É então isto para crianças? Criações para a infância e a juventude – Colóquio na Fundação Calouste Gulbenkian

Janeiro 28, 2015 às 8:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

 

fcg

9 e 10 fev 2015  |  9:30 Auditório 2 Fundação Calouste Gulbenkian

O que é afinal uma criação para a infância? Cria-se para ou será que o que é criado encontra naturalmente, na sua fase final e última, aquele a quem se destina? Deste ponto parte o Colóquio que propõe aos intervenientes e ao público, uma reflexão sobre as motivações de um criador num momento em que as crianças ocupam, no espaço público, um papel central: quase todos os museus e teatros têm serviços educativos, os festivais de cinema e música apresentam secções destinadas aos mais novos, multiplicam-se as editoras que apostam em livros infanto-juvenis, assim como os escritores e ilustradores… O que se pretende transmitir às crianças com tantas actividades e com tantas possibilidades?

programa e contactos aqui

Participação de Dulce Rocha no Programa “Agora Nós” RTP1 dia 29 de janeiro

Janeiro 28, 2015 às 4:57 pm | Publicado em O IAC na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

A Drª Dulce Rocha, Vice-Presidente do Instituto de Apoio à Criança, irá participar no Programa “Agora Nós” RTP1 dia 29 de janeiro a partir das 11.00 horas, o tema é sobre”Crianças institucionalizadas”.

10377452_576276079170928_4200961108640470073_n

 

Mais de 120 milhões de crianças e adolescentes não frequentam a escola – UNICEF

Janeiro 28, 2015 às 2:00 pm | Publicado em Estudos sobre a Criança, Relatório | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

Notícia da TSF de 28 de janeiro de 2015.

O relatório citado na notícia pode ser acedido no link:

http://www.unicef.pt/todasascriancas/

fixing

A nível mundial, 121 milhões de crianças e adolescentes não frequentam a escola, conclui o relatório “Fixing the Broken Promise of Education for All” (“Corrigindo a Promessa Quebrada da Educação para Todos”), recém-lançado pela UNICEF.

O estudo surge no âmbito da Iniciativa Global sobre Crianças Fora da Escola, um projeto lançado em 2010 pela UNICEF e pelo Instituto de Estatística da UNESCO (UIS) para auxiliar os participantes no desenvolvimento de estratégias baseadas em dados empíricos para reduzir o número de crianças e adolescentes fora da escola.

De acordo com o documento, apesar dos progressos registados na inscrição de crianças no ensino básico, a nível mundial há 58 milhões de crianças entre os 6 e os 11 anos que não frequentam a escola e, se a tendência atual continuar, duas em cada cinco — 15 milhões de raparigas e 10 milhões de rapazes — dificilmente entrarão, algum dia, numa sala de aula.

Destas crianças, 23% já frequentou a escola mas abandonou-a, 34% poderá vir a entrar na escola futuramente e 43% provavelmente nunca terá essa experiência.

Por seu turno, no ciclo de ensino seguinte, entre os 12 e os 14 anos, há 63 milhões de adolescentes fora da escola — mais 5 milhões do que no ensino básico, apesar de as crianças em idade para frequentar o ensino básico (650 milhões) serem quase duas vezes mais do que as que estão em idade de frequentar o ciclo de ensino seguinte (374 milhões).

Além disso, e embora o acesso à educação tenha aumentado consideravelmente no início do milénio, esse progresso estagnou em 2007, com a não frequência da escola a rondar os 9% no ensino básico (6-11 anos) e os 18% no ciclo de ensino seguinte (12-14 anos).

De acordo com o relatório, as regiões com maior percentagem de crianças e adolescentes fora da escola são a África Ocidental e Central (27% de crianças e 40% de adolescentes, respetivamente), a África Oriental e do Sul (15% e 27%) e o Sul da Ásia (6% e 26%).

As razões para a ausência da escola são variadas, complexas e estão muitas vezes interligadas, com o documento a identificar cinco grandes obstáculos à educação para todos: situações de conflito, discriminação de género, trabalho infantil, dificuldades linguísticas e deficiência, sendo que qualquer deles se torna mais difícil de superar quando associado à pobreza.

Um exemplo característico é o da criança que tem de trabalhar para ganhar dinheiro para a casa, contrariando a esperança da própria família de lhe proporcionar educação, pois esta, geralmente, custa dinheiro que a família não possui.

No relatório é destacado que remover os custos diretos e indiretos associados à educação é a forma mais eficaz de combater o trabalho infantil e que atrair crianças nessa situação para a sala de aula e mantê-las lá exige ambientes de aprendizagem melhorados e sistemas educativos mais flexíveis e reativos.

Outro aspeto sublinhado é o facto de as crianças de países afetados por conflitos representarem 20% do total de crianças em idade escolar e, simultaneamente, 50% do total mundial de crianças fora da escola.

Como sublinha o relatório, o otimismo do «construamos escolas que os alunos virão» não dará educação aos 121 milhões de crianças e adolescentes que estão fora da escola em todo o mundo, sendo imprescindível que os responsáveis políticos invistam mais recursos para acabar com as barreiras específicas que as impedem de ir e à escola e de lá permanecer até à conclusão dos estudos.

Nesse sentido, a maioria dos países precisa de um quadro de políticas públicas que combine três prioridades – investimento para fortalecer e alargar o sistema educativo, foco claro na inclusão e na qualidade da educação, e intervenções específicas para as crianças mais difíceis de alcançar, conclui a UNICEF.

Lusa

 

 

 

Dia da Internet mais Segura 2015

Janeiro 28, 2015 às 12:00 pm | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

440

O Dia da Internet mais Segura (Safer Internet Day) 2015 está a aproximar-se. O consórcio do Centro Internet Segura convida-o a participar neste evento, registando as suas ações de promoção à adopção de comportamentos mais seguros online. A participação e registo destas atividades são totalmente gratuitas.

mais informações aqui

http://www.saferinternetday.org/web/guest/home

Atelier Pinturas para Bebés e Crianças com tintas de legumes caseiras e comestíveis (+ 6 meses)

Janeiro 28, 2015 às 10:55 am | Publicado em Divulgação | Deixe um comentário
Etiquetas: , , ,

tintas

mais informações:

https://www.facebook.com/events/814873128583760/?ref_newsfeed_story_type=regular

DIA 31 JANEIRO 2015 ÀS 10H30

LOCAL: Grow Up – Centro de Desenvolvimento Humano e Educação, Rua Maria Lalande, nº19, Benfica, LISBOA

 

Quase 40 mil crianças e jovens perderam abono de família num ano

Janeiro 28, 2015 às 10:00 am | Publicado em A criança na comunicação social | Deixe um comentário
Etiquetas: ,

Notícia do i de 23 de janeiro de 2015.

Eduardo Martins

Eduardo Martins

 

Por Jornal i

O montante do abono família varia de acordo com a idade da criança ou jovem e com o nível de rendimentos de referência do respectivo agregado familiar

Quase 40 mil crianças e jovens perderam o direito ao abono de família entre Dezembro de 2013 e o mês homólogo de 2014, em que havia 1.146.344 beneficiários, revelam dados do Instituto da Segurança Social (ISS) hoje divulgados.

Os dados da Segurança Social, actualizados hoje e publicados no site do ISS, referem que em Dezembro de 2013 existiam 1.186.269 beneficiários deste apoio, mais 39.925 face ao período homólogo de 2014, o que representou uma quebra de 3,4% num ano.

Comparando com Novembro, mês em que 1.150.489 crianças e jovens receberam este apoio, houve 4.145 beneficiários que deixaram de o receber, uma quebra de 0,36%.

Lisboa é a região do país com o maior número de abonos de família atribuídos (227.508), seguida do Porto (221.465) e Braga (105.399).

O montante do abono família varia de acordo com a idade da criança ou jovem e com o nível de rendimentos de referência do respectivo agregado familiar.

O valor apurado insere-se em escalões de rendimentos estabelecidos com base no Indexante dos Apoios Sociais (IAS).

Lusa

 

 

Freedom of expression tolkit : a guide for students

Janeiro 28, 2015 às 6:00 am | Publicado em Recursos educativos | Deixe um comentário
Etiquetas: , , , , ,

tolkit

descarregar o tolkit aqui

La Caja de Herramientas para la Libertad de Expresión es una contribución de la UNESCO hacia la libertad de expresión y fue escrita pensando en los estudiantes de los últimos años de educación secundaria. Esta Caja cubre los principales conceptos y temas y está redactada en forma amena y fácil de entender.

La Caja de Herramientas para la Libertad de Expresión se basa en la premisa de que la libertad de expresión, así como la libertad de prensa y la libertad de información, son elementos imprescindibles para el logro de todos los derechos humanos. A través de esta Caja de Herramientas se hará énfasis en los cuatro elementos del Artículo 19 de la Declaración de Derechos Humanos, es decir, el derecho a la libertad de opinión, el de investigar, el derecho a recibir información y el de difundirla a otros.

No hay una forma en particular de utilizar la Caja de Herramientas. Podría utilizarse como una referencia o un punto de partida sobre los conceptos y los temas relativos a la libertad de expresión, o podría utilizarse como una fuente de ideas para actividades y proyectos para promover la libertad de expresión. La Caja de Herramientas también contiene extensas listas de otros recursos relacionados a la libertad de expresión, que incluyen sitios web, directorios, etc.

Los profesores, estudiantes u otros usuarios podrán elegir seguir la estructura de la Caja de Herramientas: empezar con un panorama del concepto, luego identificar las condiciones donde la libertad de expresión prosperaría o fallaría, en seguida continuar con los dos capítulos que explican el papel del periodismo y del Internet en la libertad de expresión y terminar con la sección que enfatiza las actividades prácticas que podrían realizarse. La última caja de herramientas consta de una sección dedicada a estudios de casos. Alternativamente, podrían elegir utilizar un enfoque diferente, según lo que se quiera lograr. Cada sección o capítulo puede utilizarse individualmente o como parte de una serie.

 

 


Entries e comentários feeds.