda

 

 


Entries e comentários feeds.